A França Em Desordem

O caos na França é sintoma do modelo multicultural de desenraizamento escolhido pelas elites francesas. O resultado, em um contexto de imigração descontrolada, é uma parcela da população que não se identifica com o país que os acolheu e que não possui qualquer laço de pertencimento e, portanto, destrói tudo que vê pela frente com abandono.

As manifestações de hoje testemunham o fracasso do multiculturalismo. Como chegamos até aqui?

Elas manifestam, é claro, um fracasso do multiculturalismo, mas parar por aí seria simplista. Os violentos tumultos urbanos que estamos testemunhando no momento também atestam um país dividido e fragmentado, não por causa dos imigrantes, mas por causa de uma ideologia dominante que substituiu, na população em geral, as normais morais pela lei do lucro. Em uma sociedade dominada por valores de mercado, que estruturalmente criam as condições para a fragmentação e a separação social, não é de surpreender que ninguém se preocupe com o bem comum.

Nesses tumultos, a esquerda viu principalmente uma revolta social (contra a discriminação, a exclusão, o desemprego etc.), enquanto a direita falou de uma revolta étnica que anunciava uma guerra civil. Há alguma verdade em ambas as interpretações, mas ambas são míopes. Durante quarenta anos, dezenas de bilhões de euros foram investidos em “política urbana” e na reabilitação de “bairros difíceis” sem nenhum resultado. Por outro lado, uma guerrilha urbana não é uma guerra civil. Em uma guerra civil, duas frações armadas da população entram em conflito, com a polícia e o exército igualmente divididos, o que não é o caso aqui.

De modo geral, são as interpretações estritamente políticas que se revelam incapazes de avaliar o problema em sua totalidade. Os atuais tumultos urbanos não têm caráter político. Os desordeiros não têm reivindicações a fazer. Eles só querem destruir e saquear. Quando os representantes da esquerda ou da extrema-esquerda vão aos bairros para dizer que “entendem a raiva” dos manifestantes, eles são expulsos ou cuspidos em seus rostos!

Até que ponto a crise da identidade francesa e europeia influencia as manifestações?

A população francesa atual perdeu todo o sentimento de pertencer a uma comunidade. Os manifestantes têm uma – ou acreditam que têm uma. A crise da identidade francesa tem raízes antigas. É o resultado da influência de uma ideologia que é individualista e universalista, que acredita que os homens são “iguais em todos os lugares” e que os fatores etnoculturais não são importantes. Nenhuma sociedade pode resolver seus problemas com a simples adição do contrato legal e da troca mercantil.

O Estado francês é desafiado pelo fato de muitos imigrantes não reconhecerem a autoridade das instituições francesas?

Os manifestantes não se importam com o Estado francês, que é indiferente a eles. Quando atacam a polícia com fogos de artifício, quando incendeiam prefeituras ou quartéis de bombeiros, é menos porque os veem como representantes da autoridade do que porque os percebem como intrusos. Eles raciocinam em termos de território (a “fronteira invisível”), de uma forma puramente tribal. Eles também atacam escolas, livrarias, mercearias, lojas e carros. Eles olham uns para os outros como uma gangue atacada por uma gangue rival.

Seria outro erro acreditar que os desordeiros não querem conhecer nenhuma regra. Pelo contrário, há regras que eles respeitam muito bem: as suas próprias! A maioria deles vem de culturas e sociedades familiares semelhantes a clãs, e continuam a se comportar de maneira semelhante a um clã. Se um deles é vítima de “violência policial”, todos se consideram vítimas também. Isso é o que as autoridades públicas, prisioneiras de sua ideologia, não conseguem entender: a mãe de uma criança morta após cometer um assalto à mão armada nunca dirá que seu filho se comportou mal. Ela dirá que, por meio dele, todo o clã foi atacado. Ela dirá que, por meio dele, todo o clã foi atacado. Esse é o próprio princípio do tribalismo do clã: os meus estão sempre certos porque são meus.

Por que a segunda e a terceira gerações são mais radicalizadas do que as anteriores?

Eles são mais radicalizados porque sofrem de um déficit de identidade muito mais acentuado. Esses tumultos nunca são obra de imigrantes de primeira geração, que vieram se estabelecer na França voluntariamente, mantendo uma clara consciência de suas origens e, portanto, de sua identidade. A segunda, terceira ou quarta geração se considera argelina, malinesa, marroquina, senegalesa etc., mesmo quando tem nacionalidade francesa, mas não sabe praticamente nada sobre os países de onde vieram seus pais ou avós. Eles não se sentem franceses, mas têm apenas uma identidade alternativa artificial ou fantasiada. Sua frustração é total. Eles não conseguem mais expressar o que são, exceto por meio da violência e da destruição.

Nesse contexto, o sistema judiciário francês, frequentemente acusado de ser muito negligente em relação aos imigrantes que cometem crimes, desempenhou algum papel em sua opinião?

A frouxidão do sistema judiciário é muito real. Os desordeiros sabem muito bem que, basicamente, não correm muito risco, porque a lei não é aplicada. Uma recusa em obedecer e um atropelamento e fuga pode, teoricamente, valer até dez anos de prisão, mas essas sentenças nunca foram impostas. Além disso, não há mais vagas nas prisões! Isso contribui para a desmoralização da polícia.

Já em 2005, ocorreram manifestações sérias na França. O que mudou em comparação com a situação de quase vinte anos atrás? A situação piorou?

Entre 2005 e 2023, há diferenças. A maior escala dos tumultos, que em cinco dias já causaram mais danos do que os de 2005, que duraram três semanas, é explicada primeiramente pelo simples fato de que as populações de imigrantes de onde vêm os manifestantes são muito maiores hoje em dia. O papel predominante das redes sociais atualmente também deve ser levado em conta. Em 2005, os tumultos se concentraram nas grandes cidades; hoje, eles afetam as pequenas cidades. Os manifestantes também são muito mais jovens (um terço dos presos tem entre 13 e 15 anos e não era conhecido pela polícia) e muito mais violentos. Nas fazendas, desenvolveu-se uma cultura de violência gratuita: não é mais apenas para roubar algo que recorremos à violência, mas por uma “má aparência”, pela recusa de um cigarro ou simplesmente por nada – se não por prazer. E rapidamente chegamos a extremos: continuamos a atacar quem já está no chão, não hesitamos em matar. Na França, de acordo com uma pesquisa do INSEE, há um ataque gratuito a cada 44 segundos…

O problema da imigração não diz respeito apenas à França, mas também a outras grandes nações europeias, como a Alemanha, onde, no entanto, nunca ocorreram fenômenos dessa magnitude. O que deu errado com o modelo de imigração francês?

Essa é exatamente a prova de que o multiculturalismo por si só não é suficiente para explicar os tumultos. O que há de especial na França é que ela foi pioneira em termos de imigração: o problema já existia quando a imigração estava apenas começando em países como Itália, Alemanha, Espanha ou Reino Unido. Há também o fato de que a imigração para a França continua associada à memória do período colonial, que deu origem a ressentimentos que ainda não foram extintos. Por fim, não se pode descartar o fato de que certas técnicas de policiamento que se mostraram mais eficazes em outros lugares nem sempre são usadas pela polícia francesa. A negação implacável dos problemas durante décadas teve consequências explosivas.

Será que os protestos destes dias também terão consequências políticas em vista das eleições europeias do próximo ano, fortalecendo a direita?

Sim, isso é óbvio. Distúrbios como os que estamos presenciando no momento ajudam a abrir nossos olhos. O Reagrupamento Nacional já se tornou o principal partido da França, e as pesquisas o apontam como vencedor das próximas eleições europeias. A opinião pública francesa está sobrecarregada, não aguenta mais.

Ela vê que o governo está completamente abalado pelo que está acontecendo. A maioria dos franceses gostaria de ver o exército intervir nos subúrbios. Emmanuel Macron está sendo criticado por não ter instituído um estado de emergência, como foi feito em 2005. O símbolo mais significativo é o incrível sucesso da campanha de arrecadação de fundos lançada nas redes sociais para ajudar a família do policial que disparou os tiros que provocaram os tumultos: em menos de quatro dias, ultrapassou um milhão e meio de euros (antes de ser encerrada)! Nunca visto.

A França está perdida para sempre ou há uma chance de pôr um fim a essa situação?

Nunca diga nunca! Os países antigos da Europa passaram por provações muito mais sérias no passado e sempre se recuperaram delas. Tudo o que é atualizado potencializa uma reação na direção oposta. A história é imprevisível. Por definição, ela é o domínio do imprevisto.

Você acha que o que está acontecendo hoje na França também poderia acontecer na Itália?

É possível, se não for provável. A questão é se o governo italiano será capaz de aprender as lições do que está acontecendo hoje do outro lado dos Alpes.

Fonte: Il Giornale

Imagem padrão
Alain de Benoist

Escritor, jornalista, ensaísta e filósofo, um dos autores chave da Quarta Teoria Política, é autor de numerosas obras sobre uma vasta gama de temas, incluindo arqueologia, tradições populares e história da religião.

Artigos: 48

Deixar uma resposta