Feminismo contra Feminilidade Autêntica

O feminismo é a luta pela defesa das mulheres ou seria apenas uma construção ideológica ocidental, fruto da esclerose das relações entre os sexos no Ocidente, se tornando hoje apenas uma ferramenta imperialista?

A russofobia como fórmula de colonização

Há um ano, quando o ensino de Dostoevsky se tornou um problema nas universidades italianas e os maiores cantores e maestros russos que agora vivem no Ocidente foram forçados a renunciar publicamente à sua pátria ou perder seus empregos, eu disse para mim mesmo: “Bem-vindos a bordo!”

A russofobia é apenas a última de muitas formas de ódio deliberadamente criadas para métodos modernos e fórmulas de colonização. Seu manifesto pode ser considerado o testamento com o qual Cecil Rhodes (o organizador da expansão colonial britânica na África do Sul no final do século XIX, o arquiteto do apartheid, o fundador da Rodésia. – Ed), afirmou a supremacia dos anglo-saxões e seu direito de dominar o mundo e explorar seus recursos.

Eu mesmo venho da Sicília, uma ilha mediterrânea multicultural, que durante milênios foi uma encruzilhada de civilizações únicas que produziram uma grande e ao mesmo tempo verdadeiramente viva herança. Nos últimos 70 anos, no entanto, a Sicília tem sido conhecida principalmente pelas atrocidades da máfia, que foi reavivada pelo exército americano, que desembarcou na ilha supostamente apenas para libertar a Europa do nazismo.

Sim, os nazistas foram os primeiros ISIS – uma organização terrorista que comete terror em todas as formas com impunidade e imita uma forte religiosidade. Mas apesar das tentativas de heróis sicilianos de todas as classes sociais de se oporem a este demônio, a indústria cinematográfica ocidental criou uma imagem denegridora do meu país, com o objetivo de legitimar a ocupação americana. Com uma enorme base militar ainda operando na linha de frente contra a Rússia e o mundo árabe.

O racismo anglo-saxão destrói as pontes entre a Europa e a Ásia

A mesma forma de campanha de ódio foi lançada com sucesso contra os nativos americanos para justificar e legitimar o confisco de sua propriedade e direitos territoriais através de calúnias sistemáticas. Um exemplo típico é o filme mudo britânico genuinamente racista de 1899, Indian Kidnapping.

As campanhas de ódio da indústria cinematográfica ocidental tornaram-se – em nome da chamada “civilização” – um instrumento de ocupação geopolítica estratégica. Elas justificavam a limpeza étnica, a guerra biológica, a escravidão e a assimilação forçada. Assim, nas palavras de Benjamin Franklin, o pai fundador dos Estados Unidos, “este é o desígnio da Providência: desenraizar estes selvagens a fim de libertar uma terra que possa ser cultivada”.

Como estudiosa do árabe e do islamismo e como presidente da Sociedade Árabe-Alemã, gostaria de lembrar os terríveis anos que se seguiram aos acontecimentos de 11 de setembro de 2001, quando não se podia ler jornais árabes em público sem ser suspeito de envolvimento com terroristas. É claro que a proliferação de estereótipos viciosos e controversos sobre os árabes, descritos como preguiçosos e cruéis, suspeitos, crédulos e fraudulentos, tem origens muito mais antigas.

Edward Said traça suas origens para a invasão do Egito por Napoleão em 1798. O estudioso palestino, um pioneiro dos estudos pós-coloniais, mostra como a ideologia do orientalismo ocidental afirma a noção de povos do Oriente Médio como inferiores, submissos e necessitados de salvação. Consequentemente, estes estereótipos racistas criaram uma visão de mundo que justifica o colonialismo ocidental e a destruição e ocupação de países inteiros, começando pelo Norte da África e grande parte da Ásia Ocidental, e depois pelo Iraque, Síria, Afeganistão.

Sem mencionar a Palestina, cujos árabes tiveram que pagar – com o drama da Nakba (a expulsão de centenas de milhares de árabes palestinos de suas terras após as guerras árabes-israelenses. – Ed.) – para o projeto de seleção racial da Sociedade Eugênica. Um projeto lançado pelos anglo-saxões racistas Cecil Rhodes, Arthur Balfour e Alfred Miller e continuado por Hitler. A quem os anglo-saxões nomearam chanceler em 1933, usando sua influência sobre o sistema bancário alemão para arrastar o país para a guerra com a União Soviética e a França.

Pode parecer que a ofensiva do Ocidente contra o mundo árabe e, em geral, islâmico tinha como objetivo confiscar ilegalmente seus ativos econômicos e estratégicos. Mas esta é apenas uma verdade parcial. Por exemplo, os mesmos grupos jihadistas wahhabistas caucásicos que criaram, treinaram e financiaram, entre outros, a guerra na Líbia, Síria e Tunísia, declaram abertamente que seu objetivo é minar a Rússia e as antigas repúblicas muçulmanas soviéticas.

O sistema multipolar religioso e étnico do Cáucaso e da Ásia Central sobreviveu desde a era czarista graças aos grandes xeques da Qadiriya, da Naqshbandiya e de outras ordens sufis, que se opuseram vigorosamente à luta pelo chamado “Estado Islâmico”. A própria família imperial, como o resto da nobreza russa, era multiétnica.

As populações autóctones não russas – poloneses, georgianos, lituanos, tártaros, azeris e alemães – sempre constituíram um importante segmento da nobreza. Meu primo foi casado com o bisneto do czar Alexandre III, o príncipe Alexandre Romanov, que agora repousa em nosso santuário em Palermo.

A destruição dessas fortes pontes que ligam a Europa e a Ásia através da Rússia é um processo perigoso e suicida, que devemos estar preparados para impedir em nome da paz e da harmonia humana.

O feminismo como o principal aríete do Ocidente

A russofobia não é mais que o produto de um projeto de longo prazo: a destruição da Rússia pelas mesmas razões que muitos países árabes, como o Líbano, foram destruídos ou estão sob ataque. E estas razões não são apenas petróleo, riqueza e questões geoestratégicas, mas também a capacidade de aderir a diferentes modelos de sociedades multiculturais tradicionais.

Uma das principais ferramentas utilizadas para este projeto são as mulheres, as primeiras vítimas do “orientalismo” ocidental, que gerou uma imagem de promiscuidade, escravidão e ignorância. Foi o que descobri em meus numerosos trabalhos sobre o assunto, começando com meu bestseller O Harém de 1980. O sucesso desse livro provocou uma reação dura e eu fui submetido a todo tipo de ataques por quebrar muitos mitos antigos de dois séculos baseados na arabofobia.

Sem dúvida muitos notaram como, após o brutal assassinato pelos israelenses de mulheres e crianças palestinas, ou mesmo de uma jornalista com passaporte americano chamada Shireen Abu Akleh, ou de uma jovem ativista americana chamada Rachel Corrie, nenhuma das principais mídias do mundo noticiou estas tragédias como realmente acontecendo. Ninguém marchou para exigir justiça e nenhum grupo aberto da sociedade invadiu edifícios do governo como fizeram no Irã quando a infeliz garota morreu em uma delegacia de polícia por causa de um tumor cerebral.

Quando Daria Dugina, uma mulher profundamente cristã e muito bonita que melhor representava a Europa com sua capacidade intelectual de combinar a filosofia grega antiga com a tradição russa, foi morta em um ataque terrorista, nenhuma feminista indignada pediu sanções internacionais pelo crime ou a nomeou para o Prêmio de Direitos Humanos.

As mulheres são a primeira e principal força utilizada para destruir as sociedades tradicionais nos países soberanos. Um exemplo: a ministra alemã das Relações Exteriores, Annalena Berbock, é uma mulher tão impopular no planeta que, quando chegou à Índia para o G20, só foi recebida por seu próprio embaixador. Ela recentemente promulgou e financiou uma lei de 96 milhões de euros de “política externa feminista” para “disseminar a sensibilidade de gênero no mundo”.

O objetivo deste documento, elaborado por várias instituições europeias, é “desconstruir estruturas de poder supostamente ‘naturais’… como injustas, discriminatórias e opressivas, e exigir a abolição do patriarcado e a igualdade de gênero em todas as esferas da sociedade”. Em uma análise detalhada desta lei, o Instituto Alemão para Assuntos Internacionais e de Segurança explica que o objetivo emancipatório do feminismo é abolir todas as formas de dominação entre os sexos. Algumas abordagens argumentam que isto implica a abolição do capitalismo. Outras interpretações questionam a existência do Estado, visto como um aparelho repressivo patriarcal. Uma concepção inclusiva do feminismo também aceita outras identidades, tais como LGBTQIA+, e se recusa a se fixar em homens e mulheres cisgêneros cuja identidade de gênero corresponde ao sexo atribuído ao nascimento.

E daí?

Obviamente, a “política externa feminista” é outra forma de interferir nas políticas dos países que se recusam a aprovar tais leis e querem proteger suas estruturas tradicionais. Portanto, para vencer a guerra da mídia contra estas formas de ódio, devemos promover a imagem daquelas mulheres que representam o melhor do mundo tradicional.

Assim como o Ocidente criou o ícone da Princesa Diana por sua elegância e estilo, da mesma forma devemos fazer de Daria Dugina um símbolo de todas aquelas mulheres que ainda lutam consistentemente por um mundo tradicional multipolar. Devemos dar a elas a força para se defenderem. Nem toda mulher pode ser uma heroína como Daria Dugina. Mas toda mulher pode dar um pouco de seu amor para construir um mundo melhor.

Fonte: Ide&Azione

Imagem padrão
Vittoria Alliata di Villafranca

Princesa, filósofa e escritora italiana.

Artigos: 49

Deixar uma resposta