Um Diagnóstico dos Conflitos de Poder

Conforme o ano de 2024 começa a se desdobrar, é importante checar o panorama dos atuais conflitos, bem como dos próximos que podem emergir.

Entrevista feita por Matteo Pio Impagnatiello a Claudio Mutti, diretor da revista de estudos geopolíticos “Eurasia”, para um diagnóstico dos conflitos de poder no atual cenário mundial globalizado, por meio da análise do contexto espacial (este entendido não apenas no sentido geográfico, mas também no social, econômico e cultural).

Após a eclosão das hostilidades no Leste Europeu, especificamente no território ucraniano, outra frente quente foi desencadeada: a referência é o conflito israelense-palestino. As duas situações de guerra têm características em comum?

Uma “característica comum” significativa entre a Ucrânia e o Estado de Israel está estabelecida porque o judaísmo ucraniano forneceu uma contribuição fundamental para o regime de ocupação da Palestina: basta citar presidentes e ministros da entidade sionista, como Levi Eshkol, Golda Meir, Moshe Sharett, Yitzhak Ben-Zvi, Ephraim Katzir, Yuli-Yoel Edelstein, etc. etc. Todos da Ucrânia. (O Parlamento Judaico Europeu também nasceu por proposta da União Judaica Europeia, fundada por dois milionários ucranianos de origem judaica, Vadim Rabinovich e Ihor Kolomojs’kyj). Além disso, o próprio Volodymyr Zelensky, filho de pais judeus que recentemente se tornaram cidadãos israelenses, previu o futuro da Ucrânia em 5 de abril de 2022, declarando em uma coletiva de imprensa que o país terá que se adequar ao modelo israelense. A Ucrânia, disse ele, “será mais parecida com o Estado judeu do que com a Europa Ocidental”; de fato, terá de se tornar um “Grande Israel”, onde a sociedade será altamente militarizada e as forças armadas estarão envolvidas em todas as instituições. Além disso, de acordo com a Forbes, “as analogias com Israel são muitas (…) Algumas delas foram analisadas pelo think tank Atlantic Council e por vários analistas”. De fato, foi um ilustre membro do Atlantic Council, o ex-embaixador dos EUA em Israel Daniel Shapiro, que relançou a ideia do presidente ucraniano, acompanhando-a com algumas indicações essenciais para sua realização. Com Volodymyr Zelensky como presidente e Volodymyr Hrojsman (também judeu) como primeiro-ministro, a Ucrânia se aproximou ainda mais de Tel Aviv: em 2020, retirou-se de um Comitê das Nações Unidas, criado em 1975 para permitir que o povo palestino exercesse seus direitos de autodeterminação, independência e soberania nacional, bem como o direito de recuperar suas casas e propriedades. Por sua vez, o regime sionista enviou seus instrutores à Ucrânia para o treinamento militar do exército de Kiev. Quanto ao papel dos dois regimes em seus respectivos contextos geopolíticos, eles têm em comum o papel de postos avançados agressivos do Ocidente americanocêntrico contra a Eurásia. Como um peão na estratégia descrita por Brzezinski no Grand Dashboard, Kiev desempenha esse papel contra a Rússia, enquanto Tel Aviv tem sido, há mais de setenta anos, o principal campo de desestabilização e guerra no Oriente Próximo.

A diretora-geral do UNICEF, Catherine Russell, disse em 2 de dezembro: “A Faixa de Gaza é novamente (desde ontem) o lugar mais perigoso do mundo para ser criança. Após sete dias de trégua e violência terrível, os combates recomeçaram. Outras crianças certamente morrerão em decorrência disso. Ele continuou: “Antes da trégua, de acordo com as notícias, mais de 5.300 crianças palestinas foram mortas em 48 dias de bombardeio implacável – um número que não inclui muitas crianças ainda desaparecidas e supostamente enterradas sob escombros. Se a violência voltar a essa escala e intensidade, podemos presumir que centenas de outras crianças serão mortas e feridas todos os dias”. Algum comentário sobre essa grande tragédia?

“Abate mães e filhos. Esses animais não devem continuar a viver. Exterminem-nos e não deixem rastros de ninguém. Qualquer judeu com uma arma deve sair e matá-los”. Essas palavras de um velho militar israelense chamado Ezra Yachin, transmitidas em um vídeo de grande circulação, são representativas da ação genocida empreendida pelo regime sionista, nascida dos empreendimentos terroristas de organizações como Haganah, El Irgun e a Gangue Stern, e da operação de limpeza étnica iniciada há 80 anos. O presidente israelense Isaac Herzog procurou justificar o extermínio indiscriminado dizendo que os civis de Gaza estavam cientes e eram cúmplices dos ataques do Hamas; o Ministro da Saúde Moshe Arbel declarou que os palestinos feridos e capturados não serão curados; o ex-representante permanente de Israel na ONU, Dan Gillerman, afirmou que os palestinos são “animais horríveis”. “Estamos lutando contra animais”, repetiu o Ministro da Defesa Yoav Gallant, enquanto o Deputado Ariel Kallner argumentou que “o inimigo deve ser definitivamente destruído” e outro, Moshe Saada, disse: “Não há mais operações cirúrgicas, corredores humanitários e operações de alerta porta a porta”. Giora Eiland, ex-chefe do Conselho de Segurança Nacional de Israel, escreveu no “Yedioth Ahronoth” que “Gaza se tornará um lugar onde nenhum ser humano poderá sobreviver”.

Afinal de contas, os líderes sionistas costumam citar como texto paradigmático o Livro de Josué, que evoca em termos épicos o massacre de homens, mulheres e crianças (mas também de bois, ovelhas e burros) com o qual foi inaugurada a colonização da “terra prometida”.

O governo italiano, desde que assumiu o poder, adotou uma postura claramente atlantista, assim como a União Europeia. Essas adesões não são contrárias aos interesses nacionais e europeus?

Após o envio de armas para Kiev e o apoio ao regime genocida de Tel Aviv, há também a saída da Itália da Rota da Seda, que coroa a ação anti-italiana e antieuropeia de um dos governos mais servilmente submetidos às ordens de Washington. Além disso, as orientações de política externa do governo Meloni, particularmente na questão fundamental das relações com a superpotência hegemônica e sua prole israelense, eram facilmente previsíveis no momento de sua instalação em 22 de outubro de 2022. Oito meses antes, Giorgia Meloni tinha ido (pela terceira vez) à conferência anual, inaugurada desde Ronald Reagan em 1974, organizada pela American Conservative Union na Flórida; lá ela se dirigiu aos “queridos conservadores americanos” como presidente do Partido dos Conservadores e Reformistas Europeus, “um partido – explicou – que reúne quarenta e quatro partidos patrióticos e conservadores da Europa e do resto do mundo, incluindo o Partido Republicano Americano”, além do Likud israelense. São essas forças políticas, concluiu, que representam “a verdadeira Europa e a verdadeira América”. Por outro lado, o Ministério das Relações Exteriores do governo Meloni foi confiado a Antonio Tajani, que até 12 de outubro de 2022 era vice-presidente do PPE, um partido representado na Assembleia Parlamentar da OTAN, o órgão que faz a ligação entre a OTAN e os parlamentos nacionais dos Estados membros. Tajani foi condecorado pelo regime de Kiev com a Ordem de Yaroslav, o Sábio, pelo “papel desempenhado pelo governo italiano no apoio à Ucrânia”; igualmente indiscutível é o longo e convicto compromisso filossionista do ministro das Relações Exteriores, ao qual a comunidade judaica europeia dedicou uma floresta de 18 árvores em terras tomadas dos palestinos.

Ucrânia, Israel, Armênia e Azerbaijão, Irã, Iêmen, Etiópia, República Democrática do Congo e Grandes Lagos, Sahel, Haiti, Paquistão, Taiwan etc… Quais crises devem ser monitoradas mais de perto em 2024?

Os analistas dos EUA consideram essencial conter a ascensão da República Popular da China, que representa a principal ameaça ao poder global dos EUA. É por isso que, entre os “pontos quentes” que você listou, eu preferiria o último: Taiwan. Essa ilha é de importância estratégica fundamental, pois controla o Mar do Sul da China, um corpo de água que não é apenas rico em recursos naturais, mas também é atravessado por um terço dos fluxos comerciais internacionais. A ilha fica no meio do caminho entre a potência comercial japonesa e o Estreito de Malaca, que, como a principal rota de comunicação entre o Oceano Índico e o Oceano Pacífico, é uma das rotas marítimas mais importantes do mundo. Sem Taiwan, a China não só está incompleta, como também está aprisionada no Mar do Sul da China e no Mar Amarelo, ameaçada por um possível “porta-aviões dos EUA” a não mais de duzentos quilômetros de sua costa. Em seu relatório para o 20º Congresso do PCCh em outubro de 2022, o Presidente XI Jinping disse: “Taiwan é a China. A solução do problema de Taiwan depende dos chineses e de mais ninguém”. É fácil entender que, se os Estados Unidos recusassem obstinadamente a Pequim o direito de unir novamente Taiwan à pátria, a situação de crise resultante seria extremamente grave.

O presidente da Rússia assinou um decreto para aumentar o número de soldados em 15% devido às “ameaças crescentes” relacionadas à “operação militar especial” e à “expansão contínua da OTAN”. O que o futuro nos reserva e quais cenários podem surgir?

De acordo com o decreto publicado na última sexta-feira no site do Kremlin, o número total de pessoas servindo nas forças armadas russas foi fixado em 2.209.130, das quais 1.320.000 eram militares. De acordo com o decreto anterior, em vigor desde 1º de janeiro de 2023, o número era de 2.039.758 homens, incluindo 1.150.628 militares. O Ministério da Defesa da Rússia declarou que “nenhuma mobilização está planejada” e que “o aumento do número de militares das Forças Armadas da Federação Russa será implementado gradualmente com os cidadãos que expressarem o desejo de prestar serviço militar sob contrato”. Em suma, parece que o jogo está praticamente encerrado. Apesar das perdas sofridas e do apoio maciço da OTAN ao fantoche de Kiev, a Rússia garantiu as regiões de Donbass e neutralizou a Ucrânia. No entanto, graças ao colaboracionismo europeu, os Estados Unidos conseguiram sabotar a aliança energética entre a Rússia e o resto da Europa e impedir a simbiose entre os vastos recursos da Rússia e a tecnologia das indústrias europeias.

Você coordena e edita a revista Eurasia, gostaria de nos falar sobre ela para que possamos conhecê-la melhor?

“Eurasia” é, como diz o subtítulo, uma “Revista de Estudos Geopolíticos”, cujo objetivo é promover, estimular e disseminar a pesquisa e a ciência geopolítica na comunidade científica, bem como aumentar a conscientização sobre as questões da Eurásia no mundo político, intelectual, militar, econômico e da informação. Fundada em 2004, com a garantia de um comitê científico de valor, a “Eurasia” comemorou seu vigésimo aniversário com uma edição especial, a septuagésima terceira da série, dedicada à “geopolítica do sionismo”. Além das análises geopolíticas ou da crítica das doutrinas dominantes e da ilustração de cenários futuros hipotéticos, as quase vinte mil páginas da Eurasia também incluem artigos, ensaios e estudos que reúnem reflexões, resultados e metodologias adquiridos nos campos da etnografia, da história das religiões, da psicologia dos povos e das identidades coletivas, da morfologia da história, da sociologia, da economia, da ciência política e da ciência das comunicações.

Fonte: Eurasia Rivista

Imagem padrão
Matteo Pio Impagnatiello
Artigos: 53

Deixar uma resposta