O lado feio da beleza: Produtos químicos em cosméticos ameaçam a saúde reprodutiva de mulheres jovens

Ao percorrer os corredores de produtos de cuidados pessoais da loja local, você provavelmente vê dezenas de produtos que prometem suavizar a pele, deixá-la mais cheirosa, alongar os cílios, diminuir as rugas, domar os cabelos cacheados ou até mesmo mudar de forma semipermanente a cor dos lábios, dos cabelos ou da pele.

Lembra do velho ditado: “Se parece bom demais para ser verdade, provavelmente é“?

O que muitas pessoas não percebem é que muitas dessas promessas são baseadas em produtos químicos que também podem ser perigosos para a sua saúde, inclusive produtos químicos desreguladores do sistema endócrino que podem interferir na fertilidade e na reprodução, no crescimento fetal e no desenvolvimento infantil.

Essa é uma grande preocupação, pois esses produtos são muito comercializados para mulheres jovens nos anos que antecedem a consideração de constituir uma família.

Estudos recentes demonstraram que mulheres universitárias usam produtos cosméticos em taxas mais altas do que outros grupos. Além disso, muitas dessas jovens mulheres não estão cientes dos riscos à saúde decorrentes do uso frequente de produtos populares que contêm contaminantes de preocupação emergente. E encontrar alternativas mais limpas geralmente significa pagar mais caro.

Como epidemiologista que travou minhas próprias batalhas contra a fertilidade, estudo a exposição a substâncias químicas desreguladoras do sistema endócrino encontradas em produtos de uso diário, como cosméticos, xampus, loções e plásticos. Tenho trabalhado para aumentar a conscientização sobre os riscos à saúde dos jovens e incentivar o uso prudente de produtos cosméticos.

Os melhores pincéis de maquiagem têm bom desempenho e duram anos.
Não regulados e potencialmente perigosos

De acordo com a U.S. Food and Drug Administration (Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA), o termo “cosmético” pode incluir desodorantes, perfumes, loções, esmaltes, xampus e outros produtos para o cabelo, bem como maquiagem para os olhos, lábios e rosto.

É importante saber disso porque, a menos que esses produtos sejam usados para tratar uma doença, como caspa ou transpiração, eles não são regulamentados pelo governo federal da mesma forma que os medicamentos. Isso deixa a cargo das empresas de cosméticos a decisão de como comunicar a segurança do produto.

Os produtos de higiene pessoal contêm muitos tipos de produtos químicos que os fabricantes adicionam para fins específicos, inclusive alguns que podem interferir ou interromper o funcionamento normal do sistema endócrino. Por exemplo, eles geralmente adicionam filtros UV (ultravioleta), como a oxibenzona, para proteger a pele dos danos causados pelo sol, ftalatos para realçar a fragrância, parabenos e triclosanos por suas propriedades antibacterianas e PFAS (substâncias per e polifluoroalquil) para aumentar a durabilidade.

Produtos químicos comumente encontrados em produtos cosméticos de uso diário

Entretanto, nem todas essas substâncias químicas estão presentes em todos os produtos, portanto, descobrir como evitar a exposição pode ser complicado. Por exemplo, em uma revisão de 2021 de estudos que detectaram substâncias químicas desreguladoras do sistema endócrino em produtos cosméticos de uso diário, os ftalatos estavam presentes em perfumes, gel de banho, xampu e esmalte de unha. Os parabenos foram detectados em loções, cremes, xampus, sabonetes para o corpo, produtos de limpeza facial e batons. O triclosan foi detectado em pastas de dente, sabonetes e outros produtos de limpeza. E os filtros UV estavam presentes em protetores solares, loções, pasta de dente e batom.

Muitas dessas substâncias químicas podem co-ocorrer em produtos, colocando os consumidores em risco de exposição a várias substâncias químicas de uma só vez e, às vezes, sem aviso, pois os rótulos nem sempre listam as substâncias químicas desreguladoras do sistema endócrino entre os ingredientes.

Por que os produtos químicos nos cosméticos são um risco à saúde?

Ao esfregar produtos cosméticos na pele, respirar seu aroma ou usá-los para escovar os dentes, as substâncias químicas encontradas neles podem se espalhar pelo corpo, atingindo os sistemas endócrino, nervoso e cardiovascular.

Quando esses produtos químicos são desreguladores endócrinos, como ftalatos, parabenos, triclosan e PFAS, eles podem imitar os hormônios produzidos naturalmente ou bloquear os receptores hormonais. Sua presença pode resultar em produção, secreção ou transporte anormal de hormônios pelo corpo.

Essas alterações hormonais podem levar a problemas reprodutivos, incluindo baixa qualidade do esperma, aborto espontâneo e endometriose. Também podem causar distúrbios na tireoide e crescimento e desenvolvimento anormais.

Condições neurológicas, como transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH), comprometimento cognitivo e depressão, também foram associadas a substâncias químicas adicionadas a produtos cosméticos. O mesmo ocorre com problemas cardiovasculares, como pressão alta, resistência à insulina e doenças cardíacas.

O nível de risco geralmente é difícil de medir e depende, em parte, da quantidade de exposição, do tipo de substância química e de como ela interage com o sistema endócrino. Um estudo realizado com mulheres de 18 a 44 anos em Utah e na Califórnia constatou que o aumento da exposição a um ftalato comum estava associado a duas vezes mais chances de desenvolver endometriose, que pode ser dolorosa e interferir na gravidez. Em uma meta-análise de mulheres grávidas com exposição ocupacional a substâncias químicas desreguladoras do sistema endócrino, os pesquisadores calcularam um aumento de 25% nas chances de baixo peso ao nascer quando as mães eram expostas a mais de um tipo de substância química desreguladora do sistema endócrino.

Estados dos EUA estão começando a proibir esses produtos químicos

Nosso estudo com mulheres universitárias constatou que, em média, as jovens usam oito produtos de cuidados pessoais diferentes por dia que podem conter substâncias químicas desreguladoras do sistema endócrino, mas algumas relatam até 17. Isso é preocupante, pois o número de produtos que as pessoas usam tem sido associado a uma maior exposição a substâncias químicas desreguladoras do sistema endócrino.

Além disso, 80% das mulheres pesquisadas não sabiam se seus produtos cosméticos continham substâncias químicas nocivas.

Estudos constataram uma exposição significativamente maior a ftalatos e outros produtos químicos entre meninas adolescentes que usavam base, blush e rímel do que entre aquelas que não usavam. Um deles constatou que, quando as adolescentes pararam de usar produtos que continham substâncias químicas desreguladoras do sistema endócrino, as concentrações em sua urina caíram em até 45%.

A União Europeia tem liderado a regulamentação do uso desses produtos químicos em produtos cosméticos, e as políticas dos EUA geralmente ficam para trás, mas isso está mudando.

O estado de Washington aprovou recentemente uma legislação que proíbe PFAS, chumbo, ftalatos, formaldeído e outros produtos químicos nocivos a partir de 2025 e cria novos incentivos para que as empresas produzam produtos mais seguros. Nova Iorque proibiu o mercúrio, uma neurotoxina que pode ser usada como clareador de pele, a partir de 1º de junho de 2023. Califórnia, Minnesota e Maine também têm amplas restrições sobre aditivos químicos em cosméticos.

Embora muitas empresas de cosméticos ofereçam produtos alternativos sem substâncias químicas desreguladoras do sistema endócrino, eles tendem a custar mais caro, o que pode colocar os produtos mais seguros fora do alcance dos jovens. Acredito que uma proibição nacional do uso de substâncias químicas nocivas em produtos cosméticos seria o meio mais justo de reduzir a exposição de todos.

Fonte: The Conversation.

Imagem padrão
Leslie Hart

Professora Associada de Saúde Pública da Universidade de Charleston. O tema de sua pesquisa se concentra na exposição ambiental a produtos químicos produzidos pelo homem e os efeitos resultantes sobre a saúde, com ênfase especial em produtos químicos desreguladores endócrinos e impactos reprodutivos adversos.

Artigos: 53

Deixar uma resposta