O Atlantismo transformou a Esquerda em um Boneco a seu Serviço

A esquerda abandonou o proletariado em prol da defesa das liberdades individuais. Mas isso não foi por acaso. Foi uma transformação implementada pelo atlantismo no seio das esquerdas ocidentais para que elas se tornassem ferramentas úteis para garantir a sua hegemonia.

A esquerda existe hoje no mundo? Uma pergunta que devemos nos fazer nestes tempos e ousar aceitar o valor dos fatos reais, mesmo quando eles contradizem nossos conceitos pré-existentes.

Antes de tudo, devemos definir o que entendemos por esquerda em termos gerais, a fim de tentar unificar nossas ideias em uma linguagem semelhante.

A definição deve escapar dos convencionalismos ou da história, porque o que realmente nos interessa é qual o papel que as forças que se definem como esquerda representam hoje, e até mesmo como são identificadas por aquelas forças que não se identificam como esquerda.

Se mencionamos que a esquerda representa uma mudança em oposição à direita conservadora que mantém o status quo, na verdade estamos presos em conceitos superficiais.

A mudança por si só implica apenas uma variação, que pode ser positiva ou negativa, dependendo de onde ela começa e o que ela propõe. Este é o primeiro problema que vamos encontrar: toda mudança não é intrinsecamente boa ou ruim, depende do contexto.

Isto anula conceitos como a necessidade de “mudar tudo”, típico do feminismo nos últimos anos. A “desconstrução” nada mais é do que a destruição de tudo o que já existe para substituí-lo por novas políticas, mesmo que elas não passem de manchetes sem muita profundidade. A destruição de um modelo social, sem uma proposta profunda que estabeleça um novo marco regulatório com novos eixos para as relações dentro da sociedade, é um salto para o abismo.

As propostas hoje apresentadas pela esquerda e o progressismo, que vamos considerar indistintamente devido à coincidência nos eixos temáticos, baseiam-se em meros slogans.

A improvisação de padrões de convivência que desafiam a evolução histórica não só é francamente ridícula como perigosa. Podemos ver a título de exemplo como o sistema jurídico ocidental, que estabeleceu o princípio da inocência, evoluiu e agora é descartado com argumentos políticos de pouca substância.

Não é possível basear uma acusação na palavra exclusiva de um reclamante, dada sua sexualidade ou outras questões particulares que o colocam em uma posição de suposta vulnerabilidade.

Não há dados que possam corroborar que hoje no Ocidente existem coletivos que são violados por causa de seu gênero ou sexo, além disso, podemos apreciar a evolução de uma série de benefícios por serem considerados populações vulneráveis. A história simplesmente prevalece sobre os fatos, mas nem as forças políticas nem a imprensa se interessam muito por ela.

Mas mesmo aceitando esta suposta vulnerabilidade, não seria possível considerar uma violação do princípio de inocência sem consequências graves para a credibilidade do sistema como um todo, legislativo, executivo e judicial.

As campanhas feministas de “eu acredito em você, irmã” ou “eu também” nada mais são do que expressões que não devem ser consideradas por falta de força probatória, ainda que a pressão política e midiática tenha deslocado os eixos acima mencionados e forçado condenações sem provas reais.

As acusações são políticas e muitas vezes as condenações também o são. O absurdo cresce a ponto de vermos na Argentina que existe uma tentativa de estabelecer uma norma jurídica que permita a recusa de juízes por questões de gênero, que têm sido apontadas como sendo governadas com uma falta de perspectiva de gênero.

É claro que não está claro quem ou em que base interpreta o que é a perspectiva de gênero e o que a viola ou não, é claro que os mesmos coletivos minoritários militantes consequentemente estabelecem o que viola e o que não viola. Não é surpreendente, então, que isto acabe sendo uma espada de Dâmocles sobre a cabeça dos juízes que devem, se quiserem manter seus empregos, aplicar uma norma que responda a uma decisão política.

Séculos e séculos de evolução do Direito acabam sendo descartados em favor da desconstrução. Trocamos o princípio da inocência por “eu acredito em você, irmã”.

Podemos dizer que a mudança foi positiva? É claramente um enorme passo para trás que só trará injustiça e exploração de todos os tipos.

A esquerda progressista apoia estas ideias, que são obviamente ideias revolucionárias de mudança, e ainda assim não trazem nada de positivo. Quem mantiver a posição de respeitar o princípio da inocência será marcado como conservador, o que o desqualifica.

Há inúmeros exemplos de tais contradições. Alguns negam as razões mais científicas, apelando para uma linguagem que lhes permita afirmar que pode haver mulheres com pênis.

Ao fazer isso, eles apelam não para a biologia ou medicina, mas simplesmente para conceitos abstratos e opinionados que carecem do menor rigor de verificação científica. A autopercepção tem mais validade do que a biologia, que estabelece claramente a distinção entre os sexos, algo que pode ser acompanhado de exemplos absurdos como malformações ou problemas genéticos que produzem seres humanos com características especiais em seu aparelho reprodutivo. Estas anomalias serão então utilizadas para justificar a existência de múltiplos sexos e a partir daí, fazer uma derivação para confundi-los com os gêneros.

Estes tipos de questões são simplesmente o cerne dos problemas nos quais as forças esquerdistas/progressistas se concentram e esquecem algumas das bases importantes. Temos visto nos últimos anos como eles deixam de lado as reivindicações econômicas que desempenham apenas um papel secundário e esquecem as mudanças revolucionárias na propriedade dos meios de reprodução da economia.

A própria ideia de justiça social, e com ela o objetivo principal de uma distribuição mais justa da riqueza, foi afastada e substituída pela questão de gênero e, no Primeiro Mundo em declínio, pela ecologia.

Este uso é tão brutal que os setores menos lúcidos celebraram o fechamento de fábricas de fertilizantes e o retorno à produção artesanal, mesmo que isso signifique a fome de centenas de milhões. O último movimento do governo holandês para fechar 3.000 estabelecimentos emissores de nitrogênio, basicamente a produção agrícola, é um sinal de quão longe eles podem ir. Em meio a uma crise alimentar que ameaça engolir toda a Europa, a melhor ideia é encerrar a produção de alimentos por “razões ambientais” não comprováveis. Esta não é a primeira iniciativa; a produção e consumo de carne vermelha é uma questão cada vez mais perseguida e o consumo de insetos nas escolas desta nação, uma das mais ricas do mundo, é oferecido como uma alternativa.

Todas estas políticas caem na órbita da esquerda, o que silencia as críticas acusando como fascista qualquer pessoa que tente deslizar em qualquer oposição, por menor que seja.

A mudança da esquerda revolucionária, que uma vez procurou eliminar os privilégios de classe, é substituída pela luta contra os privilégios do homem branco, o opressor masculino, opressor heterossexual, apontando a influência do homem branco, cis, hetero e católico como responsável por todos os males. E se esse homem é pobre e vive na rua? Não importa, ele mantém seus privilégios de qualquer maneira sobre os bilionários desconstruídos.

É evidente que se analisarmos sem preconceitos o que é hoje a esquerda, se ousarmos aceitar que fomos enganados por décadas com causas impopulares, a conclusão é que esta esquerda não só não é antissistema, mas pró-sistema.

Se tivermos alguma dúvida sobre a quem eles servem, podemos olhar para suas fontes de financiamento, ONGs e Fundações que têm financiamento das nações mais capitalistas e das corporações mais poderosas. Não vamos nos expandir sobre este assunto por razões de tempo, mas a parte mais concentrada do capitalismo apoia a desconstrução quase sem fissuras.

Curioso que financiem sua própria destruição, mesmo aqueles que acreditam que estes são ganhos conquistados pela luta deveriam se perguntar por que as lutas não alcançam resultados econômicos quando o desemprego está crescendo e os padrões de vida estão caindo em todos os lugares.

Se houver alguma dúvida, também podemos olhar para o alinhamento geopolítico das nações. Os EUA, Reino Unido, Alemanha, França, Suécia e as principais economias ocidentais apoiam radicalmente estas políticas. O que aconteceu com a UE sancionando a Hungria e a própria Polônia, por não impor uma legislação de gênero ao estilo ocidental, nos poupa muitas explicações.

Os opositores são liderados pela Rússia, que criminalizou a propaganda LGBT, assim como o Irã, a China, a Coreia do Norte, a maioria dos países africanos, os países do sudeste asiático, só para mencionar alguns.

Todos esses países são aqueles que se opõem ao Ocidente e o enfrentam com armas.

Poderíamos citar o papel da indústria cultural, a indústria musical, a indústria do entretenimento, a universidade, e a lista continua e continua. Cada uma das alavancas de poder do atlantismo está alinhada com estas políticas defendidas pela esquerda/progressividade.

Você não precisa estar muito informado para entender que, se alguma coisa, estas ideologias têm pouco a ver com o que elas alegam. Eles identificaram habilmente quais eram os eixos que se opunham ao capitalismo financeiro globalista e implementaram uma política de mudança de conteúdo, mantendo a mesma embalagem.

Os jovens que têm uma natureza questionadora, mas não têm experiência, foram facilmente capturados por estas políticas, embora já estejamos começando a ver que a moda passa e muitos estão questionando estas abordagens.

Os mais velhos, cansados da luta, confundidos pela propaganda ou simplesmente seduzidos pelo dinheiro, aceitaram a mudança. Eles continuam a se identificar como esquerda/progressistas, continuam a cantar sobre Che Guevara ou se chamam marxistas, mas não passam de uma sombra de seu antigo eu, uma imagem invertida refletida em um espelho. Por conveniência, nostalgia, por não entender o que está acontecendo, há muitas razões para esta mudança.

O atlantismo foi brilhante, deixou de lutar contra a esquerda revolucionária, infiltrou-se nela, enfraqueceu-a e transformou-a em um fantoche a seu serviço. Agora ele pode aplicar suas políticas clássicas de ajuste, despovoamento e guerra sob o pretexto de defender os direitos das minorias e do planeta.

Se o Ocidente, incluindo a periferia americana, não implodiu com a destruição da indústria, a queda brutal dos padrões de vida, pandemias altamente suspeitas, imposições de dissolução e ideologias antipopulares e, finalmente, a guerra, é porque o ativismo político foi cooptado pelo próprio sistema que afirma combater.

Focado na luta contra um fascismo inexistente, o controle é absoluto porque aqueles que escapam destas ideias são canalizados para a crítica antissistema libertária, que não é nada mais do que uma fábula projetada com o propósito de capturar inconformistas sem treinamento político. Estes, por sua vez, lutam contra um comunismo que, como vimos, não existe e nada mais é do que uma expressão do próprio sistema que afirmam defender.

Os libertários estão divididos em diferentes dissidências controladas pelo mesmo poder que manipula a esquerda e o progressismo. Eles desconhecem que suas ideias econômicas são incompatíveis com uma sociedade moderna complexa, onde suas propostas nada mais são do que utopias irrealizáveis que são habilmente exploradas pelo setor mais concentrado.

O exemplo patético dado pelo bolsonarismo, empenhado na luta contra o comunismo e contra a China, quando na realidade eles foram enganados pelos EUA, mostra até onde os valores antiglobalização não irão se não forem enquadrados em uma estrutura política adequada.

Os bolsonaristas manipulados pelos EUA (e Israel), contra os lulistas controlados pelos mesmos, mostram como a dissidência não existe, assim como a luta contra o fascismo e o comunismo é irreal. Um falso confronto que distrai e divide, e pode até mesmo levar um país à sua própria destruição através da revolução das cores.

A instalação de conceitos emotivos como “odiadores” e a abordagem das divergências de “cancelamento” dão a um setor as ferramentas para gerar confronto simplesmente porque não estão preparados para debater com seus adversários. Como com o odiador fascista não há discussão, eles simplesmente nunca descobrem o que o outro pensa.

Do outro lado, a enorme confusão entre o comunismo soviético desaparecido, a incompreensão de processos regionais mais nacionalistas que socialistas, a falta de compreensão de como funciona o confucionismo, que eles confundem com o marxismo, fecha o círculo.

Fora desta equação estão aqueles que tentam se mostrar fora desta disputa, nacionalistas com uma concepção do Estado como protagonista, defensores dos costumes tradicionais, que têm sido atacados de ambos os lados. É neste setor que se encontram mais elementos antissistema, mas eles estão passando por enormes dificuldades porque foram banidos de todos os meios de comunicação e redes sociais.

Os debates entre esquerdistas e libertários são uma ocorrência diária na mídia, mas os verdadeiros nacionalistas são quase impossíveis de ver, eles não são levados em conta e isso por si só explica sua relação com o poder real.

Outro problema neste grupo é uma certa altivez e arrogância para com seus adversários, geralmente devido a uma melhor educação cultural e política, que esconde um certo ar de individualismo e vedetismo.

As forças deste setor devem entender que não basta ser testemunho, que elas não só devem se unir, mas também tornar seus pensamentos conhecidos por todos os meios possíveis, ao mesmo tempo em que são receptivas às dos outros dois grupos que estão desorientados.

A construção de uma força requer atingir uma massa crítica que precisa empregar uma boa dose de inteligência e praticidade, juntamente com um modelo abrangente e abrangente.

Embora os setores nacionalistas sejam os mais antissistêmicos, eles lutam contra o poder real e todas as suas ferramentas em condições desfavoráveis. Mas como nunca antes, eles têm um contexto internacional muito favorável, onde o modelo multipolar se posiciona contra a hegemonia anglo-saxônica com enormes chances de sucesso. É hora então de se preparar para o desafio conquistando mentes e corações que estão confusos, mas que precisam de orientação.

Imagem padrão
Marcelo Ramírez

Analista geopolítico e diretor da AsiaTV.

Artigos: 24

Deixar uma resposta