Recordando Kafr Kassem: O Massacre de Civis Árabes pelas Forças Israelenses em 1956 e o Projeto de Limpeza Étnica de Israel

Recentemente o governo de Israel liberou arquivos dos anos 50 que expõem a realidade sobre o Massacre de Kafr Kassem, quando policiais israelenses massacraram 50 camponeses árabes-palestinos. Os arquivos revelam que o massacre era parte de um plano mais amplo de limpeza étnica de amplas regiões do território palestino ocupado pela entidade sionista.

Em 29 de julho de 2022, o sistema de justiça militar israelense tomou uma decisão que surpreendeu muitos observadores em Israel: revogou a censura em parte das transcrições do julgamento de 1957 contra 11 membros da polícia de fronteira (Magav) acusados de assassinar cerca de 50 árabes israelenses no ano anterior na aldeia de Kafr Kassem. Até então, o exército israelense alegava que a censura era necessária porque, argumentava, a liberação dos documentos prejudicaria a segurança do Estado, suas relações com entidades estrangeiras, e a privacidade e o bem-estar de vários indivíduos. Mas a tenacidade de Adam Raz, um jovem historiador do Instituto Akevot de Pesquisa sobre Conflitos Israelo-Palestinianos (e que revelou o massacre de Tantura), finalmente prevaleceu, cinco anos depois de ter lançado sua petição para derrubar a censura.

A guerra contra o Egito de Nasser

Do que se trata? Um caso terrível de fato. Em 29 de outubro de 1956, o jovem Estado de Israel empreendeu uma guerra contra o Egito do Coronel Gamal Abdel Nasser ao lado do Reino Unido e da França em resposta à nacionalização do Canal de Suez. De acordo com o plano acordado com Londres e Paris, o Estado hebraico iniciou a conquista do Sinai naquela manhã. Os líderes civis e militares israelenses temiam que a Jordânia, a leste, se sentisse obrigada a apoiar militarmente o Egito e decidiram reforçar a vigilância da “Linha Verde”, a demarcação que data do cessar-fogo de 1949 entre o Estado de Israel e o Reino da Jordânia. Aproveitando a derrota dos exércitos árabes, a Jordânia havia de fato anexado a Cisjordânia e Jerusalém Oriental após a independência de Israel. Quanto aos palestinos que permaneceram no novo Estado, comumente chamados de “árabes israelenses”, foram considerados uma minoria desleal ao Estado e foram submetidos a um regime militar na época (que só foi levantado em 1966).

Neste contexto de guerra em 1956, um toque de recolher foi imposto à noite, especialmente na área chamada “Triângulo” (as aldeias árabes israelenses ao longo da Linha Verde, no centro do país). Uma medida muito severa: qualquer pessoa que a violasse corria o risco de ser baleada imediatamente.

Em 29 de outubro, o comandante militar da área, coronel Issachar “Yiska” Shadmi, decide antecipar o toque de recolher em três horas e avisa o mukhtar (prefeito) de Kafr Kassem às 16h30min, meia hora antes da implementação da medida coercitiva. O prefeito local argumenta que cerca de 400 aldeões estão no campo, às vezes longe, e não poderão, portanto, descobrir a mudança a tempo, mas Shadmi não se importa. E quando dezenas de aldeões, mais da metade deles mulheres e crianças, chegam perto de suas casas depois das 17h, são recebidos sem aviso prévio por uma salva de tiros. Entre 47 e 53 pessoas, dependendo da fonte, foram mortas a sangue frio.

Condenados rapidamente liberados

Estes fatos, como aqui afirmado, não são contestados de forma alguma em Israel onde, apesar da censura militar imediata, eles começaram a se tornar conhecidos nos meses seguintes. Tanto que em 1957 o governo teve que trazer onze “subalternos”, incluindo os líderes do esquadrão, à justiça. No final de um julgamento, grande parte do qual foi realizado à porta fechada, oito condenados foram condenados a longas penas de prisão (até 17 anos), mas todos os condenados foram indultados e libertados em novembro de 1959.

Durante a parte pública do processo na época, o Juiz Benjamin Halevy inventou um conceito que se tornaria um precedente, o de “ordem manifestamente ilegal”. O importante aqui”, escreveu ele, “não é a ilegalidade formal, obscura ou parcialmente obscura, não é a ilegalidade que pode ser discernida apenas por advogados, mas sim a clara e óbvia violação da lei… Ilegalidade que fura o olho e revolta o coração, se o olho não for cego e o coração não for impenetrável ou corrompido – esta é a medida de ilegalidade manifesta necessária para anular o dever de obediência do soldado e impor responsabilidade criminal por sua ação. “

Um segundo julgamento foi realizado em 1958 e dizia respeito apenas a Yiska Shadmi, que não havia sido indiciado no ano anterior. A “ordem manifestamente ilegal” já estava para vir há muito tempo. O coronel que havia dado a ordem de atirar nos aldeões foi liberado da presunção de assassinato, “não provado”, e condenado por “excesso de autoridade” (por antecipar o toque de recolher) a uma multa de 10 prutot, ou um centavo da moeda local. Este veredicto permanecerá gravado nas memórias palestinas como um símbolo amargo do valor de uma vida árabe aos olhos dos israelenses.

Mas o Estado de Israel tentou acima de tudo fazer as pessoas esquecerem o massacre de Kafr Kassem. Foi somente em 1997 que um presidente israelense, Shimon Peres, veio ao local, lamentando “um incidente muito difícil [que] aconteceu aqui no passado, pelo qual lamentamos muito”. Mais tarde, em 2014, também em Kafr Kassem, o Presidente Reuven Rivlin chamou o massacre de “um assassinato criminoso, um massacre atroz e um crime doloroso”, enquanto em 2021 o atual Presidente Yitzhak Herzog também visitou a aldeia mártir para participar de uma cerimônia em memória das vítimas de 1956. “Peço perdão em meu nome e em nome do Estado de Israel”, declarou enfaticamente.

A “Toupeira”, o plano secreto

Mas o caso Kafr Kassem, assim resumido, carece de uma parte que há muito tempo tem sido mantida em silêncio. Foi o jornalista israelense Ruvik Rosenthal que, em um artigo no jornal Hadashot em 1991, depois em um livro em hebraico publicado em 2000, trouxe à luz a operação “Haferperet” (Toupeira), que deveria ser aplicada aos árabes israelenses da área, se necessário, durante os eventos de 1956. “A ideia deste plano”, explicou o historiador Tom Segev na Haaretz em 31 de julho de 2022, “era explorar uma futura guerra com a Jordânia para evacuar as aldeias árabes do Triângulo. Parte da população fugiria para a Jordânia, enquanto outros seriam enviados para campos de detenção em Israel.

Mas é outro historiador israelense já mencionado, Adam Raz, que vem lutando há muitos anos para provar a ligação intrínseca que existe, segundo ele, entre a planejada, mas finalmente cancelada, Operação Toupeira e o massacre de Kafr Kassem. A confissão edificante do Coronel Issachar Shadmi, notavelmente retransmitida por um longo artigo da Ofer Aderet em Haaretz em 13 de outubro de 2018, reforçou o historiador em sua tese. Aderet e Raz haviam encontrado Shadmi em 2017 em sua casa, um ano antes de sua morte. Apesar de ter 96 anos de idade, ele havia conservado sua saúde e lucidez.

Depois de sua quase absolvição em 1958, Aderet relata: “Shadmi celebrou sua ‘vitória’ com o Primeiro Ministro Ben Gurion, que descreveu em seu próprio diário como ‘bebemos à sua exoneração’. Uma festa foi realizada em Sdot Yam na presença do Chefe de Gabinete Haim Laskov e de outros generais. No entanto, em retrospectiva, Shadmi disse a Adam Raz e a mim que as expressões de alegria eram principalmente para consumo público; ele não ficou nada surpreso com o veredicto que havia recebido. Ele nos disse que o resultado do julgamento, que ele descreveu como uma ‘peça de teatro’ e um ‘show trial’, estava combinado desde o início”.

O ex-coronel disse a seus interlocutores que compreendia que havia se tornado ator de um grande espetáculo. “Por trás de suas palavras”, acrescenta Aderet, “estava a crítica mais séria de Shadmi, que seu advogado Yaacov Salomon, como emissário de Ben Gurion, tentou usá-lo como um meio de distanciar os altos comandantes do exército e o escalão político do massacre de Kafr Kassem – como uma espécie de saco de pancada para ser julgado em seu lugar e para impedir a acusação de outros”.

Pois, na realidade, Shadmi negociou de certa forma com o Estado de Israel uma sentença irrisória em troca de seu silêncio em relação às ordens que recebeu, ou seja, acima de tudo, o infame “plano Toupeira”. Adam Raz, por sua vez, incrimina a cúpula do Estado israelense sem pestanejar: “Ben Gurion procurou uma apólice de seguro que lhe permitisse apontar Shadmi como aquele que deu a ordem, e parar aí… Shadmi seria processado porque Ben Gurion e seus colegas tinham que provar ao público e ao establishment político que a cadeia de comando não ia além do comandante da brigada. E no final, como observado, [Shadmi] também foi exonerado”. E até mesmo devidamente compensado: “Tornei-me um grande empreiteiro do Ministério da Defesa”, confidenciou a seus entrevistadores.

“Ordens que instavam à expulsão dos aldeões”

Em resumo, o Plano Toupeira deveria permanecer enterrado no subsolo. Mas mais de meio século depois, Adam Raz está procurando liberá-lo, embora o texto possa permanecer escondido em algum lugar nos arquivos do exército israelense. O testemunho instrutivo de Shadmi publicado em 2018 acaba de ser assim corroborado pela ata – tornada pública em 29 de julho de 2022 – do julgamento dos onze membros da Polícia de Fronteira julgados em 1957. Raz já dizia isto em 2018: “O massacre não foi realizado por um grupo de soldados que estavam fora de controle, como foi afirmado até hoje. Do ponto de vista deles, eles estavam seguindo ordens que, em essência, conduziriam à expulsão dos aldeões. As revelações do julgamento são consistentes com isto, e de fato o Plano Toupeira foi mencionado várias vezes; os soldados no local haviam sido informados.

Assim, de acordo com Chaim Levy, que comandava a companhia sul da polícia de fronteira que supervisionava Kafr Kassem, a ordem para expulsar os árabes não foi escrita, mas verbal. “O comandante da companhia disse que o lado oriental [da Cisjordânia e Jordânia] deveria estar aberto. Quando quiserem partir, eles vão […] Entendi que não seria uma grande calamidade se eles aproveitassem a oportunidade para partir”. “A tendência”, disse outro soldado citado pelo Le Monde, “era de deixar alguns mortos em cada aldeia para que no dia seguinte, quando as fronteiras fossem abertas, os árabes se dividissem em dois grupos: os que fugiram e os que ficaram. Estes últimos se comportariam então como ovelhas inocentes”.

Comentando o caso no Haaretz após as últimas revelações, o historiador Tom Segev tinha isto a dizer: “A ligação exata entre o Plano Toupeira e o massacre não é importante. O que importa é que ambos estavam imbuídos do mesmo espírito. As pessoas que assassinaram esses aldeões não agiram com a impassibilidade de um soldado seguindo ordens. Eles acreditavam que estavam fazendo algo que precisava ser feito, na mente de seus comandantes. As atas mostram isso, e esse é o seu principal significado”.

“O que dissemos desde o primeiro dia…”

Em 29 de julho de 2022, a deputada palestina israelense da Lista Conjunta Aida Touma-Sliman reagiu à publicação tardia dos protocolos: “Hoje, o que dissemos desde o primeiro dia foi revelado: o chocante massacre de Kafr Kassem em 1956 foi um assassinato deliberado, parte de um plano para deportar os residentes do Triângulo! Os protocolos publicados provam que Israel não só assassinou 50 cidadãos árabes a sangue frio, mas também planejava o ‘estabelecimento de locais fechados’ e a ‘transferência de populações’, não só em 1948, mas também sob o regime militar dos anos 50”.

Limpeza étnica, campos de concentração, transferência de população: estas noções têm assombrado a população palestina de Israel desde a origem do Estado. O massacre de Kafr Kassem é apenas um dos marcos mais hediondos de sua história. E a rejeição repetida do parlamento israelense ao reconhecimento oficial do Estado sobre a tragédia alimenta seu ressentimento. A última tentativa deu origem a uma contagem edificante: em 26 de outubro de 2021, apenas doze deputados (incluindo onze árabes) votaram a favor de um projeto de lei para recordar o massacre , e 93 o rejeitaram.

Imagem padrão
Baudouin Loos

Jornalista belga.

Artigos: 6

Deixar uma resposta