O Papel da Corporação RAND na Planificação da Guerra e da Crise Energética

Um vazamento da Corporação RAND indica que as provocações ucranianas contra a Rússia foram premeditadas e que o principal objetivo dos EUA era fazer a Europa colapsar.
  • No que parece ser um vazamento interno excepcional do laboratório de ideias RAND Corporation, conhecido entre outras coisas por ter estado por trás da estratégia americana para as políticas externa e de defesa durante a Guerra Fria, é apresentado um relato detalhado de como a crise energética na Europa foi planejada pelos Estados Unidos.
  • O documento, que data de janeiro, reconhece que a política externa agressiva que estava sendo seguida pela Ucrânia antes do conflito levaria a Rússia a ter que tomar medidas militares contra o país. Seu objetivo real, afirma, era pressionar a Europa a adotar uma ampla gama de sanções contra a Rússia, sanções que já haviam sido preparadas.
  • A economia da União Europeia, afirma, “entrará inevitavelmente em colapso” como resultado disso, e seus autores se alegram com o fato de que, entre outras coisas, recursos de até 9 bilhões de dólares retornarão aos Estados Unidos, e jovens bem educados na Europa serão forçados a emigrar.
  • O principal objetivo descrito no documento é dividir a Europa – especialmente a Alemanha e a Rússia – e destruir a economia europeia, colocando idiotas úteis em posições políticas para impedir que o abastecimento energético russo chegue ao continente.

O laboratório de ideias da RAND Corporation, que tem uma enorme força de trabalho de 1.850 funcionários e um orçamento de 350 milhões de dólares, tem o objetivo oficial de “melhorar as políticas e a tomada de decisões através de pesquisa e análise”. Está principalmente ligado ao Departamento de Defesa dos Estados Unidos e é infame por ter sido influente no desenvolvimento de estratégias militares e outras durante a Guerra Fria.

Um documento assinado RAND, sob o título de abertura “Enfraquecendo a Alemanha, Fortalecendo os EUA”, sugere que há uma “necessidade urgente” de um influxo de recursos do exterior para manter a economia americana em geral, mas “especialmente o sistema bancário”.

“Somente os países europeus vinculados aos compromissos da UE e da OTAN podem nos fornecer esses recursos sem custos militares e políticos significativos para nós”.

Segundo RAND, o principal obstáculo a esta ambição é a crescente independência da Alemanha. Entre outras coisas, ele aponta que Brexit deu à Alemanha maior independência e tornou mais difícil para os Estados Unidos influenciar as decisões dos governos europeus.

Um objetivo-chave que permeia esta estratégia cínica é, em particular, destruir a cooperação entre a Alemanha e a Rússia, bem como a França, que é vista como a maior ameaça econômica e política para os Estados Unidos.

“Se implementado, este cenário acabará por transformar a Europa não só em um concorrente econômico, mas também político dos Estados Unidos”, declara.

A única maneira: “Levar os dois lados à guerra com a Ucrânia”

A fim de esmagar esta ameaça política, é apresentado um plano estratégico, focado principalmente na destruição da economia alemã.

“Parar as entregas russas poderia criar uma crise sistemática que seria devastadora para a economia alemã e indiretamente para a União Europeia como um todo”, afirma, e acredita que a chave é atrair os países europeus para a guerra.

“A única maneira possível de garantir que a Alemanha rejeite o fornecimento de energia russo é atrair ambos os lados para o conflito militar na Ucrânia. Nossas ações contínuas neste país levarão inevitavelmente a uma resposta militar da Rússia. É evidente que a Rússia não vai deixar à pressão maciça do exército ucraniano sobre a República Popular de Donetsk sem uma resposta militar. Isto permitiria retratar a Rússia como a parte agressiva e depois implementar todo o pacote de sanções, que já foi elaborado”.

Os partidos verdes forçarão a Alemanha a “cair na armadilha”

Os partidos verdes na Europa são descritos como sendo particularmente fáceis de manipular para executar os recados do imperialismo americano.

“O pré-requisito para a Alemanha cair nesta armadilha é o papel dominante dos partidos verdes e das ideologias europeias. O movimento ambientalista alemão é um movimento altamente dogmático, se não fanático, o que torna muito fácil fazê-los ignorar os argumentos econômicos”, escreve, citando como exemplos deste tipo de político o atual ministro das relações exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, e o ministro do clima, Robert Habeck.

“Características pessoais e falta de profissionalismo permitem supor que é impossível para eles reconhecer seus próprios erros a tempo. Serei, portanto, suficiente para formar rapidamente uma imagem midiática da guerra agressiva de Putin – e fazer dos Verdes ardentes e duros apoiadores das sanções – um ‘partido de guerra’. Isto tornará possível impor as sanções sem nenhum obstáculo”.

Baerbock é bem conhecida por declarar que continuará a suspensão do gás russo mesmo durante o inverno – independentemente do que seus constituintes pensarem sobre o assunto e das consequências para a população alemã.

Estaremos com a Ucrânia, e isto significa que as sanções permanecerão, também no inverno – mesmo que fique realmente difícil para os políticos, disse ela recentemente em uma conferência em Praga.

“Idealmente – uma parada completa dos suprimentos”

Os autores expressam a esperança de que os danos entre a Alemanha e a Rússia sejam tão grandes que tornem impossível para os países o restabelecimento de relações normais mais tarde.

“Uma redução no fornecimento de energia russa – idealmente, uma parada completa de tais fornecimentos – levaria a resultados desastrosos para a indústria alemã. A necessidade de desviar quantidades significativas de gás russo para o aquecimento no inverno agravará ainda mais a escassez. Os bloqueios em empresas industriais causariam escassez de componentes e peças de reposição para a fabricação, uma quebra das cadeias logísticas e, eventualmente, um efeito dominó”.

Em última análise, um colapso total da economia na Europa é visto como provável e desejável.

“Não só isso dará um golpe devastador para a economia alemã, como toda a economia da UE entrará inevitavelmente em colapso”.

Aponta ainda que os benefícios das empresas sediadas nos EUA que têm menos concorrência no mercado mundial, vantagens logísticas e a saída de capital da Europa, significariam que elas seriam capazes de contribuir para a economia dos Estados Unidos em cerca de 7 a 9 trilhões de dólares. Além disso, também enfatiza o importante efeito de muitos europeus bem instruídos e jovens europeus serem forçados a imigrar para os EUA.

RAND nega ter originado o relatório

A RAND Corporation emitiu um comunicado de imprensa na quarta-feira negando que o relatório tenha origem deles. Nenhum comentário é feito sobre quais partes do relatório são falsas ou precisas, além de simplesmente escrever que o conteúdo é “bizarro” e que o documento é “falso”.

Fonte: Nyadagbladet

Imagem padrão
Markus Andersson

Jornalista sueco.

Artigos: 10

Deixar uma resposta