Giorgia Meloni: 5 Lições de sua Vitória na Itália

A vitória de Giorgia Meloni na Itália deve ser observada com atenção naquilo que ela representa para o contexto europeu e global. Como um todo, esse evento é parte de um processo generalizado de disputa entre globalistas e soberanistas. Resta verificar se muitos desses soberanistas não se revelarão traidores.

Ao momento de escrever, a coalizão liderada por Giorgia Meloni venceria com 41% a 45% dos votos nas eleições legislativas italianas, de acordo com as pesquisas de boca de urna.

O partido de Meloni, Fratelli d’Italia [Irmãos da Itália], sairia vitorioso nas eleições. A Itália está agora dando um passo decisivo. Pela primeira vez, uma mulher pode se tornar membro do executivo. Mostraria aos italianos e a toda a Europa que o centrismo globalista e europeu pode ser derrotado.

Um a um, os povos da Europa estão sacudindo o jugo da globalização. Devemos tentar aprender as cinco lições deste terremoto.

  1. A imigração se tornou insuportável para os povos da Europa

Os italianos seguem há muito tempo as sirenes da Europa globalista e seus lacaios. Os fatos prevaleceram. Como na França, a explosão da criminalidade e dos delitos, as ameaças culturais, o custo delirante da imigração, seus efeitos nocivos sobre a cultura e o modo de vida do país viraram a opinião pública de cabeça para baixo. Assim, um povo pode se levantar e rejeitar o destino que outros determinaram para ele, mesmo depois de anos de intensa imigração.

  1. O controle sobre a mídia não é mais suficiente

Os populistas italianos estão vencendo contra um sistema de mídia que tem estado encampado há décadas, particularmente pela mídia pública. Incansavelmente descrita como uma fascista mussoliniana incontrolável e perigosa, Giorgia Meloni revidou golpe por golpe e mandou os atacantes de volta para seus estudos. A propaganda europeia, generosamente financiada pelo povo, é impotente diante da criminalidade migratória e dos fracassos dos governos do sistema em prover segurança. O discurso inequívoco da mídia a favor do caldeirão cultural tem sido fustigado, varrido e denunciado pelas redes sociais e por algumas mídias populistas que conseguiram romper o cerco. Estes vão ser tempos difíceis para os pensadores do politicamente correto na Europa.

  1. A globalização e uma Europa federal não são fatalidades

Era, para os pastores euroglobalistas e suas ovelhas, o sentido da história. As nações pertenciam ao passado, quando os europeus declaravam guerra uns contra os outros, tornavam-se racistas e fechavam suas fronteiras. Com a sutileza com que os conhecemos, nossos grandes professores explicaram em todos os países que o passado era ruim, quando o futuro que eles desenhavam representava o bem. Um após outro, os povos descartam este clorofórmio ideológico. Hoje, a Itália está tomando de volta as rédeas de seu destino. Ontem, o Reino Unido expulsou a Europa supranacional de suas fronteiras. O que quer que nossa imprensa bem intencionada tenha dito e previsto, nossos vizinhos britânicos não viram os terríveis eventos cataclísmicos que os aguardavam. E mesmo o Partido Trabalhista não planeja mais retornar à Europa.

  1. O lobby globalista e europeu está mais fraco do que nunca

A onda que está quebrando sobre a Itália é apenas mais um tremor secundário do tsunami do retorno das nações que está afetando a Europa e mais além. De fato, a Itália está seguindo o exemplo da Hungria. Perseguido pela Europa de Bruxelas, Viktor Orbán está no poder desde 2010 sem interrupção. E ele não tem intenção de deixar, pois seu partido, Fidesz, ganhou 59% das cadeiras no parlamento nas eleições legislativas de abril de 2022. Na Polônia, o partido conservador Lei e Justiça (PiS) está no poder desde 2015. Em 2019, ganhou novamente 51% das cadeiras no parlamento polonês, a Dieta. Na Suécia, os democratas suecos acabam de ganhar, em meados de setembro, novamente em coalizão, em um programa para conter a imigração. Na Dinamarca, o partido anti-imigração tem 20% das cadeiras. Na Áustria, a FPÖ tem 17% dos assentos. Os patriotas estão em ascensão na França, onde a antiga Frente Nacional representa agora 15% das cadeiras dos deputados na Assembleia Nacional, em pé de igualdade com o partido espanhol Vox. Nos Estados Unidos, os conservadores, seguindo Trump, estão assumindo uma posição cada vez mais dura sobre a imigração descontrolada. Algo que preocupa nossos progressistas dominados pela maré crescente.

  1. Rumo a um duro conflito entre globalistas e patriotas

O voto italiano semeará o pânico nos corredores da Europa supranacional. Para os globalistas europeus (liderados por Emmanuel Macron), os resultados italianos são semelhantes a uma ameaça sistêmica. O medo irá impulsionar as posições. Mas as sanções que outrora eram ameaçadas contra o Reino Unido, agora aplicadas contra a Hungria de Orbán e a Polônia de Kaczynski, têm limites. É impossível sancionar metade dos países da Europa. O retorno das antigas nações coloca a Europa burocrática e antidemocrática contra a parede. O voto italiano ficará para a história como um marco na luta dos povos contra a ideologia globalista que tanto mal lhes fez.

Fonte: Boulevard Voltaire

Imagem padrão
Marc Baudriller

Jornalista.

Artigos: 12

Deixar uma resposta