El Salvador vs. MS-13

O polêmico Nayib Bukele tem sido bastante criticado por ONGs de direitos humanos pela práxis “linha dura” com a qual ele tem lidado com o crime organizado em seu país. Em sua guerra ao crime, ele ataca inclusive os elementos simbólicos e rituais das gangues, como os túmulos estilizados. Apesar das muitas críticas, de fato, El Salvador nunca viveu um período de tanta paz.

Como se quisesse escarnecer da devoção da quadrilha à morte e do seu domínio outrora tirânico sobre a vida em El Salvador, o governo deste país centro-americano tem marchado membros presos da famigerada organização criminosa MS-13 para os cemitérios. Lá, os detentos levam marretas para qualquer lápide com as insígnias da quadrilha.

Estes símbolos, agora ilegais em El Salvador, tornaram-se alvo de uma formidável onda de iconoclastia patrocinada pelo Estado.

Mara Salvatrucha (MS-13) ganhou destaque nos Estados Unidos, contribuindo para o status de L.A. como capital do assassinato do país antes de um período de deportações de membros de gangues nos anos 90, o que levou ao aumento de sua presença em El Salvador, um país incapaz de enfrentar a ameaça criminosa da época.

Se os salvadorenhos fundaram a quadrilha, no entanto, os salvadorenhos estão desmantelando-a. O MS-13 está atualmente lidando com uma força titânica da legalidade no atual governo de seu país, liderado pelo presidente Nayib Bukele.

Bukele lançou seu Plano de Controle Territorial em meados de 2019, conseguindo reduzir pela metade a taxa de assassinatos para 2020 em comparação com o ano anterior.

Apesar das rigorosas medidas antigangues, o Departamento do Tesouro dos EUA acusou a administração de Bukele de negociar com o MS-13, uma acusação negada pelo governo salvadorenho (embora agora pareça haver provas de que isso ocorreu). As supostas negociações, em qualquer caso, teriam como objetivo salvar vidas salvadorenhas, e fariam parte de uma estratégia maior para desmantelar o grupo criminoso.

De fato, em 27 de março de 2022, o governo pediu à Assembléia Legislativa de El Salvador que declarasse um estado de exceção. Isto aconteceu em meio a uma vertiginosa série de homicídios, com 76 pessoas assassinadas em dois dias. Seguiram-se prisões varridas, levando à apreensão de 6.000 supostos membros de gangues em dez dias. Novas medidas também incluíram represálias contra os criminosos presos, com Bukele avisando MS-13 que se retaliasse pelos crackdowns, seus companheiros de gangue na prisão sofreriam as consequências, incluindo a perda de horários de refeição.

O estado de emergência foi eficaz para conter esta maré de assassinatos, com a diminuição de 56,8% dos homicídios em relação a 2021 em 2022. O resultado foi um aumento no apoio público à política do governo, com uma pesquisa Gallup constatando que 95% dos salvadorenhos aprovaram as medidas de segurança. Medidas que também provocaram uma reação contrária por parte dos grupos de direitos humanos, que se queixaram do excesso de força e da erosão das liberdades civis.

Uma medida de destaque na luta contra a MS-13 foi a construção de uma nova prisão de segurança máxima capaz de acomodar 40 mil detentos, que foi concluída em 31 de janeiro de 2023.

A origem e natureza da MS-13 poderia ser objeto de uma exploração mais longa, colocando a quadrilha no contexto de outros grupos centro-americanos com características semelhantes, incluindo os cartéis de drogas mexicanos. De fato, o “13” no nome do grupo refere-se à 13ª letra do alfabeto, representando o “M” na máfia mexicana, sob cujo guarda-chuva o MS-13 operava no sistema prisional dos Estados Unidos. Vale a pena, portanto, entender este amplo ecossistema criminoso – um ecossistema político no qual várias organizações estão unidas em relações de vassalagem. Geralmente, estas compartilham uma estética e ideologia comum, incluindo imagens manifestamente satânicas, bem como a devoção a figuras como Santa Muerte. Investigações policiais juntamente com estudos antropológicos revelaram a proeminência de rituais sangrentos e até mesmo canibalismo durante iniciações de gangues.

O fenômeno das gangues, portanto, transcende o crime. Em última análise, as gangues representam novas tribos emergentes, cujo objetivo é engolir nações e competir com os países.

Elas apresentam sinais de etnogênese tribal, constituindo uma identidade que tende a se configurar politicamente (praticamente governando algumas regiões do México, por exemplo). São uma cultura mutante, uma identidade ilegítima, e têm que ser tratadas como tal.

Características pseudo-religiosas e o uso da violência e degradação como agente de ligação e tecnologia de controle lançam luz sobre certos relatos antigos de culturas agora extintas que praticavam o sacrifício humano como parte de sua observância cultual. Da mesma forma, é interessante refletir sobre precedentes históricos (inclusive bíblicos) para a destruição iconoclasta de imagens como medida civilizadora necessária, um meio de expurgar um povo de uma cultura profundamente arraigada de desumanização.

Fonte: The European Conservative

Imagem padrão
Carlos Perona Calvete

Escritor espanhol.

Artigos: 49

Deixar uma resposta