Primárias Ianques: Mike Pence se suicida ao vivo

Em entrevista com Tucker Carlson, o presidencável republicano Mike Pence diz que sua prioridade é a Ucrânia e que ele não se importa com a crise da infraestrutura estadunidense. Uma janela na mentalidade das elites ianques.

Você já viu um político cometer suicídio ao vivo no palco?

É divertido de assistir. Um pouco sangrento, é verdade, o espetáculo é cruel. Mas é mais engraçado do que uma série da Netflix ou um filme da Disney com Joana D’Arc interpretada por uma lésbica muçulmana nigeriana; ou Carlos Magno interpretado por um personagem com verticalidade frustrada (em francês clássico: un nain), afegão, transgênero, sem pernas, iniciado nas alegrias serenas do sadomasoquismo passivo por uma sargento negra do Exército dos EUA em uma prisão de Cabul.

Há alguns dias, uma convenção do Partido Republicano local foi realizada em Des Moines, capital de Iowa, com a presença dos candidatos nas primárias do partido. O objetivo das primárias é escolher o candidato que enfrentará Joe “dorminhoco” Biden, o homem senil e corrupto até os ossos na Casa Branca, em 2024.

O único problema nesse evento político-midiático foi a ausência no encontro de Des Moines do único candidato republicano capaz de derrotar Biden, o inoxidável Donald Trump, que não gosta de se envolver com a ala direita do partido único (os Estados Unidos são administrados por um partido único, que reúne a fictícia ala democrata e a fictícia ala republicana; É como na França com o Renaissance/LR/PS, como na Alemanha com o partido único SPD/Verdes/CDU, isso se chama democracia).

Ukraine First!

O comitê local do GOP (Great Old Party, o Partido Republicano) teve a ideia provocadora de convidar Tucker Carlson para entrevistar, um após o outro, os candidatos nas primárias.

Carlson é um personagem! Apresentador famoso da Fox News, ele foi demitido por ser excessivamente anti-Woke, apesar dos recordes de audiência. Esse brilhante jornalista se voltou para o Twitter, e o público de seus programas agora ultrapassa todos os programas do horário nobre da mídia estabelecida e dos canais supostamente “nacionais”.

Assim, Tucker Carlson se vê frente a frente com o ex-vice-presidente Mike Pence, um típico representante da classe política que Donald Trump chama de Republicans In Name Only (RINOs). Qualquer semelhança com Ciotti e Marleix seria, obviamente, uma coincidência fortuita.

Como um bom jornalista, Carlson faz a Mike Pence, candidato à suprema magistratura, a pergunta básica: “Senhor vice-presidente, se o senhor for eleito presidente dos Estados Unidos, quais serão suas prioridades?”

E então Mike Pence entrou em parafuso…

Com sotaques histéricos, Pence explicou que o problema a ser resolvido era que os ucranianos não tinham recebido dinheiro e armas suficientes; que Biden não estava ajudando a Ucrânia o suficiente; que a primeira preocupação do executivo (governo) americano era a Ucrânia; que os Estados Unidos tinham que se mobilizar para apoiar a Ucrânia; e que…

Após algumas dezenas de segundos do transe frenético de Mike Pence (imperdível no Twitter – é como Sandrine Rousseau sobre o homem branco ou o churrasco patriarcal opressor planetocida), Carlson levantou uma objeção.

“Que assim seja, Sr. Vice-Presidente, mas nos últimos três anos o estado da infraestrutura do país se deteriorou ainda mais. As estradas não passam por manutenção, as pontes correm o risco de desabar. A insegurança está no nível mais alto de todos os tempos, a renda dos americanos está caindo, a economia dos EUA está se deteriorando, a criminalidade está aumentando, a taxa de suicídios está subindo vertiginosamente, e o senhor diz que devemos continuar a enviar dezenas de bilhões de dólares para um país que a maioria de seus cidadãos não consegue localizar no mapa? O que você diz ao povo americano sobre tudo isso?”

E então, calmo e sereno novamente, Mike Pence responde: “Não é da minha conta!”

Não é da minha conta, não dou a mínima!

Uau! Agora está claro…

Ele não dá a mínima para os americanos, não é problema dele.

Fonte: Éléments

Imagem padrão
Lionel Rondouin

Professor francês.

Artigos: 49

Deixar uma resposta