Memorando de Vilnius: Quem Vai Bancar essa Guerra?

A Cimeira da OTAN em Vilnius sinaliza negativamente para Volodymyr Zelensky. A falta de resultados concretos na tão badalada contraofensiva ucraniana indica que a Ucrânia pode se ver abandonada, aos poucos, com Zelensky como bode expiatório.

Aparentemente, não foi Abert Einstein quem disse: “A definição de insanidade é fazer a mesma coisa várias vezes, mas esperar resultados diferentes”. Mas gostamos de pensar que foi ele, por isso tornou-se uma citação atribuída a ele. De que outra forma descrever a firme determinação do Ocidente de se empalar ainda mais com a agonia da guerra da Ucrânia, já que agora somos levados a acreditar que a OTAN e os EUA estão determinados a entrar em uma longa guerra. A crença ainda é otimista, apesar do enorme anticlímax da chamada “ofensiva” da Ucrânia, que nem sequer rompeu a Linha Maginot que a Rússia construiu ao longo de uma linha fortificada de 900 km.

O dogma cego dos membros da OTAN na Cúpula de Vilnius, realizada no mês passado, decorre do fato de estarem embriagados com suas próprias notícias falsas, que a mídia bombeia diariamente da fábrica de propaganda em Kiev. Há tantas notícias falsas que não é de surpreender que Biden e seus cães de estimação europeus as consumam em excesso, sem olhar para os fatos concretos. Não se trata apenas do fato de a Ucrânia “ter ficado sem munição”, como disse Biden. É mais do que isso. É o fato de que foi provado repetidamente que eles não têm a vontade, os recursos ou a capacidade de enfrentar o exército russo e que o envio de mais e mais equipamentos militares só atrasará a perda inevitável. Ou, pelo menos, o armistício, que deve acontecer em um nível não oficial em algum momento, se não for possível assinar um oficial.

Zelensky parecia preocupado na conferência de Vilnius. E isso não é surpreendente. Mesmo quando se olha para as promessas feitas pelos países ocidentais em relação a equipamentos militares, não há dúvida de que a velocidade dessas entregas e a quantidade real caíram radicalmente. Então, como a Ucrânia ou a OTAN podem acreditar que podem vencer a guerra, mesmo nos próximos anos? Afinal, lutar em uma guerra sem munição é como assar pão sem farinha.

A verdade é que a maioria dos líderes ocidentais já sabe que o tempo acabou. Eles sabem que três eleições importantes desempenharão um papel importante para frear a campanha de abastecimento contínuo da cabala de Kiev, que, segundo alguns relatos, está comprando moradias de 7 milhões de euros em Cannes com o dinheiro que está sendo desviado. Afinal de contas, a guerra é um negócio ilícito e a Ucrânia é um dos países mais corruptos do mundo. Deveríamos nos surpreender com o fato de um ministro do governo do país ter esse tipo de dinheiro para gastar em um presente de casamento para seus filhos?

As três eleições são, obviamente, a eleição geral do Reino Unido, as eleições presidenciais dos EUA e as eleições parlamentares europeias. Todas as três ocorrerão no final de 2024 e será a primeira vez que as pessoas terão a oportunidade real de fazer uma declaração sobre a guerra e as dificuldades abismais que ela está impondo às pessoas nos países ocidentais. É como se Joe Biden também soubesse que será muito difícil para ele se candidatar novamente à presidência quando tiver que explicar por que enviou mais de 130 bilhões de dólares do dinheiro dos contribuintes para um país que poucos americanos conseguem encontrar em um mapa do mundo.

O dinheiro é importante. Finalmente, ele é importante. O argumento do lado americano de que não importa, já que está sendo impresso e entregue ao complexo militar industrial, tem alguma validade, pois isso garante empregos e mantém essas empresas em alta. Mas trata-se de dinheiro público. Portanto, com razão, as pessoas vão querer saber por que o mesmo dinheiro não pode ser gasto com os mais pobres.

Para os europeus, a situação é muito diferente. Eles pagam um preço muito alto pela guerra da Ucrânia e pela insensatez de seus governos, que se entregam à ajuda militar como crianças que se empanturram de bolo de chocolate enquanto os pais estão fora. A economia da Alemanha está falida. No Reino Unido, os proprietários de imóveis estão enfrentando a perda de suas casas devido a aumentos colossais nas taxas de hipoteca, com uma geração inteira agora incapaz de subir na escada da habitação. Como esses políticos explicarão isso nas urnas?

O que realmente importa é o dinheiro. A OTAN sabe que precisa de muito mais do que apenas a minúscula oferta de 2% do PIB, à qual, na realidade, apenas 11 membros da OTAN aderem. Os estoques militares de todos os países ocidentais estão esgotados e, portanto, não apenas a OTAN e seus membros precisam encontrar trilhões de dólares de dinheiro novo apenas para trazer seus estoques de volta ao que eram, mas também trilhões a mais para a Ucrânia. Os números simplesmente não batem. Até mesmo em nível da UE, Ursula von der Leyen, que quase certamente será secretária-geral da OTAN quando seu mandato como presidente da Comissão da UE terminar, em cerca de um ano, está com sua tigela de súplica na mão. Ela espera arrecadar 20 bilhões de euros para serem dados à Ucrânia ao longo de quatro anos como ajuda militar. Para a guerra da Ucrânia, isso é muito pouco.

Para a própria UE, não há sinais claros de como ela conseguirá isso quando já está pedindo aos estados-membros que contribuam com 30 bilhões de euros a mais para o orçamento a fim de pagar por outro golpe flagrante de vacinação contra a COVID, com o qual ela foi acusada de ter conexões corruptas, até que seus colegas conseguiram encobrir o escândalo. A Europa não só não tem mais dinheiro ou kit militar para oferecer à Ucrânia, como também tem sérios problemas financeiros a resolver para que suas próprias elites mantenham o poder que exercem. O único alívio teria que ser muito mais dinheiro dos EUA, o que provavelmente não é o que Biden está planejando. Os europeus já pagaram demais. Somos um armazém vazio da Amazon com todos os trabalhadores no banco de alimentos.

Fonte: Strategic Culture

Imagem padrão
Martin Jay

Jornalista britânico.

Artigos: 53

Deixar uma resposta