“Estamos à Beira da Guerra”

A análise das percepções dos principais analistas políticos e geopolíticos estadunidenses, como Huntington, Mearsheimer e Kissinger, permite ver precisamente como os EUA provocaram um conflito entre Rússia e Ucrânia que ameaça conduzir à Terceira Guerra Mundial.

Há um quarto de século, o professor John Joseph Mearsheimer[1] pensava que “entre a Ucrânia e a Rússia, a situação [estava] madura para que uma rivalidade de segurança acalorada irrompesse entre os dois países”[2]. Por outro lado, o teórico do chamado “realismo ofensivo”[3] argumentou, “grandes potências divididas por uma linha de fronteira muito ampla e desprotegida, como a que separa a Rússia da Ucrânia, muitas vezes entram em conflito movidas pelo medo por sua própria segurança”[4]. Segundo Mearsheimer, era improvável que estes dois países superassem tal dinâmica e estabelecessem relações de convivência harmoniosa; portanto, quando em 1994 a Ucrânia declarou sua disposição de renunciar ao armamento atômico e assinar o Tratado de Não Proliferação Nuclear, o cientista político norte-americano expressou sua desaprovação, acreditando que a Ucrânia, ao se privar do dissuasor nuclear, se exporia ao risco de agressão por parte da Rússia.

Samuel Huntington, que havia sido conselheiro da administração americana durante o tempo de Jimmy Carter, criticou Mearsheimer por ignorar completamente, por um lado, “os estreitos laços históricos, culturais e pessoais que unem a Rússia e a Ucrânia e o forte grau de assimilação mútua que existe entre as populações de ambos os países”[5] e, por outro lado, “a profunda divisão cultural que divide a Ucrânia Oriental ortodoxa e a Ucrânia Ocidental uniata, um fato histórico antigo e básico”[6]. Portanto, o teórico do “choque de civilizações”, ao julgar improvável a eclosão de uma guerra russo-ucraniana, enfatizou a possibilidade de a Ucrânia se dividir em duas, prefigurando “uma divisão que a presença de fatores culturais faria imaginar mais violenta que a checoslovaca, mas muito menos sangrenta que a iugoslava”[7]. Era, portanto, necessário, na opinião de Huntington, instar a Ucrânia a se desfazer de seu arsenal, promover “formas substanciais de assistência econômica e outras medidas destinadas a manter a unidade e a independência da Ucrânia, e patrocinar iniciativas especiais para lidar com uma possível cisão”[8] no país.

Mesmo deixando de lado teses discutíveis, como a que diz respeito às longas linhas de fronteira gerando frequentes confrontos[9], as posições expressas pelos dois estudiosos estavam ambas erradas por uma fraqueza básica, já que tanto Mearsheimer quanto Huntington ignoravam o fator preponderante e decisivo que mais cedo ou mais tarde levaria ao confronto entre a Rússia e a Ucrânia “independente”, ou seja, o histórico impulso expansionista dos EUA em direção ao coração do continente eurasiático. No entanto, em 1993, quando tanto o artigo mencionado de Mearsheimer como o artigo de Huntington[10], no qual a teoria do “choque de civilizações” foi originalmente formulada apareceu em “Foreign Affairs”, este impulso tinha se tornado mais evidente, já que eventos como o colapso da União Soviética (26 de dezembro de 1991), o fim ds Comecon (28 de junho de 1991) e a dissolução do Pacto de Varsóvia (1 de julho de 1991) já haviam ocorrido, assim como o fato de que em 1990, com a reunificação da Alemanha, um território anteriormente sob influência soviética, o da República Democrática Alemã, havia se tornado parte da OTAN. Mas já antes – pouco antes – desses eventos, em 2 de agosto de 1990, os Estados Unidos haviam promovido e liderado a agressão contra o Iraque conhecida como a “primeira Guerra do Golfo”; e pouco depois, em 17 de abril de 1992, entraram em Cabul os guerrilheiros da Aliança do Norte, financiados, armados e treinados pela CIA durante as administrações de Jimmy Carter e Ronald Reagan, que os descreveram como “combatentes da liberdade […] que defendem os princípios de independência e liberdade que formam a base da segurança e estabilidade global”[11].

O avanço ocidental em direção às fronteiras da Rússia estava em sua infância, mas não era difícil prever que, após destruir o Iraque e afastar o Afeganistão de Moscou, Washington tentaria transformar o pivô geopolítico ucraniano que, segundo as indicações de Zbigniew Brzezinski, era indispensável separar da Rússia, se quiséssemos evitar que este último “se tornasse um poderoso Estado imperial, estendido sobre a Europa e a Ásia”[12], no principal posto avançado antirrusso.

A aquisição da Ucrânia para o campo ocidental, ocorrida em 2014 com o golpe de Estado do Euromaidan, fez parte dos “alargamentos” da OTAN, que estenderam a hegemonia dos EUA a países que antes faziam parte da URSS ou do chamado “campo socialista”. O território da Alemanha Oriental e o exclave de Berlim Ocidental tinham aderido à OTAN em 3 de Outubro de 1990, com a reunificação da Alemanha; em 12 de Março de 1999, a Polônia, a República Tcheca e a Hungria tornaram-se membros da OTAN (quarto alargamento); em 29 de março de 2004, Estônia, Letônia, Lituânia, Eslováquia, Romênia, Bulgária e Eslovênia (quinta ampliação) foram incorporados à organização atlântica; em 4 de abril de 2009, Albânia e Croácia se tornaram membros (sexta ampliação); em 5 de junho de 2017, Montenegro se tornou membro (sétima ampliação); e finalmente, em 27 de março de 2020, Macedônia do Norte se tornou membro (oitava ampliação). Atualmente, mais quatro países estão programados para participar do Plano de Ação para Membros (MAP), que prepara a entrada real na organização; eles são Bósnia e Herzegovina, Suécia, Finlândia e Geórgia. Os dois últimos países fazem fronteira com a Federação Russa, enquanto a Suécia a fecha no Mar Báltico.

No final, Vladimir Putin foi forçado a cruzar o Rubicão. Diante da reação da Rússia, Henry Kissinger, agora com 100 anos de idade, disse em uma entrevista ao Wall Street Journal: “Eu pensava que a Polônia – todos os países ocidentais tradicionais que fizeram parte da história ocidental – eram membros lógicos da OTAN” [13]. Mas a Ucrânia, diz ele, era melhor não ser tocada e permitir que se tornasse um Estado tampão entre o Ocidente e a Rússia: “Eu era a favor da independência total da Ucrânia, mas achava que seu melhor papel era algo como a Finlândia”[14]. O balanço elaborado pelo ex-secretário de Estado é, portanto, falimentar e alarmante: “Estamos à beira de uma guerra com a Rússia e a China por questões que, em parte, nós criamos sem nenhuma ideia de como acabaria ou quais seriam as consequências”[15].

A mea culpa de Henry Kissinger vem somar-se à de John Mearsheimer, que em uma palestra dada em 16 de junho de 2022 no Instituto Universitário Europeu (EUI) em Florença disse textualmente: “A trágica verdade é que se o Ocidente não tivesse tentado expandir a OTAN para a Ucrânia, é improvável que uma guerra tivesse deflagrado na Ucrânia hoje e a Crimeia ainda faria parte da Ucrânia. De fato, Washington desempenhou um papel central em conduzir a Ucrânia pelo caminho da destruição. A história condenará severamente os Estados Unidos e seus aliados por sua política incrivelmente estúpida em relação à Ucrânia”[16]. É claro que hoje seria mais difícil do que há vinte e cinco anos atribuir o conflito russo-ucraniano aos 1.576 quilômetros da linha de fronteira que liga os dois países…

Notas

[1] Autor em 2007, com Stephen M. Walt, de The Israel Lobby e U.S. Política estrangeira;
[2] John J. Mearsheimer, The Case for a Nuclear Deterrent, in Foreign Affairs, 72, verão de 1993, p. 54.
[3] O termo “realismo ofensivo”, cunhado pelo próprio Mearsheimer em 1995, é baseado na ideia de que um sistema internacional anárquico força os estados a levar seu poder ao limite para sobreviver.
[4] John J. Mearsheimer, The Case for a Nuclear Deterrent, cit., Ibidem.
[5] Samuel P. Huntington, Lo scontro delle civiltà e il nuovo ordine mondiale, Garzanti, Milano 2000, p. 38.
[6] Samuel P. Huntington, Lo scontro delle civiltà, cit., pp. 38-39.
[7] Samuel P. Huntington, Lo scontro delle civiltà, cit., p. 39.
[8] Samuel P. Huntington, Lo scontro delle civiltà, cit., ibidem.
[9] A fronteira entre os Estados Unidos e o Canadá, a mais longa do mundo, mede aproximadamente 9.000 quilômetros; no entanto, não parece que os dois estados “com frequência entrem em conflito um com o outro”. Uma observação semelhante poderia ser feita em relação à Rússia e à China, separadas por uma fronteira de 4.250 quilômetros.
[10] Samuel P. Huntington, The Clash of Civilizations?, “Foreign Affairs”, 72, Verão de 1993. Este artigo foi uma resposta ao livro The End of History and the Last Man, publicado em 1992 por Francis Fukuyama, um aluno de Huntington.
[11] Mensagem sobre a observância do Dia do Afeganistão, reagan.utexas.edu, 21 de março de 1983.
[12] Zbigniew Brzezinski, The Grand Chessboard. American Primacy and Its Geostrategic Imperatives, Basic Books, New York 1997, p. 46.
[13] “I thought that Poland – all the traditional Western countries that have been part of Western history – were logical members of NATO” (Henry Kissinger Is Worried About ‘Disequilibrium’, “The Wall Street Journal”, https://www.wsj.com, 12 agosto 2022.
[14] “I was in favor of the full independence of Ukraine, but I thought its best role was something like Finland” (Ibidem).
[15] “We are at the edge of war with Russia and China on issues which we partly created, without any concept of how this is going to end or what it’s supposed to lead to” (Ibidem).
[16] “The tragic truth is that if the West had not sought to expand NATO into Ukraine, it is unlikely that a war would have raged in Ukraine today, and Crimea would most likely still be part of Ukraine. In fact, Washington has played a central role in leading Ukraine down the path of destruction. History will severely condemn the United States and its allies for their strikingly stupid policy towards Ukraine” (John J. Mearsheimer, History will judge the United States and its allies, southfront.org, agosto 2022.

Fonte: Eurasia Rivista

Imagem padrão
Claudio Mutti

Filólogo, estudioso do tradicionalismo e diretor da revista Eurasia, Rivista di Studi Geopolitici.

Artigos: 6

Deixar uma resposta