Ucrânia: Uma Paz Possível?

Após o fracasso de todos os esforços ucranianos e com a decrescente disposição ocidental de continuar enviando armas, munição e dinheiro para Zelensky, o Ocidente finalmente começa a falar em paz e na necessidade da Ucrânia ceder a pelo menos algumas demandas russas. Mas será que a paz é possível? Se sim, como e para quando?

Nas últimas semanas, houve uma série de eventos que podem produzir uma mudança decisiva na política adotada até agora pelas potências ocidentais. Na Polônia, em parte por motivos internos e em parte pela queda acentuada nos preços do trigo devido à concorrência ucraniana, o primeiro-ministro Mateusz Mazowiecki anunciou que não forneceria mais armamentos à Ucrânia. Na Eslováquia, o governo de coalizão de centro-direita, que era a favor do apoio à Ucrânia, foi derrotado pelo ex-primeiro-ministro Robert Fico, que agora lidera uma coalizão governamental de partidos de centro-esquerda e de direita que se opõem firmemente ao envolvimento do país na guerra. E nos Estados Unidos, com a ajuda de um Partido Republicano que cada vez mais tem se voltado para posições trumpianas, o Congresso disse não a um novo pacote de ajuda para a Ucrânia. O surgimento da guerra entre Israel e o Hamas deslocou a atenção da opinião pública ocidental e não ocidental para o Levante, tanto por causa do forte valor das causas envolvidas quanto pelo risco de degeneração em uma grande guerra regional, o que inevitavelmente levará o Ocidente a refletir sobre suas prioridades, também em vista de um provável confronto com a China sobre Taiwan.

O que está ocorrendo é um cenário que está longe de ser incomum em guerras de civilizações, e que foi adequadamente descrito por Huntington em seu sempre oportuno Choque de Civilizações. Esse tipo de conflito, do qual o da Ucrânia faz parte, é caracterizado pela presença de participantes de primeiro grau, que estão diretamente envolvidos no conflito, e participantes de segundo e terceiro graus, que, por um lado, apoiam ativamente um dos dois lados e, por outro, tentam, na medida do possível, evitar o envolvimento direto. São os participantes de segundo e terceiro graus, e não os participantes de primeiro grau, que movem as rédeas do jogo, seja restringindo as ambições dos participantes de primeiro grau ou, ao contrário, estimulando-os quando for de seu interesse, seja negociando entre si para encontrar uma solução pacífica para o conflito.

Essa última opção é particularmente importante, pois, na prática, é muito difícil encontrar um conflito de civilizações resolvido diretamente pelos participantes de primeiro grau, exceto por meio de limpeza étnica, genocídio e assimilação forçada. O conflito da Irlanda do Norte, por exemplo, foi resolvido primeiramente por meio de negociações entre o Reino Unido e a República da Irlanda (participantes de segundo grau) e, em seguida, por meio da intervenção de uma terceira potência, os EUA, que, com a força de seus laços com ambos os países e a presença de uma enorme comunidade hiberno-americana, conseguiu obter concessões de todas as partes do conflito. E a Paz de Dayton, que pôs fim à Guerra da Bósnia, foi o resultado de uma série de negociações entre um grupo de contato que incluía a França, a Rússia, os EUA, o Reino Unido e a Alemanha (todos participantes de terceiros). Os conflitos congelados, por outro lado, não são tanto o resultado de desacordos entre os participantes de primeiro grau, mas da incapacidade ou falta de vontade dos participantes de segundo e terceiro graus de fazer concessões aceitáveis e impor renúncias às partes que apoiam: os casos de Kosovo, Chipre do Norte e Nagorno-Karabakh são indicativos disso.

Na guerra na Ucrânia, os participantes de primeiro grau são, de um lado, o governo ucraniano e os componentes nacionalistas e pró-ocidentais da sociedade ucraniana e, de outro, seus elementos pró-russos e, em especial, os separatistas da Crimeia e de Donbass. A disputa entre as duas almas do espaço ucraniano[1], que vem ocorrendo desde a independência e cujas raízes remontam ao desmembramento da Rus’ de Kiev, inicialmente tinha como objeto a Bankova, que por vinte anos viu a alternância de presidentes pró-russos e pró-ocidentais, e depois o controle de regiões pró-russas quando esses últimos assumiram permanentemente o governo ucraniano. Em um nível mais alto, no entanto, encontramos algumas potências ocidentais, como os EUA, o Reino Unido e alguns países da Europa Central e Oriental (principalmente a Polônia), e, no lado oposto, a Rússia. A cronologia dos eventos que levaram à guerra atual é bastante conhecida e está além do escopo deste artigo. O importante é que, ainda mais do que na Irlanda do Norte e na Bósnia-Herzegovina, qualquer tentativa de mediação entre os respectivos lados terá inevitavelmente de passar por algum tipo de acordo entre os participantes de segundo escalão. As disputas entre esses últimos, como é bem sabido, desempenharam um papel fundamental na inflamação do conflito, e não é segredo que o controle que eles exercem sobre os participantes de primeiro grau é tal que qualquer iniciativa autônoma por parte desses últimos é eliminada, como mostra o fracasso das negociações de paz em abril de 2022.

Isso, no entanto, não exclui a possibilidade de que os participantes de primeiro e segundo graus possam ter objetivos divergentes aqui também. A OTAN e, portanto, os EUA apoiam a Ucrânia tanto por motivos idealistas quanto porque isso atende a seus objetivos estratégicos: manter a Rússia e a Europa Ocidental separadas, forçar a Rússia a aceitar um papel de mera potência regional cercando-a de países hostis e dar uma lição exemplar a todos aqueles que queiram desafiar a primazia dos EUA no futuro, principalmente a China. Isso não quer dizer, no entanto, que eles pretendem entrar em guerra contra a principal potência nuclear do planeta, e isso também se aplica a países como a Polônia, dividida da Rússia por quinhentos anos de rivalidade: o tratamento do Incidente de Przewodów, potencialmente explorável como um casus belli para entrar em guerra contra a Rússia, é prova disso. Naquela ocasião, a Ucrânia tentou forçar a OTAN a intervir diretamente, a única coisa que – talvez – poderia ter permitido a retomada da Crimeia; mas a forma como o incidente foi tratado deixou claro que, além de sua responsabilidade, ninguém na frente ocidental estava procurando um casus belli.

Da mesma forma, para os separatistas do Donbass, o objetivo inicial não era a autonomia, mas a independência. É certo que, entre 2014 e 2022, as repúblicas separatistas de Donetsk e Lugansk eram Estados independentes de fato, apoiados por Moscou, que era o garantidor dessa independência; mas, para o Kremlin, o objetivo não era uma nova Crimeia – a importância estratégica do Donbass é risível – ou uma nova Transnístria, mas um equivalente ucraniano da República Sérvia da Bósnia, capaz de garantir autonomia cultural aos seus habitantes e impedir que a Ucrânia se tornasse uma cabeça de ponte contra a Rússia. Os mesmos referendos de 11 de maio de 2014 nunca foram reconhecidos por Moscou, que os usou como um aviso a Kiev para iniciar um diálogo com o que o governo ucraniano insistia em chamar de terroristas. Para a Rússia, até 2022, o ponto de partida eram os Acordos de Minsk, desafiando a independência e o irredentismo da população do Donbass, e tanto a invasão de 24 de fevereiro de 2022 quanto a anexação da região em setembro seguinte foram medidas extremas, tomadas quando todas as outras opções se tornaram inviáveis.

O espaço ucraniano está a caminho da paz? Sim e não. Nos últimos meses, certamente, uma série de eventos revelou a natureza ilusória dos objetivos dos globalistas e neoconservadores. A tão esperada contraofensiva da primavera (na prática, uma ofensiva em grande escala) acabou sendo um fracasso total, terminando com a conquista de alguns pequenos territórios próximos à linha de frente, embora ao custo de enormes perdas humanas e materiais. Tokmak, um dos principais alvos da contraofensiva, permanece firmemente em mãos russas, sem mencionar Melitopol’ e Berdjansk, e de acordo com o New York Times, que, além disso, fez seus cálculos antes do início da ofensiva russa em Avdeevka, a partir de 1º de janeiro de 2023, os ganhos territoriais russos superaram as perdas[2]. A indústria bélica ocidental, especializada na produção de alguns meios de alta tecnologia, está completamente despreparada para uma guerra de alta intensidade com uma potência igual, e não apenas quase todos os países europeus, mas também os próprios EUA, estão enfrentando sérios problemas para estocar certos armamentos. O setor de armamentos russo, por outro lado, não apenas permaneceu praticamente ileso, como também viu seu potencial de produção aumentar e, até agora, saiu do conflito mais forte em geral, como evidenciado pelo forte crescimento de um setor anteriormente negligenciado, como a fabricação de drones.

A eclosão da Crise de Gaza, nesse sentido, foi mais um benefício para a Rússia. Joe Biden, em um discurso recente, lançou um novo pacote em apoio à Ucrânia – que é mais substancial do que o rejeitado pelo Congresso – e a Israel, mas seu destino está longe de ser certo, tanto por causa da hostilidade da ala trumpiana do Partido Republicano em relação à ajuda a Kiev quanto por causa das eleições presidenciais não muito distantes. A Rússia não entrou em colapso, apesar das previsões, e a indignação inicial com a invasão russa na Ucrânia está cada vez mais dando lugar ao medo de mais uma “guerra sem fim”. Além disso, mesmo que o pacote de ajuda fosse aprovado, assim como o apoio dos EUA à Ucrânia enfraqueceu Israel (em agosto passado, por exemplo, um suprimento de balas americanas para Israel foi desviado para Kiev), o apoio conjunto da Ucrânia e de Israel também implicará inevitavelmente em sacrifícios para pelo menos uma das partes, especialmente em um contexto em que o confronto entre Israel e o Hamas corre o risco de se tornar uma grande guerra regional, na qual o Hamas contará com o apoio mais ou menos implícito dos países muçulmanos e o apoio muito mais explícito de sua própria população. A natureza de choque de civilizações da guerra por Gaza pode acelerar o processo de distanciamento dos EUA de muitos países islâmicos tradicionalmente pró-ocidentais, e isso já é visível no caso da Turquia, que, pela boca de seu sultão, chamou os guerrilheiros do Hamas de “libertadores e não terroristas”. Por último, mas não menos importante, os padrões duplos do Ocidente em relação à Rússia e a Israel constituem um argumento de propaganda muito forte contra os Estados Unidos em relação ao Terceiro Mundo, em especial os cerca de 1,9 bilhão de muçulmanos espalhados pelo globo.

Isso, no entanto, não significa que a paz esteja próxima. O mandado de prisão contra Putin pelo Tribunal Penal Internacional é, de fato, uma decisão puramente política, que muito provavelmente nunca será implementada, mas nem por isso é uma decisão insignificante, já que o objetivo é enviar uma mensagem muito clara aos líderes ocidentais que podem se sentir “tentados” a iniciar um processo de paz real com a Rússia: Putin é um interlocutor indigno para qualquer conversa de paz. E o fato de o advogado britânico Karim Khan, irmão do ex-deputado conservador Imran Ahmad, estar liderando o processo não é exatamente um detalhe: o Reino Unido, como vimos, é um dos países mais ativos nessa cruzada antirrussa. Por outro lado, não apenas a Rússia – não Putin, mas a Rússia – não pode se dar ao luxo de perder a guerra na Ucrânia, pois isso implicaria a aceitação de um plano de paz que, na prática, constituiria um Versalhes, mas o país pode contar com recursos humanos e materiais inexplorados, que, muito provavelmente, serão suficientes para garantir que as próximas gerações de russos não vejam o czar como seu Hitler, mas como seu Atatürk. As negociações, ainda que fora do radar, já estão em andamento; mas, embora o Ocidente possa se dar ao luxo de sofrer uma derrota na Ucrânia sem que ela assuma um caráter estratégico, os obstáculos políticos ainda são numerosos, de modo que, na prática, podem levar vários anos e uma mudança de classe dominante antes de produzir resultados concretos.

Um outro obstáculo é a ausência de possíveis mediadores. Como disse Huntington, e como também vimos na Irlanda do Norte, “os conflitos entre países ou grupos de uma cultura comum podem, às vezes, ser resolvidos por meio da mediação de um terceiro desinteressado que também pertença a essa cultura e que as partes em conflito acreditem ser capaz de encontrar uma solução coerente com seus próprios valores”[3]. No entanto, diferentemente dos católicos e protestantes da Irlanda do Norte, os dois componentes do espaço ucraniano e seus respectivos apoiadores pertencem a civilizações diferentes, o que limita muito o número de possíveis mediadores. Israel, em virtude de sua posição equidistante entre a Rússia e a Ucrânia – embora com uma leve inclinação para a última devido à sua hostilidade em relação ao Irã, aliado de Moscou -, do crédito de que desfruta nos Estados Unidos e do fato de ser o único país ocidental que não impôs sanções à Rússia nem enviou armas para Kiev, talvez fosse o país mais adequado para mediar entre os dois lados. O “modelo israelense” para a defesa da Ucrânia envolve o apoio ocidental em termos de treinamento militar e fornecimento de armas como alternativa a uma aliança defensiva ou adesão à OTAN, e é o produto de discussões entre Zelensky e o ex-primeiro-ministro israelense Naftali Bennett. Conversas paralelas entre Moscou e o ex-primeiro-ministro israelense previam garantias de Putin sobre a vida do presidente e a renúncia ao projeto de “desnazificar” o país, limitando-se a pedir uma Ucrânia neutra que não pudesse ser transformada em uma cabeça de ponte contra a Rússia. Mas, como o próprio Bennett declarou, as conversas foram sabotadas pelos EUA e pelo Reino Unido[4].

Não muito diferente é o discurso da mediação do Papa, que não conta com apoio substancial no Ocidente e é visto com desconfiança tanto na Rússia quanto na Ucrânia. Embora no passado ele tenha apoiado os esforços de Putin para proteger as comunidades cristãs da Síria, o Papa ainda é o chefe da Igreja Católica, enquanto a Rússia é um país ortodoxo. As duas Igrejas, embora essencialmente iguais em termos de doutrina, tendem a ver uma à outra como cismática; suas relações, em virtude disso, têm sido frequentemente tensas, e as querelas entre o Primado Petrino e a “Verdadeira Fé” talvez tenham sido o principal motivo ideológico nas guerras entre a Rússia e o Ocidente[5] antes de serem substituídas por questões de democracia, a primazia dos mercados sobre os Estados-Nações e do indivíduo sobre a comunidade e os direitos LGBT. Na Ucrânia, por outro lado, tanto o princípio da equivalência moral entre os dois beligerantes, de fato a base de qualquer negociação de paz, quanto qualquer apreciação do Papa em relação à cultura russa são rejeitados. Também não se deve esquecer que, embora na Ucrânia o papa possa contar com um número razoável de fiéis, a Igreja Greco-Católica Ucraniana é a mais nacionalista das instituições religiosas presentes no país, e que o berço do nacionalismo ucraniano, especificamente a Galícia, é também a única região em que os uniatas são maioria; sem mencionar que nesses contextos de conflitos, como também na Polônia, Croácia e Irlanda, o catolicismo, embora universalista, está misturado ao nacionalismo. Paradoxalmente, portanto, o componente católico da Ucrânia é o mais intrinsecamente hostil à mediação do papa.

Por fim, ainda há o obstáculo do conteúdo das negociações de paz. Excluindo um Minsk 3 – a reintegração à Ucrânia dos territórios anexados pela Rússia em 2022 em troca de um status especial – e uma reformulação das fronteiras com base na atual linha de frente em troca da adesão da Ucrânia à OTAN, como proposto há alguns meses por um alto funcionário da Aliança, na prática há duas opções viáveis: o congelamento do conflito e uma solução política que contorna as questões territoriais. No primeiro caso, os dois países permaneceriam formalmente em guerra, nos moldes das duas Coreias, as sanções antirrussas continuariam em vigor, muitas das principais questões não seriam resolvidas e talvez o conflito continuasse, embora em uma intensidade muito baixa. No segundo caso, teríamos o restabelecimento das relações diplomáticas entre a Rússia e a Ucrânia, a resolução de pelo menos algumas das questões pendentes entre os dois países (por exemplo, com uma espécie de “troca” entre a abolição ou, pelo menos, a suspensão do processo de adesão da Ucrânia à OTAN e a implementação de garantias de segurança ocidentais, nos moldes do modelo israelense mencionado acima), o levantamento de pelo menos parte das sanções antirrussas e a transformação da linha de frente do momento em uma linha de controle nos moldes da linha que separa os territórios indiano e paquistanês na Caxemira. Outras questões, como as relativas à reconstrução da Ucrânia e ao status dos cidadãos dos territórios pró-russos no espaço ucraniano, poderiam ser resolvidas à margem.

Em ambos os casos, seria uma “paz fria”, embora a segunda opção seja um pouco mais branda e evitaria o risco de uma nova guerra. A adoção de um desses dois modelos, ou talvez de uma solução intermediária, dependerá tanto da situação no terreno quanto da evolução política dos países ocidentais, bem como da situação geopolítica global. É provável que, no caso de uma vitória clara de Trump na próxima eleição presidencial dos EUA, tenhamos dentro de alguns anos um acordo de paz mais próximo da segunda opção, talvez em troca de uma redução do apoio russo ao Irã e de uma neutralidade russa substancial no caso de um conflito entre os EUA e a China. No caso da vitória de Biden, ou se os componentes globalistas e neocon continuarem fortes, poderíamos ver, no máximo, um congelamento do conflito. No momento, entretanto, essas são apenas hipóteses, e as únicas coisas de que podemos ter certeza são, por um lado, um futuro aumento na pressão pelo diálogo com a Rússia e, por outro lado, a continuação do conflito por pelo menos mais um ou dois anos.

Notas

[1] Para evitar confusão em relação a disputas territoriais e afins e para enfatizar a origem interna do conflito na Ucrânia, o termo “espaço ucraniano” foi usado para definir a Ucrânia dentro de suas fronteiras anteriores a 2014, incluindo, portanto, a Crimeia, e o termo “Ucrânia” para designar os territórios sob o controle de Kiev.
[2] J. Holder, Who’s gaining ground in Ukraine? This year, no one, in The New York Times – Breaking News, US News, World News and Videos (nytimes.com)
[3] S.P. Huntington, Lo Scontro di Civiltà e il Nuovo Ordine Mondiale, Garzanti, Milão 1997, p. 437.
[4] Editor, Bennett: When the US and GB blew up the Moscow-Kiev Agreement, em Small Notes
[5] Pense, a esse respeito, na campanha dos Cavaleiros Teutônicos contra a República de Novgorod, nas guerras entre a Rússia e a Polônia-Lituânia nos séculos XVI e XVII e na questão uniata nos territórios da Rus’ de Kiev que foram conquistados pela Polônia e pela Lituânia a partir do século XIV.

Fonte: Eurasia Rivista

Imagem padrão
Giuseppe Cappelluti

Formado em Línguas Modernas para a Comunicação e Cooperação Internacional pela Universidade de Bergamo e em Ciências da Mediação Intercultural pela Universidade de Bari. MEstre em Relações Internacionais

Artigos: 48

Deixar uma resposta