Youssef Hindi: “O Sionismo Contemporâneo é a Forma Secularizada de um Projeto Messiânico”

Na maioria das tentativas de explicar os conflitos israelenses sempre falta algum elemento. Coisas como petróleo e gasodutos não explicam. O que sempre falta é compreender o fundamento messiânico-escatológico dos projetos políticos sionistas.
Você tem uma abordagem específica para o conflito israelense-palestino. Por que escolheu essa abordagem em primeiro lugar?

Minha abordagem é empírica e dupla. Ela é histórica e político-religiosa. Em 2015, publiquei um livro intitulado O Ocidente e o Islã, tomo 1: Fontes e gênese messiânicas do sionismo – Da Europa Medieval ao Choque de Civilizações, no qual traço a genealogia do sionismo até o século XIII. Minha pesquisa destacou as origens messiânicas do sionismo.

A primeira tentativa de refundar o Reino de Israel ocorreu entre 1525 e 1532, quando dois rabinos cabalistas, David Reuveni e Solomon Molcho, abordaram o Rei João III de Portugal, o Papa Clemente VII e o Sacro Imperador Romano Carlos V, pedindo-lhes que atacassem o Império Otomano na Palestina para criar o Reino de Israel. A tentativa fracassou, mas o projeto não foi abandonado.

Durante a Primeira Guerra Mundial, em 1916, a Grã-Bretanha se viu em dificuldades, encurralada pelo Império Alemão e prestes a assinar o armistício proposto pelo Kaiser. Uma delegação sionista foi ao Gabinete de Guerra Britânico para propor um acordo aos britânicos. Os sionistas prometeram trazer os Estados Unidos para a guerra ao seu lado e, em troca, os britânicos deveriam expulsar os otomanos da Palestina e entregá-la aos judeus. Esse fato histórico está documentado. As declarações oficiais do primeiro-ministro britânico da época, Lloyd George, referentes a esse acordo estão registradas no relatório da Comissão Peel (julho de 1937).

Também mostrei que o método de conquista da Palestina pelo Lar Nacional Judaico desde a década de 1920, e do Estado de Israel desde 1948, é a aplicação ao pé da letra da conquista da Terra Santa, conforme relatado na Bíblia Hebraica e, mais especificamente, no Livro de Josué. O projeto da Grande Israel, do Nilo ao Eufrates, também se baseia na Torá (Gênesis, 15:18). O rabino Fischmann, membro da Agência Judaica para a Palestina, declarou em seu depoimento ao Comitê Especial de Investigação da ONU em 9 de julho de 1947: “A Terra Prometida se estende do rio do Egito até o Eufrates. Ela inclui parte da Síria e do Líbano”.

Os pais do sionismo e os fundadores do Lar Nacional Judaico, como Theodore Herzl e Ben Gourion, referiram-se a essas fronteiras bíblicas, apesar de seu ateísmo.

O sionismo contemporâneo é a forma secularizada de um projeto messiânico e bíblico. Mas os líderes israelenses de hoje são judeus ortodoxos que não escondem mais a natureza religiosa, messiânica e escatológica de suas políticas.

E quanto ao destino da Faixa de Gaza em particular? Como o projeto que você descreve pode explicar os eventos que vêm ocorrendo desde 7 de outubro de 2023?

As origens desse projeto podem ser encontradas na Bíblia Hebraica (Josué, 13:1-6), que considera que Gaza pertence aos filhos de Israel.

Em 1956, Israel anexou a Faixa de Gaza (que havia sido ocupada pelo Egito) e o Sinai. O Estado hebreu foi forçado a se retirar pelos Estados Unidos e pela União Soviética.

Em 1967, durante a Guerra dos Seis Dias, Israel ocupou novamente Gaza e a colonizou até 2005. O Sinai foi colonizado pelos israelenses até 1982.

Mas Tel Aviv não abandonou seu plano de colonizar Gaza, que foi acompanhado de uma limpeza étnica.

Em julho de 2014, o vice-presidente do Knesset, Moshe Feiglin, propôs o seguinte plano para Gaza:

“Um aviso do primeiro-ministro israelense para a população inimiga, no qual ele anuncia que Israel está prestes a atacar alvos militares em sua área e pede àqueles que não estão envolvidos e não desejam ser feridos que saiam imediatamente. O Sinai não fica longe de Gaza e eles podem ir embora.

Atacar toda a “faixa-alvo” de Gaza com toda a força da IDF (não uma pequena parte dela) e com todos os meios convencionais à sua disposição. Todos os alvos militares e a infraestrutura serão atacados, independentemente de ‘escudos humanos’ ou ‘danos ambientais’.

Um cerco total está sendo imposto a Gaza. Nada pode entrar na área. Israel, no entanto, permitirá que as pessoas saiam de Gaza. (Os civis podem viajar para o Sinai)

Assim que a IDF terminar de “amaciar” os alvos com seu poder de fogo, ela conquistará toda a Faixa de Gaza.

Gaza é um fragmento de nossa Terra e permaneceremos lá até o fim dos tempos… Ela se tornará parte integrante do Estado de Israel e será povoada por judeus.”

Em 12 de janeiro de 2018, o Haaretz informou que Benyamin Netanyahu havia pedido ao presidente Barack Obama que desse aos palestinos o Sinai em troca da anexação de partes da Cisjordânia. Esse plano é semelhante ao proposto por Israel ao governo Trump, que inclui no acordo a troca de terras no Sinai.

Hoje, o bombardeio israelense no norte de Gaza tem o objetivo de empurrar os moradores de lá para o sul, a fim de pressionar o Egito a aceitar os habitantes de Gaza no Sinai.

Talvez sua abordagem contribua de alguma forma para racionalizar as ações da classe política israelense, mas como você explica o apoio ocidental a Israel? Em outras palavras, qual é o verdadeiro motivo desse apoio?

Esse é o nome do poderoso lobby pró-Israel nos Estados Unidos e na Europa, como apontaram os dois famosos acadêmicos americanos Stephen Walt e John Mearsheimer. Mas esse apoio incondicional a um regime de apartheid, racista e que pratica a limpeza étnica, também é o nome de uma grande crise no Ocidente, que é dominado pelos valores desiguais do mundo judaico-protestante anglo-americano. Esse é um dos assuntos que trato em profundidade em meu último livro, A Guerra dos Estados Unidos contra a Europa.

A crise interna no mundo ocidental, onde a divisão entre uma oligarquia e um povo cada vez mais empobrecido, está tendo repercussões nas relações internacionais. No passado, a França, com sua tradição católica igualitária, desempenhou um papel de equilíbrio entre o Oriente e o Ocidente, entre os Estados Unidos e a Rússia.

Depois de ser integrada ao espaço e ao sistema dos EUA, a Europa foi colonizada mentalmente. A política árabe desapareceu completamente após a saída de Jacques Chirac, e nenhum país europeu tem agora a vontade política de conter os Estados Unidos e Israel em sua corrida rumo à guerra mundial.

Como resultado, Israel será detido, seja pela mediação da Rússia, que atualmente está tentando reduzir as tensões no Oriente Médio, ou teremos um confronto entre o Estado hebreu e o Hezbollah, as milícias xiitas no Iraque sob o controle do Irã, ou até mesmo uma guerra direta contra Teerã. Tudo isso traz o risco de uma conflagração global, dadas as alianças de ambos os lados.

Até que ponto você acha que a guerra na Ucrânia e a escalada do conflito israelense-palestino estão ligadas, já que está claro em suas várias declarações públicas que ambas estão interconectadas?

Os conflitos na Ucrânia e no Oriente Médio, especialmente desde a intervenção da Rússia na Síria (novembro de 2015), constituem duas frentes da mesma guerra, colocando dois campos um contra o outro. Os Estados Unidos e seus aliados contra a Rússia e seus aliados. Essa grande guerra em duas frentes, e talvez um dia em uma terceira frente na Ásia-Pacífico contra a China, foi desencadeada pelo hegemon americano e por Israel e seu lobby, que empurraram os Estados Unidos para a guerra contra o Iraque e as outras guerras contra os povos do Oriente Médio. Gostaria de lembrar aqui que o plano americano para redesenhar o “Grande Oriente Médio” do Marrocos ao Paquistão, conhecido como “The Greater Middle East Initiative” e que levou à Primavera Árabe e às sucessivas guerras contra o mundo muçulmano, é a reformulação e atualização de um plano israelense de 1982 chamado Uma Estratégia para Israel na década de 1980, também conhecido como “Plano Oded Yinon”.

Fonte: Egalité et Réconciliation

Imagem padrão
Youssef Hindi

Escritor francês.

Artigos: 52

Deixar uma resposta