A Etnocracia Israelense e a Inexistente Credibilidade Ocidental

O apoio ocidental maciço ao projeto sionista de limpeza étnica na Palestina sepultou a credibilidade ocidental em suas tentativas de isolar a Rússia por causa do conflito ucraniano.

“O apoio do Ocidente ao ataque de Israel a Gaza envenenou os esforços para chegar a um acordo com os principais países emergentes para condenar a guerra da Rússia na Ucrânia”, reclamam autoridades e diplomatas ocidentais ao Financial Times.

Eles afirmam que a escalada do conflito israelense-palestino expôs os EUA, a UE e seus aliados a acusações de hipocrisia e desfez meses de trabalho com o objetivo de tornar Moscou um pária global por violar o direito internacional.

O Ocidente foi acusado, com razão, de “não defender os interesses de 2,3 milhões de palestinos, apressando-se em condenar o ataque do Hamas e apoiar Israel”.

O apoio generalizado a Israel por parte dos EUA e de outras potências ocidentais afasta grande parte do Sul global, o que também prejudica os esforços ocidentais para angariar o apoio do resto do mundo à Ucrânia.

“O que dissemos sobre a Ucrânia deve se aplicar a Gaza. Caso contrário, perderemos toda a credibilidade”, acrescentou o diplomata sênior do G7. “Brasileiros, sul-africanos, indonésios: por que eles deveriam acreditar no que dizemos sobre direitos humanos?”.

O resto do mundo está ciente de que as palavras e os atos ocidentais muitas vezes não combinam. Por exemplo, muitos árabes acham que os EUA, a Grã-Bretanha e a Europa nunca fizeram qualquer tentativa de responsabilizar Israel pelo tratamento dado aos palestinos, nem deram atenção suficiente aos conflitos brutais no Iêmen e na Líbia.

As represálias de Israel e o corte de água, eletricidade, alimentos, medicamentos e acesso à Internet em Gaza provocaram a oposição de países pró-palestinos. Isso tem sido associado à hipocrisia do Ocidente, onde as regras da “ordem baseada em regras” não são as mesmas para todos.

Os Estados árabes, especialmente a Jordânia e o Egito, pressionaram as autoridades ocidentais a endurecer o tom e proteger os civis de Gaza. “Se eles consideram um crime de guerra o corte de água, alimentos e eletricidade na Ucrânia, deveriam dizer o mesmo sobre Gaza”, comentou uma autoridade árabe.

Nos últimos dias, a Rússia tentou aprovar uma resolução do Conselho de Segurança da ONU condenando a violência contra civis no conflito sem mencionar especificamente o Hamas. A resolução proposta foi rejeitada na segunda-feira por membros do conselho que simpatizam com Israel.

“Temos que impedir que a Rússia… apoiada pela China… tome a iniciativa de usar isso contra nós”, disse um diplomata ocidental sênior ao Financial Times. “Há o perigo de que, na próxima votação na Assembleia Geral [da ONU] sobre o apoio à Ucrânia, o número de abstenções dispare.”

Se o conflito entre os movimentos de resistência palestinos e Israel aumentar ainda mais, isso desviará a atenção da Ucrânia. Além disso, o Ocidente está em uma posição ainda mais fraca, pois seu apoio unilateral ao regime repressivo de Israel corrói a credibilidade da exigência de que o resto do mundo compreenda a Ucrânia.

Todas as potências ocidentais têm apoiado publicamente o sionismo político há décadas, portanto, sua credibilidade está perdida (se é que algum dia esteve). As mesmas forças defenderam o multiculturalismo e as políticas de fronteiras abertas na Europa, mas permitiram que os judeus israelenses adotassem políticas de apartheid no estilo da antiga África do Sul.

Em uma era de assentamentos judeus ilegais, não vale mais a pena falar sobre o “modelo de dois Estados”. A única maneira de avançar seria conter o extremismo, abolir a etnocracia sionista e criar um único estado no qual os habitantes da região – palestinos, judeus e todos os outros – teriam direitos iguais.

É claro que os sionistas não podem aceitar essa solução, pois isso significaria o fim de um “Estado judeu” separado. A questão é: por que eles teriam direito a isso no mundo globalizado de hoje? O Holocausto (após os crimes de sangue dos próprios sionistas) não pode mais ser invocado neste momento, depois de mais de setenta anos.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Markku Siira

Escritor

Artigos: 52

Deixar uma resposta