Ler e Discutir Clausewitz: Pensar a Guerra

Longe de termos “superado” a guerra, ela faz parte cada vez mais da vida contemporânea. Nesse sentido, torna-se necessário retornar a Clausewitz.

Alguns observadores podem ter pensado que, com o fim da Guerra Fria e da União Soviética em 1991, a guerra deixaria de ser um grande problema, pelo menos para a Europa. É claro que ainda haveria conflitos (como veremos: Mali, Síria, Afeganistão, etc.), mas longe de casa e com pouco impacto sobre nós. Esse era o sonho de um mundo pacífico. Pelo menos para os países que tinham a sorte de ter líderes do “círculo da razão”. Em outras palavras, liberais a favor da globalização contínua e acelerada. Rumo a um mundo cada vez mais uniforme e harmonioso, apesar de alguns inevitáveis solavancos na estrada. Essa era a perspectiva.

É de se perguntar se isso foi um erro completo. Em outras palavras, não foi justamente a Guerra Fria que evitou as guerras quentes? A guerra na Ucrânia em 2022 mostra que a Europa não está imune à guerra. Além disso, esquecemos rapidamente as guerras na Iugoslávia e o bombardeio da OTAN contra a Sérvia, uma ação que foi rapidamente equiparada a uma simples correção administrada a um país complacente com os nacionalistas “de outra época”. Todos nós sabemos o que a casta dominante diz a todos aqueles que se rebelam contra uma nova ordem mundial que é tanto geopolítica quanto moral: “Não estamos mais na Idade Média! O que significa: “Você está errado ao acreditar na existência de constantes antropológicas”.

E ainda assim. Persiga a realidade, e ela voltará galopando. A guerra está de volta, na Ucrânia, e suas consequências econômicas – em detrimento da Europa – estão nos tornando mais conscientes dessa realidade do que nunca. Mas desde 2015 (os ataques ao Charlie Hebdo, ao Bataclan, depois a Nice, etc.), a guerra assumiu novas formas extraestatais. É a guerra de guerrilhas partidárias, é o terrorismo, é também a guerra informacional, tecnológica e industrial. Essas guerras nem sempre são declaradas, mas, mesmo assim, são muito reais. Um lado quer enfraquecer o outro e deixá-lo de joelhos. Por todos os meios, mesmo os legais, a produção de leis, por exemplo, na esfera internacional, também é uma forma de guerra. Exemplo: guerra, ou pelo menos sanções, contra um país “não-democrático”, não “LGBT-friendly” etc.

Estamos redescobrindo uma constante na história dos povos e das civilizações: o mundo está em conflito. Como podemos ter nos esquecido disso? Como nossos líderes ainda podem permanecer cegos a esse fato óbvio? Como é possível que as entrevistas de Macron sobre política externa (por exemplo, no site Le grand continent) sejam tão angustiantes em sua insignificância e suas ações sejam tão terríveis ou contraproducentes? A menos que os discursos, que são ao mesmo tempo reconfortantes e preocupantes, sejam mais um meio de travar uma guerra contra os povos do mundo a fim de esconder deles o fato de que existe, de fato, um projeto oligárquico de governança mundial – um projeto perfeitamente aceito e alinhado com uma ideologia que podemos contestar, mas cuja coerência é real de um ponto de vista universalista – e que não há apenas uma política internacional possível.

A “Fórmula” de Clausewitz

O espectro da guerra paira sobre os europeus. Um foco de guerra sempre pode se espalhar. Uma guerra localizada não tem garantia de permanecer localizada. Este é um bom momento para refletir novamente sobre o que Clausewitz nos disse sobre a guerra. Antes de mais nada, não devemos interpretar mal o projeto de Clausewitz (1780-1831). Ele não forneceu uma “doutrina para vencer guerras”. Nem mesmo as guerras de sua época. Clausewitz fornece uma série de lições a partir da observação. Isso não é a mesma coisa. Lições para entender situações diferentes. Seu objetivo é mostrar-nos o que caracteriza um conflito de guerra em relação a outros fenômenos sócio-históricos. O que é específico da guerra nas atividades humanas? Como podemos entender a guerra, e o que há para entender sobre a guerra? Além da diversidade das guerras, precisamos determinar o que é comum a todas as guerras. Essa é uma tarefa tão importante quanto tentar determinar a essência da economia ou a essência da política.

Grande parte da discussão gira em torno do que Raymond Aron chamou de “Fórmula” de Clausewitz: “A guerra é simplesmente uma continuação da política por outros meios”. Considerada muito brutal por alguns cientistas políticos, eles propuseram revertê-la ou corrigi-la. Correndo o risco de retirar toda a sua força. Ou recorrer à pirueta. E se a questão não fosse invalidar essa fórmula, mas lê-la corretamente e entender toda a sua força explicativa? A guerra é uma expressão da política? Claro que sim, mas que tipo de política? De acordo com Clausewitz, a guerra é tanto uma ferramenta da política quanto uma forma de política. Uma continuação da política por outros meios. Uma ferramenta e uma nova túnica. Nesse caso, devemos entender a frase: “por outros meios [além dos meios políticos]”? Ou “por outros meios [que não os meios da paz]”? Daí a pergunta: todos os meios que não são diretamente políticos para alterar um equilíbrio de poder constituem guerra? A mesma pergunta se aplica a todos os meios que não são diretamente pacíficos, ou seja, aqueles baseados em coerção (financeira, moral etc.), tecnologia, mobilização de massa, propaganda, intoxicação, desestabilização etc. É claro que a simples definição dada por Clausewitz já abre a possibilidade de diferentes interpretações.

A guerra é simplesmente um confronto entre dois exércitos ou engloba todos os meios – diplomáticos, ideológicos, morais e econômicos – usados para fazer um adversário se submeter? Assim, a guerra pode ser – em uma versão restrita – simplesmente um confronto entre dois exércitos, ou – em uma versão mais ampla – todos os meios, militares ou não, projetados para dobrar um adversário à nossa vontade e alterar o equilíbrio de poder a nosso favor. Portanto, a guerra pode ser definida de acordo com duas interpretações, uma restrita e outra ampliada. A guerra é: a) apenas quando as armas falam; ou b) quando todas as alavancas são mobilizadas para exercer violência sobre o adversário e fazê-lo se submeter, sem que os exércitos necessariamente entrem em ação. Em ambas as definições, a guerra pressupõe um conflito de interesses entre dois poderes, uma consciência desse conflito, pelo menos por um dos dois lados, e um sentimento de hostilidade, mesmo que compartilhado de forma desigual. Em outras palavras, a guerra é uma questão de política como meio de gerenciar conflitos.

A guerra como uma forma de relações públicas

Uma das dificuldades na leitura de Clausewitz é justamente essa: embora ele fosse “tanto um estrategista quanto um pensador da política” (Éric Weil), ele nem sempre definiu a política da mesma maneira. Ela é “a inteligência do Estado personificado” (Da Guerra, Livro I, cap. 1), nos diz Clausewitz. É também o que representa “todos os interesses de toda a comunidade” (Livro VIII, cap. 6). Essas duas definições não são mutuamente exclusivas. Compreender onde estão os interesses para defendê-los: as duas proposições de Clausewitz se complementam. Vamos reformular isso em termos modernos: a política é a busca dos interesses do Estado como representante da nação. A guerra, então, é apenas o resultado da política como uma análise racional dos interesses da nação? Não. Essa é a resposta que Clausewitz sugere. Ele escreveu: “A guerra nada mais é do que a continuação das relações públicas, com o acréscimo de outros meios” (Da Guerra, Livro VIII, Capítulo 6). Isso significa que a guerra sempre tem uma dimensão política, mas nem sempre é o resultado de uma escolha política de um sujeito histórico. A guerra escapa parcialmente da dialética escolha-ato sem sujeito (a dialética de Descartes). Ela é uma interação. É um modo de relações públicas. É por isso que, quando estudamos a cadeia de eventos que leva à guerra, raramente podemos atribuir a responsabilidade total por um conflito a apenas um lado. A guerra ocorre quando ambos os protagonistas a desejam. Se um deles simplesmente aceita a guerra (ou se rende), também há guerra. Mas pode haver guerra quando nenhum dos protagonistas a deseja? Essa é a hipótese de uma cadeia de eventos fatais indesejados. Clausewitz prevê os dois cenários: a guerra planejada e presumida e a guerra que, em parte, nos escapa.

Um exemplo de Clausewitz racional é a “Fórmula”, mencionada acima. O Clausewitz racional é também aquele que diz: “A intenção política é o fim, enquanto a guerra é o meio, e não se pode conceber os meios independentemente do fim”. Mas o irracional entra em cena quando Clausewitz escreve: “Não vamos começar com uma definição pesada e pedante de guerra; vamos nos limitar à sua essência, ao duelo. A guerra nada mais é do que um duelo em uma escala maior. Em certo sentido, essa é uma segunda “Fórmula”, diferente de “guerra, a continuação da política por outros meios”. Uma segunda “fórmula” que nos afasta do racional. Todo mundo sabe que os duelos são muitas vezes uma questão de honra. Muito mais do que uma questão de interesse ou racionalidade. E quando o duelo é levado ao nível de grupos organizados – de duellum para bellum – ele continua sendo uma interação e um relacionamento. Com sua parcela de irracionalidade. “Não sou meu próprio mestre, pois ele [o oponente] dita sua lei para mim, assim como a minha dita para ele”, escreveu Clausewitz. Como disse Freud, “o ego não é senhor em sua própria casa”.

A guerra não é um acidente

Portanto, a guerra é uma vontade aplicada a “um objeto que vive e reage”. Clausewitz resume: “A guerra é uma forma de relacionamento humano”. A prova da natureza relacional da guerra é que são necessárias duas pessoas para recorrer à violência. Se um dos lados atacados responde à violência com a não-violência – como a Dinamarca fez contra a Alemanha em 1940 – não há guerra (há, no entanto, ocupação e subjugação do país. A nação é, portanto, derrotada e corre o risco de desaparecer politicamente). Às vezes, a guerra pode ser evitada, mas se um país designa você como inimigo, você é inimigo dele, quer você goste ou não. Portanto, vemos que Clausewitz pensa a racionalidade e espera que haja racionalidade. Mas ele também prevê a possibilidade de irracionalidade. Dependendo das citações, a ênfase muda de um registro para o outro. Para Clausewitz, o racional precede o irracional. Mas ele não o suprime.

Vimos acima que, às vezes, podemos nos perguntar se há uma guerra sem que ela seja realmente desejada pelos protagonistas. As coisas precisam ser esclarecidas. A guerra é sempre o resultado de decisões, tanto do atacante quanto do atacado, que decidem (ou não, como vimos com a Dinamarca em 1940) se defender. A ideia de guerra como uma simples cadeia de eventos tem seus limites. Em Les Responsables de la Deuxième Guerre mondiale, Paul Rassinier explica que não há provas de que Hitler queria a guerra na Europa em 1939, porque ele achava que poderia recuperar o corredor de Danzig sem guerra, controlar o petróleo romeno sem guerra, até mesmo fazer a União Soviética entrar em colapso sem guerra, e assim por diante. Além do fato de que essa tese parece muito frágil, dada a crença de Hitler nas virtudes “virilizantes” da guerra (uma forma de “competição livre e não distorcida” entre os povos), é bastante claro que seu desejo de paz não pode ser argumentado com base na suposição de que todos capitularão às suas exigências. Entretanto, a natureza relacional da guerra, conforme discutida por Clausewitz no Capítulo 6 do Livro VIII Da Guerra, sugere que o acidente – ou seja, a guerra como acidente – não é necessariamente impossível. A relação tem precedência sobre os sujeitos da relação. Com base em um mal-entendido, tudo pode dar errado. Mas isso não impede que as responsabilidades sejam perfeitamente identificáveis na eclosão da guerra, mesmo que os responsáveis às vezes tenham agido ou tomado decisões em meio a hipóteses contraditórias ou imprecisas. Veja o exemplo da Alemanha Imperial em 1914: foi dito, com razão, que Guilherme II não queria a guerra. Talvez ele quisesse. Realidade “psicológica”. Mas o ponto essencial é que, mesmo assim, ele decidiu ceder às pressões do Estado-Maior, em especial ao concordar em invadir a Bélgica, embora ela tivesse neutralidade internacional.

Resumindo: acidentes podem influenciar decisões, mas a guerra não acontece por acidente. Outro exemplo, mais ardente. Imaginemos que Putin tivesse pensado que, após o lançamento da “Operação Especial”, o governo ucraniano seria imediatamente derrubado e negociaria com a Rússia de forma favorável aos planos de Putin, supondo que eles estivessem bem claros em sua mente. Não teria havido guerra. Isso é verdade. Mas essa era apenas uma hipótese e, de fato, ela não se concretizou: o governo de Zelensky não entrou em colapso, por um motivo ou outro. Portanto, Putin assumiu o risco da guerra. Portanto, ele é responsável. Por outro lado, ele não é o único responsável, porque é verdade que as populações pró-russas do Donbass têm sido bombardeadas desde 2014 e que os acordos de Minsk (2014) não foram cumpridos. Há um elemento de acidente na guerra, mas a guerra não é um acidente.

A noção de guerra total

A definição de Clausewitz de guerra como uma “continuação das relações políticas” é esclarecedora não apenas por si só, pelo que diz sobre a natureza dialógica da guerra, mas também pelo que mostra sobre a concepção de política de Clausewitz. A política é o comércio entre Estados e nações. Obviamente, o comércio não é apenas o comércio de mercadorias e dinheiro. É também o comércio de ideias. Política é o relacionamento entre as nações, determinado pelas intenções de cada uma e pelas interações recíprocas. A chamada política “doméstica” é a mesma coisa, exceto pelo fato de que ela diz respeito às relações entre grupos sociais. Para Clausewitz, a guerra é, portanto, a continuação da política por outros meios que não os pacíficos. Mas, exatamente por ser uma continuação da política, ela não faz com que a política desapareça, assim como os outros meios de política não o fazem. A guerra não absorve toda a política. “Dizemos que esses novos meios são adicionados a eles [aos meios pacíficos] para afirmar, ao mesmo tempo, que a guerra em si não põe fim a essas relações políticas, que não as transforma em algo completamente diferente, mas que elas continuam a existir em sua essência, quaisquer que sejam os meios utilizados”. É por isso que a guerra não exclui negociações paralelas. “Lutamos em vez de enviar notas, mas continuamos a enviar notas ou o equivalente a notas mesmo enquanto lutamos”, escreve Raymond Aron (Penser la guerre, Clausewitz, tomo 1, Gallimard, 1989, p. 180). A noção de guerra total (Erich Ludendorff, 1916) expressa a ideia de que a guerra é mais do que violência armada. É a mobilização de tudo, inclusive do imaginário (idealização do eu, demonização do inimigo). Trata-se de mobilizar toda a população, inclusive idosos e crianças. Se a Alemanha nazista aumentou o valor das pensões de seus cidadãos em 1944, não foi porque subestimou a prioridade das forças armadas, mas porque achava que a retaguarda tinha de resistir para que a frente não entrasse em colapso. Mobilizar tudo e todos: é por isso que a estratégia não é um conceito estritamente militar, mas é a gestão de todos os aspectos econômicos, demográficos, políticos e tecnológicos que podem levar à vitória, como explica o general André Beaufre (Introduction à la stratégie, Pluriel-Fayard, 2012). A guerra inclui a violência armada e seu uso, mas vai além disso e inclui meios pacíficos. Tanto a paz quanto a guerra têm a ver com relações políticas. Essas relações são relações de força, mas também relações assimétricas entre visões de mundo. Quando Napoleão disse a Metternich, em 1813, que não poderia retornar à França derrotado, ao contrário dos soberanos legítimos que poderiam retornar ao seu país derrotados sem perder o trono, foi uma verdade subjetiva que se tornou uma verdade objetiva. Na medida em que o próprio Napoleão disse que ficaria muito enfraquecido perante os franceses se concordasse em ser derrotado, os Aliados (então inimigos da França) não queriam lidar com um líder enfraquecido que não garantiria a duração da paz nos termos que eles haviam obtido. O argumento de Napoleão saiu pela culatra. Como podemos ver, a dimensão racional da guerra e da política, que vem sob o título de cálculo, sempre se cruza com uma dimensão irracional, que vem sob o título de subjetividade. Mas para que haja guerra, e não estase (guerra civil, discórdia violenta) ou terrorismo, deve haver grupos organizados, nações ou federações de nações, mas não tribos efêmeras. Nesse sentido, o mundo pós-moderno que está se instalando traz consigo conflitos que não serão – e provavelmente serão cada vez menos – guerras no sentido tradicional, mas que, mesmo assim, serão muito violentos e escaparão do método tradicional de resolução por meio de negociações. Uma perspectiva de aumento do caos.

Fonte: Revue Éléments

Imagem padrão
Pierre Le Vigan

Urbanista e historiador francês.

Artigos: 52

Deixar uma resposta