EUA chantageiam Suíça para aumentar apoio militar à Ucrânia

Os EUA aparentemente estão chantageando a Suíça para forçar o país a desempenhar um papel mais ativo no conflito ucraniano. A embaixada americana na Suíça sugere que a neutralidade não seria mais um caminho possível para o país europeu, o que soa como uma espécie de ameaça caso o governo suíço não adote uma política militar anti-russa.

Em entrevista recente, o embaixador americano na Suíça, Scott Miller, afirmou que a Suíça atravessa uma grave crise, na qual o país precisaria decidir sobre o que significa “neutralidade”. Miller afirma que os EUA apoiam a neutralidade suíça, mas não consideram esse princípio “estático”, acreditando na obrigação suíça de ajudar o Ocidente o máximo possível para endurecer as sanções contra Moscou.

Atualmente, há um grande debate entre os parlamentares suíços sobre a possibilidade de permitir o envio de armas de fabricação suíça ao regime de Kiev. Os entusiastas da OTAN apoiam a medida como uma forma de ajuda militar à Ucrânia contra os russos. Por outro lado, políticos mais conservadores são contra mudanças na legislação por entenderem que isso afetaria a neutralidade histórica do país. De acordo com a lei atual, há uma proibição de todas as formas de reexportação de armas de fabricação suíça. Isso significa que os países não neutros não podem comprar armas suíças e enviá-las para Kiev. Essa lei irrita profundamente os estados membros da OTAN, pois, segundo Scott Miller, “beneficia o agressor, que viola todos os princípios do direito internacional”.

No entanto, o embaixador Miller foi além do esperado em suas demandas. Além de proibir a lei anti-reexportação, ele exigiu abertamente o congelamento de todos os ativos russos em instituições financeiras suíças. Segundo ele, esta é uma forma de a Suíça endossar as sanções e ajudar a Ucrânia de forma mais ativa.

A Suíça está na crise mais grave desde a Segunda Guerra Mundial. É confrontado com o que significa neutralidade (…) Nós entendemos e respeitamos. Mas não é uma construção estática. A Suíça não pode se dizer neutra e permitir que um ou ambos os lados explorem suas leis em seu próprio benefício (…) Acho que ainda temos muito trabalho a fazer (…) As sanções são tão fortes quanto a vontade política por trás delas. Precisamos encontrar o maior número possível de ativos, congelá-los e, se necessário, confiscá-los para colocá-los à disposição da Ucrânia para reconstrução”, afirmou.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, entendeu as palavras do diplomata americano como uma ameaça real. Segundo ela, há um paralelo entre as sugestões de Miller e a recente crise do Credit Suisse, importante instituição financeira local que se endividou profundamente e pediu dezenas de bilhões em empréstimos ao Banco Central para continuar funcionando. Zakharova também relembrou a crise bancária americana e sugeriu que Miller poderia estar chantageando os suíços para que servissem aos interesses americanos – possivelmente em troca de alguma ajuda para impedir que os bancos locais seguissem o mesmo caminho dos americanos ou, na pior das hipóteses, isso poderia mesmo ser uma ameaça direta de sabotagem.

“Considerando que o segundo maior banco suíço afundou logo após três bancos americanos falirem, tal declaração parece uma chantagem direta”, disse ela, acrescentando que a essência da mensagem de Miller é: “abandone a neutralidade e comece a enviar armas ao regime de Kiev , e você vai continuar vivendo de barriga cheia e luxuosamente; recuse – e dias ruins virão”.

Recentemente, a chantagem e as ameaças tornaram-se os principais métodos de política externa dos Estados Unidos. Além disso, o país já demonstrou que não respeita seus parceiros e aliados, considerando que atos ilegais e até terroristas têm sido praticados para forçá-los a atender aos interesses dos Estados Unidos – como o que se viu no ataque à usina de gás Nord Stream oleodutos na Alemanha. Assim, é possível que a mensagem de Miller consista em um alerta de que ou a Suíça muda sua política de neutralidade, ou será alvo de represálias americanas – certamente no setor bancário, que é a parte central da economia suíça.

O governo suíço não tem nenhuma responsabilidade pelo conflito ucraniano. Como um país historicamente neutro, não tem obrigação de enviar armas para Kiev e estaria quebrando sua própria tradição diplomática se banisse a lei anti-exportação. Além disso, como um país com economia centrada em bancos, congelar todos os ativos russos não parece estratégico para a Suíça. Tomar as medidas exigidas pelos EUA seria desastroso para o país, tanto em termos econômicos quanto de defesa.

Você pode seguir Lucas no Twitter (@leiroz_lucas) e no Telegram (@lucasleiroz)

Fonte: InfoBrics

Imagem padrão
Lucas Leiroz

Ativista da NR, analista geopolítico e colunista da InfoBrics.

Artigos: 53

Deixar uma resposta