Quem está por trás do Hamas?

Muitas narrativas são divulgadas sobre o Hamas, inclusive algumas segundo as quais eles seriam dirigidos pelo Irã. Mas será que isso faz sentido? No lugar de teorias da conspiração, é mais seguro se apegar às fontes primárias.

A acusação contra o Irã foi ouvida pela mídia em Israel e nos Estados Unidos quase imediatamente após o ataque de militantes do movimento de resistência palestino Hamas a uma base militar israelense e a cidades vizinhas. De fato, a liderança desse país tem sido um apoiador moral da organização de resistência palestina. Como sempre fez, porém, com palavras de apoio a todos os palestinos. Em seguida, surgiram relatos de autoridades do establishment dos EUA de que não havia confirmação definitiva de que o Irã estava por trás dos ataques. O Irã então reapareceu em declarações de políticos israelenses e americanos, que começaram a acusá-lo de apoiar o Hamas e de ameaçar retaliação.

Para o leigo médio do Ocidente, essa referência pode parecer uma acusação justa, já que a liderança do Irã sempre apoiou o povo da Palestina e o estabelecimento de um Estado palestino independente. E as constantes acusações feitas pelos EUA e por Israel contra o Irã ajudam a fazer com que essas declarações pareçam confiáveis. No entanto, sabemos como os países do Ocidente coletivo são hábeis na manipulação da mídia. E o problema é que os leitores e cidadãos comuns dos países ocidentais, que são alvos da propaganda da mídia, não verificam os fatos e tentam repensar criticamente o que estão recebendo da mídia globalista. Porque então eles descobrirão alguns fatos desconfortáveis que não falam a favor dos EUA e de Israel.

Podemos começar dizendo que Israel é parcialmente responsável pelo surgimento do Hamas. Tareq Baconi argumenta que “quando o Hamas foi fundado em 1987 e se tornou um partido político e militar envolvido na resistência ativa à ocupação israelense, a política do governo israelense mudou e, aparentemente, tornou-se menos aberta a permitir que o Hamas funcionasse. Entretanto, isso não impediu que as autoridades israelenses incentivassem táticas de divisão e domínio entre um movimento nacional islâmico como o Hamas e o nacionalismo secular do Fatah. E essa sempre foi uma tática usada pelas forças coloniais em todo o mundo e, aparentemente, o colonialismo israelense não é diferente. Assim, explícita e implicitamente, ele tentou uma política de dividir para reinar”.

Novamente, foi a mídia ocidental que divulgou os fatos sobre essas conexões. Em 2009, Avner Cohen, ex-funcionário israelense de assuntos religiosos que trabalhou em Gaza por mais de 20 anos, disse ao Wall Street Journal: “O Hamas, para meu grande pesar, é uma criação de Israel”. O general de brigada Yitzhak Segev declarou que recebeu um orçamento para financiar movimentos islâmicos na Faixa de Gaza a fim de se opor a Yasser Arafat e seu movimento Fatah. Outro ex-oficial militar israelense, David Hasham, disse: “Quando olho para trás e vejo a cadeia de eventos, acho que cometemos um erro. Mas, na época, ninguém pensou nas possíveis consequências.”

Também é suspeito que Israel tenha feito vista grossa ao fato de que o campo de treinamento do Hamas estava localizado a dois quilômetros da fronteira israelense. Um porta-voz da IDF disse em comentários à CNN que isso não é novidade.

Entretanto, isso parece estranho, pois se o Hamas é considerado uma organização terrorista em Israel e ocasionalmente atacou os locais suspeitos de seus líderes, por que o campo de treinamento militar estava operando permanentemente debaixo do nariz de Israel?

Talvez as teorias da conspiração de que o ataque foi autorizado pela inteligência israelense para resolver radicalmente o problema palestino não sejam tão teorias da conspiração assim?

O segundo fato crucial é que o Irã não é um dos principais patrocinadores do Hamas. Por muitos anos, o Catar tem sido seu principal patrocinador. De acordo com o Telegraph, “o Hamas continua sediado em Doha, a capital do Catar, e recebe grande parte de seu financiamento do governo do Catar. A Fundação para a Defesa das Democracias afirma que o Catar doou entre US$ 360 milhões e US$ 480 milhões por ano ao Hamas nos últimos anos, financiando serviços sociais e fortalecendo o controle do poder do grupo terrorista em Gaza”.

O Catar é um pequeno país na Península Arábica, mas bastante rico e poderoso. A liderança do país busca boas relações com o Irã e os EUA. Recentemente, a Arábia Saudita impôs um bloqueio ao Catar devido a uma controvérsia sobre suas políticas na região. No entanto, as relações foram normalizadas recentemente. Um dos motivos para esse comportamento de Riad foi o fato de o Catar apoiar a Irmandade Muçulmana. Nesse meio tempo, é a organização-mãe do Hamas, que nasceu do ramo palestino da Irmandade Muçulmana.

Gregg Roman, diretor do Fórum do Oriente Médio e ex-funcionário dos Ministérios das Relações Exteriores e da Defesa de Israel, afirma que, de acordo com um acordo firmado em maio de 2021, após o conflito entre Israel e o Hamas, o Catar começou a enviar combustível (no valor de US$ 7 milhões a US$ 10 milhões por mês) para Gaza via Egito, liberando fundos para o Hamas a partir das receitas de revenda. Esses fundos foram usados para pagar os salários do governo do Hamas e para ajudar os habitantes pobres de Gaza, mas é provável que a maior parte deles tenha acabado financiando atividades terroristas.

Gregg Roman é um crítico ferrenho do Catar, expondo os vínculos do país com políticos norte-americanos. Ele chamou abertamente o Catar de Estado patrocinador do terrorismo e acusou o Emir do Catar, Sheikh Tamim bin Hamad Al Thani, de financiar não apenas o Hamas e o Talibã, mas também o Hezbollah, os Houthis e até mesmo o ISIS. Roman também disse que um desses políticos, o senador J. Lindsey Graham, da Carolina do Sul, atraiu mais de US$ 1 bilhão em investimentos do Catar na indústria de seu estado. Uma dessas empresas, a Barzan Aeronautical, que desenvolve drones e armas militares, é de propriedade da Barzan LLC em Delaware, uma subsidiária da empresa alemã Barzan GmbH, que, por sua vez, é “totalmente de propriedade do Ministério da Defesa do Catar”. Essencialmente, isso significa que o Catar “tem seu próprio centro de pesquisa e desenvolvimento de drones no centro de Charleston, Carolina do Sul”.

Lindsey Graham, a propósito, tem sido um defensor ativo da guerra contra o Irã ultimamente. Provavelmente para desviar a atenção do Catar e de seus laços com ele.

O Catar também se comprometeu anteriormente a doar US$ 500 milhões para ajudar na reconstrução de Gaza. Até recentemente, Israel permitia que o Catar fornecesse ajuda humanitária a Gaza, aproveitando-se do relacionamento de Doha com o Hamas.

A propósito, Doha, a capital do Qatar, é a residência do líder do Hamas, Ismail Haniyeh. O ex-líder do Hamas, Khaled Mashal, que agora ocupa o cargo inferior de vice-líder do movimento, também está lá.

Khalil al-Hayya, que foi vice de Yahya Sinwar (o líder anterior do Hamas em Gaza), também está em Doha.

O fato de que o governo do Catar imediatamente considerou Israel “o único responsável” pelo massacre e exigiu que a comunidade internacional “obrigasse Israel a cessar sua flagrante violação da lei internacional” também é de grande importância. O Ministério das Relações Exteriores do Catar disse que considera Israel “o único responsável pela escalada contínua devido às violações constantes dos direitos do povo palestino, sendo a última delas as repetidas incursões na Mesquita de Al-Aqsa sob a proteção da polícia israelense”.

A Al Jazeera, recentemente proibida em Israel, também tem sede em Doha. Alguns dias após o ataque do Hamas, seu site publicou um artigo explicando os motivos do ataque. E ele confirma o fato de que o Hamas e o Irã não têm uma relação tão forte quanto os EUA e Israel afirmam. De acordo com o artigo, “Nos últimos anos, o movimento teve que repensar a posição política que assumiu após a Primavera Árabe em 2011, opondo-se ao Irã e seu aliado, o regime sírio. O secretário-geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah, disse que estava pessoalmente envolvido na melhoria das relações entre o Hamas e Damasco. Uma delegação do Hamas visitou Damasco em outubro de 2022. Seu chefe do politburo, Ismail Haniyeh, visitou Beirute em abril e Teerã em junho. No mês passado, Nasrallah recebeu Ziyad al-Nakhalah, secretário-geral da Jihad Islâmica Palestina, e Saleh al-Arouri, vice-chefe do escritório político do Hamas”.

Embora isso indique uma melhora na atitude do Hamas em relação ao Irã e à Síria, não se pode presumir que Teerã tenha se tornado o principal patrocinador do Hamas.

O Hamas não respondeu de forma alguma quando, em novembro de 2019, líderes pró-iranianos da Jihad Islâmica na Faixa de Gaza e em Damasco foram mortos por israelenses. Pelo menos algumas declarações seriam feitas se o Hamas fosse patrocinado pelo Irã. Não houve nenhuma.

Então, por que os EUA ignoram uma conexão tão clara? Talvez porque o exército dos EUA esteja estacionado na Base Aérea de Al Udeid, no Catar, desde 2001. O Pentágono tem usado a base para ataques contra alvos da Al-Qaeda e do ISIL, bem como para várias operações ofensivas na Síria e no Iraque. No ano passado, o governo Biden designou o Catar como um importante aliado não pertencente à OTAN por sua assistência na retirada das tropas americanas do Afeganistão.

Além disso, os EUA usaram o Catar para negociar com o Talibã. Mas, a julgar pelos resultados, não foi muito bem-sucedido. Outro fato menos conhecido é a negociação para trocar o sargento do Exército dos EUA Bowe Bergdahl, que havia sido mantido em cativeiro pelo Talibã por vários anos, por prisioneiros talibãs mantidos na Baía de Guantánamo. Um ex-prisioneiro do Talibã negociou posteriormente com o Departamento de Estado dos EUA durante a retirada das tropas do Afeganistão em 2021 pelo governo Biden.

O Catar também intermediou negociações com o Irã para extraditar cidadãos americanos condenados em troca de seis bilhões de dólares em receitas de petróleo iranianas congeladas.

A Turquia é outro país que apoia o Hamas.

Em maio de 2010, a Turquia enviou vários navios de ajuda humanitária para a costa da Faixa de Gaza. Esses navios foram chamados de Flotilha da Liberdade. Um desses navios, o Mavi Marmara, foi atacado por forças especiais israelenses. Dez cidadãos turcos foram mortos e dezenas de outros ficaram feridos. As relações entre a Turquia e Israel se deterioraram como resultado do incidente. Entretanto, deve-se observar que coletes à prova de balas com marcas turcas foram encontrados na carga do navio. O escândalo sobre a questão vem se arrastando há anos, e a Turquia chegou a apresentar à Interpol, em maio de 2014, uma caça internacional aos quatro oficiais israelenses que planejaram o ataque. No entanto, devido à normalização das relações com Israel, o pedido foi retirado da Interpol em 2016.

Na mesma época, a Turquia lançou a Operação Escudo do Eufrates e começou a ocupar partes do norte da Síria. Os aliados locais da Turquia nessa operação foram o Exército Livre da Síria, um grupo armado composto em parte pela Irmandade Muçulmana (embora o FSA tivesse muitas facções, algumas das quais eram hostis entre si). Devemos acrescentar que a Turquia também apoiou os islamitas na Líbia. E em 2019, a ONU informou que a Jordânia, a Turquia e os Emirados Árabes Unidos estavam violando sistematicamente o embargo de armas à Líbia.

O relacionamento da Turquia com a Irmandade Muçulmana também é bem conhecido. Eles também têm um relacionamento estratégico com o Catar, que regularmente fornece a Ancara empréstimos e créditos favoráveis. Por sua vez, a Turquia apoiou o Catar quando ele foi bloqueado pela Arábia Saudita e instalou sua base militar no país.

Desde 2005, a TIKA (Agência Turca de Cooperação e Desenvolvimento) implementou 600 projetos na Palestina, incluindo a Faixa de Gaza. A agência é dirigida por Serdar Çam, um amigo próximo de Recep Erdoğan. A TIKA tem a reputação de ser o braço humanitário dos serviços de inteligência turcos. Ao mesmo tempo, eles apoiam vários projetos duvidosos, como a Iniciativa Circassiana. Ativistas circassianos realizaram uma série de protestos na Turquia na véspera das Olimpíadas de Sochi. Em agosto de 2023, a conferência internacional da ONG Conselho da Circássia Unida, fundada no mesmo ano, foi realizada na Turquia. A Iniciativa Circassiana é claramente dirigida contra a Rússia, pois implica a criação de algum tipo de estado independente no território do norte do Cáucaso.

É interessante observar que o Catar e a Turquia são aliados dos EUA. O primeiro por meio de relações bilaterais e o segundo dentro da estrutura da OTAN, mas ambos apoiam ardentemente a Palestina.

Obviamente, isso é um grande impedimento para Washington incentivar Israel a agir contra o Hamas em Gaza. Provavelmente, esse é um dos motivos pelos quais a reunião é adiada repetidas vezes, embora a versão oficial seja o problema de identificar a localização dos reféns.

De modo geral, a situação lembra a estratégia ocidental de criar um movimento mujahideen no Afeganistão. Então, Osama bin Laden sentiu a necessidade de lutar contra os Estados Unidos e o Ocidente. Ele criou a Al-Qaeda (proibida na Rússia). Nesse caso, o Hamas usou todas as oportunidades oferecidas por Israel, pelo Ocidente e por seus patrocinadores para consolidar seu poder em Gaza e começar a ditar seus termos.

O professor Agel Salah, da Palestina, observou que “o Hamas tem seus próprios cálculos para governar Gaza, suas relações com os Estados sunitas e um entendimento especial que liga o movimento ao seu movimento-mãe, a rede global da Irmandade Muçulmana, que se opõe ao xiismo e não apoia o Irã”. E também é crucial para a Turquia e o Catar conterem as ambições do Irã na região.

Essa observação é altamente relevante para esclarecer a ideologia e os imperativos estratégicos do Hamas. Devido aos anos de bloqueio na Faixa de Gaza, o movimento adotou uma política flexível e oportunista, aproveitando todas as oportunidades para sobreviver e, se possível, se fortalecer.

Fonte: Oriental Review

Imagem padrão
Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Artigos: 49

Deixar uma resposta