O Macronismo: Um Extremo-Centrismo que Destrói a França

Na França vemos em prática o que parece ser o laboratório das ideias da classe dominante: um regime que reúne os piores aspectos da direita e da esquerda, voltado contra o setor produtivo, e em aliança com os elementos sociais mais predatórios.

Proibições, censura e votos bloqueados estão se tornando cada vez mais as marcas registradas da presidência pós-democrática de Emmanuel Macron e de seu governo minoritário. Porque o simultâneo presidencial nos impõe o pior da esquerda e o pior da direita. O extremo-centrismo de Macron é um golpe duplo garantido para os franceses!

Extremo-centrismo de esquerda

Pela esquerda, o extremo-centrismo de Macron nos impõe déficits intermináveis, imigração ilimitada, loucuras sociais, igualitarismo nas escolas, sem-fronteirismo, secularismo anticatólico e caos na segurança.

O macronismo de esquerda também nos impõe um sistema de justiça dual porque é ideologizado: brando com a escória, os “desequilibrados” e os black blocs, intratável com a França de baixo, os franceses que se defendem e os identitários.

Nenhuma liberdade para os inimigos da liberdade: o velho slogan de Saint-Just é mais atual do que nunca na macronia esquerdista, como evidenciado pela repressão sem medidas contra os Coletes Amarelos, as repetidas interdições de prefeituras, a crescente censura de opiniões divergentes e a repressão à mídia e às redes sociais.

Como todo homem de esquerda

Como todo socialista, Emmanuel Macron também é atlantista e, como todo homem de esquerda, sonha em enviar outros para guerrear contra tiranos, mas sem lhes dar os meios para isso: com ele, nosso país está, portanto, se alinhando com as posturas mais perigosas da OTAN e abandonando sua posição de potência equilibradora. Enquanto nossos exércitos carecem de tudo.

Por fim, a macronia de esquerda está nos levando com gosto para o “Grande Reset” ecológico: aquele que quer atacar a propriedade imobiliária pessoal, que quer regular nossas viagens ou nossa gastronomia, que quer cidades sem carros particulares e autoestradas com velocidade reduzida, que quer esvaziar os pneus dos carros e proibir piscinas infláveis, que quer impor um imposto climático e, sem dúvida, amanhã um passe climático. Em outras palavras, a ecologia dos Khmers Verdes, reciclando o utopismo da extrema-esquerda e o ódio de classe da burguesia boêmia em relação à França “que fuma e dirige a diesel”.

O extremo-centrismo de direita

A partir de sua direita, o extremo-centrismo de Macron está nos forçando a nos alinharmos com uma União Europeia de livre-comércio que planejou o fim da independência energética francesa e das características específicas de nosso país. E a submissão a uma União dominada pela Alemanha.

O macronismo também está nos forçando a desconstruir metodicamente a proteção social (apenas para os nativos, é claro), reduzir as aposentadorias, privatizar e fechar os serviços públicos, reduzir os reembolsos da previdência social, desconstruir o Estado soberano, dar impunidade fiscal às grandes empresas globalizadas e abrir mão de todo o controle da economia e das finanças em benefício dos mercados.

E sob o pretexto de tornar a França mais atraente economicamente, o macronismo está levando à venda de nossos carros-chefe industriais e a um conluio de fato com os interesses dos grandes monopólios privados, em particular os fundos de pensão e os GAFAMs. Enquanto os bilionários dividem a grande mídia.

Com a cumplicidade da velha direita

Com a participação ativa de políticos da velha direita, especialmente no Senado e no Conselho Constitucional, o macronismo também está implantando discretamente uma sociedade de controle, sob o pretexto de segurança ou saúde: extensão contínua dos poderes da polícia, introdução na lei ordinária de medidas de estado de emergência, implantação de vigilância por vídeo, experimentos com reconhecimento facial, controle policial remoto de computadores e smartphones, escutas de comunicações, introdução de restrições a viagens ou reuniões, rastreamento digital da população.

Obviamente, nenhuma dessas medidas impedirá o islamismo ou a explosão de insegurança e violência em nosso país, como todos podem ver, porque elas visam, acima de tudo, impedir qualquer revolta do povo francês. E, em particular, bloquear o surgimento de uma alternativa política genuína ao sistema, também com a cumplicidade dos barões da velha direita.

Governar a partir do centro?

Na década de 1970, o presidente Valéry Giscard d’Estaing afirmou que a França queria ser “governada pelo centro”, em outras palavras, conciliar ordem e progresso evitando os excessos tanto da esquerda quanto da direita.

Emmanuel Macron, por outro lado, está fazendo exatamente o oposto: seu extremo-centrismo consiste em pegar o pior das duas famílias políticas e impor ao povo francês uma política que a maioria deles rejeita.

Emmanuel Macron está constantemente jogando com a esquerda e a direita conforme as circunstâncias: por exemplo, seu ambientalismo militante tem como objetivo atrair tanto a extrema-esquerda quanto o Fórum de Davos. Até o momento, isso permitiu que ele fosse eleito, reeleito ou salvo graças ao apoio conjunto ou alternativo da esquerda e da velha direita.

Mas esse ato de equilíbrio político tem um preço: uma regressão francesa sem precedentes, cada vez mais visível e cada vez menos apoiada pelo povo francês.

Fonte: Polèmia

Imagem padrão
Michel Geoffroy

Ensaísta francês.

Artigos: 27

Deixar uma resposta