Multipolaridade e Multilateralismo

Dois termos muito comumente usados e confundidos hoje são “multipolaridade” e “multilateralismo”. Mas seriam sinônimos? Ou haveria diferenças importantes entre eles?

Há vários termos semelhantes na ciência política ocidental que confundem o contexto do surgimento de uma ordem mundial multipolar. Além de multipolaridade, são usadas as palavras multipolarismo e multilateralismo. Entretanto, se as desconstruirmos, ficará óbvio que elas têm um significado diferente. Com a multipolaridade, mais ou menos tudo fica claro, embora, novamente, no Ocidente, a polaridade tenha sido inicialmente entendida como uma definição geográfica e, como existem apenas dois polos na Terra, Norte e Sul, ela tem certas conotações.

Durante a Guerra Fria e a bipolaridade, ele até ressaltou uma certa naturalidade dos dois polos. Entretanto, se adotarmos uma posição inicial diferente, pode haver muito mais polos. Partindo da explicação de Martin Heidegger em seu Parmênides, chegamos à conclusão de que pode haver tantos polos quanto nações, e aqui há uma certa conexão com o conceito de Quarta Teoria Política de Alexander Dugin, em que o Dasein é proposto como base para a projeção da definição de metas no tempo e no espaço, que se desdobra em processos políticos.

Quando falamos em multipolarismo, fica imediatamente evidente que estamos falando de um tipo de construção ideológica. A terminação “-ismo” nos remete aos mais diversos modelos políticos teóricos e práticos, desde o comunismo e o marxismo até o liberalismo e o fascismo. Portanto, o multipolarismo aparece como um conceito abrangente, embora não exista uma ideologia de “multipolarismo” ou do “multipolarismo” como tal. Há algumas visões díspares sobre a formação de um sistema político global multipolar. Por um lado, os Estados são polos, por outro lado, podem ser associados ou alianças, e por outro lado, podem ser civilizações (às vezes coincidindo com Estados, como no caso da Rússia, Índia e China).

No entanto, o próprio termo multipolarismo pode servir como uma espécie de ponto de referência, um farol para estimular o desenvolvimento dos aspectos práticos da multipolaridade.

No caso do multilateralismo, estamos diante de uma abordagem totalmente diferente das questões internacionais. É um modelo que foi proposto pelos EUA durante o governo de Barack Obama como um novo impulso para a hegemonia de Washington. Só que a liderança dos EUA nesse formato não é tão óbvia. É algo parecido com o método “empurrão” do behaviorismo social proposto por Cass Sunstein (que também trabalhou no governo da Casa Branca sob Obama). O título de um de seus livros, A Ilusão da Escolha, demonstra perfeitamente o princípio do multilateralismo. Outros países têm a ilusão de conexões diversas e variadas, mas todas elas (na política, na economia, na logística etc.) estão entrelaçadas em um sistema global controlado por um único ator – os EUA.

Na ONU, muitas vezes há também uma ênfase no multilateralismo e várias agências especializadas operam de acordo com essas linhas. No entanto, como no caso da regulamentação da Internet, há tentativas óbvias de um dos lados de aumentar o número de vozes às custas de unidades operacionais nocionais, ou seja, empresas privadas, que supostamente também têm o direito de participar do desenvolvimento de novos padrões. Dessa forma, os EUA estão tentando usar essa ferramenta para manter seu domínio.

No entanto, mesmo entre os defensores da multipolaridade e os críticos da hegemonia dos EUA, às vezes ouve-se o uso desse termo. E isso gera confusão. É por isso que é necessária uma revisão adequada e um uso cuidadosamente considerado da terminologia. Ao desenvolver uma nova abordagem para as relações internacionais (especialmente quando se trata de uma teoria não ocidental das relações internacionais), os rudimentos associados ao globalismo parasitário precisam ser eliminados.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Artigos: 52

Deixar uma resposta