EUA: a estabilidade de Lula à disruptividade de Bolsonaro

O imperialismo deixou claro as suas preferências pelo petista. Isso, contudo, não depõe a favor de Bolsonaro.

O imperialismo deixou claro as suas preferências pelo petista. Isso, contudo, não depõe a favor de Bolsonaro.

A Globo instrumentalizou o antipetismo durante as manifestações que pediam o impeachment de Dilma (2015), pois acreditava que, com a queda do PT pelo lava-jatismo, algum abutre do mercado financeiro do PSDB assumiria o governo. Não contava com a ascensão do bolsonarismo.

Esse é um dos motivos pelos quais, impossibilitada de emplacar uma “terceira via”, a Globo aderiu completamente à chapa Lula-Alckmin. O outro motivo foi a sinalização de seus patrões do imperialismo: os EUA preferem Lula-Alckmin à instabilidade de Bolsonaro.

Por razões que não iremos comentar, os EUA estão muito preocupados com o nosso processo eleitoral. Os ianques não nos querem duvidando de nada. Até enviaram William Burns, diretor da CIA, para ordenar que Bolsonaro parasse de levantar dúvidas sobre as urnas, segundo a Reuters.

A esquerda, por sua vez, já completamente colonizada pelo globalismo e absorvida pela classe dominante, aplaude ou faz vista grossa para todos estes fatos. Repete sem puderes os slogans do Império sobre “democracias vs. autocracias”. Faz o jogo do imperialismo.

Imagem padrão
Nova Resistência
Artigos: 593

Deixar uma resposta