A Transição Ecológica será cada vez mais rejeitada social e politicamente

A transição energética pautada por Davos está fracassando. As narrativas não são mais aceitas e há cada vez mais questionamentos científicos sobre vários de seus aspectos.

A União Europeia transformou sua política ecológica em uma máquina infernal que a está mergulhando em um malthusianismo ruinoso. Uma forma de medir o resultado é observar a evolução de seu PIB, que é a criação de riqueza da economia europeia.

Atualmente, o PIB da UE representa apenas 65% do PIB dos EUA, em comparação com 91% há dez anos. Se continuarmos nesse ritmo, a transição ecológica será economicamente insustentável. As consequências para a dívida, o emprego e a inflação serão muito negativas.

Durante muito tempo, vendeu-se à opinião pública a ilusão de uma transição ecológica maravilhosa que criaria empregos e riqueza para todos. Um dos problemas é que os franceses não estão preparados para sacrificar um pouco de seu bem-estar atual para melhorar o destino das gerações futuras, especialmente se elas não forem francesas…

Obscurantismo ecologista-bobo-bio: incorpora o campo do “bem” com suas palavras virtuosas: ecologia, meio ambiente, turbina eólica, dedo-duro, saúde e seus qualificadores igualmente positivos: verde, natural, sustentável, circular, biodinâmico, orgânico, fotovoltaico, reciclável, econômico, local, associativo, descentralizado. Por outro lado, há o campo do mal: petróleo, carvão, pesticidas, OGMs, nuclear, poluição, crescimento, céticos do clima e seus qualificadores negativos: poluente, perigoso, intensivo, capitalista, industrial, carcinogênico. É claro que, para o campo do bem, apenas o campo do mal é corrupto…

Em nome do aquecimento global, justifica-se a tributação cada vez maior, as regulamentações cada vez mais restritivas e a crescente influência da esfera pública. Eles usam o princípio da precaução para fazer com que as pessoas se envolvam e se comprometam com gastos muitas vezes inúteis. Estamos testemunhando o ressurgimento do pensamento totalitário, cujos resultados só serão conhecidos pelas gerações futuras…

A postura catastrofista dos ecologistas ideológicos tem três desvantagens: 1) ela implica que o jogo já está perdido. 2) a urgência que se segue significa que não temos mais tempo para analisar todas as restrições 3) o decrescimento é a única perspectiva oferecida.

O triplo fracasso dessa nova ideologia. O fracasso científico, quando o dogma político tem precedência sobre os resultados experimentais; o fracasso moral, quando a censura substitui o debate acadêmico; e o fracasso econômico, quando a Europa impõe sozinha o custo impressionante das energias renováveis.

Os céticos do clima são excluídos do debate público…

Um projeto de lei para banir o ceticismo climático da mídia está sendo considerado. O objetivo é banir do debate público qualquer questionamento sobre as mudanças climáticas. Tudo isso seria feito em nome de um “consenso científico”. Lembre-se de que, em regimes com uma verdade ideocrática oficial, os líderes que adotam essa postura geralmente acabam como guardas de campo…

Steven Koonin é professor de física teórica na Cal’Tech e ex-conselheiro científico de Obama. Ele analisa regularmente as afirmações peremptórias que estão sendo feitas sobre o clima e o planeta. Os políticos e a mídia estão no controle total da narrativa. É por isso que ele recomenda que paremos de espalhar o pânico climático. Ele acredita que os modelos usados para prever o futuro climático são profundamente falhos. Eles nem mesmo são capazes de descrever com precisão o clima do passado!

A aliança ecologista-esquerdista não funciona mais… Na Holanda, o PPV de Geert Wilders derrotou amplamente a aliança entre a esquerda, os ecologistas e a centro-direita. A revolta do povo holandês deve ser um alerta que precisa ser ouvido. Estamos testemunhando um aumento na oposição a uma estratégia que consiste na explosão dos preços dos alimentos e da energia, na criação de um déficit habitacional e na redução autoritária da mobilidade. Ao mesmo tempo, estamos testemunhando o desenvolvimento de uma burocracia que controla a vida das pequenas empresas e dos cidadãos…

Os ecologistas praticam apenas a ecologia punitiva…

A ecologia política é uma das armas da cultura do cancelamento. Em nome do clima, ela está desconstruindo nossa história e nossas paisagens. Ela defende um humanismo que é a antítese do terrorismo verde. As demonstrações de força dos ativistas climáticos revelam a verdadeira face da ecologia política, bem como a resignação quase irremediável de toda uma sociedade.

Aqui está uma seleção de opiniões expressas pelos ecologistas mais influentes:

Marc Jancovici defendeu um sistema de racionamento de passagens aéreas. Quatro voos para descobrir o mundo quando se é jovem, com os idosos pegando o trem para Corrèze! É uma ecologia de prisão, mais voltada para a escravidão e a ruína do que para o combate às mudanças climáticas.

Sandrine Rousseau é uma mistura de cinismo e estupidez. A política ecologista está propondo um plano aterrorizante para a sociedade com uma ideologia que quer cortar cabeças e amordaçar a liberdade de expressão. Sua principal medida seria a proibição imediata do aluguel de apartamentos com aquecimento.

Greta Thunberg acredita que chegou a hora de um apocalipse ecológico. A prostração é nosso único caminho para a salvação. Esse totalismo brando, tingido de anticapitalismo linha-dura, tornou-se um sistema de pensamento político e moral. De produtos orgânicos a carros elétricos, de energia nuclear a transgênicos, ela desmonta metodicamente os clichês ambientalistas mais divisivos e extremos. Ela se tornou testemunha de uma época em que pensar livremente fora de uma religião alimentada pela fantasia e pelo medo se tornou um ato de coragem, e as vozes científicas discordantes são inimigas a serem destruídas.

Cara New Daggett acredita que a relação entre a “masculinidade dominante” e a “petrocultura”, da qual derivam, estrutura uma hierarquia de gênero, raça e classe… Os combustíveis fósseis intensificaram a violência, diz ela!

A energia nuclear francesa foi desmantelada

Na França, o governo tem desistido gradualmente da energia nuclear. Com a globalização, os líderes pensaram que a geopolítica não era mais um problema. O Estado como acionista se comportou como um predador antes de multiplicar as injunções contraditórias. O Estado regulador se refugiou no princípio da precaução introduzido na Constituição por Jacques Chirac para se eximir de suas responsabilidades. O resultado é uma empresa falida com dívidas de 60 bilhões de euros e déficits em um momento em que deveria estar obtendo superlucros. A Europa indexou o preço da eletricidade ao preço do gás russo, o cúmulo da estupidez.

Os Estados Unidos estão em busca do Santo Graal da energia. Duas empresas estão tentando desvendar os mistérios da fusão nuclear. A CFS levantou US$ 2 bilhões para conseguir a fusão nuclear. Uma instalação americana conseguiu produzir mais calor do que o injetado pela radiação…

O ARENH (Acesso Regulamentado à Eletricidade Nuclear Histórica) obriga a EDF a vender 25% de sua produção (100 TWh) a um preço de €42/MWh. Os cerca de cem “fornecedores alternativos” que se estabeleceram nesse mercado de fachada são, na verdade, nada mais do que comerciantes que produzem faturas. Esse mecanismo já demonstrou amplamente seu fracasso. Precisamos de eletricidade a um preço compatível com o custo de produção. É isso que Henri Proglio, Arnaud Montebourg e Loïk Le Floch Prigent pediram em um artigo de opinião conjunto em 06/06/2023. A Arenh é uma verdadeira pílula de veneno. Seu mecanismo de acesso aos recursos nucleares da França a preços baixos beneficia os concorrentes do serviço público. Depois de um ano desastroso em 2022, com produção de 229 TWh, a EDF está prevendo 300 a 330 TWh em 2023 e 350 TWh em 2025. O recorde histórico é de 420 TWh.

A energia eólica é uma falsa energia limpa e uma falsa energia renovável

Se você estiver procurando pela França periférica, olhe para o céu. Se ele estiver repleto de aço e materiais compostos, você está lá. A turbina eólica média na França opera com apenas 24% de sua capacidade. Houve muitas decepções entre as empresas mais expostas ao setor: a Siemens Energy, na área de energia eólica offshore, foi recentemente resgatada por uma garantia de 7,5 bilhões de euros do governo alemão; a Orsted, a gigante dinamarquesa, caiu 50% nos últimos seis meses; e a Iberdrola abandonou seu projeto de turbina eólica na costa de Massachusetts. A Svevind AB e a fabricante de turbinas Enercon são parceiras em um projeto na costa da Suécia. Ela está à beira da falência.

Concretar o mar é a ideia tecnocrática mais antiecológica que se possa imaginar. No entanto, a França foi multada por ficar para trás em turbinas eólicas.

O aumento da energia eólica em terra, que supostamente é ecologicamente correta, é acompanhado por sérios incômodos e uma série de escândalos, incluindo a desfiguração de paisagens, danos à saúde e depreciação de propriedades.

Por trás da imagem verde da energia eólica estão a poluição, as emissões de CO2, os danos à saúde e à biodiversidade, a apropriação indevida de fundos públicos, os conflitos de interesse, a máfia…. Além desses fatos terríveis, em termos industriais, a China tem 45% do mercado mundial de energia eólica!

A energia fotovoltaica é controlada pela China

A energia solar é a grande vencedora da transição energética em todos os lugares, exceto na França…

No entanto, teria sido muito mais eficaz incentivar a Alemanha a se afastar mais rapidamente do carvão, que ainda responde por 45% de sua matriz energética.

A China tem uma participação de 72% no mercado de módulos solares. Com custos de produção 35% mais baixos do que na Europa e 20% mais baixos do que nos Estados Unidos, a China abriga sete dos dez maiores fabricantes de painéis solares do mundo, incluindo os três maiores.

Todas essas tecnologias, que supostamente criariam os empregos da economia de baixo carbono, mostram o declínio da energia eólica e solar e os problemas financeiros da Alstom e da Siemens.

O mundo ainda tem fome de petróleo

A França precisa absolutamente reduzir suas importações de combustíveis fósseis para reequilibrar sua balança comercial. Os últimos negócios no setor de petróleo são claros. A Exxon comprou a Pioneer Natural Reserves por US$ 59,5 bilhões. A Chevron comprou a Hess por US$ 53 bilhões.

O carvão ainda alimenta muitas usinas de energia, especialmente na Alemanha.

Também nesse caso, o interesse continua inabalável. A Glencore adquiriu a Teck no Canadá, no setor de carvão.

No entanto, a queda nas emissões de CO2 na Europa foi mais do que compensada pela abertura em cascata de usinas elétricas movidas a carvão. Estamos testemunhando um aumento nas emissões de CO2 associado ao aumento do uso de carvão para responder à interrupção do fornecimento de gás russo.

Um dia, os ambientalistas do campo dos bons terão que entender que, de acordo com o JP Morgan, conectar 100 MW de energia eólica ou solar só permite desconectar de 10 a 30 MW de energia térmica…

Imagem padrão
Jean-Jacques Netter
Artigos: 53

Deixar uma resposta