Da Ucrânia ao Oriente Médio: O Mundo Está no Limiar da Terceira Guerra Mundial

Focos de incêndio geopolítico surgem no mundo, ameaçando a estabilidade e permanência do mundo unipolar. Segundo o filósofo Alexander Dugin, o futuro será multipolar ou simplesmente não haverá futuro, porque um retorno à unipolaridade tornou-se impossível. Não obstante, cada civilização que quiser ser um polo terá que superar os próprios desafios, inclusive no âmbito militar.

A Rússia – como um polo do mundo multipolar – está em guerra com o Ocidente na Ucrânia. Muitos países islâmicos, sob a influência da propaganda ocidental, não entenderam claramente as causas, os objetivos e a própria natureza dessa guerra, acreditando que se tratava de um conflito regional (e há muitos deles no próprio mundo islâmico). Mas agora que o globalismo no conflito palestino-israelense afetou diretamente todos os muçulmanos do mundo, a operação militar especial da Rússia adquirirá um significado completamente diferente aos olhos deles. Afinal de contas, essa é uma luta entre o mundo multipolar e o unipolar, o que significa que ela é conduzida não apenas no interesse da Rússia como um polo, mas também indiretamente (ou até mesmo diretamente) no interesse de todos os polos geopolíticos emergentes. Isso é mais bem compreendido pela China e, entre os países islâmicos, pelo Irã. Recentemente, no entanto, outras sociedades islâmicas – Arábia Saudita, Egito, Turquia, Paquistão, Indonésia – também observaram um rápido crescimento da consciência geopolítica em larga escala. Daí as tentativas de aproximação entre a Arábia Saudita e o Irã e a política soberana da Turquia. E quanto mais o mundo islâmico se percebe como um polo, uma civilização unificada, mais compreensível se torna o comportamento da Rússia. Putin já é um líder popular em todo o mundo, especialmente em países não ocidentais. Agora, aos olhos do mundo, sua estratégia tem um significado e uma justificativa muito claros: a Rússia já está lutando com força total contra a unipolaridade, ou seja, contra o globalismo e o Ocidente.

Agora o Ocidente, juntamente com seu representante israelense, está atacando o mundo islâmico, submetendo os árabes palestinos ao genocídio.

Então chega o momento do Islã. E nessa guerra potencial entre os muçulmanos e a hegemonia ocidental, que pode eclodir a qualquer momento (conhecendo os israelenses, não há dúvida de que eles não pretendem parar até destruir completamente os palestinos; já agora a guerra tem uma escala bíblica), o mundo islâmico tem aliados objetivos. Nessa situação – em primeiro lugar, a Rússia e a China, que está prestes a resolver o problema de Taiwan. Mas, aparentemente, outras linhas de frente se abrirão gradualmente.

Isso poderia levar a uma Terceira Guerra Mundial? Muito provavelmente, sim. E, de certa forma, ela já está em andamento. Para que uma guerra se torne uma guerra mundial, antes de mais nada, é necessária uma massa crítica de contradições acumuladas que não possam ser resolvidas de nenhuma outra forma, que não a militar. Essa condição já foi cumprida. O Ocidente não pretende abrir mão de sua hegemonia voluntariamente. E os novos polos – civilizações independentes em ascensão, grandes espaços – não concordam em tolerar essa hegemonia. Tanto mais que os EUA e o Ocidente coletivo demonstram sua total incapacidade de serem os líderes da humanidade, não removendo, mas apenas alimentando novos e novos conflitos e guerras com sua política. Se a guerra não pode ser evitada, resta ganhá-la.

Qual é o papel da posição de Donald Trump nesse confronto crescente entre o Ocidente e o Islã? Biden é um globalista convicto, um russófobo raivoso e um defensor extremo da unipolaridade. Isso explica seu firme apoio ao regime neonazista em Kiev e sua total justificativa para Israel – incluindo o genocídio absoluto. A posição de Trump é mais complexa. Ele é um nacionalista clássico, para ele o mais importante são os interesses dos Estados Unidos como um Estado, e não planos efêmeros de dominação mundial. Trump é indiferente em relação à Rússia, está mais preocupado com o comércio e a concorrência econômica com a China. Mas, ao mesmo tempo, ele está sob a influência integral do lóbi sionista nos próprios Estados Unidos. E assim, na guerra iminente entre o Ocidente e o Islã, não devemos esperar enfraquecimento da parte dele e dos republicanos em geral. Nesse contexto, embora o retorno de Trump à Casa Branca possa enfraquecer o apoio à Ucrânia (que é muito importante para a Rússia), ele seguirá uma política bastante dura em relação aos muçulmanos e especialmente aos palestinos – talvez até mais dura do que a de Biden. Portanto, devemos ser realistas e esperar uma guerra séria, difícil e prolongada.

É importante perceber que esse não é um conflito religioso. Trata-se de uma guerra do Ocidente ateu e materialista contra todas as religiões tradicionais. E assim, muito possivelmente, chegou a hora da batalha final.

Esse conflito iminente se transformará em uma guerra nuclear? Isso não pode ser descartado, especialmente o uso de armas nucleares táticas. É improvável que aqueles que possuem armas nucleares estratégicas (Rússia e países da OTAN) as utilizem – isso seria equivalente à destruição de toda a humanidade. Mas como Israel, Paquistão e possivelmente o Irã têm armas nucleares táticas, não podemos descartar seu uso local.

Qual será a ordem mundial resultante desse confronto iminente? Não há uma resposta pronta para isso. A única coisa que certamente pode ser descartada é o estabelecimento de uma ordem mundial unipolar forte e estável, à qual os globalistas se apegam tão desesperadamente. O mundo não será mais unipolar em nenhuma circunstância. O mundo será multipolar ou não existirá de forma alguma. Quanto mais e mais agressivamente o Ocidente insistir em preservar sua hegemonia, mais acirrada será a batalha.

Mas a multipolaridade não funcionará por si só. O mundo islâmico está passando por um reagrupamento significativo. Se os muçulmanos conseguirem se unir diante de um inimigo feroz comum, surgirá um polo islâmico de pleno direito. Se não conseguirem, isso atrasará o início da multipolaridade.

Parece que cada um dos polos precisa provar seu direito de existir por meio de conflitos. A Rússia se tornará um polo completo e soberano se vencer na Ucrânia. A China – ao resolver o problema de Taiwan.

O mundo islâmico – por ter insistido na decisão justa da questão palestina.

Em seguida, será a vez da Índia, da América Latina e da África, cada vez mais ferozmente confrontadas com as forças neocoloniais do Ocidente. Todos os polos do mundo multipolar serão forçados a passar por seu teste.

E então retornaremos em parte à ordem mundial pré-colombiana, na qual, além da Europa Ocidental, vários impérios – chinês, indiano, russo, otomano, persa – coexistiam, bem como Estados fortes e independentes no sul da Ásia, na África e na América Latina. Até mesmo a Oceania tinha seus próprios sistemas políticos e sociais, que mais tarde foram equiparados à “selvageria” e à “barbárie” pelos colonizadores e racistas europeus. Portanto, a multipolaridade é perfeitamente possível. A humanidade era assim antes do início das políticas imperialistas globalistas do Ocidente na Era Moderna.

Isso não significa que a paz se estabelecerá imediatamente no planeta. Mas essa ordem mundial multipolar será, de qualquer forma, muito mais justa e equilibrada.

Fonte: Ria Novosti

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 52

Deixar uma resposta