Apenas a Pluralidade de Informação pode impedir a Guerra

A mídia de massa ocupa um papel central na manutenção da hegemonia ideológica liberal: ela atua como uma espécie de “clero”, portadora da verdade absoluta do regime e encarregada do silenciamento, da censura e da imposição do politicamente correto. Nessa função, é a mídia a principal responsável por insuflar publicamente o tipo de decisão que aproxima o Ocidente de provocar uma guerra mundial.

Após a Segunda Guerra Mundial, o direito internacional moderno foi estabelecido com a ideia de combater a “propaganda de guerra” (Resolução 110 da Assembleia Geral das Nações Unidas de 3 de novembro de 1947 [1] e Resolução 381 de 17 de novembro de 1950 [2]). Os legisladores internacionais, ou seja, Estados soberanos, logo concordaram que a guerra só poderia ser combatida assegurando o “livre fluxo de ideias” (Resolução 819 de 11 de dezembro de 1954 [3]).

Nos últimos anos, porém, temos testemunhado um extraordinário recuo que nos priva do pensamento dos outros, nos expõe à propaganda de guerra e, em última instância, nos leva a um conflito global.

Este fenômeno começou com a censura privada às redes sociais do atual presidente dos Estados Unidos, e continuou com a censura pública à mídia russa no Ocidente. Agora os pensamentos dos outros não são mais vistos como uma ferramenta para evitar guerras, mas como um veneno que nos ameaça.

Os estados ocidentais estão criando órgãos para “retificar” informações que consideram falsificadas (Fake News) [4]. A OTAN está considerando a criação de uma unidade, chamada Information Ramstein, que será responsável por censurar não as fontes de informação russas, mas as ideias russas dentro dos 30 Estados membros da Aliança Atlântica [5].

Esta é uma completa inversão dos valores da Aliança Atlântica, que foi fundada na esteira da Carta Atlântica, que incorporou as “quatro liberdades” do Presidente Franklin Roosevelt. A primeira destas liberdades foi a liberdade de expressão.

Entretanto, antes da invenção da Internet, quando os Estados Unidos e a União Soviética tinham acabado de garantir a “livre circulação de ideias” com os Acordos de Helsinque, as Nações Unidas e mais particularmente sua agência neste campo, a UNESCO, estavam preocupadas com o “imperialismo da informação”. A superioridade técnica do Ocidente permitiu-lhes impor sua visão dos fatos aos países em desenvolvimento.

Em 1976, durante a conferência de Nairobi, a ONU levantou a questão do funcionamento da mídia no que diz respeito ao “fortalecimento da paz e do entendimento internacional, à promoção dos direitos humanos e à luta contra o racismo, o apartheid e o incitamento à guerra”.

O ex-ministro irlandês das Relações Exteriores e Prêmio Nobel da Paz Seán MacBride formou uma comissão de 16 membros na Unesco. Ela incluía o francês Hubert Beuve-Mery (fundador do Le Monde), o colombiano Gabriel García Márquez (Prêmio Nobel de Literatura) e o canadense Marshall McLuhan (teórico da comunicação). Os Estados Unidos foram representados por Elie Abel, então reitor da Escola de Jornalismo da Universidade de Columbia, e a Rússia pelo diretor da agência Tass, Sergei Losev. Somente a quinta e última parte do relatório (Communication Tomorrow) foi objeto de um debate geral. A comissão MacBride discutiu a minuta das outras partes, mas não pôde questionar sua redação final. De qualquer forma, seu relatório, emitido em 1978, parecia ser um consenso.

De fato, ao apontar que os mesmos fatos podem ser percebidos de maneira diferente e ao abrir a questão dos meios de comunicação do Norte e do Sul, ele estava abrindo uma caixa de Pandora. Ao mesmo tempo, a Unesco foi confrontada com a propaganda do regime do apartheid sul-africano e a propaganda de Israel, que nega as culturas muçulmana e cristã. No final, os Estados Unidos e o Reino Unido encerraram o debate, retirando-se da Unesco. Sabemos hoje que o Império Britânico havia garantido seu domínio intelectual através da criação de agências de notícias. Whitehall fechou o Departamento de Pesquisa de Informação (IRD) pouco antes da publicação do relatório MacBride [6]. Mas a guerra contra a Síria mostrou que todo o sistema foi reconstituído de outra forma [7]. Os ocidentais continuam a falsificar informações em sua fonte.

Em quarenta anos, o cenário da mídia foi transformado: o surgimento de canais de notícias televisivas internacionais, websites e redes sociais. Ao mesmo tempo, houve uma enorme concentração da mídia nas mãos de alguns poucos proprietários. No entanto, nenhum dos problemas listados em 1978 mudou. Pelo contrário, com o mundo unipolar, eles se agravaram.

A profissão jornalística consiste hoje em escrever reportagens de agências ou contextualizar as notícias para a mídia. As agências de notícias são factuais e sem recursos, enquanto que a mídia oferece comentários e análises, referindo-se às agências de notícias. A contextualização requer um grande conhecimento histórico, econômico e outros, que os jornalistas de hoje estão em grande parte carentes. O imediatismo do rádio e da televisão não lhes dá tempo para ler livros e muito menos para consultar arquivos, exceto durante investigações aprofundadas. Comentários e análises tornaram-se assim consideravelmente empobrecidos.

A ideologia dominante no Ocidente, que tende a se tornar “global”, se tornou uma religião sem Deus. Existem agora apenas dois campos: o do Bem e o dos apóstatas. A verdade é determinada por um consenso entre as elites, enquanto o povo a rejeita. Qualquer crítica é considerada blasfêmia. Não há mais espaço para o debate e, portanto, para a democracia.

A imprensa alternativa tornou-se tão pobre porque se baseia nos mesmos dados que a mídia internacional: reportagens de agências de notícias. De fato, basta controlar a AFP, AP e Reuters para nos impor uma visão dos fatos. Você pode temperá-la de acordo com esta ou aquela tendência, republicana ou democrata, conservadora ou progressista, etc., mas será sempre o mesmo prato.

Desde os ataques de 11 de setembro, aqueles que desafiam a versão oficial dos eventos têm sido chamados de “teóricos da conspiração”. Desde a eleição de Donald Trump, aqueles que contestam os dados das agências de imprensa são acusados de distorcer a realidade e imaginar a Fake News. Os jornalistas, após se absterem de transmitir os pensamentos dos “conspiradores”, ou seja, dissidentes, tentam corrigir o Fake News com o Checked News.

No entanto, ao mesmo tempo, a crença nas versões dos principais meios de comunicação caiu. Nos Estados Unidos, o Gallup Institute tem medido a confiança na mídia impressa desde 1973 e na mídia de radiodifusão desde 1993. A confiança nos jornais caiu de 51% para 16%, e a confiança no rádio e na televisão caiu de 46% para 11%.

A única solução é aumentar o número de agências de notícias, ou seja, as fontes de informação. Não para torná-las numerosas, mas diversas. Só então perceberemos que a forma como um evento é relatado determina a maneira como pensamos sobre ele.

Por exemplo, hoje as três agências de notícias mencionadas acima apresentam o conflito na Ucrânia como uma “invasão russa”. Elas afirmam que Moscou não conseguiu tomar Kiev e derrubar o Presidente Zelenky, mas comete crimes de guerra todos os dias. Esta é uma forma de encarar o conflito. Não temos meios para publicar despachos o tempo todo, mas publicamos um boletim semanal idêntico [8]. Nosso critério é diferente. Nos referimos ao “Direito Internacional” e não às “regras” ocidentais. Portanto, descrevemos o mesmo conflito que a aplicação da resolução 2202 do Conselho de Segurança e a “responsabilidade de proteger” as populações oprimidas desde 2014. Os eventos são os mesmos, mas para alguns a forma como eles lhes dizem leva a pensar que os russos estão errados, enquanto os nossos levam a pensar que a posição russa é legal. Para dizer a verdade, há outra diferença: nós interpretamos os fatos ao longo do tempo. Para nós e para o Conselho de Segurança, houve uma guerra civil na Ucrânia durante oito anos com 20.000 mortes, as três principais agências fingem ignorá-la. Para nós, os “nacionalistas integrais” têm uma longa história criminal, tendo custado a vida de 4 milhões de seus concidadãos, as agências ocidentais também fingem ignorá-la [9].

Esta diferença pode ser aplicada a todos os sujeitos. Por exemplo, as principais agências de notícias nos dizem que o Ocidente impôs sanções para punir a Rússia por invasão da Ucrânia. Não lemos os acontecimentos desta maneira. Mais uma vez, referindo-se ao “Direito Internacional” e não às “regras” ocidentais, notamos que as decisões dos anglo-saxões e da União Europeia violam a Carta das Nações Unidas. Não se trata de “sanções”, já que não houve julgamento, mas de armas econômicas para fazer guerra contra a Rússia, assim como os castelos foram sitiados no passado para matar à fome aqueles que ali se refugiaram.

Cada diferença na interpretação dos acontecimentos provoca outra. Por exemplo, quando apontamos que as pseudo-sanções ocidentais não foram endossadas pelo Conselho de Segurança, nos dizem que isso é bastante normal, já que a Rússia tem direito de veto no Conselho. Isto é para esquecer por que a ONU foi organizada da maneira que estava. Seu objetivo não é dizer o que é certo, mas evitar guerras. Foi precisamente isto que permitiu ao Conselho adotar a resolução 2202 para resolver a guerra civil na Ucrânia. Entretanto, o Ocidente, apesar do compromisso da Alemanha e da França, não a aplicou, forçando a Rússia a intervir.

Poderíamos continuar eternamente com esta dupla leitura. O importante a lembrar é que a apresentação dos fatos muda radicalmente a maneira como eles são percebidos. Para concluir, convido-os a encontrar agências de notícias que descrevam os fatos à sua própria maneira e não à maneira de nossos líderes. É desta forma e não através de um glossário de informações tendenciosas que recuperaremos nossa lucidez.

Notas

[1] “Resolution 110 (II) of the General Assembly of the United Nations”, Voltaire Network, 3 November 1947.
[2] “Condemnation of propaganda against peace”, Voltaire Network, 17 November 1950.
[3] “Strengthening of peace through the removal of barriers to free exchange of information and ideas”, Voltaire Network, 14 December 1954.
[4] “The West renounces freedom of expression”, by Thierry Meyssan, Translation TheAltWorld, Voltaire Network, 10 November 2022.
[5] “A ’Ministry of Truth’ soon to be created within NATO”, Voltaire, international News, n°16, 25 November 2022.
[6] Britain’s secret propaganda war, Paul Lashmar & James Oliver, Sutton Publishing, 1998. IRD. Origins and Establishment of the Foreign Office Information Research Department, 1946-48, Historians IRD, History Notes #9, August 1995.
[7] “The fabrication of the myth of the “Syrian revolution” by the United Kingdom”, by Thierry Meyssan, Translation Roger Lagassé, Voltaire Network, 25 February 2020.
[8] Voltaire, International News is a weekly newsletter published in six languages: German, English, Spanish, French, Italian and Dutch.
[9] “Who are the Ukrainian integral nationalists ?”, by Thierry Meyssan, Translation Roger Lagassé, Voltaire Network, 15 November 2022.

Fonte: Voltaire Network

Imagem padrão
Thierry Meyssan

Intelectual francês, presidente e fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace, é autor de diversos artigos e obras sobre política externa, geopolítica e temas correlatos.

Artigos: 24

Deixar uma resposta