Wokismo e Desconstrução

O chamado “wokismo” se tornou um elemento central do liberalismo hegemônico, mas as suas raízes estão no desconstrucionismo pós-moderno, uma corrente filosófica que tende à engenharia social e nega qualquer noção de essência ou natureza humana.

Os fenômenos coletivos que atendem pelo nome de cultura “woke” e “cancel culture” (aqueles que, por exemplo, geram a derrubada de estátuas de poetas e pensadores em nome de princípios contemporâneos) podem parecer e são um pouco desvairados e fanáticos.

Expressões de sua natureza são alguns elementos muito claros: a vitimização elevada a princípio metodológico; a tendência fortemente censora em relação a tudo o que os “despertos” acreditam ser expressão do Mal absoluto; a aspiração de fazer tabula rasa de todo o passado da humanidade, cujas vicissitudes eles acreditam que devem reescrever como se fosse uma página em branco; uma dimensão fortemente midiática distante do sentimento comum à grande maioria das pessoas; a consequente atenção que o wokismo recebe da informação e das instituições, apesar de constituir um fenômeno de nicho; a analogia singular com o fanatismo da “Revolução Cultural” maoísta, que também queria acabar com toda a cultura chinesa; a natureza profundamente americanista e puritana da cultura do cancelamento, que, embora muitas vezes se apresente com uma roupagem “esquerdista” é, na realidade, o exato oposto das tradições mais férteis da esquerda, como a liberdade de expressão, a libertação do fundamentalismo religioso, a primazia das questões coletivas sobre os desejos individuais.

Em vez disso, as culturas woke e cancel representam uma mistura bizarra de certas expressões da cultura de “direita” em seus componentes individualistas e liberalistas e da cultura de “esquerda” em seus componentes igualmente individualistas que tendem a transformar semântica e legalmente certos desejos individuais legítimos, fruto de contextos históricos muito precisos, em direitos naturais.

Tudo isso é evidente. Mas há algo mais profundo no wokismo. De fato, ele também é um dos resultados sociais e culturais mais significativos do pós-modernismo e do desconstrucionismo. Duas posições filosóficas, estas últimas, que se estabeleceram principalmente nos Estados Unidos da América.

Nascido também da vulgarização que Jacques Derrida fez da refinada leitura heideggeriana de Nietzsche, o desconstrucionismo tem entre seus outros “pais” europeus Deleuze e, em parte, Foucault. Essas perspectivas filosóficas são complexas e articuladas, mas, na leitura política simplista que receberam nos Estados Unidos (e, em contrapartida, na Europa), tornaram-se filosofias orgânicas do liberalismo woke, com sua primazia do fluxo sobre a substância das entidades, eventos e processos (o que também é inquestionável); e, acima de tudo, com sua apologia do desejo individual e com sua destruição tendencial da racionalidade clássica (e, portanto, também científica).

Do desconstrucionismo europeu, ele mantém uma tendência ao obscurantismo expressivo e ao que os franceses chamam de “préciosité” (com uma referência a Molière), ou seja, um tipo de esnobismo baseado na convicção infundada de serem “os melhores”.

Os elementos problemáticos do desconstrucionismo filosófico são ampliados de forma desproporcional no wokismo político, começando com os elementos genéticos que o primeiro passou para o segundo.

Em primeiro lugar, uma tendência antropocêntrica oculta ou até mesmo negada, que é evidente em outros filósofos que contribuíram para o desconstrucionismo. Isso inclui, acima de tudo, Sartre, para quem fora do humano não há existência ou, se houver, não vale a pena investigá-la, e Lévinas, que concebe o diálogo apenas entre os humanos e não do humano com o mundo, com o cosmos; mundo e cosmos considerados substancialmente inexistentes, já que “l’autre de l’être, c’est l’homme en tant qu’il n’est pas l’être. On comprend que le seul être qui compte est l’être humain”[O outro do ser é o homem, na medida em que ele não é o ser. Entendemos que o único ser que conta é o ser humano.] (Pierre Le Vigan, em Déconstruction?, edição 55 da Krisis, abril de 2022, p. 22).

O antropocentrismo, que em algumas tendências desconstrucionistas evolui quase inevitavelmente para o artificialismo como o ápice das capacidades humanas de substituir o material pelo digital, e para o transumanismo como a substituição do real pelo virtual, na forma que Jean Baudrillard indicou com precisão por meio do conceito/dispositivo do simulacro, ou seja, um mundo onde o real é um momento do falso (Debord), onde a fronteira entre o que acontece e o que é inventado tende a se dissolver.

Aqui reside uma das raízes da engenharia social que é um componente constituinte tanto do desconstrucionismo quanto do transumanismo e que encontrou uma implementação muito clara no caso da Covid-19. Na verdade, foi, e ainda é, uma infodemia, uma epidemia essencialmente midiática, que “a permis de déployer au niveau mondial le récit de la ‘pandémie meurtrière’ qui doit servir de mythe fondateur à une dictature sanitaire et informatique mondial au cours d’élaboration” [permitiu desdobrar em nível global a narrativa da ‘pandemia mortal’ que deve servir de mito fundador para uma ditadura global da saúde e da informática em processo de desenvolvimento] (Lucien Cerise, ibid., p. 94).

A expressão e a forma desse mito fundador da saúde e do desconstrucionismo social são a dissonância cognitiva, o obscurantismo antibiológico, a eliminação das diferenças e o hipermoralismo de cunho religioso.

A dissonância cognitiva assume muitas formas. Em nível sociológico, por exemplo, a dupla ordem de acolher o mundo islâmico na Europa e combater o patriarcado masculino sem trégua; duas injunções claramente incompatíveis entre si. No nível da saúde e do clima, a dissonância também consiste na eliminação da saúde por meio da saúde, induzindo a um estado constante de ansiedade, estresse e depressão em nome da proteção contra um vírus.

A forma mais flagrante de obscurantismo antibiológico é a negação woke da existência real e inata de macho e fêmea, reduzida a uma construção puramente social e cultural que deve ser desmantelada de todas as formas, começando desde os primeiros anos de escolaridade. Nem seria o caso de nos determos nessa patologia óbvia – acreditar que machos e fêmeas não existem – se ela não fosse seriamente apoiada em vários fóruns.

É uma patologia que constitui uma prova adicional e evidente da rejeição desconstrucionista e acordada da diferença em nome do uno, de uma identidade que deve eliminar toda diversidade ontológica, ética e política, em nome de valores e de uma igualdade reduzida à pura uniformidade do idêntico: “Philosophiquement, c’est un processus d’abolition du multiple, dans tout les senses du terme et à tous le niveaux de l’existence, pour aller vers toujours plus d’unité normative. […] Il s’agit d’organiser volontairement l’unité du monde sur la base d’une hallucination collective” [Filosoficamente, é um processo de abolição do múltiplo, em todos os sentidos do termo e em todos os níveis da existência, para avançar para uma unidade cada vez mais normativa. […] Trata-se de organizar voluntariamente a unidade do mundo a partir de uma alucinação coletiva.](Cerise, ibid., p. 95).

A principal ferramenta que a ideologia woke emprega para atingir esse objetivo é a linguagem: desde o uso do schwa e do asterisco até estratégias mais complexas que visam, de qualquer forma, negar a existência de qualquer coisa que possa constituir uma diferença sexual entre os seres humanos. E isso de forma consistente, já que o desconstrucionismo nega que uma natureza humana seja dada, exista, atue.

Eliminá-la, tornando impossível qualquer restituição linguística dela, é a essência da novilíngua cujos princípios George Orwell enuncia nos apêndices de 1984. Consequentemente, as práticas woke se tornam formas de apagamento de toda a cultura humana, uma vez que ela é quase inteiramente produto de homens Homo sapiens, que são considerados a origem e a causa eficiente de todo o mal.

O desconstrucionismo woke é exatamente isso, é uma barbárie que assume formas raramente vislumbradas na história das sociedades; um análogo poderia ser os militantes do ISIS que destruíram “os ídolos”, as estátuas de Buda, no Afeganistão.

Não é coincidência, portanto, que o último elemento da taxonomia que estou propondo aqui consista em “réactiver sur un nouveau terrain, celui de l’hyper-moralisme wokiste, le vieux fanatisme religieux” [reativar em um novo terreno, o do hipermoralismo wokista, o velho fanatismo religioso] (Pierre-André Taguieff, p. 63). Taguieff acrescenta que, contra essa apologia da ignorância, é necessário ativar a alegria da ciência, que também germina de uma alegria do ceticismo em relação a toda verdade e valores absolutos. Fazer oposição em nome e sob a forma da liberdade, porque “nous voulons que puisse à nouveau s’épanouir, partout en Europe, un débat d’idées ouvert, sans inquisition, sans fanatisme, sans procès d’intention” [queremos poder fazer florescer mais uma vez, em toda a Europa, um debate aberto de ideias, sem inquisição, sem fanatismo, sem julgamento de intenções] (David L’Épée, ibid., p. 56), restaurando o significado e a função emancipatória das escolas e universidades, cada vez mais reduzidas a locais de doutrinação moralista de acordo com as modas que a agenda liberal-libertária está impondo às sociedades ocidentais. De fato, a ignorância não é “força” – como diz o slogan de 1984 – mas é a ferramenta que produz escravos.

Portanto, devemos agir e pensar em prol das liberdades reais, contra o fantasma da liberdade para o qual “en apparence, je pense et je fait ce que je veux, mais cela doit rester à l’intérieur du cadre circonscrit par les médias, qui définissent le nouveau discours sacré. Transgresser la parole médiatique revient à transgresser un tabou, et cela crééé une malaise immédiat, de même nature que la contestation de la parole du prêtre ou du chaman dans une société traditionnelle” [aparentemente, penso e faço o que quero, mas deve ficar dentro do quadro circunscrito pela mídia, que define o novo discurso sagrado. Transgredir a palavra da mídia equivale a transgredir um tabu, e isso gera uma inquietação imediata, da mesma natureza que a contestação da palavra do padre ou do xamã em uma sociedade tradicional.] (Cerise, ivi, p. 100).

Encerramos reiterando uma evidência que é tabu para a ideologia woke: a diferença (não a hierarquia, que deve ser rejeitada, mas precisamente a diferença) entre o masculino e o feminino.

Paul B. Preciado é um militante neofeminista espanhol, autor de um manifesto contra todos os “estereótipos de gênero” que constitui uma apologia do ânus, “zone érogène commune à tous les humains sans différence de sexe, orifice non discriminant et marqueur d’égalité”, que “s’impose comme le nouveau ‘centre universel contrasexuel’. D’où cet éloge déconstructionniste de l’anus, socle d’un universalisme enfin libéré de l’emprise des normes hétérosexuelles. […] Se situer par-delà le pénis et le vagin, organes de la différence des sexes, dont il faut cependant souligner qu’il ne s’agit que de ‘constructions sociales'” [zona erógena comum a todos os humanos sem diferença de sexo, orifício não discriminatório e marcador de igualdade’, que ‘se impõe como o novo ‘centro universal contrassexual’. Daí esse elogio desconstrucionista ao ânus, base de um universalismo finalmente liberto das garras das normas heterossexuais. […] Situar-se para além do pênis e da vagina, órgãos da diferença entre os sexos, dos quais é preciso, no entanto, enfatizar que são apenas ‘construções sociais’] (Taguieff, p. 60). Essa versão analocêntrica do mundo realmente diz muito sobre a total ausência de humor, que é outra das limitações da visão woke da sociedade.


Tudo isso contradiz tanto a realidade – a realidade que existe e acontece, além de qualquer abstração desconstrucionista – que acaba sendo insustentável. O politicamente correto e a cultura do cancelamento gostariam de “fazer coexistir islamismo e esquerdismo, feminismo e antirracismo, relativismo axiológico e neopuritanismo, e essas contradições não são, sem dúvida, promissoras para a vida eterna” (Yannick Jaffré, p. 11). Nem mesmo a filosofia do ânus de Preciado e outros será capaz de resistir ao teste do tempo, fundada como está nos sonhos de um visionário que será desconstruído e cancelado por uma metafísica capaz de respeitar o real, todo o real, a realidade da diferença.

Fonte: GRECE

Imagem padrão
Alberto Giovanni Biuso

Filósofo italiano.

Artigos: 49

Deixar uma resposta