Rammstein: alemão, demasiado alemão

Janina Schasching discute o surgimento do Rammstein como um fenômeno cultural, explorando sua expressão artística como uma crônica do anseio alemão, desafiando as ideologias neoliberais e celebrando a beleza da língua alemã.

O sinal dos tempos

Os estertores da República Democrática Alemã provaram ser as dores de parto para o surgimento de um fenômeno filosófico-sociológico único: Rammstein. A bolha do “socialismo real” estourou e o Vento da Mudança soprou com força total nos pulmões do Bloco Oriental. Como Hansel e Gretel, as crianças do Muro partiram, deixando para trás a casa pré-fabricada fria e mal-amada, em busca de calor, bem-estar, ar fresco e liberdade, atravessando a floresta desconhecida e desconhecida até a “terra verde-esperança”, “procurada, suposta e nunca conhecida”.

Sua totalidade, sua forma sólida é integrada à realidade — ela comanda uma comunicação vertical e hierárquica. Quase como uma ditadura de formas, sons e símbolos.

No entanto, por trás do esplendor exuberante do açúcar, a bruxa se escondia ao lado do forno quente. Todo esse caminho de sofrimento, cheio de esperança, decepção, medo, horror, intoxicação e desilusão, comprime-se como um suco de uva amargo e espesso nas obras completas do Rammstein. Uma vez jogado no forno da bruxa, o coração do Rammstein sempre arderá — como no touro siciliano de bronze, sua música soa tão doce e, ao mesmo tempo, tão profundamente agonizante. Como a arte em si tem a função de sistematizar, arquivar e reproduzir o presente, o existente, o zeitgeist, estamos lidando com certas crônicas de anseio – o anseio alemão!

No Crepúsculo da Era

Uma concepção rica em fragmentos que exibe pretensões construtivistas. A poesia rigorosa, o som inconfundível da “Neue Deutsche Härte” (Nova Dureza Alemã) carrega em si o som distante das gigantescas construções concretas da modernidade socialista. Mas isso está desaparecendo com os claros elementos pós-modernistas de reciclagem e desvalorização dos blocos de construção semânticos do passado. O desmantelamento e a ausência da existência e de seu significado levam ao típico beco sem saída “pós-niilista” da pós-modernidade. (‘Deutschland’ – ‘Alemanha’) No entanto, essa forma artística tem uma intenção muito específica: por meio de ironia grotesca, provocações às vezes bizarras e perversas, uma mensagem clara é gerada: “Este mundo é doente, feio, desviante e hipócrita” (‘Mein Teil’, ‘Spiel mit mir’, ‘Zwitter’, ‘Stein um Stein’, ‘Mann gegen Mann’, ‘Tier’). Portanto, não podemos considerar o Rammstein como um projeto puramente pós-modernista. Ele tem um esqueleto, uma estrutura, uma função representativa e um núcleo crítico e até politicamente incorreto (“Amerika”). Sua totalidade, sua forma sólida está integrada à realidade — ela comanda uma comunicação vertical e hierárquica. Quase como uma ditadura de formas, sons e símbolos. Com um poder expressivo inigualável de ricos pigmentos musicais, como um bando de símbolos penetrando sob a pele, as letras de Lindemann marcham para o implacável “Götterdämmerung” (“Crepúsculo dos Deuses”) do Ocidente. Essa aristocracia antidemocrática do grotesco se adorna com os ornamentos do romantismo alemão e do gótico até a época do Iluminismo. (“Heirate mich”, “Feuerräder”, “Wilder Wein”, “Sonne”, “Rosenrot”, “Dalai Lama”)

Seja vítima ou perpetrador, o Rammstein continua sendo uma parte organicamente desenvolvida do corpo cultural alemão.

Demasiado alemão

E vai ainda mais longe, em uma direção inaceitável para a ideologia neoglobalista. A linguagem!

Na poesia de Lindemann, inspirada nos poetas do romantismo alemão, a melancolia esquecida e a graça da língua alemã florescem novamente (“Nebel”, “Ohne dich”, “Amour”, “Wilder Wein”, “Seemann”). Isso despertou o fascínio pelos antigos clássicos e filósofos alemães não apenas na Alemanha, mas também no antigo Bloco Oriental. O Rammstein popularizou o alemão em todo o mundo e isso não pode ser negado. Mas esse é o menor espinho no olho da bruxa neoliberal da casa de gengibre. Ela fincou suas bandeiras clara e profundamente na medula das massas alemãs: ela reconheceu seu antigo arqui-inimigo novamente e o apontou com um grito de guerra. Rússia! Apesar de Till Lindemann ter se manifestado abertamente contra a operação militar na Ucrânia e apoiado os ucranianos ao lado de seus colegas de banda, sua calorosa conexão com o povo russo trabalha contra ele. “O mercado não importa para mim. Cresci na Alemanha Oriental e a Rússia fez parte da minha infância, da minha juventude. Nossos países eram muito amigáveis. Essa é uma parte muito importante da minha vida”, disse Till Lindemann no site Lente.ru. E ele provou isso com vários shows na Rússia e músicas em russo. Se isso é o gatilho para a atual caça às bruxas contra sua pessoa, não importa. Seja vítima ou perpetrador, o Rammstein continua sendo uma parte organicamente desenvolvida do corpo cultural alemão.

A pós-modernidade devora seus enteados

A loucura é muito arcaica, muito rica em conteúdo e ainda muito concreta para a completa desconstrução de conceitos. “A insanidade/É apenas uma estreita ponte/As extremidades são a razão e o desejo (Rammstein – Du Riechst So Gut).” Não importa o quão profundas e desviantes as obras do Rammstein possam vir a ser, elas abordam certas categorias morais. Estimulam interpretações e a busca por conexões e interdependências no tecido social. Como o próprio Lindemann admite, muitas composições do álbum Sehnsucht foram inspiradas em artigos de jornal. Eles abordam tudo: política, cultura, igreja, costumes e história. Jogam uma pedra no pântano da realidade. A realidade que só permite um “espelho” reconhecido. Onde o velho, o doente, o feio e o infeliz são simplesmente varridos para debaixo do arco-íris ou utilizados em palestras e reality shows horríveis. A pós-cultura marginalizará conceitos como Rammstein. Eles são lobos no pasto dos ruminantes sem objetivo e efêmeros. Eles já abriram gargantas suficientes, agora os restos anêmicos das substâncias humanas desmoralizadas vão para o matadouro da desumanização final.

Fonte: Arktos
Tradução: Augusto Fleck

Imagem padrão
Janina Schasching

Jornalista e artista.

Artigos: 594

Deixar uma resposta