O Mundo Russo e a Própria Rússia Não Existem e Não Podem Existir sem os Russos

Recentemente, as principais figuras públicas e intelectuais da Rússia se reuniram para refletir sobre o que significa ser russo e qual é a missão histórica da Rússia. O Presidente Vladimir Putin discursou sobre o caráter imperial da Rússia, permanente ao longo da história.

Vladimir Putin discursou, por videoconferência, na sessão plenária do Conselho Mundial do Povo Russo. O tópico principal do fórum, dedicado ao 30º aniversário da criação da organização, é o Presente e o Futuro do Mundo Russo.

Presidente da Rússia, Vladimir Putin: Sua Santidade, amigos,

Gostaria de dar as boas-vindas a todos os participantes do Conselho Mundial do Povo Russo.

O Conselho foi criado em 1993. Nós nos lembramos daquela época como um ponto de inflexão muito difícil para o país. O Conselho conseguiu unir em torno de um conjunto comum de objetivos representantes da Igreja Ortodoxa Russa e de outras organizações religiosas, partidos e movimentos políticos, trabalhadores culturais, acadêmicos e cientistas, empresários e pessoas de diferentes crenças, pontos de vista e etnias que, no entanto, estavam unidos em um aspecto importante, em seu patriotismo firmemente enraizado.

Em primeiro lugar, quero agradecê-los por seu apoio e contribuição para fortalecer o Estado russo, a paz civil e o acordo, e consolidar a sociedade, e pela ajuda que sempre oferecem a seus compatriotas e a todos que fazem parte do grande Mundo Russo.

Sei que muitos representantes do Conselho Mundial do Povo Russo estão atualmente no Donbass e na Novorrússia como voluntários e membros de unidades militares, protegendo nossos irmãos e irmãs, milhões de pessoas nas repúblicas populares de Donetsk e Lugansk, nas regiões de Kherson e Zaporozhye, ao lado de seus irmãos de armas. Valorizo sinceramente a ajuda que o Conselho Mundial do Povo Russo oferece à frente e às famílias de nossos heróis mortos. Eles lutaram por nós e por nossa pátria. Eles descansarão em paz e permanecerão em nossa memória por toda a eternidade. Vamos fazer um momento de silêncio.

(Um momento de silêncio.)

Amigos, nossa luta por soberania e justiça é, sem exagero, uma luta de libertação nacional, porque estamos defendendo a segurança e o bem-estar de nosso povo e nosso direito histórico supremo de ser a Rússia – uma potência forte e independente, um estado civilizatório. É o nosso país, é o Mundo Russo que bloqueou o caminho daqueles que aspiravam à dominação mundial e ao excepcionalismo, como já aconteceu muitas vezes na história.

Agora estamos lutando não apenas pela liberdade da Rússia, mas pela liberdade do mundo inteiro. Podemos dizer com franqueza que a ditadura de um hegemon está se tornando decrépita. Estamos vendo isso, e todos estão vendo isso agora. Ela está ficando fora de controle e é simplesmente perigosa para os outros. Isso agora está claro para a maioria global. Mas, novamente, é o nosso país que está agora na vanguarda da construção de uma ordem mundial mais justa. E eu gostaria de enfatizar o seguinte: sem uma Rússia soberana e forte, nenhum sistema internacional duradouro e estável é possível.

Conhecemos a ameaça à qual estamos nos opondo. A russofobia e outras formas de racismo e neonazismo quase se tornaram a ideologia oficial das elites dominantes do Ocidente. Eles são dirigidos não apenas contra os russos étnicos, mas contra todos os grupos que vivem na Rússia: Tártaros, chechenos, ávaros, tuvinianos, bashkirs, buriates, yakuts, ossétios, judeus, ingush, mari e altai. Somos muitos, talvez eu não consiga citar todos os grupos agora, mas, novamente, a ameaça é dirigida contra todos os povos da Rússia.

O Ocidente não precisa de um país tão grande e multiétnico como a Rússia por uma questão de princípio. Nossa diversidade e unidade de culturas, tradições, idiomas e etnias simplesmente não se encaixam na lógica dos racistas e colonizadores ocidentais, em seus planos cruéis de total despersonalização, separação, supressão e exploração. É por isso que eles recomeçaram seu velho discurso: dizem que a Rússia é uma “prisão de nações” e que os russos são uma “nação de escravos”. Já ouvimos isso muitas vezes ao longo dos séculos. Agora também ouvimos que a Rússia aparentemente precisa ser “descolonizada”. Mas o que eles realmente querem? Eles querem desmembrar e saquear a Rússia. Se não puderem fazer isso pela força, eles semeiam a discórdia.

Gostaria de enfatizar que consideramos qualquer interferência externa ou provocações para incitar conflitos étnicos ou religiosos como atos de agressão contra nosso país e uma tentativa de mais uma vez usar o terrorismo e o extremismo como arma contra nós, e responderemos de acordo.

Temos um país grande e diversificado. Essa diversidade de culturas, tradições e costumes cria uma força maior, uma enorme vantagem competitiva e potencial. Devemos fortalecê-la continuamente, valorizar esse acordo diversificado, que é nosso patrimônio comum. Gostaria que todos os governadores regionais se concentrassem nisso, e conto com a autoridade dos pastores de nossas religiões tradicionais e com a responsabilidade de todas as forças políticas e organizações públicas.

Acredito que todos nós nos lembramos, e devemos nos lembrar, das lições da revolução de 1917, da Guerra Civil subsequente e da desintegração da URSS em 1991. Pode parecer que muitos anos se passaram desde então, mas as pessoas de todas as etnias que vivem hoje, mesmo as nascidas no século XXI, ainda estão pagando agora, décadas depois, pelos erros de cálculo cometidos naquela época – indulgências em ilusões separatistas, a fraqueza da autoridade central e uma política de divisão artificial e forçada nesta grande nação russa, uma trindade de russos, bielorrussos e ucranianos. Os conflitos sangrentos que surgiram após o Império Russo e a União Soviética não só continuam a se inflamar, mas às vezes se inflamam com energia renovada. Essas feridas não serão curadas por um longo tempo.

Nunca esqueceremos esses erros e não devemos repeti-los. Gostaria de enfatizar mais uma vez: qualquer tentativa de semear discórdia étnica ou religiosa, de dividir nossa sociedade é traição, um crime contra toda a Rússia. Jamais permitiremos que alguém divida a Rússia, o único país que temos. Nossas orações são por esta, nossa pátria, e elas são expressas em diferentes idiomas.

Gostaria de lembrar a este público as palavras de São Gregório de Nazianzo: “Honrar sua mãe é algo sagrado. Mas cada um tem sua própria mãe, enquanto a pátria é nossa mãe comum”.

Sua Santidade, colegas. O tema desta sessão do Conselho é “O presente e o futuro do mundo russo”. O mundo russo abrange todas as gerações de nossos predecessores e nossos descendentes que viverão depois de nós. O mundo russo significa a Antiga Rus, o Tsardom de Moscóvia, o Império Russo, a União Soviética e a Rússia moderna, que está recuperando, consolidando e aumentando sua soberania como potência global. O Mundo Russo une todos aqueles que sentem uma afinidade espiritual com nossa Pátria, que se consideram falantes de russo e portadores da história e da cultura russas, independentemente de sua etnia ou religião.

Mas eu gostaria de enfatizar que o mundo russo e a própria Rússia não existem e não podem existir sem os russos como etnia, sem o povo russo. Essa declaração não contém nenhuma reivindicação de superioridade, exclusividade ou escolha. Isso é simplesmente um fato, assim como a definição clara da nossa Constituição sobre o status do idioma russo como o idioma de uma nação formadora de Estado.

Ser russo é mais do que uma nacionalidade. A propósito, esse sempre foi o caso ao longo da história de nosso país. Entre outras coisas, inclui a identidade cultural, espiritual e histórica. Ser russo é, acima de tudo, uma responsabilidade. Para reiterar, trata-se da enorme responsabilidade de proteger a Rússia, e é disso que se trata o verdadeiro patriotismo. Como russo, estou aqui para dizer que somente uma Rússia unida, forte e soberana pode garantir o futuro e o desenvolvimento independente do povo russo e de todos os outros povos que vivem dentro das fronteiras de nosso país há séculos e estão unidos por um destino histórico comum.

O que significa soberania para nosso Estado, para cada família e para cada pessoa? Qual é seu valor e sua verdadeira essência? Em primeiro lugar, é a liberdade. Liberdade para a Rússia e para nosso povo e, portanto, para cada um de nós, porque, em nossa tradição, uma pessoa não pode se sentir livre a menos que seus entes queridos, seus filhos e sua pátria sejam livres. Nossos soldados e oficiais, homens e mulheres de nosso país, estão defendendo essa liberdade genuína.

Uma nação livre que compreende sua responsabilidade perante as gerações atuais e futuras é a única fonte de poder, o poder soberano, que é chamado a servir a todas as pessoas, e não aos interesses particulares, corporativos, de classe ou mesmo estrangeiros de alguém.

Uma pessoa verdadeiramente livre é um criador. Apoiaremos a aspiração de todos de serem úteis ao país, à sociedade e ao povo. É disso que é feito o desenvolvimento soberano em prol dos interesses nacionais.

Estamos enfrentando a difícil tarefa de desenvolver vastas áreas do Pacífico até o Mar Báltico e o Mar Negro. Nossa economia, indústria, agricultura, setores inovadores, setores criativos e empresas nacionais precisam aumentar sua capacidade várias vezes.

Agora estou me dirigindo aos empreendedores que sei que são muitos nesta plateia. Gostaria de agradecer a vocês, amigos, por seus esforços coordenados. Nós impedimos a agressão econômica sem precedentes do Ocidente unindo os esforços do Estado e das empresas. Sua Blitzkrieg de sanções fracassou.

A Rússia intensificará o apoio ao empreendedorismo nacional soberano. Temos ferramentas fundamentalmente novas sendo desenvolvidas para isso agora mesmo. Invista na Rússia, crie novos empregos, expanda a produção e participe do treinamento de pessoal. Se você fizer isso, a economia nacional crescerá, criando mais sucesso e oportunidades para suas empresas. Ao se concentrarem no fortalecimento da soberania, as empresas nacionais estão se fortalecendo e se tornando mais soberanas, à medida que se livram da dependência dos componentes da atual ordem mundial.

O desenvolvimento soberano do país, de sua economia, dos negócios e do setor social deve proporcionar bem-estar a todas as pessoas, a todas as famílias russas e, portanto, ser justo. Não se trata de uma abordagem primitiva de tamanho único. Justiça significa principalmente condições de vida decentes, instalações modernas para cultura, saúde e esportes em todas as regiões do país. Isso significa um emprego qualificado e bem remunerado e alto prestígio público para trabalhadores, engenheiros, professores, médicos, artistas, personalidades culturais, empresários, todos os especialistas e mestres responsáveis. Justiça significa oportunidades iguais e amplas de estudo, de um começo de vida e de realização pessoal para os jovens.

O Ocidente está agora adotando uma política de “cultura cancelada”, mas isso é, na verdade, uma renúncia à educação humanitária. Como resultado, tanto a cultura quanto a educação estão se tornando primitivas. Muitas disciplinas tradicionais estão simplesmente sendo descartadas dos programas acadêmicos ocidentais e substituídas por algumas ciências de gênero ou outras semelhantes – pseudociências, é claro. Nesse meio tempo, precisamos de um avanço real na vida cultural. E, nesse aspecto, temos muito a aprender com nossos antecessores, que deram o tom para o mundo inteiro, tanto na arte tradicional quanto, a propósito, na arte de vanguarda. Estou convencido de que a soberania do país e o fortalecimento de seu papel no mundo são impossíveis sem uma cultura florescente e distinta em todas as suas manifestações.

E, é claro, devemos aproveitar todas as melhores conquistas obtidas pelos sistemas nacionais e globais de educação tradicional. É importante ressaltar que nossas escolas e universidades devem ser modernas e abertas a todas as ideias avançadas.

Precisamos de uma abordagem holística integral para a educação, com a família, a educação, a cultura nacional, as organizações infantis, juvenis, esportivas e militar-patrióticas, os movimentos de orientação em larga escala e, permitam-me acrescentar, a palavra sábia de nosso clero espiritual que se complementa harmoniosamente. Essa última é simplesmente essencial.

Sim, a Igreja é separada do Estado e o Patriarca [Cirilo] me disse mais de uma vez que, apesar desse fato, desenvolvemos relações únicas entre a Igreja e o Estado. Gostaria de observar, nesse contexto, que a Igreja não pode ser separada da sociedade ou das pessoas. Concordo plenamente com isso. E é por isso que gostaria de enfatizar novamente a importância da participação de representantes de todas as religiões russas tradicionais na educação e na criação de nossos jovens e, é claro, na consolidação dos valores espirituais, morais e familiares. O envolvimento do clero de todas as religiões tradicionais é um valor duradouro.

Sua Santidade, amigos,

Vocês sabem que a Ordem Executiva que declara o próximo ano – 2024 – o Ano da Família na Rússia já foi assinada. E eu gostaria de dizer que essa decisão é de fato baseada na posição da maioria absoluta de nossa sociedade. Tenho certeza de que o Conselho Mundial do Povo Russo também a apoia unanimemente.

Eis o que eu gostaria de dizer e deixar claro. Não superaremos os assustadores desafios demográficos que enfrentamos apenas com dinheiro, benefícios sociais, subsídios, privilégios ou programas específicos. É verdade que o valor dos gastos demográficos do orçamento é extremamente importante, mas não é só isso. Os pontos de referência de uma pessoa na vida são mais importantes. O amor, a confiança e um sólido alicerce moral são a base da família e do nascimento de uma criança. Nunca devemos nos esquecer disso.

Felizmente, muitos de nossos grupos étnicos preservaram a tradição de ter famílias fortes e multigeracionais com quatro, cinco ou até mais filhos. Lembremo-nos de que as famílias russas, muitas de nossas avós e bisavós, tinham sete, oito ou até mais filhos.

Vamos preservar e reviver essas excelentes tradições. As famílias numerosas devem se tornar a norma, um modo de vida para todos os povos da Rússia. A família não é apenas o alicerce do Estado e da sociedade, ela é um fenômeno espiritual, uma fonte de moralidade.

Todos os níveis de governo, nossas políticas econômicas, sociais e de infraestrutura, educação e conscientização e assistência médica devem estar engajados, sem exceção, no trabalho de apoio às famílias, mães e filhos. Todas as organizações públicas e nossas religiões tradicionais também devem se concentrar no fortalecimento das famílias. Preservar e aumentar a população da Rússia é nossa meta para as próximas décadas e até mesmo para as próximas gerações. Esse é o futuro do Mundo Russo, a Rússia milenar e eterna.

Sua Santidade, amigos, temos muitas metas ambiciosas diante de nós, e cumpri-las exige um esforço verdadeiramente conjunto, para o qual estamos prontos. Nós nos tornamos mais fortes. Nossas regiões históricas retornaram à Rússia. A sociedade está rejeitando tudo o que é superficial e se voltando para valores verdadeiros e genuínos.

Pyotr Stolypin enfatizou que a lei baseada no poder nacional tem precedência. Juntos, demonstramos força nacional e vontade nacional, a determinação de defender nossos interesses fundamentais, os interesses fundamentais do povo da Rússia, de sermos guiados não pelas visões emprestadas de outra pessoa, mas por nossas próprias visões de mundo soberanas, nossa compreensão de como a família e o país inteiro devem viver, e de construir a Rússia para nós e nossos filhos.

Gostaria de agradecê-los novamente por seu apoio e patriotismo e, é claro, parabenizá-los por ocasião do 30º aniversário do Conselho Mundial do Povo Russo.

Gostaria de dirigir palavras especiais de agradecimento ao seu líder, o Patriarca Cirilo de Moscou e de todas as Rússias.

Estou ciente de seu trabalho incansável, Sua Santidade, para trazer o renascimento espiritual da Rússia e da importância e influência de sua posição. Quero enfatizar isso. Sob sua liderança, a Igreja Ortodoxa Russa, o clero e os leigos fazem muito para implementar projetos sociais, de caridade e de voluntariado. Também estou ciente do apoio prestado aos nossos militares e suas famílias e de como nossos soldados e oficiais nas linhas de frente buscam ansiosamente as palavras do Patriarca.

Hoje, no Conselho Mundial do Povo Russo, tenho o prazer de parabenizá-lo por ter recebido o Prêmio Presidencial de 2023 por sua contribuição para o fortalecimento da unidade da nação russa. O senhor tem o meu mais profundo respeito. Desejo ao Conselho todo o sucesso em seu trabalho.

Muito obrigado.

<…>

Sua Santidade, amigos.

Se me permitem, apenas duas ou três palavras sobre o que acabou de ser dito.

Em primeiro lugar, concordo que ainda precisamos fazer muito para melhorar as condições de vida das famílias numerosas e das famílias com filhos em geral. Como deve ter percebido, o governo está constantemente se concentrando nisso. Não é por acaso que estamos declarando o próximo ano como o Ano da Família: procurar as medidas mais eficazes, relevantes, importantes e viáveis para o Estado apoiar as famílias com crianças nas condições atuais, em eventos como este e durante discussões com deputados e representantes de várias facções na Duma e organizações públicas.

Isso também inclui, é claro, hipotecas preferenciais e muito mais, mas também a unificação ou o foco nas formas mais eficazes de apoio na forma de vários benefícios, ou a combinação de várias coisas. Mas não vou repetir isso agora; temos todo um grande programa construído, que provavelmente não tem precedentes na história da Rússia. É claro que sempre há algo em que trabalhar; entendo perfeitamente o que meu colega quis dizer.

É claro que uma família grande com um grande número de membros precisa de moradias separadas, e a construção de moradias precisa ser melhorada. É isso que estamos fazendo. A questão é que tudo isso, tudo o que está sendo feito, deve ser mais acessível do que hoje. Isso é óbvio. Isso também se aplica a várias opções de apoio às famílias.

Mas, deixe-me dizer novamente, sou muito grato a Sua Santidade, o Patriarca, por organizar eventos como este, porque isso nos dá a oportunidade de conversar, discutir e ouvir uns aos outros. Certamente trabalharemos nesse sentido.

Agora, com relação ao fato de que, 12 anos após a Grande Guerra Patriótica, o mundo inteiro aprendeu a palavra russa “sputnik”, isso significa o progresso que o país conseguiu alcançar mesmo nos momentos mais difíceis. Quero enfatizar que isso foi possível porque, mesmo durante os momentos mais críticos da Grande Guerra Patriótica, nossos físicos nucleares e desenvolvedores de mísseis continuaram a trabalhar nessas tecnologias, naquilo que era estrategicamente importante e necessário, embora naquela época não houvesse nada mais importante do que, digamos, proteger a frente de batalha ou obter outra vitória no campo de batalha. No entanto, o país sempre pensava no futuro.

É claro que devemos fazer o mesmo. Devemos sempre, independentemente das circunstâncias, pensar no futuro de nosso povo e de nosso Estado. Fazemos isso e faremos no futuro.

(Aplausos)

Obrigado por seus aplausos.

Por fim, gostaria de chamar sua atenção para algumas coisas que o Santo Patriarca mencionou. Ele citou uma canção soviética: “Destruiremos o velho mundo…” e assim por diante. Como Sua Santidade disse, criaremos um novo edifício sobre os escombros. Isso foi o que o governo soviético planejou após a revolução socialista de 1917. Tudo parecia ser escombros. Mas acredito que não se tratava de escombros, mas de sementes a partir das quais cresceu um novo Estado russo e soviético. Porque somente 24 anos depois, apesar de todas as tentativas de erradicar tanto a mentalidade religiosa quanto nossas raízes culturais… Ainda assim, 24 anos depois… Deixe-me lembrá-los, a Grande Guerra Patriótica começou – e o que aconteceu? Lembram-se de como Molotov se dirigiu ao povo soviético com notícias sobre o início da guerra? Como ele se dirigiu a eles? “Cidadãos”. E, alguns dias depois, Stalin se dirigiu a eles como “irmãos e irmãs”. Eles imediatamente se lembraram de Deus, da igreja e de nossas tradições eternas.

O mesmo continua acontecendo hoje. Não é possível erradicar isso. É a própria essência da Rússia e de nossa nação. Sempre olharemos para frente e seguiremos em frente, confiando em nossas tradições seculares e raízes espirituais.

Obrigado por fazer isso. Obrigado e tudo de bom para você.

Fonte: Kremlin

Imagem padrão
Vladimir Putin

Presidente da Rússia

Artigos: 43

Deixar uma resposta