Escapar da Armadilha Progressismo/Libertarianismo proposta pelo Sistema Globalista

Ventos de mudança sopram da Eurásia, afetando até mesmo o nosso continente. Cansados do liberalismo globalista e cientes da armadilha de pretender retornar ao comunismo e ao fascismo, os ibero-americanos buscam uma alternativa em versões atualizadas de seus antigos patriotismos populares.

Algo está definitivamente mudando. A Sputnik publicou uma nota na qual se refere a algo que já era conhecido em alguns círculos, mas que não chegou à grande imprensa. [1] O filósofo e analista geopolítico Alexander Dugin, pai da tristemente célebre Daria Dugina, assassinada por ordens provavelmente dadas de Kiev e Washington, tem visto sua influência crescer nos países de língua espanhola, e agora também nos de língua portuguesa. Dugin é uma figura controversa que tem sido notada como próxima do presidente russo Putin, embora ele tenha sido alienado de sua comitiva após sua posição de linha dura sobre a Crimeia e a Ucrânia nos eventos de 2014. Apesar disso, Dugin está de volta em sintonia com o Kremlin desde que a nova Operação Militar Especial começou, em 24 de fevereiro deste ano.

O pensador russo acima mencionado é uma figura reconhecida em seu país, mas não no nível que alcançou nestas nações. Um velho conhecido da Argentina, país que ele visitou em várias ocasiões, ele apontou sua proximidade com a terceira posição do peronismo ortodoxo, que difere do marxismo e do capitalismo. Dugin apresenta a Quarta Teoria Política na qual ele explica que o fascismo e o comunismo nada mais são do que expressões derrotadas pelo liberalismo.

Ele também rejeita a modernidade e o que ela traz consigo no campo dos valores culturais (mas não no campo da tecnologia, um erro comum), pedindo um retorno de seu país às suas tradições como uma forma de combater o processo de globalização cultural atlantista. De acordo com suas ideias, o mundo está caminhando para uma multipolaridade na qual os Estados serão agrupados por ecúmenes que lhes permitem manter seus costumes e identidade.

Aí residem os Impérios contentores, diferenciados dos depredadores como o britânico e nesta visão, o mundo de língua espanhola ou iberofônica, como aponta o espanhol Armesilla, tem um lugar reservado ao lado de outros espaços, como o mundo islâmico, russo, chinês ou indiano, entre outros grandes espaços civilizacionais.

Dugin foi assim rotulado de fascista ou comunista, e até mesmo satanista por alguns expoentes do modelo libertário patrocinado pelo globalismo, embora seja crítico deste setor na superfície.

Entretanto, diante do fracasso do liberalismo na “esquerda” e na “direita”, suas ideias estão começando a ganhar terreno. As sociedades estão fartas de um mundo sem valores e regras morais, que também combina esta decadência com um declínio econômico permanente e cada vez mais acelerado.

A ausência de ideias transcendentes, o excesso de economicismo e materialismo e a imposição de extremo individualismo abriram as portas para um fenômeno inimaginável até recentemente.

As palavras de Vladimir Putin em 30 de setembro, palavras posteriormente revalidadas em um discurso no Clube Valdai, um laboratório de ideias intelectual russo, apresentaram um importante eixo de diferenciação entre os valores culturais ocidentais, com sua pluralidade de gêneros na vanguarda e os tradicionais. Quando Putin adverte que a Rússia não aceitará dizer progenitor 1 e 2 em vez de mãe e pai, ele não teve um surto ou está preocupado com questões menores, suas palavras refletem o pensamento de muitos expoentes na Rússia, como Mikhailov, Fursov e o próprio Dugin, os mais conhecidos na região, como já dissemos.

Putin apresenta então uma posição civilizacional que explica que a guerra é muito mais do que economia, mais ainda do que uma velha rivalidade com os atlantistas, a guerra contra a OTAN é parte de um novo modelo internacional que não aceita a submissão ao modelo anglo-saxão, muito menos seus valores. A propaganda ocidental nega e distorce essas ideias, que estão começando a se refletir em outras esferas.

No Peru, as ideias de Dugin, mesmo em termos gerais, também estão tomando forma nas forças armadas peruanas. O grupo peruano liderado pelo sociólogo de Cajamarca Carlos Mamani Aliaga ostenta regularmente pessoal militar e ex-militar interessado nesta visão do mundo.

O Brasil também está começando a trabalhar neste espaço. O pessoal da Nova Resistência, liderado pelo advogado Raphael Machado, expressa um nacionalismo que coincide com a rejeição dos valores globalistas.

Neste país, o movimento é bastante sólido e crescente em importância, com números com centenas de milhares de seguidores como Robinson Farinazzo e Rogério Anitablian, que dão a seus espaços em redes sociais a mesma perspectiva geral, com profundas análises geopolíticas e militares.

Um nacionalismo que se distancia do bolsonarismo em sua visão do Estado e das privatizações, refletindo as ações e o pensamento de Getúlio Vargas.

A chegada ao poder de uma onda progressista e de esquerda associada ao Pentágono, como Petro, Boric, os Fernandez, tem em comum um rival dentro do mesmo ecossistema político na forma de expressões libertárias, que desempenham o papel de reciclar os “liberais” desgastados.

O surgimento de nacionalistas inspirados pelas ideias de Dugin, Perón ou Vargas está começando a ser o germe de uma ameaça ao sistema de alternância e os acontecimentos que seguem a situação militar na Ucrânia estão criando rapidamente condições para que este setor cresça.

Não é segredo então dizer que as sociedades ocidentais estão cansadas de um sistema que não só deixou de trazer conforto a suas vidas, a tal ponto que vemos os países altamente desenvolvidos despencarem em seu padrão de vida. Mas não só isso, agora eles também estão vendo como isso destruiu seu modo de vida, golpeou suas famílias e pressionou seus filhos a concentrarem sua existência desde tenra idade em questões de gênero.

Esta proposta começou a ser exportada para países americanos, principalmente a partir dos EUA, Reino Unido e Espanha, e penetrou em seus Estados, que estão totalmente comprometidos com a implementação da agenda de gênero e ambiental.

Entretanto, ela não foi absorvida pelas sociedades que a rejeitam cada vez mais. O fato de Jair Bolsonaro, um político reconhecidamente histriônico, medíocre e sem consistência ideológica, ter conquistado a presidência brasileira, é uma explicação para isso. Bolsonaro, com toda a mídia contra ele, as universidades, a imprensa e a classe política tradicional, e apesar das previsões terríveis das urnas, não foi esmagadoramente derrotado por Lula, e devemos nos perguntar por quê. A resposta é óbvia: o povo brasileiro resiste à cultura globalista.

No entanto, Bolsonaro tem uma equipe econômica liderada por um economista ultraortodoxo como Paulo Guedes, que quer privatizar tudo o que puder. Qual é então a razão para o Sistema querer impor Lula se Bolsonaro lhe dá o que quer em matéria econômica?

Há várias explicações, mas a mais notória é certamente que Bolsonaro cometeu dois pecados imperdoáveis. A primeira é se opor à agenda transnacional de gênero e meio ambiente, a outra é ressuscitar ideias de patriotismo em seu país que mobilizam as massas.

O modelo de um país onde os pais dizem querer que seus filhos emigrem para um lugar com futuro, comum na Argentina progressista, tem encontrado uma oposição feroz no Brasil.

Não importa então que Bolsonaro seja um liberal econômico, ele está estabelecendo um sério precedente que poderia perturbar os planos das elites globais. Para piorar a situação, ele se viu isolado e com uma base eleitoral que impede uma reviravolta clássica da política local para se adequar a seus novos espaços.

Bolsonaro foi declarado persona non grata pela Casa Branca, que está claramente trabalhando para removê-lo do poder e substituí-lo por Lula. Isolado do Ocidente coletivo, que junto com Israel está enfrentando a Rússia, o Irã e a China, ele não teve outra escolha senão juntar-se a Putin.

Vemos então que as coincidências culturais mudaram sua agenda inicial de alinhamento com os EUA e hoje ele é visto como mais confortável no ressurgimento dos BRICS.

Dentro desta estrutura contextual, as ideias eurasianistas russas em todas as suas variantes, como as próprias palavras de Putin, começam a servir de guia para setores em crescimento em nossos países.

Escapar da armadilha do progressismo-libertarianismo proposto pelo sistema globalista é um imperativo que requer uma estrutura ideológica para orientar as propostas e dar forma a um movimento local, regional e internacional com as mesmas premissas, pelo menos em termos gerais, sobre o qual construir um modelo alternativo.

O multipolarismo está bem próximo, na verdade já está presente, mas precisa de consistência, uma ideologia que o diferencie do modelo globalista que está em apuros.

As velhas ideias de Vargas e Perón são consideradas com nostalgia, mas há necessidade de uma atualização e mais uma vez a Rússia está dando sua contribuição no campo das ideias.

Longe do fascismo e do marxismo, ambas ideias europeias, a nova Rússia, a Rússia dos valores tradicionais, está mostrando sinais que são complementares às ideias varguistas e peronistas.

Portanto, as ideias que começam a se fazer presentes combinam um pouco de cada uma, ainda não conhecemos seu futuro, mas isso não depende de Bolsonaro e suas chances eleitorais.

Se ele ganhar, será um golpe muito poderoso ao globalismo; se ele perder, uma semente de patriotismo ou nacionalismo, como se quiser entender, foi plantada, que certamente ganhará força no futuro próximo.

Os ventos da mudança estão definitivamente soprando no mundo.

Fonte: KontraInfo

Imagem padrão
Marcelo Ramírez

Analista geopolítico e diretor da AsiaTV.

Artigos: 10

Deixar uma resposta