O Plano Andinia busca a Balcanização da América do Sul

Poucas pessoas sabem que os primeiros sionistas tinham um Plano B para o projeto de criação de um Estado judaico: a Patagônia Argentina, caso não desse certo na Palestina. Desde então, esporadicamente volta-se a comentar sobre o chamado Plano Andinia. Com as tensões no Oriente Médio e um presidente sionista na Argentina isso pode voltar a ser pauta.

O artigo a seguir levanta a possibilidade de que, no futuro, a América do Sul passe por uma situação semelhante à do Oriente Médio. Guerra, instabilidade e invasões militares por parte das potências ocidentais. Assim como criaram uma “primavera árabe” para desestabilizar a região, em um futuro não muito distante poderão criar uma “primavera latino-americana” para fazer o mesmo.

Assim como existe um mapa de remodelação para todo o Oriente Médio, onde o plano é criar novos países eliminando os atuais, a América do Sul poderia passar por um plano semelhante e é isso que o plano Andinia esconde. Dividindo o Brasil em vários países, eliminando a superpotência da região, Colômbia, Venezuela, Equador e Bolívia também veriam a perda e a fragmentação de seus territórios atuais em micronações. Theodor Herzl, o pai do sionismo, em sua busca por uma pátria para os judeus, colocou três opções na mesa. 1) Palestina, para lembrá-los de seu local de origem e de suas raízes. 2) Argentina, pois a Patagônia era uma posição privilegiada em termos de clima, posição geográfica e não tinha muitos habitantes. 3) Uganda, no leste da África, pois era um território grande e pouco povoado. No final, eles escolheram a Palestina, mas depois de 70 anos da criação arbitrária do regime israelense, ela não está passando pelo seu melhor momento devido à crise econômica e à hostilidade que está enfrentando com os países da região que não a reconhecem como um Estado legítimo, mas como colonos invasores. Todos esses eventos podem levar ao seu fim e expulsão. Depois de deixar o Oriente Médio, o sionismo se mudaria para a Patagônia para criar um novo Estado? É muito provável que sim. A invasão e a ocupação já estão acontecendo. Há várias décadas, soldados e pessoas de origem israelense viajam e se estabelecem na Patagônia, muitos deles comprando grandes propriedades, com a cumplicidade de várias forças estrangeiras.

Quando a Segunda Guerra Mundial terminou, o sionismo usou o holocausto para chantagear a comunidade internacional e exigir um Estado deles, o chamado holocausto foi a desculpa perfeita para invadir e tomar a Palestina, hoje o sionismo está novamente mostrando os judeus como o povo mais martirizado da história e está realizando ataques de falsa bandeira para controlar a comunidade internacional novamente. A Argentina abriga o maior número de judeus da região e, em 1994, ocorreu o caso AMIA, em que quase 90 pessoas morreram e o Irã e o Hezbollah foram diretamente culpados, a fim de manipular a mídia e “provar” que eles ainda são o povo mais martirizado de todos os tempos. Diante da possível derrota e expulsão dos sionistas no Oriente Médio, eventos como a AMIA seriam o argumento perfeito para pressionar o mundo a lhes dar um novo Estado no sul do continente americano. Outros ataques de bandeira falsa em território argentino não estão descartados no futuro. Mas antes da criação do novo Estado sionista na Patagônia, o caos e a instabilidade na área, mas acima de tudo a balcanização, são necessários para garantir a sobrevivência desse novo Estado. Antes da chegada maciça de judeus ao sul do continente, ele deve primeiro ser balcanizado e enfraquecido.

Países como Venezuela, Colômbia, Bolívia e Equador, entre outros, fazem parte da agenda, que eles querem fragmentar. No caso da Venezuela, eles pretendem criar a República de Zulia, para que essa região seja autônoma e independente. Dessa forma, o governo central de Caracas perderia uma área estratégica com importantes recursos petrolíferos. No caso da Colômbia, pretende-se criar a “Antioquia federal”, de modo que um dos departamentos mais importantes do país seria perdido, criando uma nação autônoma e independente de Bogotá. Deve-se observar que a balcanização da Colômbia começou no início do século XX, especificamente em 1903, quando os Estados Unidos apoiaram um movimento separatista para dividir o Panamá da Colômbia e, assim, tomar posse do Canal Interoceânico do Panamá e de sua importância geoestratégica, pois esse porto conecta o Mar do Caribe com o Mar do Pacífico e é um porto comercial por excelência. Por incrível que pareça, as classes políticas tradicionais colombianas se esquecem desse fato e são cúmplices de um dos roubos mais nefastos da história. A tragédia que a Colômbia sofreu com a perda do Canal do Panamá é quase equivalente à perda do Estreito de Ormuz pelo Irã.

Por sua vez, o Equador perderia grande parte de seu acesso ao mar, Guayaquil seria uma nação soberana. No caso da Bolívia, a região de Santa Cruz se tornaria independente de La Paz. Deve-se enfatizar e ter em mente que o estímulo separatista é alcançado com a interferência de forças estrangeiras e a cumplicidade das oligarquias dessas áreas. Quase todos esses novos países, Zulia, Antioquia Federal, Guayaquil e Santa Cruz, teriam várias características em comum. A grande maioria teria acesso ao mar e teria uma grande quantidade de recursos (petróleo, gás, carvão, ouro) que os tornariam economicamente autossustentáveis, além disso, todos esses novos Estados soberanos olhariam para o norte criando acordos de livre comércio, deixando também a instalação de bases militares pelos Estados Unidos e, assim, separando-se definitivamente de suas bandeiras anteriores, além disso, os Estados Unidos, o Reino Unido, a França e, é claro, o sionismo que manipula este último, exigiriam que esses pequenos novos Estados reconhecessem o novo Estado sionista da Patagônia.

O atual mapa de remodelação do Oriente Médio, um plano elaborado e executado pelos Estados Unidos e Israel, é o mesmo que eles querem levar para a América do Sul, balcanizando toda a região para criar um novo Estado sionista na Patagônia, onde tanto o Chile quanto a Argentina perderiam território. Portanto, o panorama seria muito diferente para os judeus quando, em 1948, eles usurparam a Palestina; desde o primeiro dia, a comunidade árabe declarou guerra a eles como invasores de seus territórios sagrados e por limpeza étnica contra os palestinos. Os judeus teriam uma opção mais segura na Patagônia, pois não teriam adversários de nenhum tipo. As potências cúmplices já teriam criado antecipadamente todas as condições para sua segurança e sobrevivência. Reduzir a América do Sul a escombros e exportar o sionismo para todo o mundo é um dos objetivos da nova ordem mundial. É nesse ponto que a fraternidade e a unidade dos povos periféricos devem triunfar sobre o opressor e impedi-lo de atingir seus objetivos. Com o fracasso do plano Yinon no Oriente Médio, Israel está gradualmente colocando em ação o plano Andinia, que é mais uma realidade do que uma teoria da conspiração.

Fonte: HispanTV

Imagem padrão
Felix Antonio Cossío Romero

Analista geopolítico colombiano.

Artigos: 49

Deixar uma resposta