Imigração: Como a Dinamarca encontrou uma Solução Soberanista para a Questão

A Europa hoje enfrenta um grande problema de substituição demográfica por causa da imigração em massa promovida pelo Grande Capital em conluio com ONGs e governos apátridas. Nesse caos, apenas o governo social-democrata da Dinamarca parece ter encontrado uma solução para controlar o problema.

A Fundação para Inovação Política (Fondapol), dirigida por Dominique Reynié, acaba de publicar um estudo muito instrutivo sobre o controle da imigração na Dinamarca, o símbolo da social-democracia nórdica.

Uma política de migração muito restritiva está em vigor há vinte anos, independentemente da maioria do governo na época. Em outras palavras, existe um consenso político e interpartidário sobre o desejo de controlar os fluxos, o que corresponde ao amplo consenso da população sobre esta questão. Uma política de migração que, quando aplicada desta forma, permite e, acima de tudo, exige uma integração bem sucedida.

Quais são suas características?

Em primeiro lugar, o difícil acesso à nacionalidade. Por exemplo, para obter a naturalização, você deve ter vivido na Dinamarca por sete anos, ter um bom nível de língua (realmente avaliado, não se trata apenas de apresentar um certificado de inscrição para um curso de idiomas), passar um teste de conhecimento da história e da sociedade dinamarquesa, prova de participação real na vida cívica. Em resumo, aderindo aos valores da sociedade dinamarquesa. A partir de 2019, um aperto de mão obrigatório é o ato final da naturalização. É fácil entender para quem isto se destina.

Estas condições são acompanhadas por uma política penal forte e, sobretudo, realmente aplicada: cometer crimes reduz a possibilidade de requerer esta naturalização, mesmo penas de prisão suspensas impedem definitivamente a obtenção da nacionalidade dinamarquesa.

A obtenção de vistos é do interesse da sociedade e da economia dinamarquesa: há facilidades concedidas a mão-de-obra estrangeira qualificada que correspondem a uma demanda na Dinamarca. A política de vistos de trabalho é muito estruturada e leva em conta setores sob estresse, mas também um certo (alto) nível de remuneração para trazer trabalhadores altamente qualificados.

A reunificação familiar, que em nosso país significava o fim de qualquer possibilidade de restrição e controle de fluxos, é difícil: na Dinamarca não é imediata nem, acima de tudo, automática.

Desde a crise migratória de 2015, tem havido um endurecimento na aceitação dos pedidos de asilo, e as condições a serem cumpridas são cada vez mais numerosas. A complexidade administrativa também se destina a desencorajar os candidatos.

Os benefícios sociais concedidos aos estrangeiros são reduzidos ao mínimo, vistos e autorizações de residência são concedidos principalmente àqueles que podem provar renda, a autossuficiência é a regra, os benefícios sociais a exceção. No auge da crise em 2015, foram até publicados anúncios em jornais libaneses para desestimular os candidatos ao exílio na Dinamarca.

Em 2016, uma lei, que havia causado polêmica, exigia que os refugiados pagassem, em seus bens, os custos de alojamento e processamento dos pedidos de asilo. O Partido Social Democrata, então na oposição, havia aprovado esta lei.

Finalmente, o último prego no caixão do recebimento incondicional e irrefletido de migrantes, o processamento de pedidos de asilo, desde 2021, tem sido terceirizado para países não europeus, na maioria das vezes para Ruanda. Uma terceirização praticada pela Grã-Bretanha e exigida hoje pelo governo italiano.

Foi o governo social-democrata de Mette Frederiksen que aprovou esta lei. Esta última percebeu em 2015 que a esquerda dinamarquesa perderia seu eleitorado popular se não aderisse a esta política restritiva: tendo compreendido isto e tendo assim participado do consenso nacional e interpartidário sobre a questão migratória, ela foi reeleita em 2022, mesmo ultrapassando seu partido e unindo em torno dela uma maioria que ia desde a esquerda até a centro-direita. A imigração, agora perfeitamente domesticada, não é mais uma questão eleitoral importante. Assim, como explica a nota da Fondapol, “a vitória dos social-democratas vem de um nacionalismo social assumido em nome do Estado de Bem-Estar”.

Não é tanto uma questão de preservar um modelo cultural, identitário ou político, mas o modelo social do Estado social. Isto, e o consenso popular associado a ele, só pode ser mantido se for viável, sustentável e, portanto, não corroído pela imigração maciça, descontrolada e anárquica. Os dinamarqueses observaram que uma sociedade multicultural é multiconflito e que ela ameaça a confiança no Estado e nas instituições, que ela põe em perigo o contrato social e as relações entre os cidadãos. Foi assim que se salvaram.

Esta política está funcionando? Há uma diminuição de 28% na imigração (excluindo refugiados e requerentes de asilo) entre 2014 e 2019. Ao mesmo tempo, o número de pedidos de asilo diminuiu em 82%. No entanto, a Dinamarca faz parte da União Europeia, da CEDH e do espaço Schengen. No entanto, este país tem sido capaz de tomar a estreita, mas possível, negociação de tratados. O que estamos esperando?

Fonte: Adáraga

Imagem padrão
Marie d'Armagnac

Jornalista independente francesa.

Artigos: 49

Deixar uma resposta