Geografia Sagrada e Escatologia: Geopolítica Pós-Moderna com a Palestina como Exemplo

A questão religiosa não é secundária no Conflito Israel-Palestina. Ao contrário, as pretensões pseudo-messiânicas do sionismo com seu objetivo de explodir a Mesquita de Al-Aqsa e o esforço islâmico por preservar o Domo da Rocha, estão no centro de tudo.

Se observarmos o atual conflito pela Palestina, veremos que certas dicotomias são usadas para categorizar a guerra: muçulmanos versus judeus, Ocidente versus Islã, ocupados versus ocupantes e muitas outras. Alguns desses pares de opostos são mais verdadeiros do que outros, mas é claro que eles deixam de fora alguns aspectos importantes, como é o caso de qualquer forma de simplificar uma situação. É claro que a guerra na Palestina é um conflito entre os palestinos ocupados e seus ocupantes sionistas. É um conflito brutal, principalmente porque os palestinos são um povo colonizado que luta por sua sobrevivência contra um inimigo cujos representantes oficiais, como o ministro da Defesa de Israel, Joav Galant, os descrevem como “animais humanos”. Muitos observadores sonham com uma solução genuína de dois Estados para criar uma paz duradoura para a Palestina. Dada a gravidade do conflito, parece que a guerra só pode terminar com a derrota dos palestinos e a limpeza étnica do povo palestino em Gaza, ou com uma derrota humilhante da elite sionista e etnonacionalista fanática em Tel Aviv. No momento, ambos os cenários são possíveis.

Na verdade, os neoconservadores, os seguidores da Escola de Frankfurt na Alemanha e até mesmo alguns populistas europeus de direita tentam apresentar a luta como um duelo entre um “Ocidente secularizado, civilizado e transgressor” e um “Islã bárbaro, brutal e retrógrado”. Ao ouvir essa propaganda ocidental, somos imediatamente lembrados do livro O Choque de Civilizações, de Samuel Huntington, no qual ele previa o aumento da multipolaridade, mas também uma possível escalada do conflito entre o Ocidente e a civilização islâmica. Na mente dos neoconservadores, o possível choque de civilizações descrito no trabalho de Huntington se tornou uma profecia que se autocumpre. Entretanto, o filósofo americano nos mostrou que o choque de civilizações é apenas uma possibilidade entre outras, sendo as outras a cooperação e a paz.

A dicotomia “judeus versus muçulmanos” não é totalmente correta na medida em que o nacionalismo sionista, a ideologia do Estado de Israel, está em total oposição ao judaísmo tradicional, que considera a presença de judeus na Palestina antes da vinda do Messias como uma heresia e uma violação da vontade de Deus. Além disso, a dimensão dessa luta não pode ser reduzida a um confronto entre as forças globalistas que buscam manter a unipolaridade e a hegemonia ocidental e as forças que defendem o estabelecimento de uma ordem mundial multipolar na qual o Ocidente é apenas um polo entre outros. Se quisermos entender a verdadeira dimensão e o significado dessa guerra para a Palestina, devemos voltar nossa atenção para outros aspectos.

Está claro que conceitos e formas de percepção puramente modernos não podem destacar a importância da eternidade para as culturas tradicionais, como é o caso da civilização islâmica. As seitas pós-modernas que combinam versões distorcidas da escatologia cristã e judaica com visões evangélicas e sionistas do fim do mundo são o verdadeiro motor desse conflito, mas são amplamente ignoradas no Ocidente.

O mesmo pode ser dito da ideia de geografia sagrada, o ancestral da geopolítica moderna, que agora é completamente estranha para a maioria dos europeus, que seguem um estilo de vida ateísta desprovido de qualquer conhecimento histórico. Portanto, devemos seguir o filósofo russo Alexander Duguin e a escola filosófica tradicionalista se quisermos chegar ao cerne da questão no que diz respeito à geopolítica pós-moderna, tomando a Palestina como exemplo. Quem quiser entender a guerra pela Palestina deve compreender que ela não é travada apenas por objetivos geopolíticos, a criação de um mundo multipolar, por um lado, e a prevenção da multipolaridade, por outro, mas que é uma guerra baseada na geografia sagrada e na escatologia. Em suma, é uma guerra santa.

Geografia sagrada

O termo geografia sagrada implica que uma paisagem tem um significado intrinsecamente sagrado, derivado de Deus ou dos deuses, dependendo do sistema de crenças subjacente. É um tipo de espaço que está repleto de divindade. Consequentemente, a geografia sagrada é uma maneira de ver o mundo em relação a mitos e crenças. Ela também destaca lugares sagrados que são constantemente consagrados por meio de rituais. Enquanto os egípcios acreditavam que as terras a oeste dos Pilares de Héracles (atual Gibraltar) abrigavam o reino dos mortos, os europeus medievais acreditavam que a atual Escandinávia e a Europa Oriental eram habitadas por feiticeiros e selvagens.

A Palestina é um espaço sagrado. É uma Terra Santa para cristãos, muçulmanos e judeus. Na teologia cristã, a Palestina é a terra onde a mensagem de Deus para a humanidade foi revelada. Foi aqui que Jesus Cristo nasceu, pregou, foi crucificado e ressuscitou. Para os cristãos, a cidade de Jerusalém não serve apenas como uma alegoria da Igreja, mas contém muitos locais sagrados, como a Igreja do Santo Sepulcro e o Cenáculo no Monte Sião, onde ocorreu a Última Ceia. Em termos de rituais, os cristãos ortodoxos celebram a Cerimônia do Fogo Sagrado todos os anos no sábado antes da Páscoa. No discurso da filosofia europeia, Jerusalém também simbolizava a primazia da religião sobre a racionalidade pura e a razão, duas qualidades associadas à cidade de Atenas. A primazia de Atenas que prevalece no pensamento europeu atual talvez seja a razão pela qual estamos tão cegos para o fenômeno da geografia sagrada. No Islã, Jerusalém é chamada de Al-Quds ou Baitul-Maqdis (“O lugar nobre e sagrado”) e abriga o Domo da Rocha, a mais antiga estrutura de pedra islâmica. De acordo com a teologia muçulmana, Jerusalém foi a primeira quiblah, o local onde os muçulmanos rezavam. De acordo com o Profeta Maomé, a Mesquita Al-Aqsa (Jerusalém) é o terceiro local mais sagrado do Islã, juntamente com Meca e Medina, e um destino para os peregrinos muçulmanos de todo o mundo. O judaísmo, por sua vez, considera a Palestina como a “Terra Prometida”, mas os pontos de vista dos judeus ortodoxos e dos sionistas diferem radicalmente em sua reivindicação da Palestina. Na tradição judaica, Jerusalém era a sede do Templo, a capital do reino judaico e o local da Arca da Aliança. Do ponto de vista judaico, é também um local de luto, pois o Templo judaico foi destruído duas vezes e os judeus foram expulsos da cidade várias vezes. Os judeus ortodoxos a consideram o “umbigo do mundo”, Jerusalém simboliza para eles a esperança do aparecimento do Messias, além de ser o lugar mais sagrado.

Quando os sionistas de Theodor Herzl entraram em Jerusalém em 1898, seu pensamento foi claramente influenciado por Atenas, não por Jerusalém: eles ficaram chocados com o suposto obscurantismo dos habitantes e com o mau cheiro da cidade. Para os sionistas radicais – que até hoje são essencialmente nacionalistas militantes que veem seu judaísmo como uma consequência de sua herança biológica, e não espiritual – Jerusalém é uma espécie de desgraça religiosa, associada à sujeira e ao fervor religioso no meio do deserto que eles transformaram em sua versão do Jardim do Éden. É claro que, aos olhos deles, a Palestina é um lugar puramente mundano, desprovido de qualquer traço de geografia sagrada, a ser preparado para a ocidentalização, a colonização e todas as outras maravilhas negras e profanas do pós-modernismo: bandeiras de arco-íris, “casamento gay” e um nacionalismo dominado apenas pela sede de sangue e de terra. Embora os judeus ortodoxos considerem a criação de um Estado judeu na Palestina antes do fim dos tempos uma heresia, o sionismo, que surgiu da seita sabbateana e do movimento educacional judeu conhecido como Haskala, foi fundado com esse objetivo em mente. Com o apoio explícito do Ocidente, o sionismo foi um grande sucesso: o Estado judeu foi criado em 1948 e Jerusalém tornou-se uma cidade controlada pelos judeus em 1967.

Escatologia como ferramenta política: o Terceiro Templo e a Tempestade Al-Aqsa

Observando a recente escalada na Palestina pelos olhos da mídia ocidental, os acontecimentos parecem bastante estranhos: de repente, a ala militar do Hamas, a Brigada Al-Qassem, lança um ataque contra Israel. Por sua vez, os israelenses parecem responder de forma desproporcional. Enquanto o exército israelense foi pego de surpresa e sofreu as maiores baixas de sua existência, milhares de palestinos morreram em decorrência de ataques israelenses a áreas civis. Mas se observarmos mais de perto o que está acontecendo, descobriremos que o verdadeiro motivo da guerra atual é escatológico.

A escatologia nos ensina sobre o fim deste mundo e o nascimento de um novo. É exatamente o fim deste mundo que os sionistas cristãos americanos e europeus e as seitas judaicas na Palestina estão tentando realizar com a construção do Terceiro Templo em Jerusalém. O nome da operação do Hamas “Al-Aqsa” nos leva diretamente ao significado escatológico e à verdadeira natureza dessa guerra. Embora, mesmo sob a ocupação israelense, os rituais judaicos na mesquita de Al-Aqsa tenham sido impedidos por Israel há muito tempo, fanáticos judeus têm sido vistos dentro da mesquita com frequência cada vez maior desde o início dos anos 2000, à medida que a política israelense se aproxima cada vez mais das palhaçadas de uma direita enlouquecida. Embora os muçulmanos de todo o mundo a considerem um sacrilégio, os judeus fanáticos consideram a mesquita de Al-Aqsa, construída sobre as ruínas do Segundo Templo, como um obstáculo à construção do Terceiro Templo.

A “Tempestade Al-Aqsa” foi causada pela profanação da mesquita de Al-Aqsa pelos judeus. As seitas judaicas, como o Instituto do Templo e os Fiéis do Monte, exigem o sacrifício de uma novilha vermelha imaculada para possibilitar a construção do Terceiro Templo, o que desencadearia a vinda do Messias e o fim do mundo. Para os muçulmanos praticantes, esses atos de profanação da Mesquita de Al Aqsa representam o trabalho do Gadjal, o anticristo. De acordo com algumas seitas em Israel, a novilha vermelha perfeita já nasceu e estará pronta para ser abatida em 2024. A maioria dos judeus, entretanto, acredita que o Terceiro Templo será construído pelo próprio Deus e pelo Messias, e que a intervenção humana direta nessas questões é um sacrilégio. Mas, como tantas vezes na história, isso é feito por minorias radicais dispostas a fazer qualquer coisa, não pela maioria. Isso explica as provocações persistentes das seitas judaicas e a determinação de grupos muçulmanos radicais como o Hamas em defender a mesquita de Al-Aqsa, mesmo que isso signifique sacrificar milhares de palestinos em Gaza.

Enquanto a Rússia, o Irã, a China e até mesmo a Arábia Saudita adotam a posição palestina e pedem uma solução genuína de dois Estados, o Ocidente, em grande parte ateu e pós-moderno, se reúne em torno da bandeira israelense e defende todos os crimes de guerra, mesmo os mais flagrantes, cometidos pelos israelenses. Mas esse jogo de cowboy pode acabar mal para o Ocidente: enquanto os palestinos em Gaza lutam desesperadamente por sua sobrevivência e pela preservação de Al-Aqsa, mais de 5 milhões de homens se ofereceram como voluntários no Irã para lutar pela Palestina. O Catar ameaça Israel com sanções energéticas e, pela primeira vez desde 2013, as pessoas se manifestaram na Praça Tahrir, no Cairo, para pedir intervenção ao lado de seus irmãos muçulmanos na Palestina. Já estamos na presença de uma guerra santa e, em retrospecto, o político russo Zhirinovsky pode estar certo quando disse que o conflito na Ucrânia seria pálido em comparação com a guerra iminente na Terra Santa.

Enquanto o Islã começa a formar uma civilização independente como resultado dessa luta e luta por um mundo multipolar ao lado da Rússia e da China, o Ocidente satânico, da Ilha Epstein a Bruxelas, está do lado de Israel. À primeira vista, a palavra satânico pode parecer forte demais para descrever o Ocidente moderno (que não tem nada a ver com a tradição e a cultura ocidentais desde a Antiguidade até o final da Renascença), mas se observarmos a realidade política em seu meio, os shows de drag queen, os números do aborto, as operações de “redesignação sexual”, a destruição total da cultura ocidental em nome da “wokeness”, a violência em nossas ruas e a impiedade no coração de nosso povo, estou convencido de que esse qualificador não é realmente uma surpresa.

Enquanto os países do BRICS estão em processo de formação de um katekhon, o tampão do anticristianismo, a diabólica civilização ocidental está se aliando a Israel, o que não é um bom sinal para o próprio Israel, como Aleksandr Dugin já apontou. À luz dos acontecimentos atuais, nós, europeus, precisamos decidir quem apoiaremos nessa guerra. Podemos escolher entre apoiar o Ocidente satânico ou formar um katekhon com todos os outros povos do mundo. Devemos mostrar ao mundo que há uma diferença entre os povos da Europa e suas elites satânicas controladas pelos Estados Unidos. Não estou falando de uma luta armada. Nossa luta deve ser, acima de tudo, um protesto espiritual e intelectual e deve ser levada às ruas. Temos que nos livrar de nossas elites para que possamos finalmente recuperar o controle de nossas vidas. Nessa luta entre o bem e o mal, não podemos permanecer neutros; temos de escolher um lado. Nós, membros da resistência cristã, europeus conscientes de nossa própria história, geografia sagrada e escatologia, só podemos lutar por mudanças, orar a Deus e formar um katekhon contra essa civilização infernal. Veremos qual lado vencerá essa guerra santa, só Deus sabe.

Fonte: Adáraga

Imagem padrão
Alexander Markovics

.

Artigos: 53

Deixar uma resposta