O Terremoto na Síria e na Turquia

A tragédia se abateu sobre Síria e Turquia sob a forma de um terremoto devastador. Nesse contexto, importante analisar o papel das sanções contra a Síria em dificultar os resgates e a ajuda aos civis, bem como o papel das eleições turcas nas narrativas ocidentais que culpabilizam o governo pela tragédia.

A Organização Mundial da Saúde estimou o número de pessoas afetadas pelo trágico e extremamente violento terremoto do início de fevereiro de 2023 em mais de 23 milhões – turcos e sírios. Dois países de joelhos diante dos quais o mundo assombrado responde em parte com generosidade e em parte com preconceito, em um momento em que a solidariedade internacional deveria ser absoluta.

Comecemos pela Síria: uma nação e um povo golpeado por uma década de guerra imposta e depois muitas vezes esquecida, de terrorismo funcional a uma “mudança de regime” para o estabelecimento da “democracia”. O problema da ajuda internacional – indispensável para tentar lidar com a emergência – está ligado ao das sanções que os Estados Unidos e outros países (como os da Europa) mantêm contra Damasco, embora alguns tenham tido a audácia e o descaramento de afirmar que os dois aspectos devem ser mantidos distintos, e que podem coexistir.

A realidade é que nesta perspectiva o terremoto está sendo utilizado, além das sanções, para tornar a situação geral definitivamente incontrolável para o governo sírio, em um momento em que houve importantes encontros diretos turco-sírios – favorecidos pela Rússia – para o restabelecimento das relações. Deve-se ressaltar que o Crescente Vermelho Árabe Sírio, o Conselho de Igrejas do Oriente Médio (que agrupa cristãos católicos, ortodoxos e coptas da região), e não apenas o governo sírio, exigiu o levantamento das sanções; e que o Departamento de Estado norte-americano levantou a objeção de que as sanções não se relacionam à assistência humanitária, que em qualquer caso é reconhecida “sem o controle ou a direção do regime de Assad. Isto para assegurar que nossa assistência não seja desviada por atores malignos ou pelo regime de Assad”. Mais ou menos o mesmo vale para a União Europeia: o coordenador da Comissão de Emergências, Lenarcic, exortou os Estados membros da UE a enviarem suprimentos médicos e alimentares para a Síria, ao mesmo tempo em que se assegura que a ajuda “não seja desviada” pelo governo sancionado em Damasco. Um governo reconhecido pela ONU, portanto, é unilateralmente excluído pelos Estados Unidos e seus covardes aliados até mesmo de administrar os suprimentos de ajuda necessários para lidar com o assustador cenário de terremoto desses dias. Entretanto, os nomes dos Estados que decidiram ajudar Damasco em sua provação devem ser lembrados: Irã chegou antes de todos, Rússia, Líbano, Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Argélia, Coréia do Norte, Jordânia, Iraque, Egito, Armênia, Paquistão, Índia, Arábia Saudita, Tunísia.

A estrada que liga Gaziantep à passagem de Bab al-Hawa (a única atualmente disponível para a passagem de ajuda do território turco para o território sírio) está agora intransitável após os danos sísmicos, complicando ainda mais a situação; enquanto isso, o enorme desastre causado pelos colapsos é agravado por problemas de saúde herdados do conflito de uma década: entre estes está a cólera, que se espalhou na Síria com uma epidemia virulenta desde o final de agosto de 2022. Filippo Agostino, pessoa de contato da Fundação Avsi para a Síria, denunciou de Aleppo que “esta epidemia de cólera é uma das maiores, se não a maior, do mundo de hoje. Nem mesmo o Haiti ou a Somália têm estes números. A cólera é um dos símbolos da decadência socioeconômica da Síria, causada pela guerra, pobreza e sanções que pesam muito sobre a população”.

A situação na Turquia é certamente igualmente trágica, apesar da presença de uma autoridade política central estável e capaz de agir em caso de emergência. Aqui, a controvérsia levantada a nível internacional pela mídia hostil ao governo de Ancara diz respeito à suposta incapacidade deste último de intervir nas províncias atingidas pelo terremoto. Na verdade, há dois aspectos diferentes a serem considerados: o grau de proteção dos edifícios, tanto públicos quanto privados, e a oportunidade das operações de resgate.

Quanto ao primeiro aspecto, na análise de vários especialistas, aparece a insuficiência de critérios adequados de projeto à prova de terremotos. Por exemplo, o Türk Mühendis ve Mimar Odaları Birliği (União das Câmaras de Engenheiros e Arquitetos) denunciou fortemente o silêncio em resposta a sua recomendação de não construir o aeroporto Hatay na linha de falha; a presença de grandes colapsos desencadeados principalmente por crises estruturais a partir dos andares inferiores dos edifícios, um sintoma de falta de projeto antissísmico, também é evidente. A extrema heterogeneidade dos edifícios também é evidente em Gaziantep e Kilis (citamos estas duas cidades porque tivemos a oportunidade de visitá-las no ano passado) sugere a ideia de planos regulatórios contraditórios, ou uma falha em implementá-los. A situação poderia ser semelhante à da Itália, onde o plano de prevenção sísmica elaborado pelas profissões técnicas, e apresentado ao governo em Roma em março de 2012, nunca foi implementado, de modo que, de acordo com a Rede de Profissões Técnicas – que agrupa as ordens e conselhos nacionais de nove profissões técnicas envolvidas na construção e infra-estrutura – mais de 12 milhões de edifícios na Itália estão em risco sísmico.

Deve-se reconhecer, entretanto, que terremotos como os de 6 de fevereiro, que foram de intensidade extremamente violenta, devem, de qualquer forma, ser considerados difíceis de serem enfrentados, sobretudo por causa de sua sequência particularmente mortal, com edifícios desmoronando em consequência dos tremores secundários e não em conseqüência do próprio terremoto principal.

Quanto às críticas ao – alegado – fracasso ou ação de socorro intempestiva, isto parece bastante parcial e pouco generoso, e é explicado por uma bem orquestrada campanha de propaganda antigovernamental de origem ocidental. Não se deve esquecer que em maio haverá importantes eleições gerais na Turquia e que também aqui, os círculos atlantistas querem favorecer a “mudança de regime”. As palavras proferidas por Erdoğan foram conscientemente mal interpretadas aqui para significar que o chefe de Estado turco teve que admitir atrasos no esforço de ajuda; ao invés disso, ele declarou que “após os problemas iniciais nos aeroportos e nas estradas (devido a sua indisponibilidade em consequência do terremoto), as coisas se tornaram mais fáceis e todos os recursos disponíveis foram mobilizados”.

Na Turquia, a campanha de mobilização em curso (Haydi Türkiye! Sensiz olmaz, ou seja: “Vamos, Turquia! Sem você, é impossível”) está em pleno andamento e envolve a todos, além da dor, da preocupação e do medo; trabalho incansável e resultados não faltam, há muito a ser feito no prazo imediato e depois no tempo. Equipes de resgate louváveis e generosas estão chegando de várias partes do mundo – inclusive da Itália – e estão indo além da polêmica preconceituosa movida pelos círculos sectários contra Ancara. Não faltam provocações a este respeito por parte do “Charlie Hebdo”, que em um desenho animado retrata a tragédia turca e síria com um incrível “Não há necessidade nem mesmo de tanques!”

Fonte: Eurasia Rivista

Imagem padrão
Aldo Braccio

Escritor e analista político italiano especializado na Turquia.

Artigos: 52

Deixar uma resposta