O Retorno do Tradicionalismo

Em meio à crise do liberalismo, o retorno às ideologias modernas representa um beco sem saída. Resta para os povos do mundo o mergulho nas próprias raízes e a busca pelo Graal da Tradição.

Exilado por três séculos pelo Moderno, o mundo tradicional sofre com a incapacidade de projetar seu futuro com o inevitável colapso da primeira e última teoria política remanescente do Moderno.

Se continuarmos assim, juntamente com o renascimento obrigatório das outras duas teorias políticas da modernidade: Comunismo (China, Vietnã, Venezuela, partes da África e da Eurásia) e Fascismo (onde quer que as bases militares americanas saiam), o mundo enfrentará uma rodada de violência sem precedentes, um século de guerras intermináveis, por causa das formas agonizantes da Modernidade na pós-modernidade.

Nesse sentido, a articulação da agenda afirmativa da pré-modernidade, ou pós-pós-modernidade, que é a mesma coisa, ou seja, o Tradicionalismo, é a principal tarefa humanitária de nosso tempo.

O problema é que o Tradicionalismo não é globalista, o que significa que ele deve surgir sempre que possível na forma de ilhas de normalidade e de acordo com as características de cada civilização.

A partir disso, um mundo multipolar se desenvolverá: de manchas de um cobertor tentando retornar/sair para a Tradição e de manchas tentando manter/reanimar a modernidade (liberalismo, comunismo, fascismo).

Haverá guerras entre todas as 4 categorias, haverá guerras dentro de cada uma das categorias, portanto, não há para onde fugir da guerra no século XXI, mais pessoas morrerão nela do que no século XX e a vinda do Anticristo, Dajjal, será preparada nela.

Apesar das diferenças de cada forma de tradição, ainda há uma propriedade que é universal para cada uma delas. Essa é a dimensão vertical da política, ou o aspecto urano-político.

Ela consiste no fato de que, se todas as três teorias políticas da Modernidade se medem em termos do bem-estar mundano de seus cidadãos, a Tradição se mede pelo número de pessoas justas que foram para o céu.

É impossível expressar isso no discurso político sem ser acusado de fanatismo, mas vamos colocar da seguinte forma: se a modernidade (liberalismo, comunismo, fascismo) é boa em termos de quanto conseguiu alimentar e enriquecer seus súditos de uma “Cidade dos Porcos” de Platão (respectivamente, um indivíduo, uma classe, uma nação), então ou outro tradicionalismo é bom porque quantos de seus cidadãos não foram para o inferno e foram para o céu.

Há dois problemas aqui: é impossível medir o resultado, e a maioria da população pós-moderna não o quer, porque não acredita na existência da vida eterna, ou seja, no Ser.

Portanto, nas geografias em que a Tradição derrotará a Modernidade, ela terá de fazê-lo pela força, o que, em princípio, não difere em nada do método de chegar ao poder de todas as três teorias políticas modernas. A questão é como as revoluções tradicionalistas ocorrerão.

Normalmente a revolução é obra dos jovens, mas aqui é o contrário, os jovens são todos sequestrados pela modernidade, os mais tolos acreditam no liberalismo azul e os menos tolos no comunismo vermelho ou no fascismo marrom. E aqui os idosos deveriam liderar a tomada do poder pela Tradição.

Refletindo sobre as culturas em que isso é possível, chega-se involuntariamente a conclusões paradoxais: onde os idosos não têm nada a perder e onde os jovens são mais sexuados, fracos e castrados. Acontece que no Ocidente, não aqui.

Entregues a lares de idosos, os idosos ocidentais amargurados são muito mais predispostos a iniciar uma revolução de pensamento do que nossos idosos, acariciados por filhos e netos, e milhões de jovens ocidentais sexualmente desorientados e andróginos são muito mais submissos do que nossas crianças.

Portanto, o envelhecimento de ponta a ponta dos políticos e de Hollywood nos EUA e na Europa é possível, como o Politburo tardio, mas não deve ser interpretado apenas como a morte do liberalismo.

David Rockefeller, que transplantou sete corações, se tivesse vivido mais, dificilmente teria terminado a mesma múmia de Soros em algum Bilderberg, mas um velho caipira comum, amargurado ao extremo pela depravação sexual de seus filhos, é definitivamente capaz disso.

Aqui, não estamos falando tanto de idosos, mas de americanos e europeus maduros que viveram quando a sodomia era uma vergonha em sua juventude, depois concordaram relutantemente com compromissos e foram maliciosamente enganados em todas as promessas de que Sodoma não se moveria um centímetro mais para o leste, e para quem nada mais espera, exceto pupilas dilatadas pelo Prozac e discriminação por parte de pessoas com idade avançada.

Veremos se haverá ou não uma revolução dos idosos no Ocidente, mas é hora de nós, filhos de espaços tradicionalistas, tomarmos o poder em nossas próprias mãos, seja por nós mesmos ou por meio de papagaios avatares, repetindo bem o discurso sobre o espírito da época e introduzindo-o satisfatoriamente em suas vidas. Tradicionalistas de todos os países, uni-vos!

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Levan Vasadze

Político e escritor georgiano.

Artigos: 49

Deixar uma resposta