Pequena História do Judaísmo Antissionista

Ao contrário do que muita gente pensa, Judaísmo e sionismo não são sinônimos, e o antissionismo judaico possui uma longa história.

Judaísmo e sionismo, a mesma batalha? Isso é o que os líderes israelenses e seus apoiadores querem que acreditemos para justificar seus crimes coloniais e criminalizar suas críticas. Uma instrumentalização perigosa que poderia alimentar sentimentos antissemitas entre os menos instruídos e os mercadores mesquinhos do ódio. Mas a realidade é muito diferente.

Em seus primórdios, o sionismo não representava todas as comunidades judaicas do mundo. Pelo contrário, ele foi recebido com a mais forte condenação e rejeição de vários setores judaicos influentes.

A oposição judaica ao sionismo é ampla e variada. Ela incluía muitas comunidades religiosas; movimentos modernistas e esclarecidos, como a “Haskalah” [1] e a Aliança Judaica Universal [2]; o movimento operário judeu ashkenazi e sefardita, com suas tendências socialistas e comunistas, representado especialmente pela Federação Trabalhista Judaica; comunidades judaicas em vários países, como Egito, Marrocos, Tunísia e Iugoslávia; e comunidades locais importantes, como os sefarditas de Salônica, Sarajevo e Esmirna, que retiraram seu apoio ao sionismo em 1911.

O partido Agudat Israel (União de Israel) foi fundado em Katowice em 1912 para coordenar a oposição religiosa ao sionismo. O judaísmo ortodoxo denunciou o sionismo como uma falsa religião satânica. O rabino-chefe de Varsóvia de 1874 a 1912, Eliyahu Hayim Maizel, liderou a luta contra o sionismo na Polônia. A Conferência Universal dos Judeus Sefarditas, fundada em Viena em 1925, afirmou sua identidade diante do agressivo nacionalismo sionista, que buscava unificar diferentes comunidades com diferentes culturas e tradições. O comunista judeu egípcio Marcel Israël criou uma Liga antissionista no Egito na década de 1940.

O movimento operário judeu antissionista

Em maio e junho de 1909, o proletariado sefardita da cidade grega de Salônica, em aliança com proletários búlgaros e macedônios, criou a Federação Socialista de Salônica, que foi reconhecida pela Segunda Internacional. Ela era formada principalmente por trabalhadores judeus das fábricas de tabaco e do porto, além de artesãos e funcionários.

Na época, era o único movimento organizado de trabalhadores em terras muçulmanas. Seus jornais, publicados em espanhol ou djudesmo, o idioma dos judeus sefarditas, chamavam-se Jurnal del Lavorador, Solidaridad Ovradera e Avanti. Um de seus fundadores e líderes foi Abraham A. Benaroya. A Federação rejeitou o nacionalismo reacionário judaico e o sionismo. Em 1918, ela se uniu ao Partido dos Trabalhadores Helênicos.

Marxistas judeus contra o sionismo

O intelectual judeu marroquino Abraham Serfaty negou a existência de uma nação judaica ou de um povo israelense. Ele considera a população israelense como um “agregado humano artificial, estruturado com base em castas étnicas e dominado por uma camarilha político-militar que, por sua vez, faz parte da casta euro-americana conhecida como ashkenazi. Essa estrutura é apoiada pelo aparato do imperialismo sionista, que, por sua vez, é dominado pelo imperialismo americano” [3].

Serfaty afirma a noção da comunidade judaica árabe como parte integrante da nação árabe e, ao mesmo tempo, condena veementemente o sionismo como um empreendimento racista e colonialista.

Serfaty afirma que foi somente a grande burguesia que possibilitou a vitória do sionismo: “O sionismo só conseguiu se impor graças à sua apropriação pela grande burguesia da Europa Ocidental, como parte dos planos de conquista do imperialismo britânico e, posteriormente, do americano” [4].

Os judeus progressistas têm a mesma opinião. Isaac Deutscher afirma que “Israel apareceu no Oriente Médio no infame papel de agente dos poderosos interesses ocidentais, não de seu próprio e frágil capitalismo, e protetor do neocolonialismo… como agente do capitalismo imperialista tardio e maduro de nossos dias; seu papel é simplesmente lamentável” [5].

Israel Shahak acusa o Estado de Israel de ser o “administrador do poder imperial”. [6]

O Secretário Geral do Partido Comunista de Israel (PCI), Meir Vilner, afirma claramente que Israel desempenha o papel de “agente dos Estados Unidos tanto no Oriente Médio quanto em outras regiões (…) onde arde sob os pés de ditaduras reacionárias e onde a luta libertadora dos povos está crescendo (…) Em outras regiões do mundo, Israel cumpre as funções sujas e embaraçosas que a administração norte-americana não quer assumir diretamente: Fornece armas a ditaduras fascistas, oferece-lhes instrutores militares, organiza e apoia atividades subversivas contra regimes progressistas” [7].

Serfaty analisa a tradição religiosa do judaísmo árabe, baseada na expectativa do Messias. E conclui que o sionismo é sua negação absoluta. O retorno do Messias não pode servir de justificativa para nenhuma conquista colonial, pois é a esperança do advento do “reino de Deus”, ou seja, o reino da justiça, sobre toda a terra e para todos os seres humanos. Ele acusa “os líderes sionistas de transformarem a religião de nossos pais em uma ideologia de ódio racial e guerra”. Ele também desmonta a manipulação que o sionismo faz do conceito bíblico do “povo escolhido”. Ele afirma que os grandes pensadores judeus do misticismo andaluz e seus seguidores árabes converteram esse conceito em um dever para os judeus de se comportarem em todos os lugares e em todos os momentos como pessoas “justas”.

Recusa de parte das massas judaicas em migrar para Israel

Milhares de judeus se recusaram a migrar para Israel: 100.000 judeus da Turquia, 20.000 judeus egípcios, outros 3.500 tunisianos, várias centenas de iemenitas e argelinos, e milhares de iranianos, sírios e marroquinos permaneceram em suas casas milenares. Entre 1948 e 1952, a comunidade judaica iugoslava foi dividida em duas partes quase iguais: 7.500 se recusaram a migrar e outros tantos aceitaram.

Em 1933, 60% dos 503.000 judeus que viviam na Alemanha apoiavam a União Central dos Cidadãos Alemães, não sionista e assimilacionista, enquanto apenas 9.000 outros apoiavam o sionismo. Somente no mesmo ano, 33.000 migrantes judeus-alemães foram para a Palestina.

Dos 5,5 milhões de judeus somente nos Estados Unidos, 10.000 emigraram para Israel entre 1948 e 1965.

Os judeus que fugiam da perseguição antissemita dos regimes reacionários da Europa Oriental não buscavam emigrar para a Palestina, mas sim para os Estados Unidos, Canadá ou Austrália. Em 1890, um milhão e meio de judeus chegaram aos Estados Unidos. Entre 1967 e 1980, a HIAS (Sociedade de Ajuda ao Imigrante Judeu) ajudou 125.000 judeus a se estabelecerem nos Estados Unidos, sem contar os judeus que chegaram da América Latina, Canadá, África do Sul e Irã. De Israel, 100.000 foram para os Estados Unidos.

Em 1964, quando a população francesa deixou a Argélia por não aceitar a independência da nação argelina e por medo de represálias por seu envolvimento na opressão do povo argelino, a grande maioria da comunidade judaica os seguiu em sua jornada sem retorno à França, incapaz de demonstrar solidariedade ao povo muçulmano, com exceção de uma minoria que se juntou à FLN. Entretanto, a maioria dos judeus argelinos se recusou a partir para Israel. Dos 155.000 judeus que viviam na Argélia em 1960, 135.000 se estabeleceram na França, 15.000 em Israel e 4.000 permaneceram na Argélia.

A maioria dos 56.000 judeus que viviam na Palestina em 1918, de uma população total de 700.000, era de cultura árabe e se opunha ao sionismo. Eles não eram perseguidos por ninguém e não sentiam a menor necessidade de viver em um Estado judeu.

Judeus denunciam a manipulação da Shoah pelo sionismo

O professor Norman G. Finkelstein, judeu norte-americano e descendente de vítimas do Holocausto nazista, expressou sua indignação com a exploração descarada pela burguesia sionista nos Estados Unidos dos milhões de judeus assassinados pelos nazistas. Ele afirma que, desde 1967, essa burguesia criou uma “indústria” do Holocausto que lhe trouxe vantagens políticas, influência ideológica e muito dinheiro.

Ele não está sozinho nesse ponto de vista. Ele cita um importante escritor israelense, Boas Evron, que argumenta que “a consciência do Holocausto é uma doutrinação propagandista oficial, uma produção em massa de slogans e falsas visões de mundo cujo objetivo real não é entender o passado, mas manipular o presente” [8]. Isaac Deutscher, cuja família também foi assassinada em Auschwitz, já denunciava em 1967 o fato de que “os líderes israelenses se justificam explorando Auschwitz e Treblinka ao máximo, mas suas ações parodiam o verdadeiro significado da tragédia judaica”.

O judeu árabe Abraham Serfaty também denunciou o fato de que “os líderes sionistas não hesitaram em usar o Holocausto nazista para arrastar todo o Judaísmo europeu e americano para sua aventura”. Um grupo de intelectuais judeus franceses moderados afirma que ninguém tem o monopólio do Holocausto nazista [9].

Os judeus árabes negam que os judeus tenham sido oprimidos no mundo árabe e que tenham sido obrigados a emigrar para Israel

Serfaty nega categoricamente que o “povo israelense” constitua uma sociedade, porque ele é um “conglomerado humano ameaçado de deslocamento”. Um escritor francês escreveu que “as primeiras vítimas da criação de Israel seriam os palestinos, expulsos de sua terra natal; as segundas seriam os judeus orientais, condenados, a mais ou menos longo prazo, a um novo êxodo”. [10]

Em face das mentiras sionistas grosseiras que afirmam que “os judeus eram frequentemente marginalizados na Síria e no Egito” [11] e que “os judeus árabes eram minorias oprimidas” [12], buscando assim justificar a impossibilidade de viverem em terras muçulmanas, está a realidade da tolerância e das boas relações entre muçulmanos e árabes, que os tratavam de uma forma incomparavelmente melhor do que o antissemitismo europeu cristão, czarista, nacionalista e nazista.

Serfaty enfatiza que a memória cultural do judaísmo árabe baseia-se na profunda amizade entre judeus e muçulmanos, em sua simbiose fraterna e em seu respeito mútuo. Ele afirma que “cada um, sem dúvida, acredita que sua religião é a mais próxima da verdade, mas cada um considera a outra religião como uma forma diferente de adorar o mesmo deus, e cada um respeita como sagrados os livros, templos, santos, objetos de adoração e os principais festivais religiosos do outro”[13].

Em Damasco, no século XIX, os judeus eram pessoas respeitáveis de classe média, cuja língua materna era o árabe. Eles eram os médicos pessoais do sultão em Istambul, banqueiros ou pessoas pobres no Cairo e em Haifa. Ainda hoje, 2.500 judeus que falam árabe e se consideram sírios vivem em Damasco ao lado de sírios, palestinos muçulmanos e curdos. Em um dos bairros mais bonitos de Beirute, também havia árabes de fé muçulmana, drusa ou cristã, além de turcos, armênios, assírios e italianos. Aleppo e Hebron abrigavam grandes comunidades sefarditas. Aleppo ainda é o lar de quase 1.200 judeus.

Para Serfaty, uma das características mais profundas do judaísmo árabe é o respeito pelos outros. Em sua opinião, essa é uma característica fundamental de toda a cultura árabe.

Judeus progressistas lamentam a existência do Estado de Israel

Um dos mais eminentes representantes do judaísmo progressista e universalista, Albert Einstein, previu, já em 1938, o impasse para o qual o sionismo levaria o povo judeu:

“Prefiro muito mais um acordo razoável com os árabes com base na coexistência pacífica do que a criação de um Estado judeu. Meu conhecimento da natureza essencial do judaísmo resiste à ideia de um Estado judeu com fronteiras, um exército e algum grau de poder temporal, por mais modesto que seja. Temo o mal interno que poderia se abater sobre o judaísmo, especialmente em vista do desenvolvimento de um nacionalismo estreito em nossas fileiras”.

Nathan Weinstock considerou que Israel estava criando as causas de sua própria morte [14]. O Comitê Judaico para o Oriente Próximo atribui uma “ideologia racista” a Israel [15]. O ilustre poeta e pensador egípcio de origem judaica, Edmond Jabès, rejeitou firmemente o sionismo.

O historiador francês Maurice Rajsfus acredita que Israel é “uma sociedade bloqueada, incapaz de se imaginar vivendo em paz com os palestinos” [16].

Michel Warshawsky, filho do rabino-chefe de Estrasburgo, emigrou para Israel em 1967, é antissionista e co-fundou o Centro de Informações Alternativas em Jerusalém em 1984 – pelo qual ficou preso por oito meses – e diz que os líderes israelenses “estão nos levando ao suicídio… em seu relacionamento com o povo judeu, eles são cínicos e manipuladores. Israel, longe de ser uma ferramenta para ajudar o povo judeu, está usando-o”. Ele escreve que “a atomização da sociedade e sua divisão em dois blocos sociais antagônicos mostram o fracasso da tentativa de criar uma nova entidade nacional cuja expressão política teria sido o Estado judeu” [17].

Tim Wise, um judeu e diretor da Association for White Anti-Racist Education (AWARE) em Nashville, Tennessee, argumenta que o sionismo é antijudaico [18]. O intelectual judeu marroquino Serfaty considera que a entidade sionista oprime cultural e socialmente os judeus árabes de Israel, impõe a eles uma concepção religiosa contrária à sua e os transforma em bestas de carga e bucha de canhão a serviço dos objetivos expansionistas dos aventureiros americano-sionistas no Oriente Médio.

O historiador judeu marroquino Haim Zafrani reconhece que os judeus marroquinos foram arrancados de suas raízes em Israel e que sua cultura foi humilhada. Ele se refere a suas “lamentações melancólicas” e “gritos amargos ou nostálgicos” [19].

O judeu marroquino Mordejai Vanunu declara, ao ser libertado após 18 anos de prisão por denunciar a existência do arsenal nuclear sionista: “Não precisamos de um Estado judeu”.

A União Judaica Francesa pela Paz afirma que a política repressiva e colonial de Israel nos territórios ocupados é catastrófica para os judeus de todo o mundo. Avnery, citado acima, acredita que a política brutal de Israel está “provocando a ressurreição do antissemitismo em todo o mundo”. O professor de sociologia da Universidade Hebraica, Baruch Kimmerling, acusa “Ariel Sharon de ter colocado em movimento um processo que, além de intensificar o derramamento de sangue de ambos os lados, pode provocar uma guerra regional e a limpeza étnica parcial ou quase total dos árabes da ‘Terra de Israel'” [20].

Judeus com visão clara estão alertando sobre o perigo iminente que Israel enfrenta.

Nahum Goldmann, presidente do Congresso Judaico Mundial, escreveu em 1975 que um Israel que ameaça a paz mundial por sua intransigência arrogante contra os direitos palestinos mais básicos não tem perspectivas para o futuro [21].

O secretário-geral da Organização Sionista Argentina, Roberto Faur, renunciou ao seu mandato para marcar sua discordância com a presença israelense nos territórios ocupados em 2002. Os sionistas argentinos mais recalcitrantes o acusam de ser um “terrorista político”.

Notas

[1] Haskalah – “Iluminismo judaico” – Um movimento intelectual na Europa Central e Oriental nos séculos XVIII e XIX que visava modernizar e unificar o ensino judaico, especialmente por meio do uso do hebraico, em detrimento das tradições rabínicas locais.
[2] Alliance Israelite universelle. Uma associação criada na França em 1860 por Adolphe Crémieux, que deu origem, em 1946, ao Conseil Consultatif des Organisations Juives de France (Conselho Consultivo das Organizações Judaicas da França), depois de se unir ao sionismo.
[3] Abraham Serfaty – Écrits de prison sur la Palestine (Escritos de prisão sobre a Palestina) – Arcantere, Paris, 1992.
[4] Écrits de prison…, op. cit, p. 32.
[5] Isaac Deutscher, entrevista realizada em 1967 e publicada no livro de Tariq Ali, escritor e ativista britânico de origem paquistanesa, “El choque de los fundamentalismos”, Alianza, Madri, 2000.
[6] Israel Shahak – História judaica, religião judaica: o peso de três milênios -1994
[7] “Le principal obstacle à la Paix au Proche-Orient” – Revue Internationale, 11, 1986 Praga.
[8] Norman G. Finkelstein A indústria do Holocausto – edição francesa – La Fabrique, 2001.
[9] Apelo publicado no Le Monde em 19 de outubro de 2000 e assinado pelos historiadores Pierre Vidal-Naquet e Maurice Raifis, pelos professores Catherine Samary, Michel Lõwy e Daniel Bensaid, pelo médico Patrick Zylberstein e pela advogada Gisele Halimi, entre outros.
[10] Gilles Perrault, Un homme à part. Barrault, Paris.
[11] Gustavo Daniel Perednik, La judeofobia, Flor del Viento ediciones, Barcelona, 2001, p. 114.
[12] Arnos Perlmutter – Israel Ed. Espasa Calpe, 1987, Madri.
[13] Écrits de prison, op. cit, p. 54.
[14] Le sionisme contre Israel, Maspéro, 1967.
[15] Consulte http://www.middleast.org/archive/jcome1.hm
[16] “Y a-t-il une gauche israélienne?”, Rouge et Vert, nº 72, 12 de abril de 1991, Paris.
[17] A primeira citação é de uma entrevista no jornal Rouge et Vert, 1991, e a segunda é de seu livro Israel-Palestine: la alternativa de la convivencia binacional , Ed. La Catarata, Madri, 2002.
[18] Seu endereço de e-mail é tjwise@mindspring.com
[19] Haim Zafrani, Los judíos de España. Historia de una diaspora (1492-1992), editado por Henry Méchouan, Trotta, Madri, 1993, p. 505.
[20] No semanário israelense Kol Ha’Ir, 1º de fevereiro de 2002.
[21] Nahum Goldman – Où va Israël? Ed. Calmann-Lévy, Paris 1975.

Fonte: VoxNR

Imagem padrão
Jose Antonio Egido
Artigos: 53

Deixar uma resposta