O Declínio do Ocidente: Spengler no Mundo de Hoje

No início do século XX, ao final da Primeira Guerra Mundial, o polímata alemão Oswald Spengler publicou o clássico O Declínio do Ocidente, que narrava os padrões na ascensão e queda das civilizações. Necessário retornarmos ao autor para ver em que medida suas ideias permanecem atuais.

A atemporalidade do pensamento e da visão na política mundial é um sinal raro de grandeza. O Declínio do Ocidente de Oswald Spengler, escrito há um século, merece esta distinção porque se lê como se tivesse sido escrito ontem.

O historiador-filósofo alemão escreveu em 1922 que a secular civilização euro-ocidental-americana estava em permanente e irremediável declínio em todas as manifestações da vida, incluindo religião, arte, política, vida social, economia e ciência. Para ele, as dimensões política, social e ideológica deste declínio eram evidentes nos fracassos da classe política ocidental de ambos os lados do Atlântico. Ele viu os políticos, em sua maioria baseados nas grandes cidades, consumidos pela ideologia e desprezo pelas maiorias silenciosas e os descreveu como “uma nova espécie de nômade, coagulando incessantemente em massas fluidas, o parasita habitante da cidade, desprovido de tradição, totalmente desprovido de fatos, desprovido de religião, inteligente, mal sucedido e profundamente desprezador do compatriota”. Hoje, a liderança da União Europeia (UE) sediada em Bruxelas, através de seu recorrente desprezo pela soberania nacional, se enquadra plenamente nesta definição.

Spengler acreditava que a decadência na política significava o domínio da ideologia sobre a ação. “Homens de teoria cometem um enorme erro ao acreditar que seu lugar é à frente e não na esteira de grandes eventos”, escreveu ele, desconhecendo como isso é verdade hoje, pois acabamos de testemunhar a queda da primeira-ministra britânico Truss que sacrificou a economia no altar da ideologia. O dogma que destrói a coesão social e a prosperidade também está presente na destruição da competitividade produtiva da Europa, quando seus políticos negam à força a energia russa barata, ou quando a Lituânia liliputiana entra em conflito com a China em defesa da “soberania” de Taiwan. Diante desses acontecimentos, o pensador alemão repetiria sua afirmação de que “o doutrinador político… sempre sabe o que deve ser feito e, no entanto, sua atividade, uma vez que deixa de ser limitada ao papel, é a menos bem sucedida e, portanto, a menos válida da história”.

Quando ouvimos o ministro alemão da Economia, Harbeck, ou sua homóloga das Relações Exteriores, Baerbock, dar uma palestra sobre a primazia da agenda verde ou sobre como o apoio militar à Ucrânia deve continuar, independentemente da opinião dos eleitores, não podemos deixar de nos lembrar da pergunta severa do escritor: “[têm eles] alguma ideia da atualidade da política mundial, dos problemas das cidades mundiais, do capitalismo, do futuro do Estado, da relação entre a tecnologia e o curso da civilização, da Rússia, da ciência?”

A “ordem internacional baseada em regras”, esse axioma ocidental nascido da euforia pós Guerra Fria e usado para justificar o hegemonismo liderado pelos EUA, nos lembra o aforismo do escritor de que “nada é mais fácil do que fazer das boas ideias a base de um sistema”. “Mesmo uma boa ideia tem pouco valor quando enunciada por um burro solene” vem à mente quando ouvimos o Presidente da Comissão Europeia von der Leyen ou o Comissário de Relações Exteriores da UE Borrell repetindo o mesmo mantra. “Na política, somente sua necessidade de vida decide a eminência de qualquer doutrina”, algo que tem sido esquecido enquanto a Europa segue cegamente os EUA em uma guerra econômica que está arruinando o continente.

Com relação ao confronto Oriente-Ocidente em relação à China, Spengler apontou a tradicional falta de compreensão por parte dos políticos ocidentais dos principais motores do pensamento chinês, que têm a ver com uma visão de 4000 anos de história e seu lugar no mundo, em oposição ao estreito período de tempo ocidental absorvido pelos eventos ocorridos desde 1500. A percepção ocidental da história nega a história do mundo, diz ele, acrescentando que a história do mundo, aos olhos do Ocidente, é a nossa imagem do mundo e não a de toda a humanidade.

O excepcionalismo americano, a noção perigosa de que os valores, o sistema político e a história dos Estados Unidos o destinam a desempenhar o papel de líder mundial, foi desafiado quando ele apontou que existem tantas morais quanto as Culturas, nem mais nem menos, e que cada Cultura tem seu próprio padrão, cuja validade começa e termina com ele, uma declaração que explica a necessidade de um mundo multipolar. Por mais politicamente correto que tenha se tornado criticar as ideias de Nietzsche após sua apropriação pela ideologia nazista, Spengler argumentou que o conceito fundamental de Nietzsche da vontade de poder é essencial para a civilização ocidental, e isto é consistente com a crença ocidental na superioridade de seus próprios valores e na necessidade de impô-los a outras culturas. “A humanidade ocidental está sob a influência de uma imensa ilusão ótica. Todos exigem algo dos outros. Dizemos ‘tu deves’ na crença de que assim e assim de fato será, pode e deve ser alterado ou moldado ou arranjado de acordo com a ordem, e nossa crença tanto na eficácia quanto em nosso direito de dar tais ordens é inabalável”.

Dinheiro, política e imprensa desempenham um papel íntimo na civilização ocidental, declara Spengler. Na política, o dinheiro “cura” o processo democrático, particularmente durante as eleições, como no caso recorrente dos Estados Unidos. A imprensa serve àqueles que o possuem e não divulga opiniões “livres”, mas as gera. “O que é verdade? Para a multidão, aquilo que eles leem e ouvem continuamente”. Com relação à liberdade de imprensa, somos lembrados que qualquer pessoa pode dizer o que quiser, mas a imprensa é livre para tomar nota ou não do que ela diz. A imprensa pode condenar à morte qualquer “verdade” simplesmente por não empreender sua comunicação ao mundo – “uma terrível censura do silêncio que é ainda mais poderosa porque a massa de leitores de jornais desconhece completamente sua existência”.

Há paralelos impressionantes entre a pobreza das cidades americanas de hoje e sua observação de Roma no tempo de Crasso, que como especulador imobiliário também faz lembrar Donald Trump. Os habitantes de Roma são retratados vivendo “em terrível miséria nos bairros residenciais de vários andares de bairros obscuros”, uma desgraça diretamente relacionada às consequências do expansionismo militar romano e reminiscente das condições atuais em Detroit, Cleveland ou Newark.

O Declínio do Ocidente foi lido pela primeira vez como o epílogo da Primeira Guerra Mundial, a guerra que acabou com todas as guerras. Esperemos que não seja lido no mundo de hoje como a introdução de uma nova calamidade.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Oscar Silva-Valladares

Consultor estratégico de investimento em mercados emergentes.

Artigos: 24

Deixar uma resposta