O Que Sabemos sobre as Armas Nucleares de Israel?

Em uma grande gafe, um dos ministros de Israel cogitou o uso de armas nucleares contra a Faixa de Gaza, finalmente admitindo-se pela primeira vez de forma oficial que Israel tem armas nucleares. Mas o quê se sabe sobre as armas nucleares israelenses?

As observações do Ministro do Patrimônio e Assuntos de Jerusalém alarmaram a comunidade internacional

No final da semana passada, o Ministro de Assuntos e Patrimônio de Jerusalém de Israel, Amichai Eliyahu, fez uma declaração forte. Em uma entrevista na rádio nacional, ele descreveu o uso de armas nucleares na Faixa de Gaza como “uma das opções”. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, foi forçado a emitir uma refutação urgente das observações de seu subordinado, que ele prontamente descreveu como uma metáfora. Enquanto isso, essa declaração foi seguida por uma reação internacional. O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que ela levantou “um grande número de questões”, principalmente sobre o programa nuclear de Israel. O Izvestia analisou a situação.

Deve-se observar que Eliyahu fez sua declaração em resposta à pergunta de um jornalista sobre se uma bomba nuclear deveria ser lançada na Faixa de Gaza. Por si só, esse diálogo é muito revelador dos sentimentos que prevalecem em determinados segmentos da sociedade israelense. Políticos ultraconservadores, entre os quais há muitos no atual governo israelense, e Eliyahu é um deles, tentam promover essa agenda o máximo possível. Na mesma entrevista, o ministro declarou que “não havia não combatentes” na Faixa de Gaza e descreveu a situação dos reféns do Hamas com a frase “a guerra também tem um preço”. Anteriormente, ele havia se pronunciado a favor da expulsão efetiva dos palestinos de seu território de residência, comentando sobre essa questão com a seguinte frase: “Eles podem ir para a Irlanda ou para os desertos, os monstros de Gaza devem encontrar uma solução sozinhos”.

Ao mesmo tempo, o político fez declarações que ele não tinha o poder de fazer de jure. Eliyahu não é membro do “gabinete de guerra” e não pode, de forma alguma, influenciar suas decisões. No entanto, as palavras sobre armas nucleares foram suficientes para provocar uma forte reação em Israel e fora dele. Benjamin Netanyahu suspendeu o ministro das reuniões do governo (que, no entanto, praticamente não estão ocorrendo no momento) e declarou que o comentário do subordinado não tinha nada a ver com a realidade. “Israel e as IDF estão agindo de acordo com os mais altos padrões da lei internacional para evitar ferir aqueles que não estão envolvidos, e continuaremos a fazê-lo até que a vitória seja alcançada”, declarou Netanyahu.

Na mesma linha, o líder da oposição Yair Lapid comentou as observações do ministro, descrevendo-as como “sem fundamento” e “sem sentido”.

É claro que o Hamas comentou sobre essa declaração barulhenta. O porta-voz do movimento, Hazem Qasem, disse que as observações do ministro “refletem o terrorismo criminoso sem precedentes praticado por esse governo fascista e seus líderes contra nosso povo palestino”.

O Ministério das Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos descreveu a declaração de Eliyahu como “vergonhosa e inaceitável”. “Tais declarações violam a lei internacional e constituem incitação à prática de crimes de guerra, além de levantar sérias preocupações sobre a intenção de cometer um ato de genocídio”, disse o Ministério das Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos em um comunicado.

Entretanto, apesar de toda a sua insignificância e inaceitabilidade, a declaração de Eliyahu levantou uma série de questões muito mais difíceis. A representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, fez a pergunta a eles. “Pergunta número um: isso significa que estamos ouvindo declarações oficiais (…) sobre a presença de armas nucleares? (…) Onde estão as organizações internacionais? Onde está a AIEA?”, disse ela no canal de televisão Soloviev LIVE.

Clube nuclear

O chamado clube nuclear é composto por nove países: Rússia, Estados Unidos, China, Índia, Paquistão, Coreia do Norte, França, Reino Unido e Israel. De todos eles, no entanto, apenas Israel nunca reconheceu seu status nuclear. Além disso, desde 1947, nenhum de seus governos cooperou com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e, consequentemente, não assinou nenhum acordo, incluindo o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP).

No entanto, o fato de Israel estar muito provavelmente envolvido no desenvolvimento e na produção de armas nucleares vem sendo discutido há muito tempo. De acordo com o renomado teórico militar Martin van Creveld, os Estados Unidos estão cientes das pesquisas relevantes de seu aliado estratégico desde o governo Kennedy. Além disso, acredita-se que, em 1969, a primeira-ministra israelense Golda Meir e Richard Nixon chegaram a um acordo no qual as partes se comprometeram a manter o programa nuclear de Israel em segredo: os Estados Unidos, por meio de pressão não pública sobre a ONU (e a AIEA como uma unidade estrutural), Israel, por sua vez, prometeu não realizar nenhum teste. Assim, durante décadas, Washington violou o primeiro artigo do TNP, que proíbe “ajudar, incentivar e induzir” um Estado não nuclear a obter acesso à tecnologia e à produção.

Em um memorando desclassificado para Nixon, o então Secretário de Estado Henry Kissinger declarou que Israel havia se comprometido a “não ser o primeiro a introduzir armas nucleares no Oriente Médio”. Literalmente, a mesma formulação foi expressa por Benjamin Netanyahu em uma entrevista à CNN em 2011: “Esta é a nossa política. Não sermos os primeiros a introduzir armas nucleares no Oriente Médio”. Em outras palavras, Israel, como um Estado nuclear de fato, tem o compromisso de não reafirmar esse status até que outra pessoa na região (o Irã, por exemplo) o faça primeiro. É por isso que Israel não participa de nenhum projeto internacional de não proliferação”.

Ao mesmo tempo, os políticos israelenses têm repetidamente aludido publicamente às “ferramentas” disponíveis para o Estado, como fez o ex-primeiro-ministro Yair Lapid em agosto do ano passado.

“A arena operacional na cúpula invisível acima de nós é construída sobre capacidades defensivas e ofensivas, bem como sobre o que a mídia estrangeira tende a chamar de “outras capacidades”. Essas outras oportunidades nos ajudam a sobreviver e nos sustentarão enquanto nós e nossos filhos estivermos aqui”, disse Lapid.

A ONU não pode

Ao mesmo tempo, a falta de status formal não afeta a percepção da comunidade internacional sobre Israel. Em outubro de 2022, a Assembleia Geral da ONU pediu a Jerusalém Ocidental que renunciasse às armas nucleares e transferisse para a AIEA todas as instalações necessárias para seu desenvolvimento e produção. 152 estados votaram a favor e cinco contra: Estados Unidos, Canadá, Israel, Micronésia e Palau.

“A política de Israel em relação às armas nucleares sempre foi e continuará sendo baseada na ideia de que não tem amigos ou aliados na região”, ressalta Grigory Loukianov, professor sênior do Departamento de Países do Oriente Médio da Faculdade de Estudos Orientais da Academia Estatal de Ciências Humanas.

“Qualquer reconhecimento formal por parte de Israel de sua posse de armas nucleares levará a pressões externas, inclusive do Ocidente, e à necessidade de assumir obrigações apropriadas. Do ponto de vista de Israel, assim como de alguns outros países, os acordos de limitação e não proliferação existentes são o produto do relacionamento entre as duas superpotências do século XX e não devem implicar diretamente em exigências a outros países. Dado o conceito de segurança de Israel, segundo o qual ele não tem amigos na região, ele considera necessário ter uma arma de ataque assimétrico em seu arsenal em um possível confronto com vários adversários com uma vantagem de mão de obra”, disse a fonte.

Foram feitas tentativas em várias ocasiões para colocar a situação de não proliferação nuclear no Oriente Médio sob controle internacional. A mais ambiciosa delas é o projeto de estabelecer uma zona livre de armas nucleares e outras armas de destruição em massa (WMDFD) com base no TNP. Lançada na década de 1970, essa ideia se desenvolveu em ondas, mas o progresso das negociações sempre dependeu da situação geopolítica geral. E, embora em 1995 as autoridades israelenses tenham falado sobre as condições necessárias para a implementação do projeto, em 2019 seu representante simplesmente não compareceu à conferência de revisão e, em 2022, o assunto do Oriente Médio foi completamente ofuscado pela crise ucraniana.

Para Israel, no quadro da estratégia de política externa que escolheu, a questão das relações com as organizações internacionais é secundária, observa Grigori Lukyanov.

“Jerusalém Ocidental não tem intenção de entrar em discussões com organizações internacionais (para as quais Israel não tem a melhor atitude). Israel não considera a AIEA suficiente para limitar o programa nuclear do Irã e de outros países, razão pela qual realiza sistematicamente operações secretas por conta própria e realiza incursões militares no território dos países vizinhos. Desta forma, ele frustrou efetivamente o projeto nuclear iraquiano e fez tudo para tornar impossível a sua implementação na Síria. A AIEA e a ONU não podem agir com a mesma eficácia. Portanto, Israel continuará a seguir uma política em que os interesses nacionais prevalecerão sempre sobre os acordos e instituições internacionais e mesmo sobre os padrões morais, se existirem a nível universal”, concluiu o especialista.

De acordo com o Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo, que lida com o controlo de armas, Israel possui 90 armas nucleares e continua a modernizar os seus sistemas de lançamento. Além disso, o Centro de Controlo de Armas e Não-Proliferação escreve num relatório de 2020 que Israel tem plutônio suficiente para armas para produzir 100 a 200 unidades adicionais.

Fonte: Izvestia

Imagem padrão
Andriy Kuzmak

Jornalista russo.

Artigos: 48

Deixar uma resposta