O Projeto “Novilho Vermelho”: Parte do Plano Israelense para Construir o Terceiro Templo em Al-Aqsa

Um dos elementos por trás do atual conflito na Palestina é o anseio de vários setores da elite sionista israelense por destruir o Domo da Rocha e reconstruir o Templo de Jerusalém. Com isso, eles pretendem confirmar a legitimidade do Estado de Israel. Para esse fim, o Estado sionista tem investido na busca (ou criação) de uma novilha vermelha para ser sacrificada, o que seria um passo necessário para a reconstrução do Templo.

Desde 1967, os não muçulmanos têm permissão para visitar Al-Aqsa, mas não para rezar no local sagrado. No entanto, esse status quo está se deteriorando rapidamente nos últimos anos, à medida que grupos de colonos judeus israelenses trabalham junto com o governo para assumir o controle do complexo.

De acordo com a lei judaica, as cinzas de uma novilha vermelha (vaca fêmea jovem) devem ser espalhadas no Haram al-Sharif antes que os judeus possam subir ao local e reconstruir o Terceiro Templo. Embora a busca por uma novilha vermelha tenha sido considerada há muito tempo uma iniciativa marginal promovida por ativistas do Monte do Templo, novas pesquisas revelam que o governo israelense agora está envolvido nessa empreitada.

De acordo com a Ir Amim, organização sem fins lucrativos com foco em Jerusalém, as autoridades do governo israelense ajudaram o grupo ativista do Monte do Templo, o Instituto do Templo, e a Boneh Israel, uma organização evangélica, a importar cinco vacas dos Estados Unidos no ano passado para serem usadas no sacrifício da novilha vermelha.

O Ministério da Agricultura supostamente ajudou a contornar os regulamentos padrão para importar as vacas vivas dos EUA, o que é proibido. Em um comunicado à imprensa, a Boneh Israel e o Instituto do Templo afirmam que receberam permissão para importar as vacas por meio do Ministério da Agricultura.

O Ministério de Assuntos e Patrimônio de Jerusalém também ajudou no projeto. O diretor geral do Ministério, Netanel Isaac, revelou em um discurso na cerimônia de boas-vindas das vacas em setembro de 2022 que a agência tem financiado o desenvolvimento da área do Monte das Oliveiras, onde os ativistas do Monte do Templo planejam iniciar o sacrifício ritual da novilha vermelha. Além disso, o ministério está envolvido na transferência das vacas para um centro de visitantes e uma fazenda criada para o projeto da novilha vermelha no sítio arqueológico de Tel Shiloh, na Cisjordânia ocupada. Atualmente, as vacas estão sendo mantidas em um kibutz (comunidade judaica) no Vale do Jordão. No entanto, uma das vacas já está no centro de pesquisa do assentamento israelense.

A Ir Amim enfatizou que, embora esse projeto esteja sendo liderado pela atual liderança israelense, a assistência governamental começou, na verdade, durante o governo anterior dos ex-primeiros-ministros israelenses Yair Lapid e Naftali Bennett, que era considerado mais moderado e politicamente diverso do que a atual coalizão de Benjamin Netanyahu.

O pesquisador de campo sênior do Ir Amim, Aviv Tatarsky, explicou que há apenas 15 anos, a ideia de os judeus rezarem no Haram al-Sharif era uma noção radical promovida por extremistas de direita. No entanto, agora ela está firmemente enraizada na corrente principal israelense.

“A mudança é que as ideologias nacionalistas e fundamentalistas são dominantes na sociedade israelense”, disse Tatarsky. “Elas conquistaram a sociedade israelense”.

Os ministérios israelenses envolvidos e o Instituto do Templo não responderam aos pedidos de comentários. Não foi possível entrar em contato com a Boneh Israel antes do prazo final.

Implicações Perigosas

Apesar da promessa do governo israelense de manter o status quo em Al-Aqsa, os colonos envolvidos no projeto da novilha vermelha enfatizam que o objetivo é a ascensão dos judeus no Haram al-Sharif para reconstruir o Terceiro Templo – o que implica a destruição do Domo da Rocha.

Embora os colonos judeus estejam invadindo cada vez mais o Haram al-Sharif, muitos rabinos hoje proíbem isso, pois a antiga lei judaica determina que as cinzas da novilha vermelha são necessárias para purificar a área antes que os judeus possam subir. Por isso, a maioria dos judeus religiosos nem sequer entra no complexo, e os que entram só podem caminhar em certas partes. Com o ritual da novilha vermelha, o número de judeus que invadem Al-Aqsa pode se multiplicar.

“Isso pode levar talvez a centenas de milhares de haredis [judeus ultraortodoxos] ou sefardis [judeus espanhóis] que podem realmente invadir a mesquita e causar uma verdadeira guerra religiosa”, disse à MintPress News o Dr. Abdallah Marouf, professor de história islâmica da Universidade Mayis de Istambul 29 e ex-funcionário da mídia da Mesquita de Al-Aqsa.

As principais figuras envolvidas nessa iniciativa disseram aos meios de comunicação que o objetivo final do projeto é reconstruir o Terceiro Templo, destruído pelos romanos em 70 d.C.

“As profecias se tornaram realidade e os judeus estão de volta a Israel”, disse Byron Stinson, responsável por criar o gado e trazê-lo para Tel Aviv, ao Jerusalem Post. “Agora eles precisam construir um templo. Mas é como comprar um carro muito bom. Se você não tiver a chave, não vai a lugar algum. A novilha vermelha é a chave para fazer o Templo funcionar como deveria.”

Stinson faz parte da Boneh Israel e também fundou a Fundação Casa do Pai, uma instituição de caridade isenta de impostos dos EUA que organiza viagens a Israel. Além da Fundação Casa do Pai de Stinson, outras organizações sem fins lucrativos isentas de impostos sediadas nos EUA também estão envolvidas nessa iniciativa da novilha vermelha, como a P.E.F. Fundo de Doações de Israel e a Fé Bíblica, que aceitam doações para o Instituto do Templo. A Boneh Israel é apoiada pela Reshit, um grupo de colonos israelenses liderado por Tzachi Mamo, outra pessoa importante no projeto da novilha vermelha.

Atualmente, o Reshit está trabalhando com o Ministério de Assuntos de Jerusalém para desenvolver o projeto “Trilha do Norte”, uma rota turística para caminhadas do Portão de Damasco até Sheikh Jarrah, destacando casas de colonos e locais da história judaica. Ao desenvolver a rota, o Estado e os colonos estão tentando apagar a identidade palestina ao expandir os locais israelenses existentes. Em 2023, a organização recebeu 17.635 shekels (cerca de US$ 4.600) do Ministério da Educação de Israel.

Mamo disse à Christian Broadcasting Network que comprou um terreno no Monte das Oliveiras em 2011 destinado à realização do sacrifício da novilha vermelha.

“E esperamos que, em um ano e meio a partir de hoje, possamos realizar aqui nesta área a cerimônia da novilha vermelha que, na verdade, será o primeiro passo para o Templo”, disse Mamo à CBN.

De acordo com os documentos de registro de terras analisados por Tatarsky, da Ir Amim, a terra está registrada em nome de uma empresa desconhecida e era originalmente propriedade de palestinos.

Além disso, a pesquisa da Ir Amim observa que a Autoridade de Desenvolvimento de Jerusalém está atualmente trabalhando para construir um calçadão no Monte das Oliveiras que leva ao local onde Mamo pretende realizar o ritual da novilha vermelha.

Embora o projeto da Red Heifer busque obter a soberania judaica sobre Al-Aqsa, Marouf acredita que o povo palestino lutará para preservar o status quo, o que já fez em ocasiões anteriores quando a santidade de Al-Aqsa estava ameaçada.

“Isso está acontecendo agora. No entanto, isso não significa que acontecerá”, disse Marouf. “Um elemento muito importante nessa equação é o povo palestino em Jerusalém, que provou ser o principal obstáculo contra os grupos de direitos dos colonos israelenses e o governo israelense.”

Fonte: MintPressNews

Imagem padrão
Jessica Buxbaum

Jornalista israelense.

Artigos: 52

Deixar uma resposta