A Escola Argentina de Geopolítica

Excetuando o Brasil, a Argentina é o único país da América do Sul com uma escola geopolítica própria existente há mais de 1 século. Nesse sentido, é relevante conhecer a história do seu desenvolvimento.

As origens do pensamento geopolítico argentino remontam ao século XIX, tendo como pano de fundo a formação institucional e espacial do próprio Estado argentino. Em 25 de maio de 1810, a Argentina se tornou independente como Províncias Unidas do Rio da Prata, por meio da chamada Revolução de Maio, do Vice-Reino Espanhol do Rio da Prata, que existia desde 1776. – A Bolívia, assim, se separou da autoridade de Buenos Aires. O nome “Províncias Unidas da América do Sul” também foi usado de forma intercambiável na época, o que, por sua vez, refletia as aspirações de Buenos Aires pelo controle político da periferia independente do antigo Vice-Reino do Rio da Prata e por um nível mais alto de integração política sul-americana.

Outra forma de Estado argentino foi a Confederação Argentina, que existiu entre 1831 e 1861. Naquela época, o termo “Federação Argentina” era usado de forma intercambiável, o que, por sua vez, refletia o conflito entre os defensores da centralização do Estado e os defensores de uma forma mais flexível de união de suas províncias. O representante da Confederação Argentina nas relações exteriores foi o governador de Buenos Aires de 1835 a 1852, Juan Manuel de Rosas (1793-1877). Após a derrota das forças de Buenos Aires na Batalha de Caseros, em fevereiro de 1852, Justo José de Urquiza y García, ex-governador da província de Entre Ríos, assumiu o poder. Isso levou à adoção da Constituição de 1853, que, por sua vez, levou à secessão de Buenos Aires, que existiu como um estado independente (Estado de Buenos Ayres) até a vitoriosa Batalha de Pavón, em setembro de 1861, quando se juntou à Confederação Argentina, derrotada militarmente, como entidade dominante. Isso foi seguido pela última mudança de nome do país, até o momento, para República Argentina, em dezembro de 1861.

Julio Argentino Roca (1843-1914), autor das guerras contra os mapuches (a chamada “conquista do deserto” em espanhol), travadas entre 1879 e 1884, e uma figura dominante na política argentina entre 1880 e 1904, desempenhou um papel enorme na formação do território argentino. O surgimento do Estado argentino como o conhecemos hoje só pode ser considerado como tendo ocorrido após a conclusão bem-sucedida da “conquista do deserto”, ou seja, a partir de meados da década de 1880. Em 1867, o presidente Bartolomé Mitre Martínez emitiu um decreto concedendo aos agricultores e pecuaristas o direito de ocupar terras nos Pampas e na Patagônia. Em 1879, uma força argentina de 8.000 soldados lançou uma agressão contra os assentamentos mapuches ao sul do Rio Negro. Depois de vencer a campanha a um custo de 1,5 milhão de pesos, 20 milhões de hectares foram divididos entre os 500 associados mais próximos de J. A. Roca, e o reconhecimento de títulos anteriores ampliou o controle efetivo de Buenos Aires sobre esses territórios.

As condições naturais da Argentina

O surgimento do pensamento geopolítico na Argentina era compreensível, dadas as excelentes condições geopolíticas do país. A Argentina é um dos países mais isolados geopoliticamente do mundo. Após o fim da ameaça brasileira na Guerra da Cisplatina (1825-1828) e da ameaça paraguaia na Guerra do Paraguai (1864-1870), a única fonte de ameaça territorial direta à Argentina permaneceu a 12.000 km de distância. O Reino Unido, que mantinha a soberania colonial sobre as Malvinas desde 1833, cuja tentativa de libertação armada pela Argentina em 1982 terminou em derrota para Buenos Aires, mas não ameaçou o núcleo geopolítico continental do estado argentino.

A Argentina também é favorecida por suas condições naturais. Ao contrário do resto do continente sul-americano, a Argentina não tem um clima tropical e a formação vegetal predominante não é tropical. Os verões da Argentina são secos o suficiente para que os grãos das culturas tradicionais cresçam. Os invernos são frios o suficiente para matar insetos que carregam germes perigosos para os seres humanos e o gado. O território do Estado é uma planície vasta, plana e moderadamente irrigada. A planura da superfície, combinada com a vegetação de pradaria e o clima temperado, torna a área argentina uma das zonas agrícolas mais férteis do mundo. O sistema do Rio da Prata, formado pelos rios Paraná, Paraguai, Uruguai e o estuário do Rio da Prata, é navegável em quase toda a sua extensão e, juntamente com os canais e eclusas que conectam seus rios, constitui um dos mais extensos sistemas de transporte fluvial do mundo, cuja foz no oceano é geopoliticamente controlada pela Argentina.

A conectividade intrínseca da região do Prata permite ativar economias de escala, produzir mais capital e alimentar populações maiores do que os países tropicais ou andinos da América do Sul. A Argentina é privilegiada em termos de condições de transporte para os bens produzidos na região do Prata. O transporte aquático é de 10 a 30 vezes mais barato do que o transporte terrestre. Assim, a rede de transporte do sistema hidroviário do Prata possibilita a geração de grandes quantidades de capital a um custo muito menor do que o transporte terrestre. Entre outras coisas, ela dispensa a necessidade de infraestrutura rodoviária. No entanto, a planicidade da superfície e sua boa conectividade com os portos oceânicos também reduzem o custo de construção da infraestrutura terrestre. O transporte fluvial também aumenta a lucratividade da exportação de produtos agrícolas argentinos, como soja, milho e trigo, cuja relação volume/valor torna antieconômico o transporte terrestre em longas distâncias.

A integração do sistema fluvial e a planura da superfície também favorecem o surgimento de uma autoridade política unificada, em que as condições argentinas contrastam, por exemplo, com as da Eurásia, onde a rede fluvial do sul levou à formação de órgãos políticos separados e hostis ao longo de rios individuais. O único organismo político cujo território inteiro se encontra no Cone Sul da América do Sul é o Chile, que é separado da Argentina por uma cadeia de montanhas dos Andes de quase 7.000 metros de altura; um voo de Santiago do Chile para Buenos Aires leva mais tempo do que um voo de Londres para Nova York, portanto o Chile não é um rival da Argentina que ameace seu núcleo geopolítico.

Os precursores da geopolítica argentina

Durante o período de formação do Estado argentino, no século XIX, surgiram obras como Argirópolis: A Capital dos Estados Confederados do Rio da Prata (1850), de Domingo Faustino Sarmiento (1811-1888), posteriormente presidente da Argentina entre 1868 e 1874, quando os últimos caudilhos regionais foram derrotados. Nele, o autor defendia o estabelecimento de uma nova capital nacional na Ilha Martín García, no Rio da Prata, para promover uma maior integração das terras do antigo Vice-Reino do Rio da Prata. Ele defendia o uso das tradições unificadoras do liberalismo europeu para superar o legado do Império Espanhol e o caudilhismo dele derivado. O exemplo emblemático do caudilho provincial foi, para D. F. Sarmietnto, o longevo governador de Buenos Aires, J. M. de Rosas – sob seu governo, o poder estava concentrado nas mãos de uma oligarquia privilegiada, o que, segundo o autor de “Argirópolis”, era um obstáculo à formação de um sentimento nacional e à consciência de um território estatal integrado entre os argentinos.

O escritor nacionalista Juan Bautista Alberdi (1810-1884) pediu à administração de J. A. Roca, nas páginas de sua obra Reconstituição Geográfica da América do Sul (1879), que ampliasse a força institucional do Estado argentino para vincular mais eficazmente a Buenos Aires as terras que historicamente faziam parte do Vice-Reino do Rio da Prata. Assim como D. F. Sarmiento, J. B. Alberdi também chamou a atenção para a ameaça de uma diminuição do senso de identificação cívica e estatal entre os argentinos na ausência de um sistema político e social participativo. Na segunda metade do século XIX, sucessivos governos argentinos tentaram remediar esse problema expandindo a doutrinação patriótica e nacional na educação pública. Ao fazer isso, criou-se a impressão de que a Argentina e seu território estavam sob constante ameaça de centros de poder fortes e expansivos: brasileiros, chilenos e britânicos. No início do século XX, a narrativa patriótica da Argentina enfatizava os grandes sucessos econômicos do país no século XIX, contra os quais o Reino Unido e os Estados Unidos se levantaram nas décadas de 1920 e 1930. Em 1833, os britânicos haviam tomado o arquipélago das Malvinas da Argentina, enquanto a fonte de qualquer revitalização econômica poderia vir da exploração de Buenos Aires de áreas até então não desenvolvidas ou subdesenvolvidas, como a Patagônia, os oceanos ou a Antártica. O avanço em direção a essas áreas contribuiria para o desenvolvimento da ideia nacional argentina e ajudaria a Argentina a conquistar seu lugar de direito na política mundial.

Características gerais da escola argentina de geopolítica

Dos países latino-americanos com uma herança de pensamento geopolítico, somente a Argentina, juntamente com o Brasil, produziu sua própria escola. O pensamento argentino tem uma doutrina internamente coerente; tem uma tradição de longa data; é composto por vários representantes; e exerce uma influência significativa na política interna e externa do país. Publicada na Argentina entre 1969 e 1983, a revista Estrategia representou, em seu campo, o mais alto nível de conteúdo da América Latina e, provavelmente, do mundo.

As principais áreas de interesse da escola argentina de geopolítica são: A expansão brasileira e sua busca pela hegemonia; a preocupação com a aliança do Brasil com os EUA; o papel da Argentina como líder natural dos países da região do Cone Sul; a orientação marítima, com referência especial ao Atlântico Sul, a libertação das Malvinas do colonialismo britânico e a garantia dos direitos da Argentina na Antártida; a energia nuclear e a aquisição de armas nucleares próprias, especialmente se o Brasil desenvolver uma; e a influência de centros externos na situação interna da Argentina e sua possibilidade de desenvolvimento nacional. Uma característica da escola argentina de geopolítica é também sua atitude positiva em relação à escola alemã de geopolítica, mesmo após a derrota da Alemanha em duas guerras mundiais sucessivas.

Na escola argentina de geopolítica, é dada atenção especial às questões marítimas e oceânicas; o papel da Argentina como um estado marítimo, de acordo com sua posição especial no “hemisfério oceânico” (ou seja, Sul); a responsabilidade especial da Argentina como um centro de poder que controla as “entradas” e “saídas” estratégicas do Atlântico Sul; o domínio argentino do Estreito de Magalhães e do Cabo da Boa Esperança, que se tornaria particularmente importante se o Canal do Panamá fosse fechado; a importância estratégica do arquipélago das Malvinas e a necessidade de libertá-lo do colonialismo britânico; a importância estratégica atual e potencial da Antártica e a necessidade de garantir os direitos da Argentina sobre ela em face da penetração de outros centros de poder na região.

As origens da escola argentina de geopolítica

O primeiro autor argentino claramente inspirado pelo pensamento geopolítico anglo-americano – mais especificamente, pelo trabalho de um inglês, Halford John Mackinder (1861-1947), e de um ianque, Alfred Thayer Mahan (1840-1914) – foi o Almirante Segundo Storni (1876-1954). Seu trabalho Interesses Argentinos no Mar (1916) é considerado um precursor da escola argentina de geopolítica. Nela, o autor identifica várias rotas comerciais e regiões geográficas no oceano mundial. Ele considera o Atlântico e o Pacífico como espaços não desenvolvidos, a direção natural de expansão para o estado argentino economicamente forte, líder do século XIX na exportação de milho, linhaça, carne bovina e trigo. É incorreto que a Argentina, por depender de uma rede de transporte marítimo e do comércio marítimo, não tenha demonstrado interesse em áreas marítimas até o momento. Os mares e oceanos que cercam a Argentina não só podem se tornar ativos econômicos adicionais para a Argentina, mas a expansão em sua área também pode se tornar um ponto de apoio para a formação da ideia nacional argentina. Para ser eficaz nos mares, a Argentina deve construir uma indústria forte e forças armadas tecnologicamente modernas. O desenvolvimento do comércio e da navegação argentinos deve andar de mãos dadas com o desenvolvimento do setor pesqueiro e de processamento de peixes da Argentina.

A virada do interesse argentino em direção à escola alemã de geopolítica ocorreu nas décadas de 1920 e 1930, quando a situação política do país começou a se degenerar durante o governo inepto dos radicais pequeno-burgueses (1916-1930) e a proliferação de revoltas de trabalhadores contra eles, o que gerou violência e caos nas ruas e desorganizou a economia. A turbulência foi ainda mais exacerbada após a crise econômica de 1929, que marcou o início da chamada “década infame” de 1930-1943, na qual grande parte das classes média e trabalhadora da Argentina mergulhou na ruína econômica e na pobreza. Nesse cenário, cresceram as dúvidas sobre a democracia liberal e o capitalismo, que eram vistos como regimes instáveis e ineficazes que geravam caos político e social. A derrubada do presidente pequeno-burguês-radical Hipólito Yrigoyen (1852-1933) pelos militares em setembro de 1930 tornou-se um símbolo do colapso da confiança na democracia.

A inspiração para uma visão alternativa do Estado como um organismo veio do pensamento alemão. Em 1900, o presidente J. A. Roca criou a Escola Superior de Guerra em Buenos Aires. Um ano depois, o coronel alemão (mais tarde general) Alfred Arent, mais tarde autor da obra Land der Zukunf (1905), dedicada à Argentina, tornou-se seu reitor. Durante toda a primeira década do século XX, metade da equipe da Escola de Guerra, que treinava oficiais argentinos em cursos de dois anos, era composta por oficiais militares alemães. Oficiais alemães, como Johannes Kretzchmar, continuaram a trabalhar na Argentina até a década de 1940, criando uma estrutura hierárquica disciplinada nas forças armadas argentinas. Na época, o exército argentino admitia apenas católicos nas fileiras de oficiais, e um dos ex-alunos da Escola de Guerra foi o posterior líder argentino Juan Domingo Perón (1895-1974), que visitou a Itália e a Alemanha em 1938, onde prestou consultoria sobre estratégia de guerra nas montanhas e questões geopolíticas. Ao retornar à Argentina, J. D. Perón foi nomeado comandante da Unidade de Montanha de Mendoza e escreveu vários artigos e livros populares sobre a Primeira Guerra Mundial, história do século XIX e questões de estratégia militar.

A visão de mundo das Forças Armadas Argentinas durante esse período pode ser descrita como saturada com as teorias do darwinismo social, o estado orgânico de Friedrich Ratzel (1844-1904), o catolicismo, o anticomunismo, um nacionalismo de desenvolvimento exuberante em face das relações comerciais desfavoráveis com o Reino Unido e uma aversão ao demoliberalismo, considerado responsável pela fraqueza do Estado e pelas atividades de partidos políticos corruptos. A questão da segurança nacional era sustentada por uma visão orgânica da República Argentina, na qual os direitos do indivíduo tinham que ceder ao bem do coletivo. Oficiais argentinos, como o General Juan Bautista Molina, viam-se como salvadores da nação contra a ameaça do comunismo e da decadência demoliberal.

Os leitores argentinos foram apresentados ao pensamento geopolítico alemão por meio do livro Einfuhrung in die Geopolitik (1934), de Richard Hennig e Leo Korholz, publicado em espanhol em 1941 como Introducción a la geopolítica. A tese central do livro sobre o Estado orgânico e a necessidade de um exército forte como garantia de segurança em tempos de incerteza encontrou apoiadores no corpo de oficiais argentinos. A Projeção Continental do Brasil (1938), do geopolítico brasileiro Mário Travassos (1891-1973), que expõe a teoria da “fronteira móvel” como expressão do poder do Estado, teve sucesso semelhante e foi adaptada pelos argentinos para sua própria periferia patagônica e antártica. Nas décadas de 1930 e 1940, os autores argentinos seguiram de perto a estrutura metodológica e doutrinária delineada para a geopolítica por Karl Haushofer (1869-1946) e seus discípulos.

O interesse pela Antártica aumentou consideravelmente em Buenos Aires após o golpe de estado do Grupo de Oficiais Unidos em junho de 1943 e, especialmente, depois que seu membro Juan Domingo Perón assumiu pessoalmente o poder em 1946 e liderou o estado argentino até 1955. O pensamento geopolítico de J. D. Perón era caracterizado pela convicção de que a Argentina era vítima da agressão colonial britânica nas Malvinas e na Antártica, que deveria permanecer neutra diante dos conflitos dos Estados do hemisfério norte e que deveria alcançar a autossuficiência geoeconômica.

Em 1948, J. D. Perón ordenou que o Instituto de Geografia Militar produzisse mapas da República Argentina cobrindo as Malvinas e a Antártica Argentina. Todos os mapas da Argentina publicados durante o governo de J. D. Perón deveriam incluir o setor argentino da Antártica e as Malvinas. As reivindicações britânicas e chilenas sobre a Antártica foram consideradas ilegais ou até mesmo tratadas como inexistentes. Foi criado o conceito de uma “Argentina tricontinental”, que consistia em uma parte própria na forma da República Argentina, as Malvinas e a Antártica Argentina. Em 1946, esse conceito foi introduzido na educação escolar. Em 1947, foi criado um ministério separado para as Malvinas e a Antártica Argentina. A ideia de uma “Argentina tricontinental” foi posteriormente reproduzida em selos postais, atlas e murais argentinos.

Na narrativa peronista, a Argentina era vítima da anexação colonial e da usurpação de suas terras pelo Reino Unido. Seu território propriamente dito, incluindo as ilhas e os territórios antárticos, cresceu de quase 2,8 milhões de km² para 4 milhões de km². Os Estados ricos, superpovoados e industrializados do Norte ameaçavam a soberania econômica da Argentina sobre seus recursos naturais e sua indústria nascente. Publicações editadas durante esse período, como o Dicionário Histórico Argentino, reproduziram o código geopolítico argentino definido por J. D. Perón. Também populares nos círculos militares argentinos durante esse período foram as obras de J. E. Jason e L. Perlinger, Geopolítica (1948) e do Major Emilio Isola e do Coronel Angel Barra, Introdução à Geopolítica Argentina (1950), que relatavam as teorias mais importantes da geopolítica europeia a partir de uma perspectiva argentina. Também estavam disponíveis para os leitores argentinos o Tratado Geral de Geopolítica (edição argentina de 1950), do autor espanhol Vicens Vives, e Geopolítica Mundial y Geoeconômica (1959), de Alberto Escalona Ramos.

Doutrinas de segurança nacional

Após a Segunda Guerra Mundial, as doutrinas de segurança nacional se desenvolveram intensamente nos círculos militares argentinos em resposta ao reconhecimento de uma suposta ameaça comunista em eventos como o Bogotazo (1948) na Colômbia, a Revolução Cubana (1959) e a derrota dos EUA na Baía dos Porcos (1961), ou as atividades de Ernesto “Che” Guevara (1928-1967). A inspiração para os estudos publicados, entre outros, na Revista de la Escuela Superior de Guerra veio de contatos com participantes de missões militares francesas na década de 1950; de consultas sobre geopolítica, segurança nacional, desenvolvimento econômico e social e estratégia com os exércitos de países como Brasil, Chile, Peru e Venezuela; do treinamento de oficiais militares argentinos e especialistas em instituições norte-americanas, como a Escola das Américas, na Geórgia, e o Colégio Interamericano de Defesa; de estudos da escola brasileira de geopolítica, em particular os do general Golbery do Couto e Silva (1929-1968).

No caso da Argentina, as doutrinas de segurança nacional destacavam a ameaça à sociedade e à economia representada por correntes subversivas que buscavam desestabilizar o Estado e seu espaço e minar os valores cristãos e ocidentais. Os militares procuraram estabelecer cooperação com os círculos industriais e comerciais e identificar e destruir as tendências subversivas. Os militares intervieram no processo político em 1963, 1966 e 1976, explicando isso pela necessidade de combater a agressão comunista e a crise econômica. Para os militares argentinos, a instabilidade política, as greves de trabalhadores e os tumultos das décadas de 1960 e 1970 eram evidências de tendências centrífugas que ameaçavam toda a sociedade, desde a família até os vários ramos da economia e a Igreja Católica. Líderes militares como Juan Carlos Onganía (1966-1970), Jorge Rafael Videla (1976-1981) e Roberto Eduardo Viola (março-dezembro de 1981) trataram a ocorrência desses processos centrífugos como “desafios” para os argentinos, cuja resposta seria um novo eixo de integração nacional para eles.

Clássicos da Escola Argentina de Geopolítica

Graças aos militares argentinos, novas instituições foram criadas em Buenos Aires para fornecer análises e comentários especializados sobre a situação da Argentina e os desafios que o país enfrentava: o Instituto Argentino de Estudos Estratégicos e das Relações Internacionais (INSAC), o Instituto de Estudos Geopolíticos (IDEG), bem como a Agencia Nacional de Desarrollo e o Instituto del Servicio Exterior Argentino, que treinava para o serviço externo. Entre 1969 e 1983, o INSAC publicou o influente periódico Estratégia (provavelmente o principal periódico geopolítico do mundo na época), que abordava questões geopolíticas como a questão do desenvolvimento da Patagônia; a garantia da posição da Argentina na bacia do Rio da Prata, no arquipélago das Malvinas, no Canal de Beagle e na Antártica; e a contenção da expansão de centros de poder concorrentes, como o Reino Unido, o Chile e o Brasil. Por outro lado, sob a bandeira do IDEG, foi publicada a revista Geopolítica, que deu maior ênfase às questões de integração interna dos diversos territórios argentinos. Tópicos como integração regional, desenvolvimento nacional e cooperação internacional foram tratados nas páginas desse título.

Questões como a ameaça aos territórios argentinos por parte do Reino Unido, Chile e Brasil; o crescente descontentamento com um governo civil inepto; e, por fim, a suposta ameaça comunista e soviética, criaram um clima de incerteza nas décadas de 1960 e 1970, a partir do qual foi criado um ambiente favorável para o desenvolvimento de doutrinas geopolíticas. Entre as obras geopolíticas escritas durante esse período, destaca-se O Que é Geopolítica? (1965), do Coronel Jorge E. Atencio, que argumenta que a geopolítica deve servir como um guia para os estadistas, identificando as necessidades territoriais e de matéria-prima do Estado. Esse autor também defendeu a geopolítica alemã contra as acusações de autores ianques, como Isaiah Bowman (1878-1950) e Robert Strausz-Hupé (1903-2002), ressaltando que o uso da geopolítica pelos fascistas não invalidava a legitimidade da mera consideração do fator espacial no pensamento político. Por outro lado, a distinção entre o pensamento militar alemão e as categorias de fascismo e nazismo também estava presente nos círculos militares argentinos mais amplos; o pensamento militar alemão era tido em alta estima, enquanto o fascismo era reprovado por sua fraqueza em levar líderes imprevisíveis e irracionais ao poder. A abordagem de J. E. Atencio, que apresenta a Argentina em seu livro como uma grande potência naval em potencial no Atlântico Sul e na região da Antártica, faz parte dessa tendência.

Outro estudo notável desse período é Estratégia e Poder Militar (1965), do Almirante Fernando A. Mill, que também invoca a tradição da geopolítica alemã, mas o autor não apresenta projetos expansionistas, e sim defende a necessidade de desenvolver a periferia do país, incluindo o arquipélago das Malvinas e a Antártida Argentina, cuja importância aumentaria ainda mais se o Canal do Panamá fosse fechado. A Argentina é vista aqui como um estado marítimo e peninsular, e a narrativa é contada a partir de uma posição talassocrática. Também vale a pena mencionar Geopolítica e Geoestratégia Americana (1966), de Justo P. Briano. Nele, o autor argumentou em defesa do interesse pelas doutrinas geopolíticas alemãs e em favor da adaptação das teorias ianques e brasileiras para preparar a Argentina para desempenhar o papel de uma potência líder nas relações internacionais.

A figura mais importante da escola argentina de geopolítica foi o General Juan E. Gugliamelli, comandante do V Corpo do Exército, reitor da Escuela Superior de Guerra, membro do governo militar de J. C. Onganía e editor-chefe da revista Estratégia. Como oficial, ele era responsável pelas regiões periféricas do país, como a Patagônia e o Atlântico. Ele via a Argentina como um Estado peninsular, com regiões periféricas remotas ao norte e ao sul. Para evitar que a soberania argentina fosse prejudicada por centros de poder concorrentes, Buenos Aires precisava proteger e investir nessas regiões periféricas e desenvolvê-las. Nos conceitos de J. E. Gugliamelli, convergem o conceito alemão de estado orgânico e a teoria sul-americana (peronista) da dependência e a ideia da luta pela subjetividade geoeconômica.

A obra mais importante de J. E. Gugliamelli é Geopolítica do Cone Sul (1983), na qual ele argumenta que a estrutura das exportações argentinas, na qual o lugar mais importante é ocupado pelos cultivos agrícolas, expõe o país ao risco de dependência de centros externos, restringe o campo de decisões políticas tomadas livremente e não permite a satisfação das necessidades de bem-estar e bem-estar. E em termos de segurança nacional, restringe a liberdade de ação estratégica, cria espaços suscetíveis a incentivos adversos nas relações dos países do Cone Sul do continente sul-americano (Argentina, Chile, Paraguai, Uruguai, o núcleo histórico do Brasil no sudoeste do país). Na política interna, isso ameaça a Argentina com instabilidade social permanente e agitação esquerdista.

De interesse especial para J. E. Gugliamelli é o expansionismo brasileiro, que remonta às expedições dos bandeirantes, estendendo o escopo do poder efetivo do Rio de Janeiro muito mais a oeste do que o previsto pelo Tratado de Tordesilhas (1494), que delimitava as esferas de influência da Espanha e de Portugal. Essa tendência foi continuada pelo “pai da diplomacia brasileira”, o Barão do Rio Branco (Ministro das Relações Exteriores do Brasil de 1902 a 1912), cuja doutrina de política externa incluía: a expansão das “fronteiras naturais” do Brasil; o controle das fronteiras do Paraguai e do Uruguai; o enfraquecimento da Argentina – especialmente na província de Misiones; e a substituição do Reino Unido pelos Estados Unidos como o aliado mais importante do Brasil. J.E. Gugliamelli também polemizou com M. Travassos, alertando contra sua doutrina geopolítica da expansão leste-oeste do Brasil em direção à Bolívia, que buscava romper o tradicional eixo de comunicação norte-sul da Bolívia por meio do sistema do Rio da Prata.

Em inúmeros artigos publicados na Estrategia, J. E. Gugliamelli abordou questões como: a ameaça representada pelo acordo nuclear entre o Brasil e a Alemanha (1975); a usina hidrelétrica de Itaipu, no rio Paraná, construída pelo Brasil entre 1975 e 1983; criticou as teorias geopolíticas de M. Travassos e G. de Couto e Silva; ao mesmo tempo, solicitou a adaptação da teoria de fronteiras deste último à geopolítica argentina; criticou as relações estreitas do Brasil com os EUA e propôs uma “aliança para a libertação” a Brasília, caso esta decidisse abandonar seus laços estreitos com Washington, e advertiu contra o “confronto aberto”.

Em uma linha semelhante, Julio E. Sanguinetti, escrevendo na Estrategia sobre a importância da aliança do Brasil com os EUA, argumentou que o Brasil é um satélite da AP dos EUA, ligado a ela por laços de subordinação e dependência unilateral e desequilibrada. Isso tem razões estratégicas, mas também econômicas: os EUA precisam do Brasil para estender suas linhas de defesa de Natal até o Cabo da Boa Esperança; também precisam garantir que o Brasil não se torne um estado comunista, pois isso poderia ameaçar o flanco sul dos EUA e agir como catalisador de revoluções da mesma natureza no restante da América Latina; por fim, o Brasil estaria dentro da esfera de influência e dominação econômica dos EUA. O Brasil é um dos “países-chave” para o domínio global de Washington, compartilhando esse status com a Alemanha Ocidental, Taiwan e outros.

Por sua vez, o Coronel Augusto B. Rattenbach apontou a cooptação das indústrias de armas dos EUA e do Brasil e as exportações brasileiras de armas e armamentos como uma expressão do imperialismo de Washington e do subimperialismo subordinado e instrumentalizado de Brasília. A indústria armamentista brasileira seria uma extensão do complexo militar-industrial estadunidense, e a venda de seus produtos pelo Brasil aos países vizinhos de língua espanhola é mais uma manifestação do expansionismo do gigante lusófono, parte da construção da dominação anglo-saxônica no continente sul-americano.

A. Bianchi alertou contra o domínio brasileiro na área do Atlântico Sul. Oscar Camillion apontou para o eixo geopolítico Washington-Brasil e sua relevância para as relações Brasília-Buenos Aires, ao mesmo tempo em que destacou que a posição mais fraca da Argentina nessa balança de poder é parcialmente responsável pela falta de coerência geopolítica interna do Estado argentino. Nicolás Boscovich analisou a expansão do Brasil na bacia do Prata e propôs, para neutralizá-la, fornecer à Bolívia uma saída para o oceano por meio do rio Bermejo argentino e, portanto, sob o controle de Buenos Aires. Da mesma forma, o Coronel Florentino Díaz Loza retratou o Brasil como uma ferramenta nas mãos de Washington e suas aspirações como o “subimperialismo” dos EUA. Andrés Fernández Cendoya apontou, em meados da década de 1970, a transformação da Bolívia em um peão de Brasília e advertiu contra uma aliança Brasil-Chile dirigida contra a Argentina. Eduardo Machicote criticou as teorias e a doutrina de G. de Couto e Silva por estarem a serviço do imperialismo norte-americano. Carlos P. Mastrorilli também criticou o Brasil por estar a serviço dos EUA e se referiu polemicamente aos escritos do geopolítico brasileiro Carlos de Meira Mattos (1913-2007).

Armado Alonso Piñeiro alertou contra a expansão brasileira em estados-tampão, como Bolívia e Paraguai, e recomendou que a Argentina liderasse a integração dos países de língua espanhola como um contrapeso ao eixo EUA-Brasil. O Almirante Isaac F. Rojas alertou sobre os perigos da expansão do Brasil na região do Prata e dos projetos hidrelétricos de Brasília nessa área; a represa e o projeto hidrelétrico de Itaipu do Brasil exigem a aprovação de Buenos Aires devido ao seu impacto no projeto da represa de Corpus da Argentina. A Argentina deve começar a explorar seu potencial elétrico, o que é importante diante da crise de acesso à energia. O Comandante Rolando Segundo Siloni apresentou uma análise histórica da expansão luso-brasileira na Bacia do Prata.

As teorias de J. E. Gugliamelli também tiveram uma influência inspiradora em outros representantes da escola argentina de geopolítica, como o General Osiris Guillermo Villegas (1916-1998), Ministro do Interior, então um negociador-chave nas conversações para resolver a crise do Canal de Beagle (1978). J. T. Goyret, autor da obra Geopolítica e Subversão (1980), na qual adapta a teoria de segurança nacional de G. de Couto e Silva, que vincula variáveis estratégicas a variáveis econômicas e sociais, às necessidades argentinas. Nas páginas da revista Armas y Geostrategia, da qual foi um dos fundadores, ele enfatizou a necessidade de vincular questões de segurança e desenvolvimento no pensamento militar e de abordar o desenvolvimento de regiões marginalizadas para se defender contra ameaças à segurança do Estado, tanto dentro quanto fora da República Argentina.

O economista e geopolítico Carlos Juan Moneta defendeu, em 1975, que Buenos Aires assumisse a soberania material sobre as Malvinas e a necessidade de defender o Atlântico Sul da penetração comunista e brasileira. C. J. Moneta advertiu que o Brasil tentaria estender sua ocupação da Antártica argentina em 1990, pois os militares brasileiros perceberam a importância do continente polar e do Estreito de Drake. Espera-se que os interesses de Buenos Aires na região antártica também sejam ameaçados por Washington e Moscou. Autores como Vicente Palermo (1951), F. A. Millia e Pablo Sanz apontaram que o desenvolvimento das áreas oceânicas ao redor da Argentina se tornaria o ímpeto para um desenvolvimento econômico sem precedentes e daria à Argentina uma missão histórica, dando-lhe importância na família das nações cristãs do Ocidente. Os círculos militares argentinos tentaram, durante esse período, construir, com a ajuda dos EUA, a Organização do Tratado do Atlântico Sul (OTAN) para combater a deriva comunista e supostamente soviética na região.

Uma linha completamente diferente, continental e emancipatória, foi representada, associada à revista Geopolítica, por Gustavo F. J. Cirigliano, autor, entre outras obras, de A Argentina Triangular: Geopolítica e Projeto Nacional (1975). Ele propôs a superação de duas das fraquezas geopolíticas da Argentina: o subdesenvolvimento dos “espaços abertos” na Patagônia e na Antártida e a excessiva concentração demográfica e industrial na província de Buenos Aires. Para integrar sua periferia e alcançar o equilíbrio como um Estado-nação, a Argentina precisava “acertar sua geografia e história”. Em nível internacional, G. F. J. Cirigliano defendia a integração regional latino-americana e uma política de não alinhamento na Guerra Fria. A Argentina assumiria a liderança dos países do Cone Sul, que ficariam livres da influência dos EUA. O desenvolvimento do Cone Sul seria buscado em um triângulo geopolítico de eixos estratégicos dominados por Buenos Aires: o eixo fluvial (Rio da Prata), o eixo andino (noroeste da Argentina, Chile, Peru) e o eixo sul (Estreito de Magalhães, Malvinas, Antártica). A culpa pelo fracasso da Argentina até agora no caminho para o status de superpotência é dos EUA e do Reino Unido.

A importância da integração nacional e da ordem interna do país para sua coerência geopolítica foi destacada por Basail Miguel Angel. A defesa dos direitos da Argentina sobre o Atlântico Sul, as Malvinas e a Antártida Argentina, e a importância dessas áreas no caso de fechamento do Canal do Panamá foram apresentadas por Juan B. Bessone. A concepção continental da emancipação da América do Sul do domínio das talassocracias ianque e brasileira foi apresentada na obra Geopolítica da Libertação (1972), de Norberto Ceresole: o eixo talassocrático Washington-Brasil mantém uma vantagem nos mares, de modo que a Argentina deve liderar a integração telúrica dos Estados sul-americanos de língua espanhola. O Comandante Benjamín Cosentino destacou a importância histórica, geopolítica e estratégica das Malvinas e do Atlântico Sul. Héctor Gómez Rueda propôs a construção da importância e da grandeza da Argentina por meio de sua integração com os estados vizinhos. Jorge Nelson Gualco fez recomendações semelhantes, propondo a integração sul-americana sob a liderança da Argentina, mas excluindo o Brasil, cujo modelo de desenvolvimento ele criticou como neocapitalista e subserviente aos interesses dos EUA. A emancipação da Argentina em relação aos EUA no campo da indústria de armas foi defendida pelo general Eduardo Juan Uriburu. Ele chamou o projeto de “Plano Europa” e envolveu a compra de armamentos e tecnologia militar de países europeus, em especial Alemanha, França e Bélgica. Horacio Veneroni também apontou que os EUA haviam “aprisionado” as indústrias de armamentos latino-americanas em um acordo de dependência das suas próprias. A emancipação da Argentina por meio do desenvolvimento de todo o seu potencial geopolítico foi defendida em 1970 pelo General Osiris Guillermo Villegas.

Augusto Pinochet (1915-2006), aponta que a elite política argentina e os fundadores da escola argentina de geopolítica estão cientes de que a localização de seu país o coloca fora do alcance efetivo das potências mundiais, dando a Buenos Aires a liberdade de contestar a hegemonia na região do Cone Sul. Essas tendências assumem a forma de um senso de responsabilidade pela paz e segurança do Cone Sul e de um desejo de criar uma “Grande Argentina” que também inclua as Malvinas, as Ilhas Sandwich do Sul e a Antártica argentina. Para ilustrar a predisposição geopolítica de seu país para dominar a região do Prata, as autoridades argentinas usam a metáfora da “rota da laranja” (El Camino de la Naranja): uma laranja (ou qualquer outra coisa) jogada na correnteza de qualquer rio pertencente ao sistema do Prata deve, mais cedo ou mais tarde, chegar a Buenos Aires, ficando assim sob o controle argentino.

O desaparecimento da escola argentina de geopolítica

Após o fim do regime militar, que durou o período conhecido como “Processo de Reorganização Nacional”, entre 1976 e 1983, e após a chegada do demoliberalismo e durante o reinado do primeiro presidente demoliberal do país, Raúl Alfonsín (1983-1989), a escola argentina de geopolítica entrou em decadência e perdeu sua originalidade. As antigas orientações “continentais” (pró-independência) e “ocidentais” (pró-ianque) perderam sua relevância, enquanto surgiram inúmeras obras marxistas ou liberais, acusando a geopolítica de ser uma ferramenta doutrinária do militarismo, da ditadura, do expansionismo e do terrorismo dos governos militares. A tradição da escola argentina de geopolítica é defendida por autores como N. Boscovich (por exemplo, a obra Geostratégia para a Integração Regional, de 1999), C. J. Moneta, Hugh Gaston Sarno, Andrés Alfonsín Bravo e outros. Também são publicadas traduções para o espanhol de obras de K. Haushofer, H. J. Mackinder e Saul Cohen, entre outros. Os tópicos abordados incluem: integração econômica regional. O Mercosul, a governança democrática e a política de não alinhamento, a globalização e as relações dos EUA com a América Latina, bem como questões clássicas de segurança territorial e de fronteiras – especialmente em relação às Malvinas, que continuam sendo uma colônia britânica.

Bibliografia

  1. Child J., “El pensamiento geopolítico en América Latina”, Latin American Research Review, vol. 14, nº 2/(1979), pp. 89-111.
  2. Dinges J., El tiempo del Cóndor. Cómo Pinochet y sus aliados sembraron el terrorismo en tres continentes, Editorial Czarne, Wolowiec 2015.
  3. Dodds K, 2Geopolítica e imaginación geográfica de Argentina”, [en] K. Dodds, D. Atkinson (eds), Geopolitical Traditions.A century of geopolitical thought, Routledge, Londres y Nueva York 2000, pp. 150-185.
  4. Dobrzycki W., América Latina en el mundo moderno, Editorial del Ministerio de Defensa Nacional, Varsovia 1989.
  5. Tenże, Relaciones internacionales en América Latina. Historia y contemporaneidad, Wydawnictwo Naukowe SCHOLAR, Varsovia 2000.
  6. La geopolítica de Brasil: la lucha de una potencia emergente con la geografía, https://wikileaks.org/gifiles/attach/44/44401_An%20Emergent%20Po.pdf (14.03.2020).
  7. Pinochet Ugarte A., Geopolítica. Segunda Edicion, Editorial Andres Bello, Santiago 1974.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Ronald Lasecki

Escritor e editor tradicionalista polonês.

Artigos: 54

Deixar uma resposta