A Geopolítica da Seca: As “Pedras da Fome” na Europa

O ano de 2022 fez a Europa ver a maior seca dos últimos 500 anos, com os níveis dos rios extremamente baixos. Os europeus voltaram a ver as “pedras da fome”, pedras submersas com marcações de nível de água que prenunciam a fome.

Logo que a economia da UE foi atingida por sanções antirrussas, um novo desastre atingiu a Europa: temperaturas sem precedentes. Este verão se tornou um dos mais quentes da história mundial. As consequências são terríveis: seca, exposição de “pedras da fome” nos estuários dos rios – símbolos de desgraça iminente e fracasso da colheita – contas exorbitantes de ar condicionado, milhares de hectares de florestas europeias engolidas por incêndios.

“Não houve outros eventos como a seca de 2018 nos últimos 500 anos. Mas este ano, eu acho que é pior”, disse Andrea Toreti, do Centro de Pesquisa Conjunto da Comissão Europeia.

As secas têm o potencial de provocar escassez de mercadorias, e isso contribui para a inflação.

“Os governos europeus estão tentando desesperadamente reduzir os efeitos prejudiciais do aumento dos preços da energia sobre a economia. Na França, o Estado planeja nacionalizar totalmente a empresa de energia nuclear Electricite de France SA, que está tendo problemas para manter suas usinas funcionando no calor abrasador”, observa Todd Gillespie, da Bloomberg.

O colapso das usinas nucleares na França é iminente; a temperatura da água nos rios é muito alta para resfriar os reatores. Vale a pena lembrar que a França é o segundo país do mundo com o segundo maior número de usinas nucleares e o primeiro em termos de participação da energia nuclear. Devido à seca atual, quase metade dos departamentos da França foi declarada no mais alto nível de “crise”, ou perigo vermelho. A água só pode ser usada para necessidades básicas: para cozinhar, saneamento, fins hospitalares e para apagar os incêndios, que também assolaram metade do país.

Um estado de emergência foi declarado no norte da Itália.

Ao mesmo tempo, no Reino Unido, uma temperatura recorde de todos os tempos, o termômetro subiu acima de 40 graus Celsius pela primeira vez. O Independent relata que a Aldi impôs uma cota de não mais que cinco garrafas de água engarrafada. A Espanha e a França também introduziram restrições à venda de água aos cidadãos, agricultores e à indústria. O jornal espanhol El Pais informa que as reservas atuais do reservatório estão em um nível baixo, com uma taxa de ocupação de 39%. A situação era semelhante em 1995.

A queda do nível das águas nas principais vias navegáveis da Europa pode paralisar a navegação. O Reno na Alemanha, uma importante via navegável de transporte, é agora em grande parte inutilizável para navegação: o nível da água caiu abaixo de 40 cm. Na Itália, o rio Pó secou, o Loire na França pode até mesmo ser atravessado caminhando.

O que isso significa para a Europa e o que podemos esperar? As secas são um duro golpe para a agricultura. As culturas de milho, girassol e uva estão em risco; um enorme setor pecuário está ameaçado: a água é transportada por helicópteros do exército para pastagens nos Alpes. Um grande fornecedor de azeitonas, a Espanha (que produz metade de todo o azeite de oliva do mundo), teve uma colheita pobre: não há água, as árvores não estão produzindo brotos jovens.

De acordo com a BBC, “a conta dos danos climáticos em 2022 chega a dezenas de bilhões de euros, mesmo que os danos não sejam superiores a 0,2% do PIB, já que a Europa Ocidental deverá produzir cerca de 20 trilhões de euros em bens e serviços este ano”.

Excluindo a seca, a Comissão Europeia previu uma desaceleração do PIB europeu para os países da UE, com um declínio para 1,5% até 2023 previsto para o início deste verão. O que acontecerá depois que esta seca atingir? Primeiro a UE foi abalada por uma crise pandêmica, depois por sanções anti-Rússia, agora por secas e desastres climáticos. O que acontecerá no inverno, quando as casas estiverem frias e o aquecimento for incomportável para as carteiras dos europeus?

A seca sem precedentes também sugere que ela pode ter sido provocada pelo homem. Os Estados Unidos desenvolveram todo um programa para administrar o clima. Um deles é o HAARP, um programa de pesquisa polar ativa de alta frequência que tem o potencial de causar inundações, furacões e terremotos. O HAARP é potencialmente uma ferramenta militar, capaz de desestabilizar seletivamente os sistemas agrícolas e ambientais de regiões inteiras. Já nos anos 70, o ex-assessor de segurança nacional Zbigniew Brzezinski escreveu o seguinte:

“A tecnologia colocará à disposição dos líderes das grandes potências técnicas de guerra secreta, das quais apenas o mínimo de forças de segurança terá que ser avaliado. Tecnologias de modificação do clima podem ser usadas para criar períodos prolongados de seca ou tempestades”.

O HAARP foi apresentado ao público como um programa de pesquisa científica e acadêmica. Entretanto, documentos militares americanos sugerem que o principal objetivo do HAARP é “explorar a ionosfera para fins do Departamento de Defesa” como um meio de alterar os padrões meteorológicos e interromper as comunicações e radares inimigos. Talvez os desastres naturais atuais na Europa não sejam totalmente coincidentes? A mudança climática exige um exame cuidadoso e imparcial.

The Guardian, em um artigo sobre ondas de calor recorde e os eventos de 2022, escreveu: “O relógio do dia do juízo final – um símbolo criado por cientistas para representar a probabilidade de um desastre causado pelo homem – nos diz que são apenas 100 segundos até a meia-noite, o mais próximo que chegamos do Armagedom em seus 75 anos de história. Ao mesmo tempo, ‘pedras da fome’ – pedras de rios e rochas nas quais os europeus costumavam deixar marcas de níveis de água e datas – apareceram nos rios rasos da UE. Estas pedras são avisos de antepassados de tempos difíceis devido à seca e à secagem dos rios. Tais marcações foram feitas já no século XV na Europa medieval. A última vez que os europeus viram tais ‘presságios de problemas’ foi durante a Primeira Guerra Mundial”. Uma destas pedras no rio Elba traz a inscrição “Chorem quando me virem”.

O British Daily Mail comparou a onda de calor sem precedentes e os incêndios em larga escala nos países da UE com o início do Apocalipse. A França foi obrigada a pedir ajuda da Alemanha, Polônia, Romênia e Itália para apagar um incêndio na Gironda, perto da cidade de Bordeaux. Valentin Dupy, que vive na aldeia de Belin-Beliet, disse ao Daily Mail que a região “se parece com o apocalipse”. “Há fumaça por toda parte … e os aviões estão jogando pó laranja no fogo”.

“Haverá grandes terremotos, fomes e epidemias em vários lugares, eventos terríveis acontecerão e grandes sinais aparecerão no céu”, diz o Evangelho de Lucas.

E nesta crise que abala a Europa: os países estão sendo mantidos reféns de uma proposta mal orientada para a russofobia. A Rússia poderia ter ajudado. Mas decidiram “cancelá-la”.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Daria Dugina

Filha do professor Aleksandr Dugin, Daria Dugina é jornalista e doutoranda em Filosofia Política pela Universidade Estatal de Moscou.

Artigos: 10

Deixar uma resposta