O Mito Sionista do “Retorno”

Boa parte das reivindicações sionistas à Palestina contra seus habitantes de raiz árabe se fundamenta em uma narrativa segundo a qual os judeus contemporâneos seriam os descendentes diretos e puros dos antigos hebreus. Mas será verdade?

Seriam os judeus, de fato, um “povo semita”?

Em um livro que causou grande alvoroço na época, o filósofo francês Roger Garaudy submeteu o que ele chamou de “Les mythes fondateurs de la politique israélienne”[1] a uma crítica impiedosa. Garaudy usou a palavra mito no sentido amplo que ela tem quando designa um conto ou um conceito sugestivo (a linguagem de hoje diria “uma narração” ou, pior ainda, “uma narrativa”), em suma: um conto dotado de credibilidade e prestígio – que, no entanto, pode ser refutado (e desmontado) por meio de uma análise racional.

Especificamente, com a expressão “mitos fundadores”, Garaudy indicou aquelas mentiras prestigiosas que, ao atribuir uma origem antiga e nobre a uma instituição ou prática recente, reforçam sua legitimidade ou até mesmo criam uma aura de sacralidade em torno dela. Os “mitos fundadores da política israelense” são distinguidos por Garaudy em duas categorias: “mitos teológicos” e “mitos do século XX”. Os “mitos teológicos”, nascidos da leitura do Velho Testamento feita pelo sionismo ou, pelo menos, pela corrente religiosa do sionismo, são: 1) o mito da “terra prometida”, 2) o mito do “povo escolhido”, 3) o mito do “extermínio sagrado” (da “limpeza étnica”, se quisermos usar uma expressão menos teológica, mais secularizada e mais comumente usada). Os “mitos do século XX”, por outro lado, são: o mito do antifascismo sionista, o mito da “justiça” de Nuremberg, o mito do Holocausto, o mito de uma “terra sem povo para um povo sem terra”.

Entretanto, Garaudy ignorou um mito fundador que podemos considerar como preliminar aos “mitos teológicos” que ele criticou: o mito do “retorno”, ou o “retorno do povo judeu à sua pátria bíblica”.

“Retorno”, caso seja necessário lembrar, significa retorno ao local de origem. Portanto, ao aceitar o conceito de “retorno” (para a “terra de Israel”, erez Israel), considera-se como certo que, com a imigração sionista para a Palestina e o estabelecimento de um regime de ocupação colonial chamado “Estado de Israel”, o povo judeu (ou pelo menos uma parte dele) retornou à sua antiga terra natal após uma “diáspora” que durou cerca de dezenove séculos. (A propósito, até mesmo esse conceito de “diáspora” – do grego διασπορά, “disseminação”, “dispersão” – deve ser submetido a uma revisão crítica radical, pois certamente não foi a destruição do Templo de Jerusalém em 70 d.C., na época do Imperador Tito, que causou a dispersão dos judeus, pela simples razão de que eles já estavam espalhados pela bacia do Mediterrâneo há algum tempo).

No entanto, de acordo com a tese sionista, foi o “povo judeu” que “retornou” à Palestina. Mas aqui outra pergunta se faz necessária: os judeus são realmente um povo?

De acordo com Shlomo Sand, professor de História Contemporânea da Universidade de Tel Aviv e autor de um livro intitulado A Invenção do Povo Judeu[2], a resposta a essa pergunta só pode ser respondida por meio de uma revisão crítica da história oficial, que, em sua opinião, foi construída e endossada por estudiosos que, induzidos por preconceitos ideológicos, manipularam as fontes para criar uma visão unificada e coerente do passado judaico. Mitos fundadores de historicidade duvidosa, como o exílio babilônico, a conquista da terra de Canaã ou a monarquia unida de Davi e Salomão, diz o historiador israelense, tornaram-se os pilares de uma reconstrução da história judaica apresentada como um caminho ininterrupto desde os tempos bíblicos até os dias atuais. Mas, pergunta ele, existe realmente um “povo judeu” homogêneo, forçado ao exílio pelos romanos no primeiro século d.C., um grupo étnico cuja pureza sobreviveria a dois milênios, uma nação que finalmente retornou à sua terra natal? De forma alguma, argumenta Shlomo Sand. Os judeus são descendentes de uma massa etnicamente desigual de indivíduos e grupos convertidos ao judaísmo das mais diversas nações do Oriente Próximo e da Europa Oriental. A “invenção do povo judeu”, como Shlomo Sand a chama, é a invenção de uma historiografia nacionalista, que tinha como objetivo fornecer uma base e uma justificativa para a colonização sionista da Palestina.

Agora vamos nos perguntar: se os judeus não constituem um povo entendido como uma entidade étnica, até que ponto eles podem ser considerados um grupo humano, embora etnicamente não homogêneo, pertencente à esfera semita?

Vejamos primeiro o que significa “semita”. Aparentemente, foi o historiador alemão August Ludwig von Schlözer (1735-1809) quem cunhou o adjetivo semitisch pela primeira vez, em 1781, para indicar o grupo de línguas faladas pelas populações que uma passagem bíblica (Gênesis 10:21-31) faz descender de Sem, filho de Noé: siríaco, aramaico, árabe, hebraico, fenício. O adjetivo “semita”, portanto, refere-se propriamente aos semitas, ou seja, a uma família de povos que se espalhou na área entre o Mediterrâneo, as montanhas da Armênia, o Tigre e o sul da Arábia, estendendo-se mais tarde para a Etiópia e o norte da África; como adjetivo substantivo (“semítico”), ele indica o grupo linguístico correspondente, que é dividido em três subgrupos: o oriental ou acádico (que no segundo milênio a.C. se dividiu em babilônico e assírio), o norte-ocidental (cananeu, fenício, hebraico, aramaico bíblico, siríaco) e o sul-ocidental (árabe e etíope). Portanto, é totalmente impróprio usar os termos “semítico” e “semita” como sinônimos de “hebraico” e “judeu”, assim como seria impróprio dizer “ariano” ou “indo-europeu” no lugar de “italiano”, “alemão”, “russo” ou “persa”.

Portanto, é igualmente impróprio usar o termo “antissemita” como sinônimo de “antijudaico”. Se usado corretamente, o termo “antissemitismo” (cunhado em 1879 pelo jornalista vienense Wilhelm Marr[3]) deveria indicar hostilidade em relação à família semita, que hoje tem seu componente mais numeroso nas populações de língua árabe, de modo que o termo “antissemita” seria mais adequado para designar aqueles que nutrem hostilidade em relação aos árabes do que aqueles que sentem aversão aos judeus.

Mas a inconsistência da suposta identidade de campo semântico entre os dois termos “semita” e “judeu” torna-se ainda mais evidente quando se reflete sobre o fato de que os judeus de hoje não podem ser qualificados como “semitas”. De fato, se o pertencimento de um grupo humano a uma família maior deve ser estabelecido com base na língua falada pelo grupo em questão, então um povo só pode ser considerado semita se falar como língua materna uma das línguas semíticas enumeradas acima, o que faz com que hoje os árabes e os etíopes possam ser legitimamente definidos como semitas por direito próprio, mas não como judeus.

É verdade que, desde 1948, o hebraico, ou melhor, o neo-hebraico (Ivrit), tornou-se a língua oficial da colônia sionista estabelecida na Palestina, onde conta com alguns milhões de falantes (cerca de 90% dos mais de seis milhões de judeus israelenses); mas é uma língua que estava morta há mais de vinte séculos e que somente no século XX foi artificialmente trazida de volta à vida, começando com os esforços do linguista sionista Eliezer Ben Yehuda (1858-1922). Também deve ser lembrado, a esse respeito, que os judeus mais observantes da ortodoxia religiosa inicialmente não aceitaram a ideia de usar o hebraico, um idioma que consideravam “sagrado”, em sua vida diária; e também deve ser lembrado que na Palestina ocupada há grupos de judeus que persistem em usar o iídiche. De qualquer forma, o fato de os judeus que atualmente residem na Palestina falarem hebraico (ou melhor, neo-judaico) não os torna etnicamente semitas. Caso contrário, aplicando o mesmo critério, teríamos que considerar a população afro-americana dos Estados Unidos etnicamente germânica porque eles falam uma língua germânica. O que é claramente absurdo.

Os judeus que vivem nos vários países do mundo, hoje como no passado, falam os idiomas dos povos entre os quais vivem, em sua maioria idiomas indo-europeus (inglês, espanhol, francês, italiano, russo, farsi etc.). O próprio iídiche, que se formou no século XIII nos países da Europa Central com base em um dialeto do médio-alemão e se tornou um tipo de idioma internacional como resultado das migrações judaicas, ainda era um idioma alemão, embora, além de um vocabulário alemão e eslavo básico, contivesse uma alta taxa de elementos lexicais hebraicos e fosse escrito em caracteres hebraicos. (Mas isso não significa nada: o vietnamita, uma língua mon khmer, também é escrito em caracteres latinos, mas isso não significa que o vietnamita seja uma língua neolatina; o persa também é escrito em caracteres árabes, mas não é uma língua semítica, mas indo-europeia; e assim por diante em muitos casos semelhantes). Portanto, parece justo concluir que os judeus não constituem um grupo que possa ser definido como semita com base na afiliação linguística.

Podemos então considerá-los etnicamente semitas? Para responder afirmativamente, seria necessário rastrear a genealogia dos judeus até Sem, filho de Noé. Mas essa tarefa parece bastante árdua.

Como escreveu um eminente representante da ciência geográfica italiana, Renato Biasutti (1878-1965), “a questão da posição antropológica ou da composição racial dos judeus não é menos complexa e obscura” do que muitas outras. “Uma das causas disso”, explicou ele, “está na dificuldade de reunir informações adequadas sobre as características somáticas de um grupo étnico tão disperso”[4].

Os judeus são uma mistura étnica. A origem cázara dos judeus ashkenazi

Há um fato que não apenas questiona seriamente a suposta origem semita dos judeus de hoje, mas também impede que eles sejam considerados descendentes dos judeus da antiguidade bíblica: elementos étnicos de origens díspares, adquiridos por meio do proselitismo e dos casamentos mistos (“casamentos com as filhas de um deus estrangeiro”) contra os quais os profetas de Israel trovejaram em vão, contribuíram para a etnogênese judaica. Um estudioso judeu, Maurice Fishberg, escreve: “A partir dos testemunhos e tradições bíblicas, deduzimos que, mesmo no início da formação das tribos de Israel, elas já eram compostas de diferentes ingredientes raciais (…). Naquela época, encontramos na Ásia Menor, na Síria e na Palestina muitas raças: os amorreus, que eram loiros, dolicocefálicos e altos; os hititas, uma raça de pele escura, provavelmente do tipo mongoloide; os cuxitas, uma raça negroide; e várias outras. Os antigos hebreus contraíram matrimônios com todas essas linhagens, como bem se vê em muitas passagens da Bíblia”[5].

Deve-se então fazer uma distinção entre os judeus da Ásia e os da Europa e da África e, em particular, entre os sefarditas (o ramo meridional da chamada diáspora) e os asquenazis (o ramo oriental). Se os sefarditas se espalharam do norte da África e da Europa mediterrânea até a Holanda e a Inglaterra, os asquenazis povoaram vastas áreas do sul da Rússia, da Polônia, da Alemanha e dos Bálcãs; e foi esse ramo do judaísmo que forneceu o maior contingente ao movimento colonialista que deu origem à entidade político-militar sionista e à própria classe política israelense. Em um estudo publicado pela Universidade Estadual de Nova York,[6] Paul Wexler, professor de linguística da Universidade de Tel Aviv, argumenta que, para uma grande parte dos sefarditas, pode-se presumir uma origem parcialmente semítica, mas não necessariamente judaica. Quanto aos asquenazis, por outro lado, que constituem nove décimos do judaísmo mundial atual, deve-se excluir não apenas a ascendência judaica que remonta ao período bíblico, mas também a pertença à esfera semítica.

Um judeu asquenazi, o escritor Arthur Koestler, popularizou uma tese que pode ser resumida nestas palavras, extraídas de seu livro A Décima Terceira Tribo: “Durante a Idade Média, a maioria dos que professavam a fé judaica eram cázaros. Grande parte dessa maioria emigrou para a Polônia, Lituânia, Hungria e Bálcãs, onde fundou a comunidade judaica oriental que, por sua vez, tornou-se a maioria predominante do judaísmo mundial.”[7] Arthur Koestler foi um dos primeiros sionistas e, como aponta Shlomo Sand, “até o fim de seus dias ele nunca deixou de defender a existência do Estado de Israel (…) Quase todos os seus livros foram traduzidos para o hebraico e fizeram muito sucesso. No entanto, quando A Décima Terceira Tribo foi lançado, “o embaixador israelense na Grã-Bretanha chamou a obra de ‘uma iniciativa antissemita financiada pelos palestinos'”[9]. Ao divulgar os resultados da pesquisa histórica sobre o povo cázaro, Koestler derrubou a tese de que a ocupação sionista da Palestina representava um “retorno” dos judeus à sua terra natal.

Mas quem eram os cázaros, progenitores da maior parte do judaísmo atual? De acordo com os critérios genealógicos do Antigo Testamento, os cázaros não pertenciam à linhagem de Sem, muito menos à de Cam, mas à de Jafé: A literatura eclesiástica medieval primitiva de fato os chamava de “filhos de Magog” ou, de qualquer forma, os localizava “nas terras de Gog e Magog”, enquanto as fontes muçulmanas (por exemplo, o diplomata e viajante Ibn Fadlān) os identificavam tout court com as hordas corânicas de Ya’jūj e Ma’jūj (Gog e Magog), que “espalharam a corrupção na terra”[10]. Desde Teófanes, o Confessor, que se referiu a eles como “turcos orientais”, até Lev Gumilëv, que viu os cázaros como um grupo daguestani ou sármata ou alano turquicizado, historiadores e etnólogos associaram esse povo, de uma forma ou de outra, à família dos povos turcos. Alguns acreditam que o nome dos cázaros deriva de kaz (“andarilho”) e er (“homem”); outros evocam o nome chinês de uma antiga tribo uigur, Ko-sa[11]. De qualquer forma, não é possível dar uma resposta definitiva sobre as origens dos cázaros. Nem mesmo sua primeira aparição no cenário da história pode ser datada com certeza. Alguns a datam de pouco antes de 198 d.C., quando ocuparam parte da área do Cáucaso e as margens noroeste do Mar Cáspio, que ficou conhecido como Mar Cázaro; de acordo com outros, o grupo cázaro surgiu durante o Völkerwanderung provocado em 350 pela vitória dos hunos sobre os alanos; outros ainda situam sua formação no final do século VI. Posteriormente, “a entidade cázara (…) deslocando progressivamente seu centro de gravidade da área do Mar Cáspio para o Mar Negro, reuniu grupos étnicos muito diferentes”[12], acrescentando especialmente um componente étnico iraniano (alano, para ser mais preciso) ao elemento turco original. “Essa mistura étnica”, escreve Francis Conte, “foi certamente uma consequência da posição do Estado Cázaro, fulcro das grandes rotas comerciais que ligavam o Oriente ao Ocidente, o Norte ao Sul; uma encruzilhada de comércio, uma espécie de plataforma giratória, que não apenas exercia sua função na troca de bens materiais, mas também na difusão de ideias e religiões”[13].

Arthur Koestler insiste no papel geopolítico e geoestratégico decisivo do reino cázaro. “O país ocupado pelos cázaros, uma população de origem turca, ocupava uma posição estratégica na passagem vital entre o Mar Negro e o Mar Cáspio, onde as grandes potências orientais da época estavam se enfrentando. Funcionava como um Estado-tampão que protegia o Império Bizantino contra invasões das rudes tribos bárbaras das estepes do norte: búlgaros, magiares, pechenegues etc. e, mais tarde, vikings e russos. Igualmente, se não mais importante do ponto de vista da diplomacia bizantina e da história europeia, foi o trabalho eficaz de contenção exercido pelos exércitos cázaros contra a avalanche árabe em seus estágios iniciais e mais devastadores, um trabalho que impediu a conquista muçulmana da Europa Oriental”[14]. Antes de Koestler e Conte, o historiador britânico Douglas M. Dunlop já havia atribuído a função de antemurale christianitatis ao reino cázaro: “É quase certo”, escreve Dunlop, “que, se não fossem os cázaros na região ao norte do Cáucaso, a própria Bizâncio, o baluarte da civilização europeia no Oriente, teria sido cercada pelos árabes e a história do Cristianismo e do Islã poderia ter sido muito diferente do que conhecemos”[15].

O que se pode dizer com certeza é que a conquista da Pérsia, que se seguiu às campanhas vitoriosas do Califa ‘Omar ibn al-Khattāb contra os sassânidas (634-642), estendeu as fronteiras do norte do dār al-islām até Tiflis e Derbent, de modo que a Cazária era o obstáculo que impedia os exércitos muçulmanos de avançar para as planícies do sul da Rússia, de onde poderiam prosseguir para cercar o Império Romano do Oriente. Depois de cruzar o Don, ocupando a atual Ucrânia até o Dnepr e grande parte da Crimeia, os cázaros se viram no cruzamento de áreas geopolíticas islâmicas e cristãs, razão pela qual sua classe dominante achou por bem assumir uma identidade religiosa claramente distinta da de seus vizinhos. Aleksandr Solženitsyn resume esse momento crucial da história cázara nos seguintes termos: “Os líderes étnicos dos turco-cázaros (então idólatras) não aceitaram nem o Islã (para não ter de se submeter ao Califa de Bagdá) nem o Cristianismo (para evitar a tutela do Imperador de Bizâncio). Assim, cerca de 732 tribos adotaram a religião judaica”[16].

De fato, não é de forma alguma garantido que a judaização de uma parte do povo cázaro tenha ocorrido após o nascimento do Califado Abássida, que ocorreu em 750. É verdade que o historiador e geógrafo árabe al-Mas’ūdī data a conversão para os últimos anos do século VIII, mas “outras fontes orientais declaram que a classe governante cázara – e especialmente o khagān – se converteu já em 730-31″[17]. Essa conversão é mencionada em uma obra escrita em árabe por volta de 1140 por um intelectual do Judaísmo espanhol, Yehudah ben Shemu’el ha-Lewi (c. 1086-1141), intitulada Al-hujjah wa’d-dalīl fî nasr ad-dīn adh-dhalīl (Argumentação e demonstração em defesa da religião desprezada). A obra, também conhecida como Kuzārī[18], relata o diálogo que se diz ter ocorrido entre o rei (bek) cázaro Bulan e um rabino. O governante, induzido por um anjo a realizar uma investigação sobre as religiões, recorre primeiro a um filósofo, depois a um teólogo cristão e, em seguida, a um estudioso muçulmano, mas nenhum deles satisfaz suas necessidades. Obviamente, será um rabino que o convencerá da superioridade do Judaísmo e o persuadirá a se converter. A conversão ao Judaísmo, entretanto, não seria muito estável, pois em 860, induzido pela pressão islâmica para se aproximar de Constantinopla, o bek dos cázaros pediu ao basileu que lhe enviasse um teólogo cristão capaz de “responder aos argumentos dos judeus e sarracenos”[19]. A tarefa de evangelizar os cázaros, confiada a um homem erudito e piedoso que mais tarde se tornaria famoso como o “apóstolo dos eslavos” sob o nome de Cirilo, não produziu grandes resultados: não havia mais do que duzentos neófitos cristãos, enquanto o bek e a aristocracia cázara permaneceram fiéis ao judaísmo.

O que nos dá uma ideia dessa classe dirigente judaica é a Resposta do Rei José, enviada por volta de 955 por um governante cázaro ao judeu cordovês Hasdai ibn Shaprut, que lhe havia escrito pedindo confirmação da existência de um reino judaico. Depois de relembrar a conversão de seu antepassado Bulan, o rei cázaro escreveu: “De seus filhos surgiu um rei chamado Obadias. Ele era um homem justo e correto. Ele reorganizou o reino e estabeleceu a religião de maneira justa e irrepreensível. Ele construiu sinagogas e escolas, trouxe muitos israelitas eruditos e os honrou com ouro e prata, e eles lhe explicaram os vinte e quatro livros [da Torá], a Mishnah, o Talmud e a ordem das orações dos Khazzan.”[20] Obadias seria sucedido por uma série de governantes com nomes bíblicos: Ezequias, Manassés I, Hanukkah, Isaque, Zebulom, Manassés II, Nisi, Arão I, Menaém, Benjamim, Arão II e José. Parece justo supor que essa aristocracia judaizada reagiu à atividade evangelizadora de Constantinopla promovendo iniciativas missionárias próprias, com o objetivo de adquirir uma grande parte da população cázara para o Judaísmo.

A chamada Crônica de Nestor (o Povest’ vremennych let) também atesta a subjugação de algumas tribos eslavas pelos cázaros. Em meados do século IX, os cázaros atacaram os eslavos do médio Dnepr e lhes impuseram tributos. Um século depois, Svyatoslav I, príncipe da Rus’ de Kiev, travou uma guerra contra os cázaros e, em 968-969, destruiu sua capital, Itil, na foz do Volga. “Em 969”, escreve Solženitsyn, “os russos ocuparam toda a bacia do Volga e os navios russos apareceram perto de Semender, no litoral de Derbent.”[21]

Derrotados no campo de batalha, os cázaros recorreram às armas religiosas. Em 984, uma delegação cázara viajou para Kiev com o objetivo de converter o Príncipe Vladimir, que havia subido ao trono quatro anos antes, ao Judaísmo. Por sua vez, a Rus’ de Kiev se deparou com a necessidade de fazer uma escolha geopolítica e religiosa entre Constantinopla, o Ocidente romano-germânico, a área islâmica e o Império Cázaro. “É a mesma cerimônia da conversão de Bulan”[22], mas dessa vez a escolha é diferente. O Príncipe Vladimir rejeitou as propostas feitas a ele pelos búlgaros do Volga para aderir ao Islã. (E “reflitamos”, observa Francis Conte, “sobre o que poderia ter acontecido se o primeiro Estado russo tivesse se voltado para o Islã: o advento de um verdadeiro poder eurasiático que o longo período do ‘jugo’ tártaro teria ancorado ainda mais firmemente na Ásia”[23]). Da mesma forma, o príncipe recusou as solicitações da delegação católica de rito latino. Ele então concedeu uma audiência aos embaixadores cázaros, que o convidaram a abraçar o Judaísmo. A Crônica de Nestor registra a seguinte resposta do príncipe: “Como você instrui os outros se vocês mesmos foram rejeitados por Deus e dispersos? Se Deus tivesse amado vocês e sua fé, vocês não teriam sido dispersos para terras estrangeiras. Ou você quer que isso aconteça conosco também?”[24]. Por fim, como se sabe, Vladimir aceitou o batismo de acordo com o rito grego e se casou com uma irmã de Basílio II, abrindo assim a Rússia para a civilização bizantina.

Assim começou uma diáspora que espalhou os remanescentes do Judaísmo cázaro por toda a Europa Central e Oriental. Qualquer pessoa pode ver que essa verdade histórica tem consequências devastadoras para o mito sionista do “retorno” dos judeus à Palestina. Pois, se a maioria dos judeus de hoje é originária de um povo da Ásia Central que se estabeleceu entre o Volga, o Mar Negro e o Dnepr e se espalhou por grande parte da Europa Oriental[25], então a reivindicação sionista é privada de seu fundamento, já que os descendentes eslavizados de um povo altaico não podem reivindicar nenhum “direito histórico” de “retornar” a uma terra onde seus ancestrais nunca viveram.

Notas

[1] Roger Garaudy, I miti fondatori della politica israeliana, Graphos, Genova 1996.
[2] Shlomo Sand, L’invenzione del popolo ebraico, Rizzoli, Milano 2020.
[3] Peter G. J. Pulzer, The rise of political anti-Semitism in Germany and Austria, Wiley, New York 1964, pp. 49-52.
[4] Renato Biasutti, Le razze e i popoli della terra, Utet, Torino 1967, p. 563.
[5] Maurice Fishberg, The Jews: A Study of Race and Environment, London – New York 1911, p. 181.
[6] Paul Wexler, The non-Jewish origins of the Sephardic Jews, State University of New York Press, Albany 1996.
[7] Arthur Koestler, La tredicesima tribù, Torino 2003, p. 119.
[8] Shlomo Sand, op. cit., p. 354.
[9] Shlomo Sand, op. cit., p. 356.
[10] “Inna Ya’jūja wa Ma’jūja mufsidūna fī ’l-ard” (Cor. XVIII, 94).
[11] Douglas Dunlop, The History of the Jewish Khazars, Schocken, New York, 1967, pp. 34-35.
[12] Francis Conte, Gli Slavi. Le civiltà dell’Europa centrale e orientale, Einaudi, Torino, 1990, p. 412.
[13] F. Conte, op. cit., pp. 412-413.
[14] Arthur Koestler, La tredicesima tribù, cit., p. 5.
[15] D.M. Dunlop, The History of the Jewish Khazars, Princeton University Press, Princeton 1954, p. x.
[16] Aleksandr Solgenitsin, Due secoli insieme. Ebrei e Russi prima della rivoluzione, Controcorrente, Napoli, 2007, vol. I, pp. 13-14.
[17] F. Conte, op. cit., p. 413.
[18] Yehudah ha-Lewi, Il re dei Khàzari, Bollati Boringhieri, Torino, 1991.
[19] F. Dvornik, Les légendes de Constantin et de Méthode vues de Byzance, Prague, p. 168.
[20] Letter from Rabbi Chisdai to King Joseph, in: Yehuda HaLevi, The Kuzari: In Defense of the Despised Faith, Jason Aronson, Northvale, 1998, p. 349.
[21] A. Solgenitsin, op. cit., p. 14.
[22] Aldo C. Marturano, Mescekh. Il paese degli ebrei dimenticati, Atena, Poggiardo, 2004, p. 162.
[23] F. Conte, ibidem.
[24] Racconto dei tempi passati. Cronaca russa del secolo XII, cit., p. 50.
[25] Sulla presenza cazara in Ungheria, in Transilvania, in Polonia e in Ucraina, cfr. C. Mutti, Chi sono gli antenati degli Ebrei?, “Eurasia. Rivista di studi geopolitici”, a. VI, n. 2, Maggio-Agosto 2009, pp. 25-34; L’Ucraina sarà un “grande Israele”?, “Eurasia. Rivista di studi geopolitici”, a. XIX, n. 3, Luglio-Settembre 2022, pp. 9-12.

Fonte: Eurasia Rivista

Imagem padrão
Claudio Mutti

Filólogo, estudioso do tradicionalismo e diretor da revista Eurasia, Rivista di Studi Geopolitici.

Artigos: 48

Deixar uma resposta