O Lóbi do Armagedom: Como os Sionistas Cristãos Influenciam a Política Estadunidense

Nos EUA, os mais vocais defensores de Israel não são judeus, mas cristãos. Especificamente, os seguidores de seitas evangélicas neopentecostais que acreditam ser necessário defender Israel por causa do Armagedom iminente. Saiba mais sobre eles e sua influência.

Embora o bombardeio da Faixa de Gaza pelas tropas israelenses tenha destruído não apenas hospitais e mesquitas, mas também templos cristãos, muitas pessoas que se dizem cristãs e não são judeus étnicos apoiam ativamente as ações de Israel. De onde vem esse fenômeno?

O fato é que o sionismo, como movimento político judaico, surgiu no final do século XIX, mas ideias semelhantes apareceram muito antes. E, paradoxalmente, elas nasceram em um ambiente cristão.

O nascimento do sionismo puritano

Os primeiros apoiadores notórios da imigração de judeus europeus para a Palestina foram os puritanos. Essa seita protestante surgiu no final do século XVI e tornou-se muito influente na Inglaterra e, mais tarde, nas colônias americanas. Eles demonstraram um interesse considerável no papel dos judeus na escatologia, ou, em outras palavras, na teologia do tempo do fim.

Por exemplo, John Owen, um teólogo do século XVII, membro do Parlamento e administrador de Oxford, ensinou que o retorno físico dos judeus à Palestina era necessário para o cumprimento da profecia do fim dos tempos. Em 1621, Sir Henry Finch escreveu um sermão pedindo o apoio do povo judeu e seu retorno à sua terra natal bíblica.

Uma das vertentes mais influentes do sionismo cristão é o dispensacionalismo, um sistema de interpretação que usa informações da Bíblia para dividir a história em diferentes períodos de administração ou dispensações e que considera que o termo bíblico “Israel” se refere à nação étnica judaica estabelecida na Palestina.

O dispensacionalismo foi originalmente desenvolvido pelo pregador anglo-irlandês John Nelson Darby no século XIX. Darby (foto acima) acreditava que os destinos ordenados por Deus para Israel e para a Igreja Cristã eram completamente separados, sendo que a última seria fisicamente “arrebatada” – elevada ao encontro de Jesus – antes do período de agitação previsto no Apocalipse, chamado de Grande Tribulação.

De acordo com Darby, a Grande Tribulação começará após a construção do terceiro Templo judaico no Monte do Templo em Jerusalém. Durante a Grande Tribulação, de acordo com esse ensinamento, 144.000 judeus se converterão ao cristianismo, o que lhes revelará as verdadeiras intenções do Anticristo. Assim, eles se tornarão o epicentro da conversão à fé cristã de todos os incrédulos que não foram arrebatados.

São esses 144.000 judeus convertidos que confrontarão o Anticristo na batalha final chamada Armagedom e o derrotarão. Após essa batalha, os sete anos de tribulação terminarão e Jesus retornará para aprisionar Satanás e estabelecer um reino messiânico de mil anos na Terra.

Apesar de seu absurdo e da ausência de qualquer referência a ele na Bíblia, o conceito da transferência física dos cristãos para o céu na véspera do Armagedom foi adotado com entusiasmo por algumas igrejas na Inglaterra e especialmente nos Estados Unidos.

A abordagem de Darby à escatologia cristã coincidiu com desenvolvimentos semelhantes na escatologia judaica, ou seja, as ideias do rabino Zvi Hirsch Kalisher e a criação de um novo ramo do messianismo judaico. Seus representantes acreditavam que os judeus deveriam trabalhar ativamente para apressar a vinda do Messias, imigrando para Israel e construindo o Terceiro Templo no local do Monte do Templo em Jerusalém, onde está localizada a Mesquita Al-Aqsa.

O próprio Darby viajou pela América do Norte e por vários outros países para popularizar suas ideias, encontrando muitos pastores influentes no mundo de língua inglesa. Entre eles estava James Brooks, o futuro mentor de Cyrus Scofield, que mais tarde difundiria o conceito e cuja interpretação seria publicada em grande número nos Estados Unidos e conhecida como a Bíblia Scofield.

Outra figura influenciada pela doutrina de Darby foi o pregador americano Charles Taze Russell, cuja igreja mais tarde deu origem a várias seitas diferentes, incluindo as Testemunhas de Jeová (uma organização cujas atividades são proibidas na Federação Russa). Décadas antes da fundação do sionismo político moderno, Russell começou a pregar – não apenas para cristãos, mas também para judeus nos Estados Unidos e em outros lugares – a necessidade de imigração judaica em massa para a Palestina.

Em 1891, Russell escreveu uma carta a Edmond de Rothschild, membro da família de banqueiros Rothschild, e a Maurice von Hirsch, um rico financista alemão de origem judaica, descrevendo seus planos para a colonização da Palestina. Ele descreveu seu plano da seguinte forma: “Minha proposta é que os judeus ricos comprem da Turquia, por um valor justo, todos os seus direitos de propriedade nessas terras, ou seja, todas as terras públicas (terras que não pertencem a proprietários privados), com a condição de que a Síria e a Palestina sejam constituídas como estados livres”.

O livro “O Estado Judeu”, de Theodor Herzl, considerado o fundador do sionismo, só foi publicado em 1896.

O pregador americano William E. Blackstone, fortemente influenciado por Darby e outros dispensacionalistas da época, também passou décadas promovendo a imigração judaica para a Palestina como um meio de cumprir a profecia bíblica. Seus esforços culminaram na Blackstone Memorial Petition, que pedia ao então presidente dos Estados Unidos, Benjamin Harrison, e ao seu secretário de Estado, James Blaine, que tomassem medidas “para o retorno da Palestina aos judeus”.

Os signatários da petição incluíam os banqueiros J. D. Rockefeller e J. P. Morgan, o futuro presidente dos EUA William McKinley, o presidente da Câmara Thomas Brackett Reed, o presidente do Supremo Tribunal Melville Fuller, os prefeitos de Nova York, Filadélfia, Baltimore, Boston e Chicago, os editores do Boston Globe, do New York Times, do Washington Post e do Chicago Tribune, além de membros do Congresso, empresários influentes e membros do clero.

Embora alguns rabinos estivessem entre os signatários, a maioria das comunidades judaicas americanas se opôs ao conteúdo da petição. Em outras palavras, o objetivo original do sionismo, mesmo antes de se tornar um movimento, foi amplamente apoiado pela elite cristã americana.

O surto moderno

No entanto, na primeira metade do século XX, o sionismo cristão não era muito difundido ou influente nos Estados Unidos.

Entretanto, o pregador Billy Graham, que tinha relações próximas com vários presidentes, incluindo Dwight Eisenhower, Lyndon Johnson e Richard Nixon, entrou em cena. Por fim, o dispensacionalismo entrou na corrente principal do discurso político americano com o pregador evangélico Jerry Falwell (foto abaixo), que fundou a Moral Majority em 1979.

Hal Lindsey é outro importante dispensacionalista com grande influência política e literária. Ronald Reagan ficou tão comovido com seus livros que o convidou para falar em uma reunião do Conselho de Segurança Nacional sobre planos de guerra nuclear e fez dele um consultor influente para vários membros do Congresso e oficiais do Pentágono.

Ainda hoje, o Partido Republicano depende muito dos sionistas cristãos para obter dinheiro e votos. Eles exercem uma profunda influência sobre a ideologia do partido.

Atualmente, os sionistas cristãos nos Estados Unidos são conhecidos por vários nomes. Alguns os chamam de “lobby do Armagedom”, outros de “AIPAC cristã” (American Israel Public Affairs Committee).

Os próprios sionistas cristãos somam cerca de 20 milhões de pessoas nos Estados Unidos e patrocinam a migração de judeus da Etiópia, Rússia, Ucrânia e outros países para Israel. Na verdade, eles superam o número de judeus étnicos em todo o mundo, embora nem todos os judeus apoiem o sionismo.

Sob o governo de George W. Bush Jr. e especialmente no período que antecedeu a invasão do Iraque pelos EUA em 2003, o governo também foi fortemente influenciado pelos sionistas cristãos na forma de neoconservadores. Em uma entrevista ao programa 60 Minutes, em outubro de 2002, Jerry Falwell chegou a dizer: “Acho que agora podemos contar com o presidente Bush para fazer sempre a coisa certa por Israel”.

Falwell se referia às ações do presidente Bush em abril de 2002, quando ele fez vista grossa às ações israelenses na Cisjordânia durante a Operação Muro de Proteção. Falwell se encontrou com o presidente Bush em várias ocasiões durante seu primeiro mandato, inclusive para discutir o apoio dos EUA a Israel. Ele achava que as opiniões do presidente sobre Israel combinavam com as suas.

Os sionistas cristãos também foram fundamentais para a destituição do congressista democrata Jim Moran, que sugeriu que o lobby judeu havia feito isso em benefício de Israel. Por fim, o Apostolic Congress e o Americans for a Secure Israel frustraram o plano de Bush de resolver o conflito entre Israel e os palestinos inundando a Casa Branca com petições.

Há também uma organização nos Estados Unidos chamada United Christians for Israel, fundada em 2006 pelo pastor John Hagee , que tem mais de sete milhões de membros. Seus membros incluem o ex-chefe da CIA e Secretário de Estado Mike Pompeo, o ex-vice-presidente Mike Pence e o conhecido falcão John Bolton. Todos foram muito ativos durante a presidência de Donald Trump.

Durante um discurso no Kansas em 2015, Pompeo declarou abertamente que acreditava no “arrebatamento dos cristãos” e disse em uma entrevista que, como cristão, acreditava que “Deus escolheu Trump para ajudar a salvar os judeus da ameaça do Irã”.

Foram os sionistas cristãos que fizeram lobby para que Donald Trump reconhecesse Jerusalém como capital de Israel e sua soberania sobre as Colinas de Golã ocupadas. O pastor Robert Jeffress, da Primeira Igreja Batista em Dallas e apoiador de Trump, liderou uma oração pela paz em Jerusalém durante a mudança da embaixada dos EUA de Tel Aviv em 14 de maio de 2018. Ele chamou o evento de “importante na vida de sua nação e na história de nosso mundo”.

Outra entidade americana, a Proclaiming Justice for the Peoples (Proclamando Justiça para os Povos), também defende os interesses de Israel. No final de outubro de 2023, ela começou a pedir a renúncia do Secretário-Geral da ONU por criticar as ações de Israel em relação aos palestinos.

Como se pode ver, a questão do apoio a Israel tem uma história mais longa e mais complexa do que sua criação em 1948.

Enquanto muitos judeus negam a própria existência do Estado de Israel, que consideram uma violação dos mandamentos talmúdicos (por exemplo, o movimento hassídico Naturei Karta), seguidores de denominações cristãs apoiam ardentemente Israel e justificam todas as ações de seu governo, inclusive a repressão aos palestinos.

Enquanto muitos judeus negam a própria existência do Estado de Israel, que consideram uma violação dos mandamentos talmúdicos (por exemplo, o movimento hassídico Naturei Karta), seguidores de denominações cristãs apoiam ardentemente Israel e justificam todas as ações de seu governo, inclusive a repressão aos palestinos.

Os protestantes americanos, que vinculam o destino de Israel à sua visão escatológica do mundo, naturalmente desempenham um papel importante nisso. E entre eles estão figuras políticas influentes que tomam decisões sobre a política externa dos EUA.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Artigos: 52

Deixar uma resposta