As Elites e a Instrumentalização de Gramsci, Maslow e Bezmenov na Guerra Cognitiva contra o Povo

A crise cultural do mundo liberal-democrático não é casual, mas parte de uma estratégia. Essa estratégia, que poderíamos chamar de liberalismo cultural, é fruto da aplicação e atualização por parte das elites ocidentais de táticas primárias usadas, no passado, em países comunistas para fins próprios.

Os acontecimentos ocorridos no mundo realçam a indiferença das sociedades ocidentais em relação ao futuro imediato. Existem várias estratégias, como a doutrina Sansão, que o estado de Israel pretende utilizar com as suas armas nucleares para destruir o Oriente Médio e uma grande parte do mundo; o ataque à Barragem das Três Gargantas, que os meios de comunicação russos revelam fazer parte de um plano de última hora de Taiwan, está em curso. Outros mais antigos, como o ataque rápido global imaginado pelos Estados Unidos para atacar a Rússia sem que ela possa responder com as suas forças nucleares, levam-nos a perguntar o que está acontecendo: o que está acontecendo para o Ocidente se autodestruir e procurar arrastar todos para o seu rastro com indiferença geral?

Os meios de comunicação, os intelectuais, os políticos, todos os atores do poder real ignoram estes fatos. A resposta não é simples, mas está ligada a um processo de inferência na opinião pública. Os poderes que realmente controlam o mundo, os que tomam as grandes decisões que depois serão implementadas pelos políticos, criaram um complexo processo de manipulação social com características diferentes que levaram o mundo a esta fase.

O Ocidente passa por um desastre que resulta numa grande decadência cultural que leva à implementação de um plano metódico de destruição social e, consequentemente, dos próprios Estados. Trata-se praticamente de uma campanha de enfraquecimento social cujas raízes estão na distorção dos fundamentos do pensamento de Antonio Gramsci, um comunista convicto que acreditava que, para fazer uma revolução socialista, era necessário mudar as matrizes do pensamento. Se for controlada, a violência não é necessária, ou deveria ser menor, porque as massas apoiarão uma revolução social. Portanto, o marxismo cultural atribuído a ele é impreciso, não é marxismo, é liberalismo sob outra pele e um pouco de cosméticos.

As elites plutocráticas ocidentais compreenderam o potencial destas ideias, despojaram-nas de elementos prejudiciais aos seus interesses e utilizaram os seus princípios metodológicos para criar um processo de ataque contra as suas sociedades e o mundo. Os antigos quadros ideológicos que davam valores éticos e morais foram instalados na consciência das massas por séculos de tradição e tiveram de ser alterados e substituídos por um novo quadro. Um quadro, naturalmente, adaptado às suas necessidades.

Yuri Bezmenov era um ex-agente da KGB, especialista em propaganda e subversão psicológica. Depois de deixar a União Soviética, mudou-se para o Ocidente e tornou-se um crítico fervoroso do comunismo e das práticas da KGB. Ele ficou conhecido por suas palestras e entrevistas detalhando os métodos subversivos usados pela União Soviética para enfraquecer e desestabilizar as sociedades por dentro. Os métodos que denunciou explicavam o processo global de lavagem cerebral que permitiria ao comunismo derrotar o capitalismo.

Bezmenov explica que esse processo ocorre em quatro etapas:

1) a desmoralização,
2) a desestabilização,
3) a crise e
4) a normalização.

Ele ressaltou que as influências culturais e ideológicas podem ter um impacto profundo em uma sociedade e, consequentemente, levar à sua autodestruição para que outros assumam o controle dela.

Bezmenov explicou que a URSS estava tentando combater o capitalismo em seus flancos morais, embora estivesse errado em não entender que o Ocidente não era o paraíso que ele supunha ser, mas algo que poderia ser ainda pior do que o que ele odiava. Assim como Gramsci, suas ideias foram usadas para outra coisa, em princípio para uma furiosa campanha macarthista.

Quais eram suas reais motivações, talvez uma desilusão com seu país, algo pessoal, ou ele simplesmente achava que se tornar uma ferramenta de propaganda era muito lucrativo e que ele poderia viver em condições privilegiadas.

Não sabemos seus motivos e só podemos especular, mas sua morte em 1993, aos 54 anos, parece estranha. Especialmente porque ele não tinha problemas de saúde e a notícia de sua morte passou despercebida, exceto por um pequeno jornal local. Bezmenov havia sido citado na grande mídia nacional e morreu no esquecimento, se é que de fato morreu, porque com tais personagens, é muito difícil saber a verdade.

De qualquer forma, suas advertências, cobertas por uma espessa camada de propaganda, revelaram uma metodologia real em ação. É preciso lembrar que a ferramenta utilizada nunca é boa ou ruim, é apenas uma ferramenta e suas qualidades dependem de sua aplicação. As elites entenderam isso e estão usando isso a seu favor. No caso deles, o fim justifica os meios.

O processo de destruição social que ele descreve permite que as elites reconstruam a sociedade à vontade depois de chegar ao último estágio. Isso é muito importante para quem acha que a batalha cultural é uma questão menor e que devemos nos preocupar antes com os interesses imediatos das pessoas. No entanto, se a sociedade está quebrada e sua vontade é manipulada de acordo com os caprichos dos poderosos, o caminho é claro para redefinir valores e pensamento. Trata-se do controle de um futuro distópico à la 1984.

O objetivo é controlar a mente e o comportamento das massas, e quem tenta pensar é um dissidente cujo futuro é sombrio. Lembre-se que no romance de Orwell não se tratava de matar aqueles que pensavam diferente, mas de quebrá-los.

O ser humano é composto por um corpo, uma alma e uma mente, e sua vontade está sujeita a uma base fisiológica determinante, de modo que o controle das necessidades fisiológicas é um passo em direção ao controle da mente. Não podemos pensar em valores mais altos sem comer.

Abraham Maslow foi um psicólogo que, em meados do século XX, escreveu um artigo intitulado “Teoria da motivação humana”, no qual argumentava que as necessidades podem ser classificadas em uma hierarquia, com certas necessidades, como as fisiológicas e de segurança, na parte inferior da escala. Um ser mais primitivo ou básico não seria capaz de contornar essas etapas para atender às necessidades sociais e do ego.

Os quatro níveis inferiores formam o que é conhecido como a pirâmide das “necessidades deficitárias”. Essas necessidades são fundamentais no sentido de que satisfazê-las geralmente não gera nenhum sentimento significativo, mas sua falta causa ansiedade ou desconforto. O nível mais básico da pirâmide é ocupado pelas necessidades fisiológicas: comida, água e descanso. Essas necessidades são essenciais para a sobrevivência e o bem-estar físico. O segundo nível concentra-se na necessidade de segurança e estabilidade, que são inestimáveis para um senso de proteção e previsibilidade na vida. O terceiro nível diz respeito à necessidade humana de ser amado, de ser incluído e de pertencer, que são essenciais para o desenvolvimento emocional e social. Por fim, o quarto nível aborda a necessidade de reconhecimento, prestígio e honra, que desempenha um papel importante na autoestima e na identidade pessoal. Cada nível representa um estágio essencial na busca do bem-estar e da realização pessoal. O quinto nível de realização, criatividade e autorrealização, é o que nos permite superar a nós mesmos e desenvolver nosso potencial humano, possibilitando assim que a sociedade se desenvolva de forma mais eficaz.

Foi com base nisso que o desertor soviético explicou os estágios da decomposição social nos Estados Unidos em termos da Guerra Fria em que ele viveu. Os quatro estágios mencionados – desmoralização, desestabilização, crise e normalização – ainda estão em vigor hoje, embora de formas diferentes.

A metodologia de desestabilização que ele denunciou está resumida na tabela, onde podemos analisar as semelhanças com os eventos que vimos se desenrolar nas últimas décadas e, em particular, nos últimos anos, e tirar nossas próprias conclusões sobre se Bezmenov estava errado. Muitas de suas afirmações são agora incontestavelmente verificáveis, embora possamos imaginar que suas contribuições sobre o livre comércio e outras questões tenham sido bem recebidas por seu público.

Os Estados Unidos estão caminhando para o abismo, isso é algo que todos nós sabemos e do qual dificilmente podemos escapar. Não é por causa de problemas econômicos, tecnológicos, industriais ou militares, embora seja verdade que em todas essas áreas e em muitas outras o declínio é muito acentuado, mas a fonte do problema é cultural. O que aconteceu foi o colapso de seu sistema de valores, de suas estruturas sociais, e foi isso que acabou precipitando essa situação.

Os quatro estágios são os mesmos, mas hoje podemos identificá-los como o desenvolvimento do mesmo plano que, ao contrário do que Bezmenov acreditava, não era o comunismo ou os soviéticos, mas as próprias elites anglo-saxônicas. Essas elites, tendo eliminado seu inimigo soviético, começaram a implementar um novo modelo com base em suas próprias necessidades. Hoje, a tecnologia exige uma mudança de sistema e o modelo que eles estão buscando é algo que, para ser implementado, exige não apenas docilidade, mas também uma mudança de valores entre as massas.

Os quatro estágios vêm se desenvolvendo desde a década de 1960, talvez um pouco mais do que os mencionados por Bezmenov. Eles podem ser detalhados da seguinte forma:

1) Desmoralização

O estágio de desmoralização sugere a erosão de ideias, estruturas e componentes da vida. As ideias a serem implementadas são apoiadas pela mídia, entretenimento, educação e cultura.

Os símbolos históricos são substituídos por símbolos falsos. Heróis, patriotas ou mesmo santos são substituídos por ídolos problemáticos, contraditórios e ignorantes. O declínio cultural é palpável.

As instituições são simultaneamente corroídas. As forças de segurança, as forças armadas, a justiça, a Igreja, etc. são atacados. Nada em que acreditamos ou em que confiamos deve ser deixado como está.

Questionar enquadramentos tradicionais: família, casal, religião, história, papéis. Tudo deve ser questionado.

A história nacional é alterada e substituída por uma história reescrita de acordo com novos interesses.

Antigos antagonismos, como a distribuição de riqueza, são substituídos por novos conflitos criados para esse fim: LGBTismo, feminismo, ambientalismo, animalismo, racialismo, etc. Instalam-se ideias que promovem confusão e fragilidade: machismo tóxico, vitimismo irrelevante.

2) Desestabilização e bases da anarquia

O objetivo é criminalizar o discurso através do politicamente correto.

A liberdade de expressão é posta em causa porque choca.

Maior destruição da família tradicional e dos valores culturais para mudar tudo. Estão sendo implementadas novas formas que tendem a isolar o indivíduo. O egoísmo é promovido como sinônimo de liberdade pessoal. Essa é a “desconstrução” que muitos proclamam com orgulho.

O processo de desestabilização começa com a criação de revoluções coloridas, molas ou antissistemas aparentes, candidatos incompetentes ou perigosos, dependendo da realidade.

São semeadas dúvidas sobre o resultado eleitoral com sistemas não transparentes que geram dúvidas para remover a legitimidade. O importante não é tanto o vencedor, mas a resistência ao vencedor.

Incentivar o confronto sobre as disparidades de direitos (migrantes, mulheres, homossexuais, etc.) em comparação com o restante da sociedade.

Incentivar o surgimento de minorias autônomas, entronizando os indivíduos mais agressivos e resistentes contra as maiorias politicamente não representadas.

Promover drogas, álcool, um estilo de vida dissipado, banalidade e superficialidade.

Endividamento individual e coletivo que condiciona e estressa.

Uma única voz com aparente dissidência que não representa ambições e conflitos reais, mas sim induzidos.

Oclocracia disfarçada de democracia, ou seja, pessoas ignorantes e preconceituosas no comando visível dos Estados.

A incerteza, a perplexidade, a confusão e a raiva levam à incapacidade de agir. Paralisia e divisão.

3) A crise

Revoluções, confrontos, guerras, anarquia e guerra molecular acabam eclodindo.

São encontradas razões para violar os direitos de expressão e instalar governos ditatoriais. Elas são a resposta à inquietação, aos desastres e à própria anarquia. A sociedade está clamando pela restauração da segurança e da ordem.

Sem valores, sem tradições, com uma sociedade culturalmente desconstruída, governos adaptados às necessidades das elites serão implantados. A sociedade é incapaz de perceber o que está acontecendo.

4) A normalização

Bezmenov usou o termo ironicamente em referência às invasões soviéticas da Hungria e da Tchecoslováquia, mas é aceitável porque acaba com o conflito e permite uma vida regulada. O sistema foi modificado para atender às necessidades das elites; as pessoas comuns receberão de bom grado um pouco de ordem em suas vidas. O medo de um retorno à anarquia será um impedimento suficiente para aceitar as novas regras.

Esse último ponto era o objetivo final: estabelecer uma nova organização baseada no poder. Essa é a metodologia de Bezmenov e a base psicológica de Abraham Maslow, criticada por ser reducionista. No entanto, sua contribuição nos ajuda a entender as razões pelas quais os seres humanos se comportam como o fazem e a base sobre a qual trabalham para implementar o plano de desconstrução.

O que estamos vendo agora no mundo é simplesmente o fruto desse processo, que impede reações saudáveis aos planos belicistas dos governos ocidentais. Enquanto na década de 1980 os europeus, liderados pelos alemães, saíram em massa às ruas para protestar contra os euro-mísseis (os Pershing II americanos) que os tornavam alvos dos mísseis nucleares soviéticos, hoje eles estão quase indiferentes ao abismo nuclear para o qual a União Europeia os está conduzindo ao confrontar a Rússia. Além disso, a demolição de sua economia, com aumentos de preços de alimentos, energia e moradia que levarão a uma violenta recessão, também não está ajudando na conscientização.

O que ainda está mobilizando os europeus? Não muito, apenas as paradas do dia do orgulho gay e nada mais. Apenas os indignados espanhóis escapam disso, mas eles são confundidos com ideias libertárias, como os liberais são chamados agora, que acreditam que o Estado é seu inimigo e não o cérebro que o controla.

O plano de destruição passou pelos dois primeiros estágios e está caminhando a todo vapor para o terceiro. Eles estão muito próximos de seu objetivo e o melhor que podemos fazer é alertá-los. Precisamos ser maduros, entender o jogo, ver a estratégia mais que as táticas, a substância mais que a conjuntura.

É claro que as necessidades básicas, aquelas que estão na primeira e na segunda base da pirâmide de Maslow, são essenciais; sem elas, não há mais nada. Entretanto, precisamos entender o destino final, porque se a iniciativa estiver nas mãos das elites, sempre reagiremos apenas ligeiramente às suas políticas, e com atraso.

As elites não são nem de esquerda nem de direita, não é a “esquerda” que está subvertendo nossas nações, é a elite globalista que está subvertendo nossas nações por meio de agentes políticos de esquerda ou de direita, que eles mexem em seus rótulos para distorcer ou confundir.

Portanto, precisamos ser ágeis e ter a mente aberta para entender o jogo, que muda regularmente. A mudança constante faz parte da estratégia. Quando conseguimos entender suas políticas e fazer com que a sociedade entenda e reaja a algo, é porque eles tomaram novas medidas e o desafio é diferente. Se não soubermos o destino final que eles almejam, nunca conseguiremos antecipar seus movimentos e mudar a iniciativa, e é por isso que precisamos avaliar adequadamente a guerra cognitiva, comumente conhecida como batalha cultural.

Fonte: KontraInfo

Imagem padrão
Marcelo Ramírez

Analista geopolítico e diretor da AsiaTV.

Artigos: 53

Deixar uma resposta