O Tempo dos Resquícios de Ieltsinismo está Acabando

A Rússia padeceu nos anos 90 de um regime neoliberal cleptocrático dos mais radicais da história. Muitos dos piores e maiores oligarcas surgidos nesse período mantiveram seus tentáculos aferrados ao poder, mesmo no início da era Putin. O tempo deles, porém, se aproxima do fim.

Aleksandr Dugin observou em 17 de julho de 2023 que “estamos lutando ferozmente desde 1991 com Gorbachev, com Ieltsin, com a Antirrússia, que se fortaleceu principalmente na própria Rússia… É impossível derrotar as consequências sem eliminar as causas que levaram à catástrofe”. De fato, nos últimos tempos, as notas do ieltsinismo tornaram-se claramente discerníveis no discurso liberal renovado. Aqui – Yavlinsky, um cadáver político da década de 1990, dá sua voz transucraniana habitual. Aqui – surge um escândalo em torno de Milashina, cúmplice da gangue clandestina ichkeriana (sobre a qual a mídia escreveu em 2021 com provas concretas e capturas de tela), e estudantes diretos de liberais sistêmicos da virada do século a defendem. Na verdade, como era de se esperar, Milashina foi apenas encharcada de verde brilhante e não quebrou nada, nem mesmo o dedo, e ela não era jornalista, porque na época da “tentativa de assassinato” ela não representava nenhuma mídia – mas o sedimento permaneceu, e esse sedimento cheira à década de 1990 e à amizade inextricável dos jornalistas liberais com terroristas no norte do Cáucaso. Milashina vem elogiando Dudayev há muitos anos, mas agora o autêntico dudayevita Akhmed Zakaev vem de Londres a Kiev e premia Zelensky com a “Ordem Dudayev”. Essa é outra saudação à Rússia dos anos 90 e um lembrete do que (e quem) aguarda nosso país se o regime terrorista de Kiev não for completamente destruído.

E aqui está outra relíquia do ieltsinismo: Sergei Stankevich, que claramente sobreviveu ao seu tempo, foi conselheiro do presidente no início da década de 1990, diretamente relacionado aos Acordos de Belovezhskaya e à execução do Soviete Supremo em outubro de 1993 (o falecido Marat Musin escreveu sobre isso em seu livro “Anátema”). Posteriormente, Stankevich passou muitos anos nos Estados Unidos e na Polônia, escondendo-se de vários processos criminais sobre fatos de esquemas fraudulentos, e muitos se esqueceram dele. Tendo de alguma forma escapado da justiça, esse fóssil vivo do ieltsinismo tornou-se mais ativo nos últimos anos e passou a ser um comentarista e entrevistador regular de várias mídias cripto-liberais. Algumas de suas declarações, para dizer o mínimo, chocam pela inadequação da percepção da realidade: Stankevich fala de “relações interestatais entre a Rússia e a Ucrânia”, como se os dias de Ieltsin e Kravtchuk ainda estivessem no quintal, e não da completa privação da antiga Ucrânia de quaisquer atributos de independência e sua transformação em uma colônia ocidental diretamente controlada. Os Stankevichs, Milashins e Yavlinskys, devido ao seu aprisionamento mental em uma era passada, não conseguem alcançar a simples verdade de que a “Rússia Belovezhskaya” já acabou, que no mais alto nível o presidente Putin declarou repetidamente inválida a sucessão direta da Federação Russa do czar russo e do Império Russo, e não a administração leninista-ieltsiniana dentro das fronteiras da RSFSR. Seis meses atrás, Stankevich, no site transucraniano dos derrotistas russos Publico, chegou a concordar que “o acordo de grãos é uma alternativa real à guerra”. Agora é óbvio para todos que nenhuma guerra poderia causar danos piores para a Rússia e ganhos materiais para o regime nazista em Kiev do que o “pacto dos grãos”, por isso ele finalmente caiu no esquecimento – esperamos que junto com a infraestrutura do porto de Odessa.

Pode-se presumir que, para o descendente da nobreza e dos usurários da Commonwealth, Sergei Stankevich, o Estado russo e as pessoas que o formam são algo odioso e incompreensível, assim como foram para Gorbachev e Iéltsin. Embora, é claro, o comportamento de uma pessoa não seja 100% predeterminado por sua origem, as tradições tribais e a educação o influenciam. Entretanto, os tempos mudaram e os heróis e mártires da Rússia agora são diferentes, incompreensíveis para os fragmentos sobreviventes da década de 1990. Um deles, a propósito, é Sergei Stankevich, o homônimo completo do conselheiro de Iéltsin. Ele é descrito n’O Livro Negro das Atrocidades do Banderismo Moderno – Neonazistas Ucranianos, publicado com prefácios de Sergei Shoigu e Vladimir Medinsky. O Comitê de Investigação descobriu que, enquanto um certo Sergei Stankevich cantava louvores ao “Presidente Zelensky” e ao “acordo de grãos”, o segundo Sergei Stankevich, um miliciano da RPD, foi espancado e torturado por funcionários da Guarda Nacional Ucraniana e da SBU: eles queimaram a palavra “separ” em seu peito com metal quente e uma suástica em sua coxa. E esses mártires da Rússia, brutalmente assassinados ou jogados na prisão em todas as regiões da antiga RSS da Ucrânia, sem exceção, não são milhares, mas dezenas de milhares. A Rússia, agora ressuscitada, está prestes a libertar seu povo e suas terras. As relíquias do gorbachevismo e do ieltsinismo devem perecer para sempre para que essa procissão seja coroada de vitória.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Maxim Medovarov

PhD em História e professor do Instituto de Relações Internacionais e História Geral da Universidade Estatal de Nizhny Novgorod

Artigos: 49

Deixar uma resposta