John Mearsheimer e a Nova Guerra em Israel

John Mearsheimer é um dos geopolitólogos realistas mais conhecidos da atualidade. Segundo ele, Israel criou uma situação em Gaza na qual não há esperança de vitória.

John J. Mearsheimer, um especialista americano em relações internacionais e defensor da política externa “neorrealista”, argumenta que Israel, que não aprendeu nada com a desastrosa guerra do Líbano em 2006, “iniciou insensatamente uma nova guerra que não pode vencer”.

A campanha de Gaza teria dois objetivos: acabar com os ataques de foguetes palestinos ao sul de Israel e restabelecer a dissuasão militar, que foi prejudicada pelo fiasco do Líbano e pela incapacidade de Israel de interromper o programa nuclear do Irã.

De acordo com Mearsheimer, esses não são os objetivos reais do regime sionista. Os líderes israelenses ainda estão apegados ao seu plano de controlar toda a antiga Palestina, incluindo Gaza e a Cisjordânia.

Para atingir esse objetivo, os sionistas estão preparados para infligir enorme sofrimento aos palestinos para que essas pessoas infelizes percebam que são os perdedores e que Israel controla o futuro da região. Essa estratégia foi expressa pela primeira vez por Ze’ev Jabotinsky na década de 1920 e tem influenciado fortemente a política israelense desde 1948.

“O que aconteceu em Gaza é totalmente consistente com essa estratégia”, diz Mearsheimer. Qualquer sugestão de que Israel tenha tentado no passado fazer a paz com os palestinos e permitir que eles construíssem um mini-Estado digno desse nome é “pura ficção” para o cientista político israelense.

Mesmo antes de o Hamas chegar ao poder, os israelenses pretendiam criar uma prisão a céu aberto para os palestinos de Gaza, causando-lhes tanto sofrimento que acabariam se submetendo aos seus ocupantes. O alojamento de 2,5 milhões de pessoas em Gaza em um espaço fechado e controlado criaria uma catástrofe humana, levando a confrontos desesperados e à aniquilação, apresentados como “autodefesa” pelos sionistas.

Além do bloqueio opressivo da Faixa de Gaza, Israel tem detido e matado palestinos arbitrariamente na Cisjordânia há anos. De acordo com Mearsheimer, Israel nunca quis uma longa pausa no conflito, nem trabalhar para uma “solução de dois estados”, mas “fazer com que os palestinos aceitassem seu destino como súditos infelizes do Grande Israel”.

Essa política cruel está claramente refletida nas ações de Israel na guerra de Gaza. Israel e seus apoiadores afirmam que o “exército judeu mais moral do mundo” está fazendo tudo o que pode para evitar vítimas civis, mas o observador Mearsheimer refuta essas afirmações como propaganda.

“Um dos motivos para duvidar dessas afirmações é que Israel se recusa a permitir a entrada de jornalistas na zona de guerra: não quer que o mundo veja o que seus soldados e bombas estão fazendo em Gaza. Ao mesmo tempo, Israel lançou uma campanha de propaganda maciça para dar um toque positivo às histórias de terror que estão surgindo”.

A melhor evidência, no entanto, de que Israel está deliberadamente buscando punir toda a população de Gaza é a morte e a destruição causadas nesse pequeno pedaço de terra. Israel matou milhares de palestinos, tendo como alvo universidades, escolas, mesquitas, casas, blocos de apartamentos, escritórios do governo, hospitais e até ambulâncias.

Os dirigentes israelenses imaginam que podem travar uma guerra brutal e total contra milhões de civis palestinos e que, quando finalmente atingirem seus objetivos de guerra, o resto do mundo esquecerá rapidamente o massacre do povo de Gaza e permitirá que os judeus continuem construindo sua etnocracia racista.

Esse é o pensamento ilusório de Mearsheimer. Israel poderia tentar conquistar toda a Faixa de Gaza com uma força militar suficientemente grande, o que, se bem-sucedido, acabaria com os ataques de foguetes. Mas, nesse caso, o exército ficaria preso em uma ocupação dispendiosa contra uma população profundamente hostil. Eventualmente, ele teria que sair, e os ataques com foguetes seriam retomados com seriedade. Tudo isso apenas reduziria o efeito de dissuasão buscado pelo regime sionista.

Mearsheimer vê poucos motivos para acreditar que os israelenses poderiam fazer com que os palestinos “vivessem tranquilamente em um punhado de bantustões dentro da Grande Israel”. Israel vem humilhando, torturando e matando palestinos nos territórios ocupados há décadas, mas a resistência não está diminuindo.

“Na verdade, a reação do Hamas à brutalidade de Israel parece confirmar a observação de Nietzsche de que o que não mata fortalece”, conclui filosoficamente o acadêmico americano.

Mas mesmo que o sonho sionista seja bem-sucedido de alguma forma, Israel sempre perderá no final, porque já é amplamente percebido como um estado de apartheid insípido para o qual não deveria haver lugar no mundo multicultural de hoje.

Por que não pedir a Israel que adote o mesmo tipo de política de “fronteiras abertas” que as organizações judaicas exigiram dos países europeus como resultado do Holocausto? Os grupos de ajuda israelenses transportam migrantes para a Europa, mas não querem que eles entrem no Estado judeu.

Independentemente do que se pensa sobre esse duplo padrão ou sobre o sionismo, a terrível devastação de Gaza não pode ser ignorada. Embora os líderes políticos da UE ainda repitam o mantra do “direito de Israel de se defender”, há uma mudança de opinião entre seus cidadãos. Muitos deles, antes pró-Israel, estão reagindo à dureza da situação dos palestinos.

“O que está acontecendo em Gaza está acelerando essa evolução do conflito e será visto como uma mancha negra na reputação de Israel por muito tempo”, diz Mearsheimer. “Em última análise, independentemente do que aconteça no campo de batalha, Israel não pode vencer sua guerra em Gaza.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Markku Siira

Escritor

Artigos: 52

Deixar uma resposta