Eleições na Turquia

Chega o momento das eleições presidenciais turcas, algumas das mais importantes dos últimos tempos. Em um cenário extremamente complexo, o neo-otomanista Erdogan se enfrentará ao ocidentalista Kiliçdaroglu. O resultado dessas eleições pode determinar o futuro do Oriente Médio e do oeste eurasiático, bem como da construção do mundo multipolar.

O ministro do Interior, Süleyman Soylu, expressou-se com sua clareza habitual: “Para o Ocidente, as eleições de 14 de maio equivalem a uma tentativa de golpe político para tirar a Turquia do caminho”. Uma denúncia política que, por si só, não representa uma ameaça à regularidade das eleições presidenciais e legislativas turcas, como alguns temem. Em vez disso, é uma declaração que representa a atenção dos turcos a essas “eleições centenárias” e também sua importância internacional.

As forças em campo se enfrentarão em 14 de maio para as eleições legislativas e o primeiro turno das presidenciais, e em 28 de maio, previsivelmente, para o segundo turno das presidenciais. É extremamente difícil que um dos candidatos alcance a maioria absoluta de votos no primeiro turno.

Há dois alinhamentos principais presentes: a Cumhur İttifakı (Aliança do Povo), composta pelos partidos da área governamental e partidos de apoio: AKP (Adalet Kalkınma Partisi), MHP (Milliyet Halk Partisi), BBP (Büyük Birlik Partisi), Yeniden Refah Partisi. O outro grande alinhamento, creditado nas pesquisas com um número de votos igual ou ligeiramente maior do que o primeiro, é o Millet İttifakı (Aliança da Nação), composto por um grupo heterogêneo de partidos: CHP (Cumhuriyet Halk Partisi), İyi Partisi, SP (Saadet Partisi), DP (Demokrat Partisi), Gelecek Partisi, DEVA (Demokrasi ve Atılım Partisi).

Os candidatos à Presidência da República dos dois campos são, respectivamente, Tayyip Erdoğan – presidente cessante – e Kemal Kılıçdaroğlu, um expoente histórico do partido kemalista-progressista CHP. A eles se somam dois outros candidatos, sem chance de sucesso, mas que poderiam desempenhar um papel importante no segundo turno, dando aos seus eleitores indicações para votar em Erdoğan ou Kılıçdaroğlu: são eles Muharrem İnce (apoiado pelo Memleket Partisi, movimento fundado por dissidentes do CHP), que foi rival de Erdoğan na eleição presidencial de 2018, e Sinan Oğan, que tem o apoio da Ata İttifakı (Aliança Primordial, formação surgida de membros que saíram do nacionalista MHP, atualmente no governo).

Além dos partidos listados acima, há outros que estão presentes nas eleições parlamentares, mas sem nenhuma chance real de ultrapassar o limite mínimo (7% dos votos) para obter deputados, como o Vatan Partisi, de Doğu Perinçek, e o Sosyalist Güç Birliği İttifakı, que reúne várias formações de extrema esquerda. Por outro lado, o HDP (Halk Demokrasi Partisi) curdo, que apresentará seus próprios candidatos ao parlamento na nova formação Yeşil Sol Partisi e que, acima de tudo, apoiará a candidatura presidencial de Kılıçdaroğlu, não aparece.

Para uma melhor compreensão das forças em campo, vamos dar mais algumas dicas e percepções sobre elas. Em primeiro lugar, é preciso observar a heterogeneidade, mencionada acima, da “mesa dos seis” da oposição: o İttifakı Millet, de fato, é liderado pelo secular e progressista CHP – que impôs a candidatura de Kılıçdaroğlu, um homem de 74 anos que certamente não tem grande carisma, mas tem uma carreira como leal ao partido – que é ladeado por: (a) o histórico movimento islâmico Saadet Partisi; (b) o liberal e ocidentalista İyi Partisi; (c) o Demokrat Partisi, uma pequena formação de centro-direita; (d) os movimentos Gelecek Partisi e DEVA, liderados por dois famosos transfugas dos governos Erdoğan, como Ahmet Davutoğlu e Ali Babacan. Por fim, é preciso considerar, como mencionado, a presença explícita de flanqueamento dos curdos do HDP (em oposição a grupos curdos menores que, em vez disso, apoiam Erdoğan). Em suma, o resultado é um “emaranhado” problemático de expressões políticas mantidas juntas apenas por uma aversão comum ao atual presidente turco; o projeto – vencer as eleições – poderia, no entanto, ir adiante, com as dificuldades subsequentes para administrar a vitória que o CHP de Kılıçdaroğlu tentará superar com uma palavra de ordem precisa: abertura para o Ocidente e seus “valores”.

Mais homogênea é a formação “governamental”: o partido AKP, de maioria relativa, e os nacionalistas MHP e BBP são ladeados pelo Yeniden Refah Partisi, que cobre as posições deixadas, com sua fuga para o lado oposto, pelo Saadet Partisi. Liderado pelo filho de Necmettin Erbakan, o famoso político que foi vítima de repressão militar e judicial nas décadas de 1980 e 1990, quando seu Refah chegou a se tornar – em determinado momento – o partido de maioria relativa, esse novo Refah é uma força islâmica e antiocidental que não é relevante do ponto de vista eleitoral, mas é importante devido à sua considerável base militante (mais de 250.000 membros). Como mencionado anteriormente, grupos menores pró-curdos também flanqueiam o alinhamento de Erdoğan, bem como – no segundo turno – presumivelmente partidos como o Zafer Partisi (hostil ao neoliberalismo e defensor da soberania do Estado) e o eurasianista Vatan Partisi, que deve trazer água para o moinho de Cumhur İttifakı.

Um resultado de votação bastante incerto, portanto, mas quais serão as questões mais importantes que guiarão as escolhas dos eleitores? Muito provavelmente serão – em ordem de importância para a sensibilidade dos eleitores – a questão econômica/social, a questão da segurança e a soberania/posição internacional da Turquia. A primeira, principalmente por causa da inflação galopante que está sendo repassada ao custo de vida (mesmo na presença de uma economia nacional em constante crescimento), a segunda, que inclui a grave emergência terrorista ligada ao PKK e também a enorme questão da imigração, especialmente da Síria, e a terceira, referente às escolhas internacionais da Turquia, sua proeminência que, na era Erdoğan, certamente não diminuiu. Logicamente, as três questões estão interconectadas e, em particular, a terceira está a montante e é decisiva ou, pelo menos, muito influente nas outras duas.

Não acreditamos que a recente tragédia do terremoto ou a doença sofrida nos últimos dias pelo presidente Erdoğan possa influenciar a votação; em particular, o nível chocante do terremoto foi tal que deixou de lado não apenas as críticas legítimas às instituições, mas certamente as polêmicas ideológicas e pouco generosas. Um fato singular e significativo, no entanto, é que tanto no caso do terremoto quanto no da doença de Erdoğan, não faltaram nem mesmo as acusações mais sórdidas de interferência ocidental na Turquia (por meio de tremores cientificamente provocados e tentativa de envenenamento, respectivamente). Objetivamente, há uma falta de evidência para isso, mas é precisamente a falta de confiança turca nos círculos ocidentais e atlantistas nesses casos também, combinada com o conhecimento de que – como o ministro do interior em Ancara argumentou, e voltamos ao início deste artigo – “para o Ocidente, essas eleições equivalem a uma tentativa de golpe político para tirar a Turquia do caminho”.

A importância do voto turco é, portanto, indubitável do ponto de vista geopolítico: uma frente verdadeiramente soberanista e defensora de um mundo multipolar é contraposta por outra disposta a se realinhar com o Ocidente. Ünal Çeviköz, principal assessor de política externa do CHP, falou sobre esse assunto de forma diplomática (ele foi diplomata de carreira), mas clara: o novo governo que suceder Erdoğan terá que “voltar ao caminho da democracia” e dos “direitos humanos”; ele será a favor da adesão da Suécia à OTAN “fortalecendo a segurança de uma organização defensiva como a OTAN”; quanto à Rússia, “suas relações com a Turquia são bastante assimétricas, devido à atual dependência turca excessiva (…) Temos que lembrar à Rússia que somos membros da OTAN”.

Além disso, o currículo do assessor de política externa do CHP é significativo: em 1989, como destacado do Ministério das Relações Exteriores, ele trabalhou na Secretaria Internacional da OTAN, primeiro na Diretoria Econômica e depois na Diretoria Política; em 1993, obteve um mestrado em relações internacionais pela Universidade de Bruxelas; em 1994, foi responsável pelo lançamento do escritório de informações da OTAN em Moscou, enquanto nos anos seguintes colaborou na formação do Ato de Fundação das relações bilaterais entre a OTAN e a Rússia.

Fonte: EurasiaRivista

Imagem padrão
Aldo Braccio

Escritor e analista político italiano especializado na Turquia.

Artigos: 52

Deixar uma resposta