A Multipolaridade e a Ascensão dos Estados Civilizacionais

Transcrição do discurso do professor Zhang Weiwei na Conferência Multipolar Global em 29 de abril de 2023.

Na véspera da visita do presidente chinês Xi Jinping à Rússia em 19 de março, fui entrevistado pelo Russia Today e me perguntaram como eu via as pesadas sanções ocidentais contra a Rússia: eu disse que a Rússia foi isolada pelo Ocidente e o Ocidente foi isolado pelo resto. Por que então? A razão é simples: embora a operação militar da Rússia na Ucrânia seja controversa, um dos objetivos declarados da Rússia é transformar a ordem mundial unipolar liderada pelos EUA em uma ordem mundial multipolar, e esse objetivo é amplamente apoiado, ou, pelo menos, compreendido, pelo Mundo não-ocidental.

Seu apoio ou compreensão desse objetivo é reforçado pelo fato de que agora grandes potências não ocidentais como China, Rússia, Índia e Irã mais abertamente se autodenominam Estados Civilizacionais. Eles podem divergir sobre como definir exatamente o termo Estado Civilizacional, mas parecem concordar em, pelo menos, três temas: primeiro, eles são todos, respectivamente, uma civilização única e, segundo eles, estão fartos da imposição dos valores ocidentais sobre eles, em nome de “valores universais” e terceiro, eles resistem à interferência ocidental em seus assuntos internos.

Esses Estados Civilizacionais em ascensão, estão de fato desafiando a assim chamada ordem mundial unipolar liberal, e o mundo está, portanto, testemunhando uma mudança na ordem global de uma ordem vertical, na qual o Ocidente está acima do resto, para uma ordem horizontal, na qual o Ocidente e o resto estão em pé de igualdade em termos de riqueza, poder e ideias. Sem mencionar outras potências não ocidentais, a China sozinha contribuiu mais para o crescimento econômico mundial do que os países do G7 juntos (38% contra 25%) nos últimos dez anos. A armamentização pelos EUA do dólar, em suas sanções contra a Rússia, só levaram cada vez mais países não-ocidentais a abandonar o uso de dólares em seu comércio internacional: um grande golpe para a ordem econômica unipolar existente. No ano passado, 70% do comércio sino-russo foi feito em suas moedas locais, e Índia, Brasil, Irã, Turquia, Indonésia e outros grandes países não ocidentais estão todos promovendo o comércio em suas moedas locais.

Também é verdade que, nas relações internacionais, as potências ocidentais há muito perseguem uma estratégia de “dividir para reinar”, desde os tempos coloniais. Em contraste, as principais potências não ocidentais, principalmente a China, seguindo sua tradição de Estado Civilizacional, buscam exatamente o oposto, ou seja, “unir e prosperar”, conforme mostrado em sua massiva Iniciativa da Nova Rota da Seda, que prova ser popular entre maioria dos países, e a China também acredita que esse ideal de Unir e Prosperar representa os melhores interesses dos chineses, assim como da maioria dos outros povos.

Com o poder político e a autoridade moral de Washington diminuindo rapidamente, tanto em casa quanto no exterior, é natural que os países não ocidentais se inspirem em suas próprias culturas e civilizações como forma de se distinguir do desacreditado modelo liberal americano e sua hegemonia unipolar.

Curiosamente, a ideia de Estado Civilizacional também é atraente para muitos no mundo ocidental. Por exemplo, diante dos enormes desafios da “renacionalização” da Europa, o presidente francês Macron admirou quase abertamente o ideal do Estado Civilizacional quando se referiu à China, Rússia e Índia como exemplos, e declarou que o destino histórico da França era guiar a Europa para uma renovação civilizacional.

Para a direita no Ocidente, o modelo de Estado Civilizacional é uma forma de defender os valores tradicionais e resistir ao excesso de ultraliberalismo e à degeneração cultural amplamente percebida, e para a esquerda, o modelo mostra o devido respeito pelas culturas e tradições indígenas como uma maneira de rejeitar o imperialismo ocidental e o excesso de neoliberalismo.

De fato, os emergentes Estados-Civilização da Eurásia se definem principalmente contra o Ocidente liberal, enquanto o Ocidente agora está lutando para definir sua própria identidade, o que parece mais difícil do que para a China ou a Rússia. Por um lado, os liberais há muito pregam valores universais além das fronteiras nacionais ou civilizacionais e acreditam que seus valores são universais: nem ocidentais, nem europeus, nem judaico-cristãos, mas como o cientista político europeu Bruno Maçães afirma que o “Ocidente” liberal está morto, refletindo sua simpatia por “uma revolta contra o desenraizamento global”.

No entanto, pode o Ocidente existir como uma entidade civilizacional independente? O estudioso britânico Christoph Coker observa: “nem os gregos nem os europeus do século XVI… se consideravam ‘ocidentais’, um termo que remonta apenas ao final do século XVIII“. Alguns liberais ocidentais defendem um retorno ao iluminismo europeu, mas era óbvio que o liberalismo iluminista com suas tendências universalizantes levou o Ocidente ao seu dilema atual, que separou o Ocidente, e a Europa em particular, de suas próprias raízes culturais, como Maçães observa: “As sociedades ocidentais sacrificaram suas culturas específicas em prol de um projeto universal”. De fato, um Ocidente dividido cultural, social e politicamente, como é o caso hoje, ainda tem uma batalha difícil antes de moldar uma identidade civilizacional comum, se houver.

Numa perspectiva de médio a longo prazo, à medida que a ordem mundial se torna cada vez mais horizontal do que vertical, e à medida que o Ocidente e o resto se igualam entre si em termos de riqueza, poder e ideias, é provável que testemunhemos o surgimento de mais comunidades ou Estados Civilizacionais, autoproclamados ou genuínos, dos quais pode muito bem haver uma comunidade civilizacional ocidental em pé de igualdade com outras. Esperançosamente, os “valores universais” definidos unilateralmente pelo Ocidente serão gradualmente substituídos por certos valores comuns endossados por toda a comunidade internacional, como paz, humanidade, solidariedade internacional e uma comunidade humana, e todas as comunidades civilizacionais devem fazer suas contribuições para este nobre esforço em o interesse de toda a humanidade.

Imagem padrão
Zhang Weiwei

Cientista político e escritor chinês, professor de Relações Internacionais na Universidade de Fudan e diretor do Instituto China da universidade.

Artigos: 53

Deixar uma resposta