A Colonização Criminal do Equador

Quando definimos os quatro principais vetores pelos quais o modo de produção imperialista é reproduzido, indicamos que eles são a financeirização, o militarismo, a caotização e a narcotização.

Em graus variados e de acordo com os contextos, alguns desses vetores às vezes são mais claros do que outros, mas, em geral, estão sempre presentes.

O Equador está em meio a uma operação de caotização e narcotização.

A tomada do canal de TV, da Universidade e das prisões proporcionou as condições para que Noboa declarasse um “estado de exceção” e “estado de conflito armado interno”, incluindo o endosso do ex-presidente Rafael Correa, dando poder às forças armadas para operar internamente, em meio à suspensão das garantias constitucionais.

Provavelmente, a aparição de 13 jovens mal armados e mal organizados na TV, e de muitos outros na Universidade, facilitou e acelerou a criação de condições que até mesmo colocaram o Equador às custas da “ajuda” dos EUA. O fato de esses caras estarem mal armados e mal organizados não significa que a criminalidade equatoriana se reduza a esses episódios.

Não se tratava de revolucionários invadindo universidades e meios de comunicação, mas de algumas dezenas de garotos alistados em gangues criminosas sem maiores perspectivas ou pretensões do que exercer sua capacidade de violência. Assassinar agentes penitenciários na frente de seus telefones sem motivo algum, longe de torná-los semelhantes às piores práticas “político-militares” de alguns cartéis mexicanos, de algumas guarimbas contrarrevolucionárias venezuelanas ou do Daesh, mostra-os como praticantes de violência inconsequente e sem sentido.

O “pacote” Bukele não foi apenas um cavalo de batalha de campanha, mas foi trabalhado durante seu período no governo com a ajuda de Israel, especialistas em confinamento e tortura.

A colonização do Estado e da política equatoriana (financiada pelo Estado) pelo crime organizado é cada vez mais evidente.

O assassinato de Fernando Villavicencio, candidato à presidência que vinha se manifestando sobre a cooptação do Estado pelo crime organizado, foi o corolário de uma sucessão de crimes contra líderes políticos, como o prefeito da cidade portuária de Manta, ou Pedro Briones, em Esmeraldas, na mesma costa, um líder correista; uma demonstração da força das gangues criminosas diante de um Estado e um sistema político impassíveis e impotentes, de modo que houve menos indignação internacional.

Mas, para tentar entender a genealogia da violência criminosa no país, devemos primeiro considerar algumas das questões que favoreceram essa situação.

O Equador faz fronteira com os principais produtores de coca, Peru e Colômbia; possui os portos do Pacífico e a melhor rede de estradas da região.

A economia dolarizada facilita as operações de lavagem de dinheiro; a desregulamentação do comércio exterior facilita o contrabando (as alfândegas e os portos são privados); o aparato de inteligência contra o crime foi desmantelado por Lenín Moreno, assim como o Ministério da Justiça, que administrava o serviço penitenciário.

As gangues do país se tornaram mais sofisticadas, organizadas e complexas. Elas controlam uma série de economias criminosas.

Atualmente, o país é uma plataforma financeira alimentada por fundos provenientes do contrabando de drogas e ouro, do tráfico de pessoas e de outras atividades criminosas.

O desmantelamento do Estado operado por Lenin Moreno e Lasso facilitou a infiltração e a colonização das instituições e da política pelas gangues criminosas. Ou seja, a penetração criminosa do aparato estatal: a polícia, o judiciário, o gabinete do procurador-geral e o poder executivo.

Em meio à pandemia, ocorreram as terríveis e trágicas rebeliões nas prisões, que expuseram a impotência do Estado e o controle criminoso do sistema prisional. Foi nessa época que um importante líder da maior gangue criminosa da época foi assassinado, e muitos encontrarão as razões para a explosão das gangues. Argumentaríamos, a priori, que essa explosão provavelmente teve a ver com os diferentes papéis que os diferentes grupos começaram a desempenhar nos vários estágios da produção, transporte e comercialização de drogas.

Para entender esse fenômeno, vale a pena observar que, em geral, são gangues com terminais em grandes organizações criminosas no exterior, como o Cartel de Sinaloa e a Nova Geração de Jalisco, e que usam essas gangues como executores em território equatoriano. O mesmo se aplica a grupos criminosos europeus e até australianos.

Quando falamos de colonização institucional, estamos sustentando a penetração criminosa dos próprios aparatos estatais: polícia, justiça, gabinete do procurador-geral e o poder executivo. A “cruz da morte” pela qual Lasso renunciou está relacionada a alegações que expõem a relação entre a máfia albanesa e a comitiva presidencial.

A retirada do Estado da contenção social devido aos ajustes neoliberais foi rapidamente substituída pelas várias redes criminosas. Os jovens entre 18 e 25 anos não têm outro destino possível a não ser ingressar na militância criminosa, o que não só lhes garante uma renda e um papel social, mas também proporciona controle policial do território que dominam e assistência a viúvas, parentes de prisioneiros e pessoas doentes que possam precisar. Do lado do Estado, eles só recebem expulsão, desprezo e perseguição. É uma equação trágica perfeitamente aplicada.

Atualmente, o Equador é um importante centro de distribuição de cocaína para os Estados Unidos e a Europa. Na Europa, grandes carregamentos de cocaína foram descobertos disfarçados de carregamentos de banana, sendo que as bananas são o negócio do atual presidente Noboa.

O desarmamento e a realocação da insurgência colombiana deixaram um vácuo de poder e terras a serem ocupadas na fronteira com a Colômbia, que foram rapidamente tomadas pela criminalidade.

A consolidação da Europa como mercado consumidor também teve um impacto sobre a importância dos portos equatorianos e explica a presença de máfias, como a máfia albanesa.

A liberalização do comércio entre o Equador e a União Europeia, após o acordo de livre comércio de 2016, não apenas aumenta o fluxo de transporte comercial, mas também torna os controles mais frouxos, facilitando as operações criminosas.

Algumas perguntas precisam ser feitas

Pode haver um crescimento de tais formações violentas sem uma piscadela de laissez-faire por parte do aparato de vigilância global?

Não era óbvio que a liberalização do comércio exterior, uma economia dolarizada em que não há controle do mercado monetário ou da moeda, a desregulamentação dos controles e o desarmamento da inteligência estatal criminosa favoreceriam e constituiriam uma plataforma criminosa?

A cooperação anticrime que os Estados Unidos vêm oferecendo, e que agora estão aprofundando, não demonstra seu interesse em que isso ocorra?

Como reflexão, diremos que o Presidente Noboa declarou uma guerra em seu território que expõe toda a população equatoriana a essa guerra sem uniformes ou lados, onde os soldados são recrutados por necessidade ou coerção em ambos os lados.

Fonte: PIA.

Imagem padrão
Fernando Esteche

Fernando Esteche é líder político, doutor em comunicação social e diretor geral da PIA Global.

Artigos: 53

Deixar uma resposta