Um Sistema de Censura Global: O Delírio de Jacinda Ardern

Em seu último discurso na ONU, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, defendeu um sistema de censura global para combater a “desinformação” e os “discursos de ódio”. Na prática, o que ela quer é um “Ministério da Verdade” a nível global.

A última – em ordem cronológica – conclamação desesperada para controlar a opinião vem de Jacinda Ardern, primeira-ministra progressista da Nova Zelândia conhecida por muitos por algumas das abordagens mais autoritárias e discriminatórias do mundo para conter a pandemia de Covid-19, chegando ao ponto de ameaçar qualquer um que se opusesse ao lockdown de ser detido em instalações ad hoc por semanas.

Ardern, autocongratulando-se com as decisões tomadas, afirma que a pandemia tem sido uma oportunidade educativa para toda a humanidade, afirmando que ela chamaria novamente a atenção para o significado da ação coletiva ao destacar a interconectividade e a dependência que persiste entre os indivíduos.

A primeira-ministra da Nova Zelândia: “regulamentar a desinformação”

Enquanto se dirigia à Assembleia Geral da ONU, com a habitual abordagem passivo-agressiva que sempre a distinguiu, Jacinda Ardern, estreando na língua maori – porque da hipocrisia da Commonwealth nunca podemos fugir – abordou o velho e querido tema da “desinformação”. Um rótulo bem conhecido, a par das chamadas fake news úteis para a censura, com base em uma suposta verdade produzida pelo Ministério da Confiança, a opinião livre ou, Deus nos livre, pensamento crítico, chegando ao ponto de argumentar que esta “desinformação” deveria ser regulada da mesma forma que o armamento, as bombas e as armas nucleares são regulados.

A liberdade de pensamento é uma arma e deve ser restringida como tal

Este é o discurso da primeira-ministra da Nova Zelândia:

“Uma mentira online pode não matar pessoas como as armas precedentes, mas pode acabar sendo igualmente perigosa. E se essa mentira, dita repetidamente e em muitas plataformas, incita, inspira ou motiva outros a pegar em armas. Ameaçando a segurança dos outros. Fazendo vista grossa às atrocidades, ou pior, tornando-se cúmplice delas. O que então? […] Não é mais uma hipótese. As armas de guerra mudaram, estão ao nosso redor e exigem o mesmo nível de ação e atividade que nós colocamos nas armas do passado. […] Reconhecemos as ameaças criadas pelas antigas armas. Nós nos reunimos como uma comunidade para minimizar estas ameaças. Criamos regras, normas e expectativas internacionais.

[…] Como líderes, estamos justamente preocupados que mesmo as abordagens mais brandas à desinformação possam ser mal interpretadas como hostis aos valores da liberdade de expressão, que tanto valorizamos. Mas embora eu não possa lhes dizer hoje qual é a resposta a este desafio, posso dizer com absoluta certeza que não podemos ignorá-lo. Fazer isso representa uma ameaça igual aos padrões que todos nós valorizamos. […] Afinal de contas, como terminar com sucesso uma guerra se as pessoas são levadas a acreditar que a razão de sua existência não é apenas legal, mas nobre? Como você lida com a mudança climática se as pessoas não acreditam que ela existe? Como você garante que os direitos humanos dos outros sejam respeitados quando são submetidos a retórica e ideologia odiosa e perigosa?”

Retórica beligerante e emergencialismo emocional

Como se pode ver claramente, Ardern encarna e usa as palavras mágicas e conceitos-chave do politicamente correto, tudo temperado com a habitual retórica beligerante imersa em um constante estado de emergência emocional: “mentiras online” e “desinformação” também conhecidas como notícias falsas, “ameaças à segurança” em plena homenagem ao securitismo prevalecente nos campi americanos, “liberdades individuais” porque este é o tempo do autoritarismo do ego, “mudança climática”, “direitos humanos” e, dulcis in fundo, “ideologia odiosa e perigosa”. Aqui está a última face, por ordem de tempo, mas ainda anglo-saxônica, apresentável e sorridente da nova geração de censores. Por um momento, tente imaginar o mesmo apelo sincero da paladina liberal oceânica, proferido por um expoente não progressivo.

É verdade que as palavras podem ser armas, mas o mundo está dividido entre aqueles que têm o dedo no gatilho, prontos para censurar qualquer ponto de vista dissonante, e aqueles que deixaram a revista de ideias em casa, bem convencidos de que a política não é “sangue e merda” de jeito nenhum.

Fonte: Il Primato Nazionale

Imagem padrão
Valerio Savioli

Jornalista e escritor italiano

Artigos: 10

Deixar uma resposta