“A Culpa é de Putin!”

Na ausência de reflexão e autocrítica, o Ocidente lança toda a culpa pela atual escalada mundial de tensões sobre Putin. De fato, Putin tem a sua responsabilidade. Afinal, anos atrás, ele cometeu o erro de confiar no Ocidente.

Se Vladimir Putin não existisse, ele teria que ser inventado. Pelo menos é o que pensam os líderes do regime oligárquico que governa o mundo ocidental através do medo, da mentira e da corrupção. Para atingir seus objetivos, eles têm que fabricar um inimigo e para isso precisam de um bode expiatório que suporte todo o peso de suas faltas. E a fabricação de informações é essencial para a fabricação do inimigo.

Assim, eles encontraram uma maneira fácil de limpar seu nome aos olhos de sua população, atribuindo sua própria estratégia de domínio mundial a este inimigo público, que se tornou o inimigo da humanidade.

Para explicar suas próprias violações dos direitos das pessoas, tudo o que eles têm que fazer é reclamar a todo momento: “A culpa é de Putin”! Esta é a chave do processo que, desde o fim da guerra mundial, levou a uma guerra fratricida na Ucrânia e à ruptura entre a Rússia e o Ocidente, cujas consequências são incalculáveis.

Dra. Angela e Sra. Merkel

Entretanto, não podemos descartar a responsabilidade da Rússia, dos russos e do próprio Vladimir Putin na evolução que levou a este desastre. Certamente não se trata de dar crédito a acusações que alimentam uma russofobia que a guerra na Ucrânia exacerbou ao estender a todos os russos um descrédito que antes tendia a opor Vladimir Putin e aos interesses da Rússia e dos russos. Agora é todo o povo russo, o próprio fato de ser russo, que é objeto de rejeição odiosa e desdenhosa.

Mas deve-se reconhecer que os russos, ao ratificarem as mudanças que levaram ao fim da Guerra Fria e ao realizar aquelas reformas autodestrutivas [dos anos 90], acabaram levando a essa “demonização” desejada pelos Estados Unidos e realizada com a ajuda de suas vítimas. Bêbados de arrogância e confiantes na vitória, os aprendizes de feiticeiro que tomaram as rédeas do Ocidente não percebem que estão pondo em perigo a paz e a segurança mundial. Mas eles nunca teriam tomado este caminho se a Rússia, depois de ter posto um fim à URSS, não os tivesse encorajado a tomá-lo.

General Desportes, um dos poucos observadores inteligentes, honestos e informados da vida política, apontou em uma recente entrevista uma das chaves, em sua opinião, para uma guerra que provavelmente só resultará em derrotados, lembrando as palavras de Vladimir Putin, que, quando perguntado pela Sra. Merkel qual foi seu maior erro, respondeu: “É ter confiado em você”.

A lição de Zinoviev sobre a “suprassociedade global”

Os russos têm todos os motivos para culpar seus antigos líderes por contribuírem ativamente para sua decadência. Mas, acostumados à passividade diante de seus governantes, eles não reagiram após sua recusa em pôr um fim à URSS no referendo organizado por Gorbachev e o deixaram letra morta. Foi somente depois de ter sofrido as consequências desta autodestruição nos sinistros anos 90 sob a presidência de Boris Iéltsin que eles endossaram a política de recuperação empreendida por Vladimir Putin.

Os resultados obtidos explicam a popularidade de Putin, mas, como ele mesmo reconheceu em sua resposta à Sra. Merkel, ele não está isento de responsabilidade pela cooptação de seu país a potências estrangeiras que, sem escrúpulos, praticam dois pesos e duas medidas.

Para entender melhor o jogo que está sendo jogado atualmente entre a Rússia e o Ocidente através da Ucrânia, é preciso voltar ao fim da Guerra Fria, marcada pela reunificação da Alemanha e a autodissolução da URSS por seu presidente Gorbachev. A morte de Gorbachev foi recebida com uma homenagem europeia silenciosa e um silêncio russo hostil, pois eles não o perdoaram por trair o Estado que ele estava encarregado de proteger.

Se Gorbachev teve o mérito de pôr um fim ao comunismo, ele destruiu o poder russo, construído pela União Soviética, na herança do império czarista. Na consciência coletiva russa, ele pisoteou uma história da qual ele era herdeiro. Esta concordância foi muito bem analisada por Alexander Zinoviev em seu livro sobre A Suprassociedade Global e a Rússia (L’Âge d’Homme, 1999). Em sua conclusão, Zinoviev escreveu:

“A traição gorbachev-ieltseniana é a maior traição da história da humanidade em termos de seus principais parâmetros, em termos da importância de seus participantes, em termos de seu grau de cálculo e premeditação, em termos de seu nível social, em termos de suas consequências para muitos países e povos, em termos de seu papel na evolução da humanidade. Portanto, se nós russos fomos roubados do direito de sermos os primeiros a descobrir um novo caminho, o caminho comunista, da evolução social da humanidade, devemos ao menos reconhecer que somos os campeões na esfera da traição”.

A não implementação dos acordos de Minsk

Na raiz desta traição está a síndrome ocidental e a miragem democrática. Na Rússia sob a avalanche, em 1998, Solzhenitsyn descreveu o colapso de seu país e a decadência de uma sociedade deixada para ser saqueada pelos bandidos no poder, em nome da democracia. Em seus relatórios, ele revelou o desespero de uma população que havia perdido a fé em seu futuro. Mas alguns ainda acreditavam na chegada de um homem providencial que salvaria a Rússia.

Quando Vladimir Putin tomou o poder e levou os oligarcas ao calcanhar, restaurando a soberania do Estado, ele se identificou com este salvador que estava restaurando a história e a memória da Rússia. E isto lança luz sobre o apoio de sua população em uma guerra que não diz seu nome e na qual o povo russo é chamado a sofrer em sua carne e alma.

É por isso que a russofobia, que associa os russos e seu presidente na mesma demonização, não está totalmente errada. Diante de uma cruzada que lembra aos russos de outras cruzadas que eles derrotaram através de seu heroísmo e autossacrifício, o povo está unido com seu czar. Mas há uma diferença entre guerras patrióticas e a intervenção em um país irmão.

E se chegou a isso, é porque Vladimir Putin estava equivocado tanto sobre uma Ucrânia que ele pensava ser amiga como sobre uma Europa que nunca quis cumprir os “Acordos de Minsk”, destinados a resolver pacificamente o conflito entre o governo de Kiev e as repúblicas separatistas. E se ele cometeu este erro, foi porque, apesar do que ele disse, ele continuou a confiar nos inimigos que tomou como parceiros em suas relações com o “Ocidente coletivo”.

Os perigos de uma guerra que não dirá seu nome até o final

Ao chamar esta ação de “operação especial”, Vladimir Putin estava sem dúvida ciente da impossibilidade de travar uma guerra, uma guerra real, uma guerra total, contra a Ucrânia, culpada de se alinhar com o Ocidente contra a Rússia.

Clausewitz havia advertido contra o perigo de fazer guerra sem querer, já que a guerra é apenas a continuação da política por outros meios. O exército russo, obrigado a fazer a guerra não para defender diretamente seu país, mas para atacar outro país, quaisquer que sejam as razões para fazê-lo, está agora vendo a verdade desta advertência. Entre uma paz vergonhosa e uma escalada nuclear, o dado está agora lançado e a Rússia, a Europa e o mundo enfrentam um futuro incerto. Os estrategistas da OTAN, que provocaram esta guerra para manter a existência da Organização do Tratado do Atlântico Norte, podem muito bem arrancar os dedos à dentada.

E não servirá de nada gritar “a culpa é de Putin” para se absolver de sua responsabilidade.

Fonte: Revue Éléments

Imagem padrão
Gérard Conio

Professor, editor, tradutor e escritor francês.

Artigos: 12

Deixar uma resposta