A Identidade vista por Samuel Huntington e Alain de Benoist

A identidade é um dos temas mais importantes do mundo contemporâneo, especialmente por causa do fenômeno da globalização. Diversos teóricos abordaram a questão identitária, se destacando entre eles Alain de Benoist e Samuel Huntington, que terão aqui as suas perspectivas contrapostas.

A identidade é a questão central do século XXI. Do outro lado do Atlântico, as interrogações do geopolítico conservador Samuel Huntington e do filósofo da Nova Direita, Alain de Benoist, são ecoadas.

Explicação:

  1. As abordagens de Samuel Huntington e Alain de Benoist são diferentes. Em “Nós e os Outros – Problemática da Identidade”, o ensaísta Alain de Benoist propõe uma abordagem ontológica do conceito e sua evolução nos últimos três séculos, da pré-modernidade à pós-modernidade.

    A abordagem de Samuel Huntington é mais sociológica e concreta, e também mais comprometida: em Quem somos nós? Identidade Nacional e o Choque de Civilizações o professor de Harvard defende um ponto de vista particular, o de um conservador militante que defende o caráter anglo-protestante da identidade americana.

    Mas além dessas diferenças, as conclusões são semelhantes em um ponto: “A crise das identidades nacionais tornou-se um fenômeno global” (Samuel Huntington, p. 24) e quanto mais os marcadores de identidade se desvanecem, mais a questão da identidade se torna necessária (Alain de Benoist).
  2. Para Alain de Benoist, o problema da identidade surgiu no século XVIII com a modernidade que libertou os indivíduos das circunstâncias de seu nascimento; assim a filosofia do Iluminismo arrebata a questão da identidade de toda “naturalidade” em nome da livre escolha dos indivíduos.

    Ao longo do século XIX, e continuando no século XX, “a identidade coletiva mais abrangente, a identidade nacional” (Alain de Benoist, p. 34), emergiu. Esta identidade, entretanto, é ambivalente: encarnada e concreta, ela assume a herança do passado e promove uma imaginação histórica; intelectual e abstrata, é também uma construção ideológica. Entretanto, a oposição entre “nações cívicas” e “nações étnicas” é provavelmente excessiva, já que uma nunca passa completamente sem a outra: “o nacionalismo contemporâneo pode estar baseado na ideologia política do Estado e da cidadania, mas seria um erro acreditar que valores políticos abstratos são suficientes para exigir os sacrifícios que os membros da sociedade às vezes devem fazer” (Alain de Benoist, p. 36).

    As ideologias “republicanas” e “soberanistas” que dominam o debate político francês encontram aqui seus limites. Tanto mais que, como o movimento da “modernidade” continua, a “ideologia do mesmo” continua a se desdobrar em escala global. As lógicas da globalização e do mercado estão empurrando para a desterritorialização, o derramamento de vínculos simbólicos e o aparecimento de identidades alternativas efêmeras (a marca, o clube esportivo). Ao mesmo tempo, o desaparecimento das fronteiras não permite mais que os diferentes territórios e os povos que os habitam evoluam em seu próprio ritmo.

    Esse niilismo do mercado leva a uma grande crise de consciência coletiva, fonte de muitas retiradas de identidade; assim a pós-modernidade vê o retorno da religião e da “naturalidade”.
  3. De uma perspectiva liberal, Samuel Huntington descreve e lamenta o enfraquecimento progressivo dos componentes da identidade americana: Para Samuel Huntington, até os anos 40, essa identidade era étnica (europeus do norte), racial (brancos), cultural (anglo-protestantes), política (o Estado federal e os 50 estados federados); Depois, a América se tornou uma sociedade multiétnica a partir da Segunda Guerra Mundial, apresentando as diversas origens dos soldados americanos; depois, multirracial a partir dos anos 60, com os Estados Unidos deixando, sob a pressão das leis civis, de ser “uma nação racista”, de acordo com a expressão de Arthur Schlesinger junior.

    Hoje é mesmo a questão da cultura que se coloca sob o duplo efeito ideológico da “discriminação positiva” que põe em questão uma das bases do “credo americano” (igualdade de mérito) e a progressiva hispanização de uma parte dos Estados Unidos onde o catolicismo e a língua espanhola estão se desenvolvendo em detrimento da língua inglesa e da religião protestante.

    Finalmente, Samuel Huntington examina os efeitos da globalização, que levou a uma desnacionalização das elites e ao surgimento de uma nova classe mundial, os “cosmocratas”, uma classe que tende a se separar do resto da nação.
  4. Uma vez feito o diagnóstico, quais são os elementos permanentes da identidade coletiva?

    “Língua, cultura no sentido mais amplo (sistema de valores, modos de vida, formas de pensar), muitas vezes (mas nem sempre) território, consciência de pertencimento e desejo de viver juntos” (Alain de Benoist, p. 127); a língua inglesa e a cultura anglo-protestante para Samuel Huntington como um americano e orgulhoso dela.

    Em ambos os autores, encontramos implícita ou explicitamente uma referência a Renan, para quem “a nação é uma alma, um princípio espiritual”. Deve-se notar, entretanto, que a leitura de Renan é muitas vezes truncada porque, antes de chegar ao seu conceito de “plebiscito cotidiano”, de “vontade de viver juntos”, Renan estuda longamente tudo “o que não é suficiente para criar tal princípio espiritual: raça, língua, interesses, geografia, necessidades militares”. Assim, a menos que estejamos cometendo um mal-entendido, devemos lembrar que, embora estes dados fundamentais não sejam sem dúvida suficientes para constituir uma nação, eles são, no entanto, uma condição necessária e uma base preliminar. Sobre este ponto, a análise do Club de l’Horloge continua a ser inevitável, como desenvolvido em particular em “A Reforma do Código da Nacionalidade”.
  5. O politicamente correto que nos governa não pode deixar de influenciar os melhores autores, mas não é certo que o tabu da etnia, ou mesmo da raça, possa se manter indefinidamente. Em um mundo em crescente mudança, os fundamentos do território e do patrimônio estão obrigados a reemergir: território, em primeiro lugar, em sua forma nacional ou mesmo local; o localismo já está aparecendo, se não como uma das respostas, pelo menos como uma das formas de resistência à globalização; linhagem e herança, em segundo lugar, em sua dupla forma étnica e cultural, ambas inseparáveis, pelo menos quando se trata de grandes massas populacionais.

    De fato, no mundo pós-moderno que está tomando forma no início do século XXI, a necessidade de identidade como ela tende a ser expressa é provavelmente uma das maiores ameaças à globalização do mundo, assim como uma das esperanças de seus oponentes.

    As respostas ideológicas baseadas em uma América mundial (no caso dos Estados Unidos), uma república universal (no caso da França) ou um grande mercado euromediterrâneo (no caso da União Europeia) se deparam com as realidades emocionais e a vitalidade dos povos. As próprias elites globalizadas podem ser tentadas, nem que seja pela natureza em rede do mundo moderno, a dar sentido e importância a seus laços etnoculturais: a China está, diz-se, onde quer que haja uma pessoa chinesa; a mesma lógica poderia se aplicar também aos expatriados franceses ou americanos que, afinal, também podem carregar seus valores e referências na sola de seus sapatos.
  6. Esta dupla reflexão sobre a identidade não conclui, em nenhum dos casos, com conclusões de ação. As linhas que emergem, no entanto, são claramente diferentes. Samuel Huntington é reservado sobre o projeto de uma América cosmopolita e imperial, enquanto emerge sua preferência por uma América nacional, recentrada nos valores anglo-protestantes e na língua inglesa, e protegida da imigração hispânica. Pensador dissidente europeu, Alain de Benoist não está tanto no espaço quanto no tempo. Sua crítica fundamental é a da reificação e mercantilização do mundo, o que leva ao seu “desencanto”. O ataque ao “capitalismo total” é agudo e o apelo ao “retorno do simbólico” é implícito. Mas, como um sinal dos tempos ou do equilíbrio de poder, suposto o orgulho de ser americano não se iguala pelo orgulho de ser francês e/ou europeu.

Fonte: Polémia

Imagem padrão
Andrea Massari

Escritor francês.

Artigos: 52

Deixar uma resposta